Dê a ela “fardos espaciais” sobre o Código de Direito Canônico a Bento XVI apontado como um grande latinista que não pode errar

DÊ A ELA “FARDOS ESPACIAIS” SOBRE O CÓDIGO DE DIREITO CANÔNICO BENTO XVI É INDICADO COMO UM GRANDE LATINISTA QUE NÃO PODE COMETER ERROS

Se as teorias de certos círculos de conspiração fossem verdadeiras, seremos confrontados com um vil mentiroso de tal magnitude que depois de sua morte o caixão de Bento XVI mereceria ser jogado no Tibre em vez de enterrado nas Grutas do Vaticano ao lado da maioria de seus Supremos Predecessores.

- Notícias da Igreja -

Autor
Ariel S. Levi di Gualdo.

.

artigo em formato de impressão PDF

 

.

.

Bento XVI anuncia seu ato de renúncia. Vídeo com tradução em italiano (clique na imagem para abrir o vídeo)

Eu nunca usaria esta revista do que no final do ano corrente 2022 está prestes a atingir mais de vinte milhões de visitas totalizadas em 11 meses ― e ainda falta o mês de dezembro ― para dar visibilidade a sujeitos que vociferam «… estes nossos números fazem-nos tremer!», tudo na frente de alguns milhares de pessoas ouvindo um vídeo delirante no YouTube para rir das bobagens enunciadas por algum lunático. Se você fez, além de prejudicar a seriedade do trabalho que desenvolvemos desde 2014 Eu seria desrespeitoso com meus colegas teólogos e editores, que considero tão precioso quanto as pupilas dos meus olhos.

.

Como é conhecido para mim mídia social sujeitos que construíram seus próprios enlouquecem “gueto telemático” afirmando a grupos de devassos - ou pior demonstrando irrefutavelmente, a eles para dizer - que o ato de renúncia do Sumo Pontífice Bento XVI é inválido por falta de forma e que, portanto, ele não teria feito um ato formal e válido de renúncia, não tendo cumprido o ditado do Código de Direito Canônico que lê:

.

«No caso de o Romano Pontífice renunciar ao seu cargo, é necessário para a validade que a renúncia seja feita livre e devidamente manifestada, em vez disso, não é necessário que alguém o aceite" [cf.. cânone 332 §2].

.

Os personagens exóticos em questão eles sempre evitam ler todo o texto deste cânone que se encaixa integral e inseparavelmente nos cânones 330-367 dedicado à «Suprema Autoridade da Igreja». Não somente, eles fazem pior: eles só mencionam duas palavras: "devidamente manifestado". Então, para atingir o exército de analfabetos funcionais e analfabetos digitais que acreditam em suas tolices como os camponeses do campo acreditaram nas incríveis relíquias exibidas pelo Boccaccio Frei Cipolla [cf.. WHO], eles se pronunciam como um abracadabra as mesmas duas palavras em latim para produzir um efeito misterioso: «devidamente manifestado». Eles seguem todas as suas teorias comparáveis ​​ao filme de comédia de ficção científica bolas espaciais em que confundem os conceitos de com ignorância crassa Presente e ministério legalmente e teologicamente, trazendo códigos a serem decifrados com os quais Bento XVI falaria enigmaticamente através … anfibologia (!?). Nosso irmão florentino Simone Pifizzi traria à tona a própria saga toscana Meus amigos: «A supercazzola prematura com descamação certa». Supercazzola ao qual nosso teólogo dominicano Gabriele Giordano M. Scardocci dedicou vários artigos para explicar que esse termo foi retirado da linguagem filosófica atual para definir uma afirmação totalmente desprovida de racionalidade e sentido lógico [cf.. WHO].

.

A ignorância crassa dos manipuladores das leis eclesiásticas sempre jogou com o conceito de Presente e ministério: «… e por que Bento XVI renunciou ao ministério e não em Presente?». Portanto, «… isso torna sua renúncia inválida.". E assim, um exército de frágeis analfabetos funcionais e digitais, assumindo o papel de papagaios falantes, eles começam a reclamar mídia social: «Bento XVI não renunciou ao Presente», a menos que você saiba o que são, dizer e se comportar Presente e ministério. Depois disso, eles se tornam semeadores de confusão e, acima de tudo, de ódio contra a "falsa igreja anticristo do usurpador antipapa Bergoglio, emissário de Satanás". Tentamos explicar tudo da forma mais simples possível: a Presente E uma “presente recebido” vindo de Sacramento, a ministério é antes o exercício deste ministério ligado ao Presente, ou seja, o Sacramento. Exemplo: com o Sacramento da Ordem recebi a “Presente“, ou melhor eu três presentes (três “dar”) que consiste em: ensinar, santificar e conduzir/governar o Povo de Deus. Estes três presentes são então realizados através do ministério, que é o exercício do sagrado ministério sacerdotal. Agora preste atenção: por vários motivos e motivos relacionados a problemas graves de saúde ou problemas pessoais igualmente graves, Eu poderia pedir para abrir mão do exercício do ministério. Também poderia pedir para ser dispensado de todos os deveres e obrigações que o ministério sacerdotal implica e que a Igreja me concedesse até a dispensa canônica das obrigações do celibato, permitindo-me casar e constituir família. Mas eu nunca poderia pedir para desistir do Presente, porque seria como pedir para cancelar o sacramento da Ordem, impossível, porque o Sacramento é indelével e indelével. Não somente, o Sacramento me deu um novo caráter que me transformou ontologicamente, que continuaria a existir mesmo se eu fosse dispensado de todos os deveres e obrigações decorrentes da ministério.

.

Outra coisa em vez do papado, que não é nem o oitavo sacramento nem o grau máximo do sacramento da Ordem, dividido internamente em três graus: diaconato, presbitério, episcopado. O ofício do Sucessor de Pedro não é conferido por via sacramental, mas por via puramente jurídica. Não é por acaso que o Romano Pontífice não recebe uma consagração sacramental, ele vem “entronizado”, ou como dizem hoje “começa o ministério petrino”. Se no momento da sua eleição o eleito não estava investido do caráter episcopal, neste caso deve ser consagrado bispo:

.

“O Romano Pontífice obtém o poder pleno e supremo sobre a Igreja por eleição legítima, aceito por ele, juntamente com a consagração episcopal" [cf.. canone 332 – §1].

.

A transmissão da sucessão petrina é, portanto, exclusivamente jurídico e, portanto, confere ao plano jurídico, não sacramental, a ministério da plenitude da jurisdição suprema sobre a Igreja universal. O Bispo de Roma é o Sucessor de Pedro e só o Sucessor de Pedro pode ser Bispo de Roma. Portanto, se o Romano Pontífice fizer um ato de renúncia, neste caso, ele renunciará ao ministério recebido legalmente, mas continuará a permanecer nele Presente episcopal recebida pela via sacramental. A renúncia ao ofício petrino, isso quer dizer ministério, implica a perda da jurisdição pontifícia que foi conferida por meios jurídicos e que pode ser renunciada por meios jurídicos. Também por esta razão seria muito problemático definir um papa renunciante como "Bispo emérito de Roma"., não poder candidatar-se à cadeira petrina, precisamente pela sua particularidade, os princípios dos eméritos dos bispos diocesanos, porque como mencionado acima: o Bispo de Roma é o Sucessor de Pedro e só o Sucessor de Pedro pode ser Bispo de Roma. Mas este seria um outro discurso que não pode ser tratado aqui agora.

.

Vamos esclarecer melhor como certos assuntos fazer uma enorme confusão ao afirmar de forma absurda e obtusa que Bento XVI teria renunciado ao cargo de Romano Pontífice (ministério) mas não para ser Romano Pontífice (Presente). Entre os vários documentos citados indevidamente para sustentar suas absurdas teses está Lúmen gentios. Também neste caso é bom esclarecer: neste documento do Concílio Vaticano II [cf.. Capítulo III] sim, é feita uma distinção entre Presente e exercício de Potestas, mas referiu-se ao exercício do ministério episcopal baseado na dupla transmissão do poder, que é sacramental em relação às ordens sagradas e à consagração episcopal apoiada em Presente, de natureza jurídica no que diz respeito, ao contrário, à missão canônica conferida ao episcopal, ou seja, o ministério Entendido como Potestas. É nessa distinção entre Potestas ordem e Potestas jurisdição que foi instituída pelo Santo Pontífice Paulo VI a figura do bispo emérito que veio 75 anos renunciou ao governo da diocese que lhe foi confiado, perdendo assim o Potestas jurisdição, mas sempre mantendo o Presente ministério episcopal transmitido a ele sacramentalmente através da atribuição da plenitude do sacerdócio apostólico. Tudo como prova de como certos personagens manipulam documentos da Igreja e extraem o que não está escrito neles. A novidade introduzida por Bento XVI consiste no título e na status de "papa emérito" criado por ele de forma feliz ou infeliz, com resultados que só a história pode avaliar, assumindo este título da mesma forma que o assumem os bispos diocesanos que renunciam ao ministério adquiridos legalmente, mas mantendo o Presente adquirido sacramentalmente. Como já explicado acima, se Bento XVI tivesse assumido o título de "Bispo emérito de Roma" teria sido bastante problemático a nível jurídico e teológico.

.

Tendo esclarecido tudo, Espero que pelo menos algumas pessoas, entre os vários analfabetos funcionais e digitais que de forma superficial e totalmente acrítica têm seguido certos charlatães, pode entender como e até que ponto esses perigosos manipuladores e falsificadores os estão arrastando para o mundo do irracional para propósitos que são tudo menos limpos, porque nos deparamos com pessoas que mentem sabendo que estão mentindo, não antes de sujeitos afetados por simples ignorância inevitável ou invencível. Estamos diante de sujeitos perigosos que se aprisionaram em mentiras que devem apoiar e manter de pé em todos os sentidos, mesmo negando a realidade mais lógica e óbvia dos fatos.

.

Antes de comentar com rigor científico certos cânones usados ​​e abusados ​​pelo que eles não contêm dentro deles, é necessário esclarecer que as leis eclesiásticas são leis humanas baseadas na Revelação, obviamente é. Mas são e permanecem leis humanas criadas pelos homens para dar ordem jurídica e administrativa à Igreja entendida como sociedades. O Direito Canônico não é um dogma de fé e não é o fundamento do depósito da fé católica. Portanto, insistir que Bento XVI não fez um ato válido porque sua renúncia não teria sido "devidamente manifestada" (devidamente manifestado), é uma idiotice objetiva e flagrante. Bastaria ler bem o cânone 332 que recita:

.

«O Bispo da Igreja de Roma, em que permanece o ofício concedido pelo Senhor individualmente a Pedro, primeiro dos apóstolos, e que deve ser repassado aos seus sucessores, ele é o chefe do Colégio dos Bispos, Vigário de Cristo e Pastor aqui na terra da Igreja universal; ele, portanto, sob seu escritório, tem poder ordinário supremo, leite, imediato e universal na Igreja, poder que sempre pode exercer livremente".

.

Deve ser lido a seguir a canone 333 §3 que é a continuação lógico-jurídica da anterior e que se lê:

.

"Não há apelação ou recurso contra a sentença ou decreto do Romano Pontífice".

.

Este cânon deixa claro que o Romano Pontífice não está sujeito à lei humana porque está acima de qualquer lei humana, isso por um simples fato: porque ele é o legislador supremo [cf.. canone 331]. Pré-requisito lógico-jurídico, esta, que precede o Cânone 332 manipulado e depois transformado em burro de carga por certos lunáticos, que é então seguido, com o mesmo critério lógico-jurídico, o referido cânone 333. Um sistema legal em sua totalidade segue uma ordem lógica e coerente baseada em princípios de lógica e não contradição, apenas mentes mesquinhas podem extrapolar e manipular um fragmento para fazer as leis canônicas dizerem algo que contradiz sua própria espinha dorsal.

.

As mentes confusas que realizam tais teorias semeando confusão e perplexidade no simples e no frágil, eles estão confundindo o Romano Pontífice com o Presidente de uma república democrática ou com o Soberano de uma monarquia constitucional, que, além de depositários e garantes da Lei, são os primeiros a ela submetidos. No entanto, este não é exatamente o caso do Romano Pontífice, que com o uso de um termo político impróprio poderíamos definir o maior monarca absoluto do mundo, porque a autoridade e o poder que recebeu por meio do ministério vem a ele de Deus e somente por Deus pode ser julgado, visto que não há autoridade humana superior a ele no mundo que possa fazê-lo. O Romano Pontífice não pode nem mesmo ser julgado pelas próprias leis canônicas porque está acima delas, sendo ele o legislador supremo, nem o Código de Direito Canônico prevê e regula o exercício daquela instituição que nos sistemas jurídicos regidos pelo Lei comum é definido como impugnação, enquanto nosso ordenamento jurídico italiano prevê no art.. 90 da Constituição da República Italiana, a acusação do Chefe de Estado por alta traição ou ataque à Constituição. um chefe de estado, que é fiador e guardião das leis, e ao qual ele está sujeito antes de tudo, ele não pode revogá-los ou modificá-los por sua própria iniciativa, porque cabe ao Parlamento fazê-lo, o Romano Pontífice, no exercício de seus poderes, pode fazê-lo:

.

«[...] ele tem o direito de determinar, de acordo com as necessidades da Igreja, o caminho, tanto pessoal como colegial, para exercer este ofício" [cf.. canone 333 §2].

.

Se o Romano Pontífice quis amanhã de manhã poderia se levantar e substituir di motu proprio todos os royalties que ele quer com os outros, sem ter que prestar contas a ninguém ou ser de qualquer forma obrigado a fornecer explicações, menos de todas as justificativas. Nenhum Chefe de Estado jamais poderia dizer a um tribunal para suspender o julgamento de um acusado e ordenar o encerramento imediato do julgamento., o Romano Pontífice sim, ele poderia fazê-lo com qualquer tribunal eclesiástico, mesmo sem ter que explicar a ninguém. Então isso não funciona, é outro assunto, no entanto, poderia fazê-lo de forma completamente legítima e, acima de tudo, indiscutível e inquestionável. Bastaria apenas acrescentar que ele poderia até rejeitar uma proposta feita por um concílio ecumênico unânime, porque o próprio conselho, expressão máxima da autoridade e colegialidade dos Bispos da Igreja, ele não tem autoridade superior à do Romano Pontífice. No entanto, devemos ver a semeadura da confusão por sujeitos trágicos e ridículos que insistem em confundir o simples questionando seu ato válido de renúncia, porque segundo eles, Bento XVI não teria recitado uma pequena fórmula perfeita, ou porque ele cometeu alguns erros de gramática latina em seu declaração. Pois saiba-se que por si só bastaria que a renúncia fosse feita pelo menos na frente de duas testemunhas, por escrito ou oralmente, de acordo com as disposições do Cânon 189, § 1. Quanto à de Bento XVI, a renúncia foi feita publicamente no Consistório dos Cardeais convocado por ele em 11 de fevereiro 2013. Nós realmente queremos continuar jogando e tentando passar o absurdo estratosférico sobre a fórmula como crível., ou pior no fato de que "mesmo que ele tivesse feito um ato de renúncia livre, não seria válido em nenhum caso"? É realmente humilhante e degradante ter que explicar coisas tão óbvias para quem não quer entender a priori, mas para a salvação das almas, a humilhação intelectual é bem-vinda, o que por si só implica responder ao disparate de idiotas eméritos que, como tais, não mereceriam uma resposta de qualquer pessoa educada com cultura legal e teológica.

.

Sui mídia social eles ficam loucos porém esses sujeitos que se apegam à palavrinha da "livre renúncia" se desprendem de seus pluricitados canone 332, afirmam com inquietante leveza que «Bento XVI não era livre» mas que «foi forçado a desistir» (!?) Vamos esclarecer: para declarar e demonstrar tal coisa, os autores de tal afirmação demente precisariam ter o poder de ler a consciência mais íntima e profunda do pontífice renunciante. E aqui passamos do direito canônico à teologia dogmática. Só Deus pode perscrutar e ler as esferas mais profundas e íntimas da consciência humana:

.

“A consciência é o núcleo mais secreto e santuário do homem, Lá, ele encontra a sós com Deus, cuja voz ressoa no seu íntimo " [cf.. Concílio Vaticano II, Custo. passado. A alegria e esperança, 16: AAS 58 (1966) 1037].

.

Também neste caso a resposta é logo dada, porque um desses súditos não hesita em afirmar que foi Nossa Senhora quem lhe revelou o que estava contido na consciência de Bento XVI, que supostamente lhe confiou a missão de lutar contra "a falsa igreja e o falso papa usurpador". (!?).

.

Porém, sabe-se o quanto a idiotice dá prazer em si mesma: «… já que Bento XVI não pode declarar que foi forçado a renunciar, então ele transmite mensagens em código enigmático após ter se auto-exilado em um local impedido».

.

Como mencionado anteriormente: você nem imagina como é humilhante para um presbítero e um teólogo ter que escrever sobre certos tópicos para responder a tal absurdo. Mas eu repito: diante das almas que nos foram confiadas empurradas por outros para o grave erro, o bom pastor no cuidado das almas também aceita a humilhação intelectual, que de todos também poderia ser um dos piores. Então, se formos ler o royalties 412-415 em que se expõem casos e situações que determinam a sede episcopal impedida, qualquer um deve entender instantaneamente que não pode apelar no caso de Bento XVI, exceto a distorção total e manipulações grotescas do que está incluído nesses cânones. Aliás, lembro que a lei é interpretada, não é manipulado. A manipulação e distorção de textos não tem nada a ver com interpretação, mesmo com o chamado extenso. Recordamos, aliás, que a Lei pode ser interpretada ou aplicada de forma restritiva ou extensiva.

.

Outro ponto a insistir é que «em declaração da renúncia há erros formais que a invalidam em qualquer caso, independentemente de Bento XVI também ter feito um ato de renúncia livre". E com esta afirmação declara-se e repete-se publicamente - como já há algum tempo faz um personagem obscuro - que a forma é superior à intenção substancial. Assim, a mera forma é elevada acima da vontade e do consentimento deliberado. Uma idiotice flagrante! Qualquer pessoa que tenha um único vislumbre de razão deve entender instantaneamente que estamos lidando com expressões que variam entre a loucura e a magia., onde o que só importa não é a vontade substancial, mas a pronúncia formal correta de uma “fórmula mágica”. Porque certos assuntos chegam a isso: à magia das fórmulas.

.

Vamos para o último ponto: os erros de latim. Esses sujeitos afirmam que tornar a renúncia irrefutavelmente inválida seria «a presença de numerosos erros de sintaxe latina, porque o declaração deve ser “devidamente manifestado”» (devidamente manifestado) de acordo com o cânone pluricitado 332. Depois de afirmar isso, continuam dizendo que «Bento XVI sempre foi um bom e grande latinista e que como tal e como tal não poderia cometer esses erros, alguns até grosseiros. Se, porém, o fez, foi para invalidar deliberadamente a renúncia e retirar-se para local impedido". Nós refletimos: se Bento XVI tivesse feito tal coisa estaríamos enfrentando o Sumo Pontífice mais covarde e mentiroso de toda a história do Papado.

.

O latim é uma língua insidiosa, em muitos aspectos mais do que o grego antigo. Em primeiro lugar, é uma língua morta que não é falada há séculos. Então devemos ter em mente que existem vários latinos: o latim de Marcus Tullius Cicero ou Titus Lucretius Carus, a de Sêneca ou de Catulo não é aquela em que Santo Agostinho, bispo de Hipona, escreveu e se expressou entre os séculos IV e V, nem aquele em que Sant'Anselmo d'Aosta escreveu e se expressou entre os séculos XI e XII. Ainda outro em que São Tomás de Aquino expressou e escreveu no século XIII, por sua vez, completamente diferente da do século XVI, um latim agora relegado a círculos específicos de pessoas educadas, tendo se desenvolvido e se espalhado na virada dos séculos XIII e XIV, entre a Escola de Frederico II da Suábia em Palermo e Dante Alighieri em Florença a chamada língua vernacular, que não tinha degradado nem um pouco o próprio latim nos séculos seguintes, reunindo neologismos que nada tinham a ver com o antigo latim clássico. O latim do final do século XVIII e início do século XIX era agora muito latim “bastardo”. Finalmente, aquele usado na ciência, jurídicas e eclesiásticas entre o final do século XIX e o início do século XX, mais que um latino ele era um latino. Não é por acaso que o termo preciso "latim eclesiástico" existe.

.

Alguns lembram que a língua usada para ministrar palestras em universidades eclesiásticas até o início dos anos 1970 era o latim. Deixe-me sorrir e narrar aquele ex-aluno, que depois se tornaram renomados teólogos da Escola Romana e professores titulares nessas mesmas universidades eclesiásticas, último na ordem da série Brunero Gherardini e Antonio Livi, eles me contaram de forma divertida muitas anedotas saborosas, explicando o que era, mais que latim, de latim macarrônico. Ou como Antonio Livi me disse, que ele era um amante do latim: «Eu poderia muito bem ter usado italiano, ou quaisquer outras línguas nacionais modernas, parar com as travessuras daquele pseudo-latim que fazia sair bobagens gramaticais da boca dos professores e fazer com que os alunos entendessem ainda menos do que poderiam ter entendido». Lembro que Antonio Livi era decano de filosofia na Pontifícia Universidade Lateranense, depois de ter contribuído anteriormente para a criação da Pontifícia Universidade da Santa Cruz.

.

Uma coisa é ler, entender e traduzir esta língua morta, uma coisa é escrever ou pior falar. Afirmando que o jovem Joseph Ratzinger que pereceu no concílio «falava em latim, ele como os outros participantes» é uma farsa colossal, uma pura lenda urbana posta em circulação por quem, não conhecer a história da Igreja, não encontra nada melhor para fazer do que inventar histórias e fatos depois do fato do que no passado recente, antigos e remotos nunca existiram. Fui aluno de dois mestres que morreram no conselho, um dos quais morreu no limiar da 100 anos algumas semanas atrás. Durante as várias fases do conselho, uma de suas tarefas também era resumir em inglês, espanhol e francês – as três línguas que ele conhecia melhor, além do alemão nativo – os vários relatórios escritos na língua oficial da Igreja: latino. Porque no início dos anos 1960 muitos bispos não conseguiam entender e traduzir o latim, especialmente os provenientes dos chamados países do Terceiro Mundo e das diversas terras de missão do continente latino-americano.

.

Bento XVI nunca foi e não é um "refinado estudioso do latim" mas tão bom conhecedor de latim quanto muitos de nós somos, e é por isso mais do que compreensível que ele tenha cometido erros ao redigir sua declaração de renúncia. Qualquer bom conhecedor de latim os teria feito. Vou tentar esclarecer melhor com um exemplo pessoal: Certa vez, traduzi uma carta minha de uma página do italiano para o latim. Depois disso, enviei para nem um nem dois, mas para cinco especialistas latinistas, dois dos quais estão envolvidos na tradução dos textos oficiais em latim na Santa Sé. Todos os cinco me disseram que o texto estava quase certo, me fazendo várias correções gramaticais. Nós vamos, cada um me fez correções diferentes, tudo estritamente correto, mas um diferente do outro. Porque isso é latim: uma língua morta onde, além da gramática, jogam muito a interpretação e a construção da estrutura do texto, que pode ser correto para um latinista, mas incorreto para outro, embora ambos estejam certos.

.

O declaração de renúncia de Bento XVI é um texto muito íntimo e pessoal que a pessoa em questão escreveu por si mesmo após longa reflexão e oração, lidar com a própria consciência, com a sua própria alma e também com a história futura da Igreja à qual ele a teria entregue nos séculos vindouros como um evento totalmente extraordinário. Ele não apresentou o texto de sua declaração aos bons e peritos latinos à disposição da Santa Sé precisamente pela natureza delicada e íntima daquele ato tão pessoal que é assim e que permanece e deve permanecer assim. Ato em que Bento XVI cometeu vários erros gramaticais, errando na forma lexical como qualquer bom conhecedor teria feito que o latim é capaz de lê-lo, traduzi-lo e usá-lo em particular, mas compor em latim é algo que só os latinistas mais experientes podem fazer, às vezes cometendo alguns erros também. Bento XVI não é de forma alguma "um bom e grande latinista", assim como aqueles estudiosos que dedicaram suas vidas inteiras ao estudo desta difícil língua morta. E são precisamente os melhores estudiosos do latim que afirmam que cometer erros em uma redação latina é fácil para todos aqueles que conhecem bem o latim., sem diminuir seus conhecimentos de latim. Portanto, com todo o respeito às loucuras e lendas urbanas espalhadas por certos conspiradores, Repito que escrever e compor em latim é difícil mesmo para latinistas experientes, ao falar corretamente beira o impossível. A menos que você queira confundir o latim com o latim dos clérigos do início do século XX ou com o latim jurídico brocardi, que lembramos são breves máximas derivadas das leis e por isso também indicadas como princípios gerais.

.

Deixo para todas as pessoas sensatas avaliarem se erros na gramática latina pudessem invalidar - em nome do «devidamente manifestado» extrapolado de um cânone 332 e citado de forma obsessivo-compulsiva - um ato de renúncia livre e muito pessoal como o expresso por Bento XVI perante o Colégio dos Cardeais, que posteriormente reiterou em todos os discursos proferidos publicamente antes da convocação do novo conclave quão ponderada e livre foi sua decisão.

.

Se as teorias de certos círculos de conspiração fossem verdadeiras, estaríamos diante de um vil mentiroso de tal magnitude que depois de sua morte o caixão de Bento XVI mereceria ser jogado no Tibre em vez de enterrado nas Grutas do Vaticano ao lado da maioria de seus Supremos Predecessores.

 

Da ilha de Patmos, 30 novembro 2022

.

.

.

O ÚLTIMO LIVRO DE ARIEL S. LEVI de GUALDO – PARA ACESSAR A LIVRARIA CLIQUE NA CAPA

.

 

.

.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.

Dona Capalbio, preto não é sinônimo de bom e sem mancha ou pecado, mas simplesmente sinônimo de ser humano

SENHORA CAPALBIO, NEGRO NÃO É SINÔNIMO DE BOM E VÍTIMA SEM MANCHA E PECADO, MAS SIMPLESMENTE SINÔNIMO DE SER HUMANO

A vitória do Honorável Aboubakar Soumahoro, que hoje se vê envolvido em eventos relacionados a cooperativas nas quais sua esposa e sogra estão envolvidas, não tem relação com o negro, mas a algo intimamente ligado aoHomo, independentemente de Níger ou dealvo.

- Notícias da Igreja -

.

.

artigo em formato de impressão PDF

 

.

.

O Honorável Aboubakar Soumahoro, deputado eleito na lista do Partido Democrata

na propriedade o primavera, Quando ficar no Ortigia de Siracusa, onde antes de ser padre comprei uma casa no coração da antiga cidade grega, Vou às compras no mercado e aproveito para dispensar o meu espetáculo, obviamente livre, imbuído de piadas imodestas sobre as quais os moradores riem em diversão, porque provocar os sicilianos é um dever cívico. então tem os meus “teorias científicas” nas mães possessivas e protetoras dos meninos, a respeito disso, argumento que se uma mãe siciliana dá à luz uma menina, sem problemas. Mas, se ela der à luz um menino, nesse caso, deve ser suprimido assim que a amamentação terminar, evitando assim que ele estrague seu filho para o resto da vida, continuando a tratá-lo como uma criatura terna, mesmo aos cinquenta anos de idade.. E quando volto ao site depois de alguns meses ou semanas, eles até me dizem que sentiram falta das minhas provocações.

.

Uma vez que tal ele tinha uma cesta cheia de caracóis na barraca, que comecei a olhar com atenção ostensiva, até que a pergunta que eu estava esperando veio: "Pai, ela gosta deles?». Eu respondi: “Nunca coma na minha vida. Mas tenho certeza de que esses caracóis serão um grande consolo para os sicilianos, porque você finalmente encontrou alguém que tem mais chifres na cabeça do que você". Mais tarde, fui informado de que ele havia percorrido todo o mercado rindo e contando a todos os vendedores das outras barracas sobre o discurso do padre. Outra vez eu estava andando no meio do mercado com o sol do meio dia batendo no meu rosto, até óculos escuros são de pouca utilidade nesse caso. Eu não vi uma caixa de frutas e tropecei nela e caí no chão, entre outras coisas, eu usava uma batina branca, que graças a Deus não danifiquei. A dois metros de mim um peixeiro saltou para a frente fazendo o gesto gentil de me ajudar a levantar dizendo: "Pai, se levanta e deitado no chão você se sente mal". eu retruco: "Ele tem razão, deitado em sua esposa seria muito melhor". E assim que chegou em casa a primeira pessoa a quem contou a história foi sua esposa.

.

Finalmente meu negro de confiança onde compro legumes: "Pai, voltou de Roma?». eu o saúdo: "Estou tão feliz em ver meu lindo negro novamente". E realmente é lindo, Ele tem uma risada engraçada tão estridente que, se eu fosse um psiquiatra, prescreveria como terapia em vez de antidepressivos. Infelizmente o clássico ficou na banca bichano ― como dizemos agora em nosso jargão italiano falado ― estilo Signora Capalbio com placa esquerda chique radical, com cabelos brancos curtos em grande voga nas coberturas de Parioli e nas vilas de Olgiata. Ele estremece e deixa escapar: «Estou espantado com ela que ela deve ser uma pessoa educada, eles dizem … homem negro ». Eu a ignoro totalmente e me volto para o meu negrinho: "Un po Senti ', Ousman, diz-me uma coisa: você é preto ou colorido? Porque seus compatriotas me chamavam de "branco" nos países africanos, não "homem sem cor"». E ele, com uma risada ensurdecedora com suas respostas agudas: "sou muito negro!».

.

Passando pelo politicamente correto assim chegamos ao negro, como negro e certamente não porque "homem negro". Pelo menos para mim que sou amante da minha língua materna de derivação latina: homo niger significa homem negro. Enquanto homo albus significa homem branco, ou seja, o abaixo-assinado. O termo "negro" vem do latim Preto, o que significa preto. Nós padres, com exceção do branco usado em altas temperaturas, nós geralmente nos vestimos em nigris, de preto, nós não nos vestimos … “de cor”. Sempre aos confrades africanos com quem convivi em Roma desde a minha formação para o sacerdócio, depois como presbítero, Eu sempre apontei e chamei de negros. Exemplo: "Nós estamos atrasados, dê voz aos nossos irmãos negros para se apressarem, caso contrário, chegaremos tarde a San Paolo Fuori le Mura». Eu teria me sentido pelo menos ridículo para começar: «… nossos irmãos negros». Eles nos chamam de brancos, eles não nos chamam de "homens branqueados" ou "sem cor". E ainda hoje em muitos países daquele continente recordam com gratidão a meritória obra de evangelização realizada pelos chamados Padres Brancos, certamente não dos Padres sem cor.

.

O politicamente correto não é só linguística, mas é social e agora ideológico. Tanto que muitos não têm apenas sentimentos de culpa em relação ao negro, Mas pior: eles formaram a crença de que preto é igual a bom, uma vítima sincera, perseguir. Pelo menos até que eles se encontrem lidando com algum bando de nigerianos, cuja violência faria os executores pagos pela 'Ndrangheta empalidecerem, que dentre as máfias presentes em nosso país é a mais violenta. apesar disso, confrontado com a crueldade de um nigeriano, eu assassinos da 'Ndrangheta eles fariam a figura da compassiva dama da caridade de San Vincenzo de' Paoli. Da mesma forma, os camaroneses, País onde a criminalidade está disseminada em níveis incontroláveis ​​e onde para um estrangeiro ser sequestrado por uma de suas gangues não é como ser sequestrado pelos que foram os sequestradores de Anonima Sarda Sequestri, por que esses segundos, a menos que sejam querubins, comparados a eles, eles podem parecer corações moles.

.

Vamos começar com um princípio básico que escapa das "almas bonitas e sinceras": se se trata de um homo niger ou de um homo albus, o que caracteriza um e outro, independentemente da cor, está sendo Homo. É isto Homo não é bom ou ruim, vítima ou perpetrador com base na sua particularidade de Níger o alvo, mas como homem.

.

O caso do Honorável Aboubakar Soumahoro, quem está envolvido hoje em eventos vinculado a cooperativas em que estão envolvidas a esposa e a sogra, não tem relação com o negro, mas a algo intimamente ligado aoHomo, independentemente de Níger ou dealvo. Caso em cujo mérito não entrarei. Isso não é só porque eu não quero, mas só porque eu não posso. A competência recai sobre o judiciário italiano, que é responsável por investigar, julgar e, se necessário, finalmente condenar, enquanto cabe à política avaliar e decidir sobre o mérito da questão, ser parlamentar da República Italiana.

.

Para as "almas bonitas e sinceras" Gostaria de reiterar que negro está longe de ser sinônimo de bom como negro e só porque é negro, A realidade é um pouco diferente: a corrupção que existe nos vários países do continente africano é muita e tal, mas sobretudo em níveis tão graves e gangrenosos, que em comparação aqueles países europeus geralmente indicados como particularmente corruptos são habitados por um grupo de San Luigi Gonzaga e Santa Maria Goretti. Entre os países indicados como particularmente corruptos está a Itália, ou seja, nós italianos, também chamado “mestres da fraude”. Que pode ser expresso e apoiado sem qualquer problema, especialmente das bocas castas e cândidas dos franceses e alemães, capazes, porém, de autocensurar seu senso crítico e de abaixar as calças com o cu ao vento apenas quando se encontram diante do negro, os franceses de uma forma muito especial, Tendo em conta os serviços que prestaram ao longo dos últimos dois séculos a vários países do Continente Negro. Os italianos são brancos em vez disso, portanto, eles podem ser acusados ​​como tal de golpistas corruptos e notórios nas primeiras páginas de seus jornais.

.

Cheiro, no final de sua formação sacerdotal e seguir por um tempo como sacerdote, Eu morava em uma casa internacional para padres localizada no Monte Aventino. A uma curta distância na Viale Aventino, na esquina com a Viale delle Terme di Caracalla fica a grande sede da FAO, lembramos é a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação. Para mim sim, passando por essas áreas, Por acaso vi homens e mulheres negros de vários países do continente africano, se alguma coisa, pelos mais pobres e devastados de todos, entre na Mercedes que fornece serviço de aluguel com motorista para ser levado para fazer compras na Via Condotti e na Via Vittorio Veneto. Também é conhecido e conhecido, bem como confirmado pelos proprietários de lojas de luxo extra, do que gastar mais, sem medidas e restrições, eles eram os homens e mulheres negros, conhecido por procurar os bens supérfluos mais caros de sempre e pelo seu bivaque nos hotéis mais luxuosos da capital. Funcionários africanos da FAO.

.

Então eu deixo a Sra. Capalbio horrorizado com a palavra "negro" e com ela todas as outras "almas lindas e sinceras" que se regozijam em fantasias surreais sobre o pobre e bom negro e vítima do colonizador branco sujo e sem escrúpulos. Para mim, em vez disso, existe o homem nascido com a corrupção do pecado original, que não poupou brancos nem negros. E ao contrário de belas almas que conheço, como os políticos sabem, historiadores, sociólogos e também clérigos que, um dos piores males endêmicos da África é a corrupção sem igual no mundo, sem falar na delinquência sem escrúpulos e sem limites que assola algumas de suas cidades. Também por isso nossa Congregação de Propaganda Fide tem o cuidado de não enviar dinheiro às cegas, até mesmo para nossas próprias instituições de igrejas locais dirigidas por negros. Eles preferem administrar cuidadosamente certos fluxos de dinheiro para que realmente acabem em obras religiosas, beneficente e sanitário. Portanto, evite, como aconteceu várias vezes no passado, que o dinheiro que sobrava para a construção de um hospital acabou sendo confiscado por políticos corruptos e investido no mercado de armas para as piores guerras tribais, onde as pessoas são capazes de massacrar impiedosamente mulheres e crianças com facões de fabricação chinesa.

.

Mas, para a senhora Capalbio, preto é igual a bom e vítima. Acima de tudo, não se deve dizer preto, mas homem negro. Bem, deixe a Sra. Capalbio saber que meu iluminado vendedor de vegetais, Gana preto como um carvão, ele não pensa como ela, ele sabe perfeitamente que é negro, ele fica feliz com isso e, se necessário, se gaba disso, mesmo tirando a depressão com uma gargalhada para todas as senhoras Capalbio deprimidas da esquerda chique radical, hoje mais do que nunca deprimido depois de ter favorecido em todos os sentidos, com todo o seu esnobismo de classe alta, uma primeira-ministra da direita, que é filha do povo e que vem dos bairros ultrapopulares de Roma. Aqueles onde uma vez, o velho e também glorioso Partido Comunista Italiano, alcançou maiorias eleitorais que rivalizavam com as eleições da Bulgária. Talvez por isso, reunião em restaurantes gourmet de Capalbio, a Gotha da esquerda chique radical tenta afogar a depressão política em copos caros de vintage Sassicaia e Brunello di Montalcino.

 

Da ilha de Patmos, 27 novembro 2022

.

.

.

O ÚLTIMO LIVRO DE ARIEL S. LEVI de GUALDO – PARA ACESSAR A LIVRARIA CLIQUE NA CAPA

.

 

.

.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.

O caso de “Irmã Cristina”. Lembre-se querida Cristina, quando você canta, coloque Cristo nas notas, caso contrário, sua renúncia não terá ensinado nada

O CASO DA "IRMÃ CRISTINA". LEMBRE-SE QUERIDA CRISTINA, QUANDO VOCÊ VAI CANTAR, COLOQUE CRISTO NAS NOTAS, CASO CONTRÁRIO SUA RENÚNCIA NÃO TE ENSINARÁ NADA

Agora suas ex-irmãs, as queridas Ursulinas da Sagrada Família, eles ainda têm uma chance de ajudar Cristina, mostre proximidade com ela e também forneça sua ajuda material obediente. Sem economizar em alguns tapas saudáveis, estão ao lado dela, assim como Cristo fez com aquele jovem rico que não quis segui-lo.

- Notícias da Igreja -

Autor
Ivano Liguori, ofm. Capp..

.

artigo em formato de impressão PDF

 

.

A leitura de áudio estará disponível na manhã de 26 novembro

.

Entrevista com Ir. Cristina

Irmã Cristina Scuccia, a freira cantora do Congregação das Ursulinas da Sagrada Família, deixou a vida consagrada para talvez seguir a sua (vera?) vocação no mundo do canto [veja: Who, Who, Who e Who]. É uma notícia de alguns dias atrás.

.

Para esta notícia recente, Padre Ariel já dedicou um pequeno artigo com o qual concordo plenamente quanto ao realismo e equilíbrio [veja: Who]. No entanto, como religioso sacerdote da Ordem Capuchinha também eu gostaria de fazer algumas considerações sobre o assunto, que de certa forma soará como verdadeiras provocações, talvez desagradando alguém, mas que terá o mérito de destacar algumas das hipocrisias mais comuns da vida consagrada disfarçadas de sentimentos de piedade.

.

Em primeiro lugar, há algo a informar as muitas almas belas ― aquelas que nestas horas dentro Vida real o sui social estão jogando tiro ao pombo com as pobres ex ursulinas ― que todos os anos a Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica atende a muitos pedidos de religiosas que pedem para deixar sua ordem, seu instituto ou congregação a que você pertence. De quem é a culpa? Por que isso acontece? Nem sempre consigo me dar uma resposta convincente, segundo a opinião esclarecida de algumas belas almas, a culpa é sem dúvida do Papa jesuíta ou talvez daqueles religiosos que nos fizeram chorar Madona com pecados contra o sexto mandamento ou talvez daqueles que não conseguem se resignar a viver segundo um estilo religioso grotesco típico dos monges do filme O nome da rosa de Jean-Jacques Annaud ou as freiras improváveis ​​do filme Lei da Irmã. Porque para algumas almas bonitas e blogueiros especialistas em gatos, toda tradição e Latim, o religioso é uma máscara grotesca entre o psiquiátrico e o ridículo, uma mistura de mortificação e cilício, distúrbios de humor e desejos de romance com coceira Aves silvestres, em suma, um verdadeiro louco.

.

Portanto, quando ocorre que algum consagrado pendure o hábito, imediatamente começamos a procurar os motivos – reais ou presumidos – e procedemos com a delicadeza e tacto de um rolo compressor dentro de uma loja de cristais Swarovski. mas nós aqui, do agradável Ilha de Patmos não queremos ser um rolo compressor, sabemos bem, de fato, que alguns abandonos são certamente justos porque lhes falta o mínimo de consciência e liberdade necessários para viver como pessoas consagradas e se constituir no mundo como tochas de luz, sinais proféticos para a Igreja. Mais abandonos, em vez de, eles constituem verdadeiras injustiças deixadas escapar muito levemente e na maioria das vezes surgem do desespero, da solidão, da miséria humana e da insipidez paraculagina de alguns superiores que trocam o Presente do governo com o privilégio de sua própria impecabilidade em que nunca existe erro pessoal e se existe é normalmente sempre e somente do "religioso problemático" que decide sair.

.

Honestamente, depois de mais de vinte anos de vida religiosa ― Entrei nos Frades Menores Capuchinhos a 21 anos de idade durante os estudos universitários em farmácia ― não estou mais em condições de me escandalizar com essas deserções, como saídas ou abandonos são chamados em fria linguagem técnica. Pelo contrário, eu digo a verdade, diante de um confrade que não só suspende todo julgamento, mas deliberadamente escolhe gastar algumas palavras, sabendo que é urgente demonstrar o amor de uma avó que, diante do neto mais temerário e rebelde, ainda tem a preocupação de pedir: "Como você está? Você comeu?». E só Deus sabe quão expressivos podem ser os olhos e o olhar de um religioso que tomou a dolorosa decisão de partir. Pergunte como você está, significa compartilhar muito mais do que uma onda sentimental. Na minha humilde opinião, significa derramar bálsamo no último ato de misericórdia para com um homem em crise. E não é assim que se interpreta a velha parábola do Pai Misericordioso, de Lucas, que todos se gabam de apreciar, mas que poucos praticam, sobretudo se são religiosos?, padres ou católicos doc?

.

Talvez o pequeno (suor) Cristina, catapultado para aquele mundo miserável de entretenimento, devorando e devorando, ela só precisava ouvir a pergunta da avó com mais frequência: "Como você está? Você comeu?», que então se traduz em "Você está feliz? Jesus e a Igreja estão realmente preenchendo sua vida? você está se dissipando, Você está chateado? você está orando? Seu coração, sua alma, seu desejo talvez seja ruim de alguma forma?». Porque são essas perguntas que ajudam a prevenir crises pessoais, doenças espirituais, os porões dos vícios que o diabo desencadeia para desviar os religiosos de seu caminho de perfeição, como disse o bispo San Macario.

.

Na minha vida religiosa Já encontrei várias vezes superiores e diretores de alunos que estavam mais preocupados com a presença de seus irmãos no coral do que com sua real felicidade. Escrupulosos em supervisionar se os frades recitavam o breviário na íntegra, mas não igualmente diligentes em perceber se seus frades se abriam ao sorriso e à alegria dentro do convento. Preocupação com a observância regular, do uso do dinheiro, mas nem um pouco interessado em saber se o frade conseguiu dormir bem ou não, talvez angustiado por algum fantasma da alma. Encontrei tantos superiores e diretores de estudantes que fizeram da vida religiosa um reavivamento de Instagram e Tique-taque. Um realidade onde o religioso canta, bala, faça isso mostrar homem, faz tudo e seu oposto, e onde o único caminho para a perfeição consiste na observância do lema de 1968 "proibido proibir" porque Jesus é o ás leva tudo que é bom acima de todas as coisas, do palco de Sanremo ao Grande Chartreuse.

.

Mas agora um 45 anos de idade estou começando a ficar vintage, lembrando que um tempo para deixar o convento, era preciso bater na porta do pai guardião (o superior local) e pedir permissão: «Abençoado pai, Posso ir a…» e depois de fazer recados fora do convento, volte para o guardião e diga novamente: "Abençoado pai, estou de volta". Essas coisas não são mais usadas hoje, jovens noviços e estudantes muitas vezes têm muitas liberdades desde o noviciado (Ganhei meu primeiro telefone celular como diácono com a idade de 33 anos) e o que há vinte anos poderiam ser considerados formalidades hoje entendo que eram formas de vivenciar a filiação e a paternidade espiritual, juntamente com aquela fraternidade evangélica que une e protege todas as religiões.

.

O caso de (suor) Cristina é emblemático daquela verdade que nos diz que até os religiosos estão saindo de cena. Junto com os casais que explodem (ver Albano e Romina, Totti e Ilary), eu gosto disso habilmente, os irmãos que sim eles despejam e as freiras que são... bem, você entendeu. Esta é a verdade nua da nossa «Igreja em saída», certamente não é uma verdade recente, essas coisas sempre aconteceram e vão acontecer de novo, basta lembrar alguns precedentes ilustres, como Irmã Sorriso o De José Cionfoli. Talvez verdades incómodas para as quais é necessário encontrar uma resposta mas sobretudo uma forma de as prevenir. Porque tenho certeza que é a Irmã Sorriso, assim como Fra Giuseppe Cionfoli e agora Irmã Cristina certamente foram escolhidos e amados por Deus em sua escolha da vida religiosa, mas não tiveram a graça de encontrar professores capazes de aceitá-los como eram, acompanhando seus talentos para uma purificação madura que limite as tentações e a nostalgia. Tais deserções na vida religiosa nunca são fáceis e é preciso ter um olhar muito mais compassivo e complexo para todas as várias conspirações que as pessoas normalmente seguem nesses casos..

.

A dimensão da fragilidade da Igreja implica também a possibilidade de abandono do estado de vida consagrada, mas são poucos os que o querem reconhecer e muito poucos os que querem amar e apoiar estes irmãos necessitados de forma gratuita e abnegada. Porque a essência da vida batismal, da qual a vida religiosa é a plena maturidade, não é nada além de amor até o fim. Está lá, no amor como martírio-testemunha de que residem a credibilidade e a santidade da Igreja e de nós cristãos: "A maneira como vocês se amam, eles reconhecerão que vocês são meus discípulos" [cf.. GV 13,35]. E, em vez disso, você apenas lê os comentários de virgens difamadas que estão consternadas porque Cristina Scuccia não é mais freira, clamando pela traição de Judas e covardia. Diante dessas falas fico calado porque senão acabaria dizendo coisas caridosas.

.

Vamos tentar entender de uma vez por todas que o amor cristão é o que a maioria despreza, um amor que ama o que está quebrado, que cria escândalo, um amor que caminha por caminhos tortuosos e afundados de uma humanidade decadente. O resto, não foi isso que o Senhor Jesus fez com cada um de nós? “Quando ainda éramos fracos, no devido tempo, Cristo morreu pelos ímpios" [cf.. RM 5,6]. Isso ainda é verdade hoje, Cristo continua a morrer por nós todos os dias, pessoas amontoadas, que se liga a si mesmo com o vínculo de uma consagração especial, batismal, religioso ou sacerdotal, e que exige necessariamente uma conversão que nos faça passar do abandono das trevas ao esplendor da luz.

.

Cristo nos ama, batizado, religiosos e padres, não porque somos perfeitos, mas precisamente porque somos imperfeitos, de fato ímpio, ainda não entrou nessa pietas do dia de Páscoa que certamente não é obtido com um esforço de vontade, mas como graça dada livremente pedir ao Espírito Santo todos os dias com lágrimas. A vida religiosa é um caminho de perfeição que só se realiza quando a imagem de Cristo, novo homem, nasce em nós. E esta entrega certamente leva tempo, da paternidade e maternidade espirituais, de acompanhamento afetuoso e sofrido, mercadoria muito rara entre os superiores religiosos de uma "Igreja em saída", cada vez mais Gerente como é para muitos bispos.

.

Eu considero o caso de (suor) Cristina Scuccia não uma excepcionalidade, mas a expressão de uma tendência bem conhecida por quem vive e trabalha no mundo real da vida consagrada. Se formos então examinar os casos de abandono, notamos que não são religiosos e religiosas com limitações humanas e espirituais que estão saindo, mas exatamente o contrário. Muitas vezes nos encontramos diante de personalidades realmente talentosas, dotado de carisma, inteligência viva e que têm um histórico cultural respeitável, o suficiente para fazê-lo alcançar importantes qualificações acadêmicas. Eles são como carros de motor grande que foram confiados a pessoas sem experiência de direção.. E (suor) Cristina tem qualidades que sem dúvida foram mal canalizadas. Qualidades que poderiam apoiá-la e ajudá-la em sua vocação e que, ao contrário, foram usadas para se sobrepor à vocação religiosa, criando uma alternativa que atendesse às necessidades temporais de uma jovem congregação religiosa, que do trabalho de canto da irmã talvez também tivesse beneficiado de grandes somas de dinheiro? Isso não deveria ser escandaloso porque até as freiras têm que comer e manter suas estruturas, mas talvez haja necessidade de uma reflexão cuidada que tenha em conta algumas prioridades a repensar.

.

casos de abandono na grande maioria das vezes nem sequer dizem respeito ao celibato - tal como esperariam muitas almas lindas, todas Coração de Jesus e Maria - e isto significa que não se sai porque quer casar ou porque está não é mais capaz de respeitar o voto de castidade. A razão para o fracasso está em algo totalmente diferente: muito mais profundo, muito mais complexo, muito mais concreto. Por causa disso, todo abandono permanece misterioso, conhecido apenas por alguns aspectos, mas sempre injulgável por homens tão prontos para julgar e classificar tudo em categorias tranquilizadoras. Só Deus que é Pai pode conhecer profundamente o coração do homem, também daquele que decide em sua liberdade abandonar a vocação que lhe foi oferecida, mas que não pode fugir da vocação comum de todo batizado que é o chamado comum à santidade que vai além do estado de vida (não importa se consagrado, casado ou solteiro).

.

Por esta razão, vamos parar de brincar de pombo com o ex (suor) Cristina, com ela, assim como com as outras ex-religiosas. Este não é um caso de mídia para ser exibido em tabloides ou blogs católicos.. Neste momento de fragilidade, embora a aparência e o Maquiagem diga o contrário, esta menina precisa de ajuda sincera para reconstruir sua vida mas acima de tudo ela precisa aprender a não se deixar levar pelas miragens do implacável mundo do entretenimento que vê o religioso ou ex religioso como um animal a ser exibido para fazer público. Lembre-se do caso de Don Alberto Ravagnani usado pela primeira vez por Fedez e depois intimidado e amaldiçoado em? Boa, essas são as perspectivas reais.

.

Primeiro foi a Irmã Cristina, agora tem Cristina Scuccia empregada na Espanha, amanhã talvez seja uma mulher anônima com um casamento fracassado e filhos dependentes que canta em clubes espanhóis para poder pagar as contas. Então a glória do mundo, a glória dos homens, assim como a glória do palco.

.

Agora suas ex-irmãs, as queridas Ursulinas da Sagrada Família, eles ainda têm uma chance de ajudar Cristina, mostre proximidade com ela e também forneça sua ajuda material obediente. Sem economizar em alguns tapas saudáveis, estão ao lado dela, assim como Cristo fez com aquele jovem rico que não quis segui-lo. vamos ter certeza, a proposta passa, o amor de Cristo permanece, ainda que velada naquela triste saudade que só os olhos podem exprimir, como aquele jovem rico que partiu porque tinha muitos bens, mas entre os muitos bens que tinha, precisava do único necessário que desse valor a todos os demais.

.

Cristina, lembra quando você canta, coloque Cristo nas notas, caso contrário, sua renúncia não terá ensinado nada.

Laconi, 25 novembro 2022

 

.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.

O fracasso de uma colegialidade apostólica mal compreendida. Esses bispos reduzidos a oficiais despojados de toda autoridade que devem ratificar os caprichos dos outros por meio de seminários interdiocesanos

A FALHA DE UMA COLEGIALIDADE APOSTÓLICA MAL COMPREENDIDA. AQUELES BISPOS REDUZIDOS A OFICIAIS DEPOSITADOS DE TODOS OS PODERES QUE DEVEM RATIFICAR OS CAPIULHOS DE OUTROS PESSOAS ATRAVÉS DOS SEMINÁRIOS INTERDIOCESANI

Mais do que uma "Igreja em saída", a nossa é uma Igreja que, concluída a fase de administração controlada pré-falência, se encontra com os oficiais de justiça às portas para a apreensão dos edifícios, após a falência fraudulenta produzida pelo imaginativo egomenico Conselho dos intérpretes de “espírito do conselho” naquela época nada auspiciosa do pós-concílio que fez o Santo Pontífice Paulo VI dizer: "Com o Concílio Vaticano II que esperávamos primavera e em vez disso veio o inverno".

- Notícias da Igreja -

.

.

artigo em formato de impressão PDF

 

.

.

.

"Com o Concílio Vaticano II que esperávamos primavera e em vez disso veio o inverno" [cf.. John Guitton, Paulo VI segredo].

Acontece cada vez mais que vários bispos italianos de quem sou amigo e confidente se dirigem a mim. Se às vezes relato a experiência ou a amargura de alguns deles, é apenas porque os diretamente envolvidos me pediram para tratar desse assunto., para que saibamos que dificuldades e situações enfrentam os poucos bons bispos que ainda restam.

.

Diante de questões muito delicadas, não só o ditado "pecado é dito, mas não o pecador" se aplica, porque nem mesmo o pecado deve ser mencionado. Sendo confessor de muitos sacerdotes e não só, Jamais diria que sou confessor deste ou daquele padre. Necessariamente, o sigilo deve se estender além do conteúdo da própria confissão. Caso contrário, corre-se o risco de gerar problemas como aquele pároco maluco que disse durante um sermão: «Hoje estou entre vocês há dez anos. Eu sempre me lembro da minha chegada, minha primeira Santa Missa na paróquia e também minha primeira confissão, onde iniciei o ministério de confessor com um penitente que confessou seu adultério". Ele disse o pecado, mas não o pecador, que o prefeito não gostou, porque sem o conhecimento do pároco ele sempre disse aos aldeões que ele foi o primeiro a confessar a ele.

.

o bispo em questão foi um homem de grande experiência pastoral, antes mesmo de ser lançado Spot de «pastores com cheiro de ovelha», o resultado disso foi que em pouco tempo vimos sacerdotes chique radical com roupas sob medida e blusas de caxemira improvisar durante a noite «pobres para os pobres», chegando ao episcopado em glória camaleônica entre bengalas pastorais feitas por carpinteiros e cruzes peitorais esculpidas no pedaço de madeira de um barco afundado na costa de Lampedusa. E nas saudações finais de suas cartas, em vez da frase "Em Cristo, vosso Senhor...", começamos a ler sobre bloqueios desse tipo: "Em Cristo o migrante... Em Cristo pobre entre os pobres...". Como dizer: o episcopado não me basta, Eu também quero o cardinalato. E alguém recebeu o cardinalato, entre cruzes peitorais de madeira e cristãos migrantes.

.

Como já disse várias vezes, completo com uma referência às prostitutas ― que, ao contrário desses sujeitos, são honestas e acima de tudo coerentes ―, se amanhã houvesse uma mudança de rumo, prepare-se para vê-los entrar em suas igrejas catedrais com sete metros de cappa magna e preciosas mitras de damasco do século XVIII e pedras preciosas em suas cabeças. Como se nada tivesse acontecido, porque este é o estilo de pessoas sem restrição e dignidade humana, que até as prostitutas são presenteadas com, a ponto de ir adiante de nós no Reino dos Céus, como Jesus Cristo nos admoesta [cf.. MT 21, 28-32].

.

A entrevista foi sobre o problema do seminário as chamadas interdiocesanas ou regionais. Instituições das quais - vou especificá-lo imediatamente - sempre fui um inimigo declarado, porque acredito que todo bispo deve ter o poder e o direito de formar seus futuros padres em sua diocese, mesmo que fossem apenas dois ou três seminaristas. o bispo em questão, hoje emérito, assim que foi ordenado sacerdote, foi nomeado pároco auxiliar de um irmão idoso e santo, do qual ele sempre guardava a foto de lembrança em seu estúdio, primeiro como pastor, então, quando foi nomeado bispo auxiliar de uma diocese próxima, então novamente quando ele se tornou arcebispo metropolitano. Na época, ele havia concluído os estudos necessários para a ordenação sacra, sem nunca alcançar nenhum especialista e muito menos doutorados teológicos. Tendo conhecido pessoalmente e completamente, Posso testemunhar que nunca conheci na Itália, pelo menos no que me diz respeito, um pastor mais competente, sábio e iluminado do que ele, sobretudo atrás das cátedras das diversas universidades eclesiásticas.

.

Como bispo auxiliar ele realmente viveu no seminário diocesano, ele conhecia os seminaristas um por um, ele cuidou deles e os seguiu. Esses ex-seminaristas, hoje todos os sacerdotes com mais de cinquenta, sempre falam dele com veneração. Alguns são meus penitentes ou espirituais diretos, porque era ele quem, quando perguntado a qual confessor ou diretor espiritual, recorrer, dado os tempos difíceis que estamos vivendo, ele os dirigiu a mim. Quando não há gigantes, é uma virtude da necessidade contentar-se com os anões que a praça oferece.

.

Finalmente, o arcebispo metropolitano vê, nunca desejado por ele, mas quase imposto. Na ocasião, dois bispos da região haviam se colocado como autocandidatos, que eles não encontraram nada melhor para fazer do que travar uma guerra uns contra os outros para ganhar o favor da nomeação. O então núncio apostólico excluiu a priori as duas contendas apresentadas por duas facções dos bispos daquela região e propôs uma terceira, o que ele havia mostrado como bispo auxiliar antes, como bispo diocesano depois, as maiores habilidades pastorais, que ele estava confortável em sua diocese e que não desejava ser nomeado para aquela sede arcebispal metropolitana.

.

Promovido a essa sé metropolitana em primeiro lugar, gosto do estilo dele, mostrou toda a sua disponibilidade para com o clero e uma preocupação particular pelo seminário regional. Até que um dia, o jovem reitor, de uma forma quase sibilina deu-lhe este estranho discurso: «Vê a Vossa Excelência, o nosso é um seminário regional que acolhe seminaristas de bispos de diferentes dioceses. Ela é muito atenciosa e presente, mas temo que esta presença assídua possa criar algum descontentamento nos outros bispos, que, como você, não pode estar presente no seminário". Logo disse: a nomeação do reitor, do vice-reitor, de pais espirituais, acompanhar os professores responsáveis, foram decididos pelos bispos da região, cada um dos quais tinha alguns de seus protegidos para colocar. Resumidamente: uma formação sacerdotal arrancada dos bispos e totalmente delegada como um cheque em branco assinado a pessoas por eles escolhidas, por assim dizer ... colegial. E aqui surge a primeira questão: Desde quando, em nome de uma colegialidade mal compreendida, para dizer o mínimo, um bispo é impedido de formar seus próprios futuros padres? Pergunta segue pergunta: futuros sacerdotes, eles são presbíteros do bispo ou são "presbíteros regionais" de uma colegialidade não especificada e compreendida?

.

Antes de continuar a triste história Gostaria de esclarecer que as trocas e conversas que ocorreram entre este bispo e eu datam de quase dez anos atrás, na altura em que decidiu consultar-me e escolher-me como confidente. Esclarecimento necessário para esclarecer quem é o arcebispo, tanto a diocese quanto a região italiana ligada a esses fatos não podem ser identificadas. Porque se fosse eu não falaria sobre isso.

.

Naqueles anos este bispo reclamou comigo que não só tinha que visitar o seminário de sua diocese que se tornou um seminário regional com cautela, porque havia mais e pior: vários bispos da região, considerando-o um suposto “conservador”, eles tinham nomeado, em um espírito de excelente colegialidade, os presbíteros de outras duas dioceses foram reitor e vice-reitor do seminário. Em outra diocese foi também decano da faculdade de teologia e mais da metade dos professores, incluindo professores, tanto sacerdotes como leigos e mulheres, a quem este bispo jamais teria confiado a formação de seus futuros sacerdotes para os cursos de bacharelado teológico. Enquanto na época seus seminaristas eram cerca de 15, os dos bispos das outras dioceses da região variavam de um a três ou quatro. E de repente o Arcebispo Metropolitano se viu isolado e um estranho em sua própria casa. Tudo em nome supremo de uma colegialidade episcopal não especificada, claro.

.

Diante dessa situação, porque não levantou as objeções necessárias? Ele fez, mas já estávamos no início de 2014, em plena lua de mel do atual pontificado baseado na «Igreja pobre para os pobres», «pastores com cheiro de ovelha», "Igreja hospital de campo", «Igreja de saída» e assim por diante. Para calar qualquer bispo ou pároco, bastava dizer: "Não está de acordo com as diretrizes pastorais do Papa Francisco", acabar condenado mais ou menos à morte civil. Frase que tanto lembrou outra, um que muitos de nós já ouvimos zombeteiramente de eméritos e descaradamente ignorantes: "Ah, mas você não sabe que houve um Concílio na Igreja?». Quantas vezes, Respondi àqueles que confundiam o Concílio com o pós-concílio dos extravagantes "intérpretes do espírito do Concílio" que o que eles tentavam transmitir não estava escrito ou sancionado em nenhum dos documentos do Vaticano II. Quantos mais, eu castiguei alegada na moda e leigos clericalizados, fazendo-os parecer os ignorantes que eram, citando documentos e passagens fundamentais do Vaticano II cuja existência ignoravam em nome de suas provocações vulgares: "Ah, você não sabe que houve um Conselho?».

.

Sei muito bem que houve um Conselho, sobre o qual qualquer um poderia me questionar, encontrando-me longe de despreparado para seus documentos, porque acho que sei e posso provar outra coisa, desafiando alguém a negá-lo: com o Concílio de Trento abriram-se seminários e deu-se formação adequada ao clero cuja missa beirava o analfabetismo. Nessa época houve um florescimento de novas congregações religiosas, de grandes santos educadores e pedagogos, de grandes santos da caridade. Além disso, desenvolveu-se uma grande atividade missionária e evangelizadora que levou a Igreja a ser, do fenômeno quase exclusivamente europeu que foi, verdadeiramente universal e espalhado por todo o mundo. Estes foram os frutos históricos do Concílio de Trento que ninguém pode negar, exceto para negar dados históricos incontestáveis. Embora hoje, o Concílio de Trento e o termo “do Trento” é usado como sinônimo de sagacidade obtusa e retrógrada, mesmo dentro das universidades eclesiásticas, como prova de quanta ignorância chegou ao poder na Igreja através das piores mistificações ideológicas e das mais perigosas alterações dos fatos históricos.

.

Chegamos agora ao Concílio Vaticano II, considerado por alguns como o conselho dos conselhos, coisas diante das quais o primeiro Concílio Niceno e o primeiro Constantinopolitano que dogmaticamente estabeleceu as bases da depósito de crédito comparados a ele - que mesmo de novos dogmas ele não definiu nem pela metade - eram quase coisa de amadores briguentos, que não é por acaso que eles até brigaram entre si na Sala del Trullo quando discutiram a natureza de Cristo que foi finalmente definido como «gerado, não criado da mesma substância que o Pai», não uma criatura criada como os bispos arianos a entendiam.

.

resultados históricos objetivos do Vaticano II foram esses: antes de tudo a secularização do clero e a clericalização dos leigos católicos formados hoje por um exército de piedosas e importunas mulheres piedosas e padres meio-serviço, cujo objetivo é apenas criar confusão nas estruturas pastorais e tornar o vida dos párocos às vezes quase inviável. Em seguida, o despovoamento progressivo dos seminários diocesanos e noviciados religiosos, os edifícios de muitos dos quais foram vendidos a empresas privadas, ou convertidos em abrigos ou hotéis com o propósito certo de rentabilizar de alguma forma edifícios, cujos custos de manutenção seriam em si exorbitantes tanto em termos de manutenção como de impostos [cf.. Meu artigo anterior WHO]. Da molte piccole e medie diocesi le suore sono ormai scomparse e gli stabili dei loro ex istituti religiosi chiusi e convertiti ad altri usi. La maggioranza dei vescovi italiani non possono permettersi di avere un seminario diocesano perché è tutta grazia di Dio se riescono ad avere due o tre seminaristi al massimo. In quelle stesse diocesi, dentro “copo” epoca tridentina, di seminaristi ne avevano almeno venti o trenta, ma forse non erano autentiche vocazioni illuminate da quella “primavera Espírito” che per ammissione dello stesso Santo Pontefice Paolo VI fece calare sulla Chiesa l’inverno: "Com o Concílio Vaticano II que esperávamos primavera e em vez disso veio o inverno" [cf.. John Guitton, Paulo VI segredo].

.

Deixe-me ser claro: qui non si intende affatto discutere né sulla validità del Vaticano II, che era neppure necessario bensì indispensabile, né tanto meno sulla validità dei suoi documenti pastorali. Ciò sul quale bisognerebbe seriamente discutere con una lunga litania di culpa MEA è ciò che del Concilio è stato fatto nella infausta stagione del post-concilio, quando in nome di un male inteso “spirito del Concilio” ciascuno ha finito per crearsi un concilio personale proprio, in testa a tutti quelli che i corposi e lunghi documenti del Vaticano II non li conoscono e non li hanno mai studiati. Fu per questo che in un mio libro del 2011 coniai il termine di egomenico Conselho degli interpreti dello spirito del concilio nella stagione del post-concilio [cf.. E Satanás se tornou trino].

.

Domanda semplice, di quelle destinate purtroppo a rimanere senza risposta, come capita quando si va a toccare il totem intangibile della cieca ideologia: è vero o no che dopo il Concilio di Trento i seminari sono stati aperti e sono fioriti nel corso dei tre secoli successivi, elevando il livello sia pastorale che culturale di quel clero che nella precedente stagione versava in stato pietoso, poucas exceções? È vero o no che dopo il Concilio Vaticano II, nei successivi cinquant’anni, i seminari si sono svuotati e progressivamente sono stati chiusi? È una domanda storica alla quale bisognerebbe rispondere con obbiettivo rigore storico, non con cieca ideologia. Basterebbe prendere i dati statistici del clero italiano del 1950 e confrontarli con quelli del 2022, scoprendo all’istante che più che dei dati sono dei bollettini di guerra. Exemplo: diocesi che nel 1950 avevano un presbiterio composto da 1.000 presbiteri tra clero secolare e clero regolare per un numero di 350.000 batizado, hoje, con un numero di battezzati pari a 700.000 hanno un presbiterio composto da 350 presbíteros. Então, se andiamo a guardare le statistiche sull’età dei presbiteri, lì c’è da piangere sul serio. Prendo una diocesi italiana a caso. Anno 2021: età media dei presbiteri 70 anos, nuovi presbiteri ordinati 2, presbiteri defunti 18. Pergunta: di questa e di altre diocesi italiane, che ne sarà nel giro di 10 o 15 anos? O qualcuno pensa davvero di risolvere il problema ormai irreversibile che batte inesorabile alle porte con la istituzione delleaccolitesseche finiranno presto usate come preti-surrogato? [cf.. WHO]. Perché qualche vescovo particolarmente illuminato non ha trovato di meglio da fare che affidare a qualcuna di questeaccolitessedelle parrocchie di provincia ormai da anni senza parroco. Perché è così che i nostri vescovi illuminati risolvono le cose.

.

Dinanzi a queste domande che vertono in parte sulle conseguenze dello “spirito del Concilio” generato dai grandi “interpreti del Concilio”, in parte su dei dati che, eu repito, più che tali sono dei bollettini di guerra, la risposta dei vescovi e di certi preti, che come noto non hanno colpe, tanto sono impegnati nella ricerca delle colpe altrui, è presto data: «Tutta colpa della scristianizzazione delle società!». Boa, ma a questo punto alla domanda si aggiunge domanda: e la scristianizzazione di chi è colpa? Forse della Lega degli Anarchici Libertari Anticlericali? Perché da sempre si è cercato di scristianizzare, sin dagli albori dello stesso Cristianesimo, Meu ele sentido da fé ha prevalso su Decio, Diocleziano, Nerone … a seguire su Attila, poi sui maomettani che se nel 1571 avessero vinto a Lepanto la successiva settimana avrebbero issato il vessillo della mezzaluna sulla cattedra del Vescovo di Roma a San Giovanni in Laterano. E ancora a seguire: sui lanzichenecchi che misero a ferro e fuoco Roma nel XVI secolo, sui giacobini della Rivoluzione Francese, su Napoleone che prese Pio VII come un pacco e lo trasportò prigioniero in Francia, su Hitler, su Stalin … nessuno ce l’ha fatta. E se il sentido da fé è riuscito a prevalere e sopravvivere dinanzi a certi personaggi e stagione storiche, qualcuno mi spiega come mai è invece collassato proprio nella stagione di un post-concilio mentre soffiava a poppa e a prua il grande spirito del concilio dei concili?

.

Torniamo adesso al buon vescovo che un giorno di quasi dieci anni fa ebbe con me quel colloquio doloroso, che proseguì con il problema delle sacre ordinazioni dei diaconi e dei presbiteri. Cominciò col dirmi che la situazione del seminario inter-diocesano voluto a quel modo dai vescovi della regione, con quell’impronta, quei formatori e quel genere di insegnamento, aveva creato la estraneità tra vescovo e seminaristi, tra i quali intercorreva solo una superficiale e cortese conoscenza. A breve avrebbe dovuto ordinare due diaconi, consapevole di come fossero stati allevati nel corso di tutto il ciclo formativo, non solo in antitesi all’impronta pastorale del loro vescovo giudicata troppo conservatrice, perché quei candidati avevano espresso più volte che a rincuorarli era il fatto che il loro vescovo aveva già compiuto settant’anni e che «cinque anni passano in fretta, graças a Deus!». E fu lì che il vescovo mi chiese un parere, che non esitai a dargli dinanzi alla sua domanda molto esplicita: «Tu che cosa faresti al mio posto?». Risposi che avrei fatto la cosa doverosamente peggiore, senza manifestare disagio, ma improntando il tutto su principi sia di sacramentaria sia di coerenza. Mi feci un attimo vescovo al posto suo ― ossia mi calai nel suo ruolo ― e dissi che avrei preso i due spiegando che sia con loro che con qualsiasi altro candidato ai sacri ordini non era mia abitudine dichiarare la autenticità della vocazione, perché non l’ho mai fatto e mai lo farò. Pelo contrário, ho sempre sorriso ogni volta che ho sentito attestare in toni trionfalistici: «Autentica e solida vocazione!». La vocazione rimane per gran parte un mistero e nessun vescovo o formatore può fare attestati di assoluta autenticità. Anche perché non si spiegherebbe come mai si sono verificati casi di presbiteri che hanno lasciato il sacerdozio anche dopo vent’anni, dichiarando e spiegando di avere «vissuto due decenni di illusioni» o di «avere compiuto una scelta sbagliata» perché «il sacerdozio non era la mia strada». Di sicuro non avevano una vocazione, perché una vocazione autentica e solida non si perde e non muore mai, può essere a un certo punto rifiutata o persino distrutta dalla libera volontà del presbitero, ma neppure difficoltà e sofferenze che possono persino valicare le capacità di umana sopportazione la possono annullare. Un presbitero veramente vocato al sacerdozio può anche compromettersi irreparabilmente la salute e andare incontro a morte prematura per i dolori inferti e sofferti, ma non lascerà mai il sacerdozio, perché il carattere che ha ricevuto lo ha trasformato ontologicamente, è indelebile ed eterno e gli ha conferita una dignità superiore a quella degli stessi Angeli di Dio.

.

Ciò che un vescovo e dei formatori possono attestare è l’idoneità ai sacri ordini del candidato. Então, se qualche vescovo o formatore riesce a leggere le più impenetrabili sfere delle coscienze, per di più nel complesso rapporto intimo e profondo tra Dio e l’uomo, benedetti siano loro per un simile dono così raro e speciale.

.

Interpretando il ruolo del vescovo che parla con i candidati agli ordini sacri proseguo col dire che al posto suo avrei detto: … voi siete idonei a ricevere i sacri ordini perché nulla osta a che vi siano concessi. Però non posso essere io a ordinarvi diaconi e poi presbiteri per la Chiesa che attualmente governo. Non ritengo giusto e coerente che voi riceviate i sacri ordini da un vescovo che non stimate e di cui non condividete le linee pastorali. Vamos esclarecer: al vescovo voi dovrete promettere filiale rispetto e devota obbedienza, non dovete promettergli né stima né apprezzamento per la sua opera pastorale, questo non è richiesto e previsto, né mai potrebbe esserlo, perché se ciò fosse sarebbe veramente aberrante. Resta però un fatto: per il presbitero la figura del vescovo consacrante è destinata a rimanere indelebile per tutta la vita. Durante il sacro rito si domanda «Prometti filiale rispetto e devota obbedienza a me e a tutti i miei successori?». Con la menzione dei «successori» si precisa implicitamente che domani il vescovo può essere un altro e poi un altro ancora. Ci sono presbiteri anziani che dopo il loro vescovo consacrante ne hanno avuti altri quattro o cinque. Pur malgrado il ricordo di colui che ti ha generato nel sacro ordine sacerdotale rimane per tutta la vita e incamminandosi verso la vecchiaia, più il tempo si allontana da quel lieto evento più diventa vivo e caro. Per poco possa valere la mia esperienza: il vescovo che mi accolse, che provvide alla mia formazione e infine mi consacrò presbitero, io l’ho venerato, rispettato e ubbidito. Aveva un carattere e un temperamento non facile e negli anni a seguire sono stato con lui anche duro nel rivolgergli meritate critiche e giudizi severi, ponendo in luce certi suoi gravi difetti, ma non sono mai venuto meno per un solo istante al mio affetto e alla mia gratitudine nei suoi riguardi. E tra i diversi presbiteri che ha ordinato, forse sono l’unico che celebra sempre Sante Messe di suffragio per la sua anima. Si chiamava Luigi Negri [1941-2021].

.

Pode acontecer, ed è capitato, che un presbitero si ritrovi con un vescovo sgradevole, incapace e persino dannoso, al quale tributare in ogni caso filiale rispetto e devota obbedienza, pur non apprezzandolo né nutrendo alcuna fiducia e stima per lui, oppure avendola perduta in seguito. Diverso è però il discorso del vescovo consacrante, porque, nesse caso, tra lui e l’ordinando deve essersi instaurato un rapporto di reciproca stima e fiducia. O come mi ha detto di recente il confratello Simone Pifizzi, uno dei nuovi Padri della nostra Ilha de Patmos: «Prima di ordinarmi diacono il Cardinale borrelhos Silvano, Arcebispo de Florença, ele me disse: “quando durante il sacro rito ti chiederò di promettere filiale rispetto e devota obbedienza, dovremo guardarci molto bene negli occhi, perché quella promessa e quel legame sarà indelebile con me e con tutti i miei successori”». Grandi uomini e pastori come Silvano Piovanelli oggi ci mancano terribilmente, ci appaiono figure di una stagione che diventa sempre più lontana allo spuntare dei primi capelli bianchi sulle nostre teste, ma il loro solo ricordo ci è di conforto e speranza per vivere al meglio il nostro sacerdozio ministeriale.

.

Apprezzare e stimare un vescovo non è né obbligatorio né tanto meno dovuto, Mas, se si è coerenti, da un vescovo che non si apprezza e non si stima sarebbe bene non farsi ordinare, perché in tal caso l’ordinando trasformerebbe il vescovo in una sorta di pubblico ufficiale che ratifica un atto burocratico, mentre dal canto suo il vescovo trasformerebbe la sacra ordinazione in un semplice atto burocratico da ratificare. E conclusi dicendo al vescovo: potresti dir loro che col tuo benestare e la garanzia di idoneità dei formatori possono rivolgersi a qualsiasi vescovo della regione che sarà ben disposto ad accoglierli. Credo infatti che sugli imbarazzi e i disagi, che poi divengono reciproci, non si debba passare sopra con diplomatica pelosità clericale, si affrontano e si trovano soluzioni.

.

Mi prestò ascolto e con pastorale sapienza agì in tal senso. Poco dopo avvenne una lite scatenata dal rettore del seminario che osò rivolgersi al vescovo in questi toni perentori: «Lei li deve ordinare per la sua diocesi, e isso é, altrimenti vanifica tutta la nostra opera formativa». Ribatté il vescovo: «Pensavo che i diaconi, poi a seguire i presbiteri, fossero diaconi e presbiteri del vescovo, não de equipe inter-diocesana del seminario». Furono presi, ordinati e incardinati da un altro vescovo nella sua diocesi, rivelandosi poi dei preti ingestibili sin dal primo anno di ministero sacerdotale, mentre a Roma si moltiplicavano le lamentele contro questo vescovo da parte di alcuni vescovi della regione e della cosiddetta equipe formativa del seminario regionale. Incidentalmente: un paio di anni dopo il rettore del seminario non poteva che essere nominato vescovo, dopo avere improntato la nuova formazione dei futuri preti a suon di visite nei campi profughi e nei campi rom. Non importa che questi futuri preti non conoscessero non dico le opere, ma nemmeno il nome dei più grandi Santi Padri e dottori della Chiesa, perché una puntata a un campo rom supplisce tutto e conferisce speciali doni di grazia dello Spirito Santo.

.

Se di fatto viene tolta a un vescovo la facoltà di poter formare i propri diaconi e presbiteri come egli reputa giusto e opportuno per la sua diocesi, in nome di una collegialità episcopale molto male intesa, forse sarebbe opportuno chiudere definitivamente i pochi seminari che ci restano, la maggioranza dei quali disastrati e disastrosi. Evitando a questo modo di trasformare le diocesi in una via di mezzo tra liberi collettivi e cooperative sociali, con i vescovi ridotti e obbligati a ratificare capricci ed errori di presbiteri e laici. Più che una «Chiesa in uscita» la nostra è una Chiesa che conclusa la fase dell’amministrazione controllata pre-fallimentare si ritrova adesso con gli ufficiali giudiziari alle porte per il sequestro degli stabili, após a falência fraudulenta produzida pelo imaginativo egomenico Conselho dos intérpretes de “espírito do conselho” naquela época nada auspiciosa do pós-concílio que fez o Santo Pontífice Paulo VI dizer: "Com o Concílio Vaticano II que esperávamos primavera e em vez disso veio o inverno".

a Ilha de Patmos, 22 novembro 2022

.

.

Relembramos o directo de quinta-feira 24 novembro de clube teológico dirigido por Padre Gabriel. Clique abaixo para se cadastrar Canal da Jordânia

.

O ÚLTIMO LIVRO DE ARIEL S. LEVI de GUALDO – PARA ACESSAR A LIVRARIA CLIQUE NA CAPA

.

 

.

.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.

fé e ciência, um relacionamento que sempre foi frutífero, mas não fácil, especialmente no mundo da era digital, na direção de 24 novembro no 21

FÉ E CIÊNCIA, UM RELACIONAMENTO QUE SEMPRE FOI FRUTO, MAS NÃO FÁCIL, ESPECIFICAMENTE NO MUNDO DA ERA DIGITAL, NA LIVE DE 24 NOVEMBRO ÀS 21

No mundo inteligente, nella età digitale dove tutto è a portata di dito e di un click, fé e ciência ainda têm uma relação frutífera entre si? C’è tra di loro un’armonia da riscoprire?

— O vídeo ao vivo da Ilha de Patmos —

Autor: Jorge Facio Lince Presidente delle Edizioni L’Isola di Patmos

.

o teólogo dominicano Gabriele Giordano M. Scardocci, pai editor de A Ilha de Patmos

In uno dei suoi interventi televisivi Padre Ariel S.. Levi di Gualdo spiazzò gli ospiti presenti, intrisi di surreali “leggende nere medievali” e di conflitti tra “Chiesa e scienza”, provérbio: «La Chiesa è stata e tutt’oggi è madre della scienza». E con una breve battuta – come di necessità si deve fare negli spazi di un programa de entrevista – disse tutto l’essenziale.

La Chiesa “nemica” della ragione? Siamo seri e non scherziamo: le più grandi speculazioni logiche e razionali nascono e si sviluppano nell’ambito cattolico sino a giungere al loro culmine con la enciclica Fé e Razão (Fede e ragione) do Santo Pontífice João Paulo II.

No mundo inteligente, nella età digitale dove tutto è a portata di dito e di un click, fé e ciência ainda têm uma relação frutífera entre si? C’è tra di loro un’armonia da riscoprire? Di questo tema se ne discuterà con Andrea Mameli, fisico e divulgatore scientifico, nella diretta di mercoledì 24 novembro no 21:00.

Iscrivetevi al nostro canale e partecipate numerosi. Le dirette trasmesse potete poi trovarle nell’archivio del Canal da Jordânia a clube teológico.

Todas as atualizações e gli avvisi sulle successive dirette potrete trovarli nella colonna di destra della pagina inicial de L’Isola di Patmos sotto la voce «Le dirette di Padre Gabriele».

Estamos esperando por você.

Da ilha de Patmos, 23 setembro 2022

 

CLICCATE SULL’IMMAGINE PER ISCRIVERVI AL CANALE

.

.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.

Irmã Cristina e essas pobres ursulinas que não conhecem Sócrates: "Melhor morrer com o corpo saudável para evitar o cancelamento"

IRMÃ CRISTINA E AQUELAS URSULINAS QUE NÃO CONHECEM SÓCRATES: «MELHOR MORRER COM O CORPO SADIO PARA EVITAR A DECADÊNCIA»

As freiras imprudentes e sua superiora geral imprudente não podem pensar em catapultar uma jovem freira para o mundo do entretenimento e depois ser capaz de administrá-lo.. Este mundo irá gerenciá-los e devorá-los sem sequer cuspir o osso.

- Notícias da Igreja -

.

.

artigo em formato de impressão PDF

 

.

.

Cristina Scuccia, ex-Irmã Cristina da Congregação das Irmãs Ursulinas da Sagrada Família (para abrir o vídeo clique na imagem)

vou te contar a história da Irmã Cristina com toda a severidade que só um padre pode ter para com as congregações de certas freiras. Cristina Scuccia é uma graciosa e ensolarada siciliana, trinta e três anos hoje, dotado de uma voz extraordinária. Ela se torna freira nas Ursulinas da Sagrada Família, recém-nascida congregação fundada em 1908 uma Monterosso Almo por Arcangela Salerno para a educação da juventude. De Monterosso mudaram a casa para Siracusa onde foram reconhecidos pelo Arcebispo Metropolitano luigi bignami No 1915. No imediato pós-guerra, No 1946 foram reconhecidas pela Santa Sé como Congregação de Direito Pontifício.

.

Como muitas vezes acontece às numerosas congregações femininas que não têm um carisma como o das grandes ordens históricas masculinas e femininas - porque não são senão a duplicata das grandes fundadoras adaptadas às personalidades muitas vezes egocêntricas e narcisistas de certos novos criadores de novas realidades religiosas - sua sobrevivência nunca excede i 100 ano de vida. Destas congregações, as menos maltratadas vêm celebrar o seu século de vida em estado de semi-agonia., reduzidas a algumas dezenas de velhas freiras mais ou menos putas a quem têm freiras de meia-idade – chamadas de jovens – que muitas vezes nem sabem o que é vida religiosa, eles colocam os pés na cabeça, fazendo com que se arrependam de seus pecados com esse tipo de crueldade feminina que só as freiras são capazes de ter e exercer. Ou como eu disse uma vez a um desses tipos de freira, colocando-a na linha: "Irmã, ela é tão mesquinha e azeda que se colocar a ponta do dedo em um copo de leite, iogurte imediatamente".

.

em outubro 2014, quando o caso explodiu Irmã Cristina escrevi um artigo a que vos refiro e onde "profetizo" o óbvio: que inevitavelmente deixaria a vida religiosa.

.

Quando um padre deixa o sacerdócio, um religioso sua ordem, uma freira de votos solenes sua congregação, a pergunta a fazer não deveria ser onde os que abandonaram erraram, mas onde certos bispos e superiores religiosos maiores erraram. Mas como é conhecido na Igreja, especialmente diante de certas falhas, aqueles que deram à luz certos monstros sempre se perguntam onde os outros erraram, explicando como e por que a culpa é toda dos outros.

.

… e que nenhum, na Congregação das Irmãs Ursulinas da Sagrada Família, ouse dizer que a culpa é da Irmã Cristina …

As freiras imprevidentes e seu imprudente Superior Geral não pode pensar em catapultar uma jovem freira para o mundo do entretenimento e depois ser capaz de administrá-lo. Este mundo irá gerenciá-los e devorá-los sem sequer cuspir o osso.

.

Cristina Scuccia ela é uma menina muito boa que, levada por um impulso emocional, entrou na vida religiosa sem perceber o arco de 15 anos o que realmente era a vida religiosa. eu sou a prova disso 26 minutos de entrevista concedida a programa muito verdadeiro seu canal5.

.

Conhecendo a malícia de certas freiras é evidente que os pobres evadidos pensamos em lançar uma de suas irmãs dotadas de extraordinárias habilidades de canto no mundo do entretenimento para promover sua moribunda Congregação reduzida a pouco mais de 50 religiosos principalmente na velhice e assim voltam a ter, no rastro de publicidade por Irmã Cristina, algum novo postulante em seu noviciado que está vazio há anos e anos. Ou dito em termos mais coloridos, mas eficazes: algumas freiras realmente acham que fodem o outro cara, exceto para acabar fodido por um vizinho muito mais experiente e, acima de tudo, muito mais diabólico do que eles.

.

Um padre e uma freira podem ser presenças bem-vindas e até valiosas nos diversos programas de aprofundamento jornalístico, Eu mesmo participei de vários programas da Mediaset, como minha querida e estimada Irmã Anna Monia Alfieri. Mas estes são programas em que questões atuais ou problemas sociais são discutidos e explorados, historiadores e políticos, onde a Irmã Anna Monia e eu representamos, ela como religiosa eu como sacerdote a Igreja Católica e seu pensamento, sua doutrina e moral, com precisão e dignidade, nós não fizemos um show. Um padre e uma freira não se jogam no show business, porque não convém a nós consagrados que possamos ser destruídos por ele da pior forma, como no doloroso e dramático caso de Irmã Sorriso, que começou com um hit nos anos 60 e terminou em tragédia, primeiro se tornando alcoólatra e por fim morrendo por suicídio junto com sua amiga.

.

Nos últimos anos as obras maravilhosas realizadas por esta Congregação das Irmãs Ursulinas da Sagrada Família foram principalmente duas: transformaram os edifícios de dois de seus institutos localizados na Ortigia de Siracusa em spas cinco estrelas. Estruturas hoteleiras geridas por freiras e das quais no verão se pode ver um casal de dois homens do norte da Europa a sair pacificamente, exibindo o seu bebé de brinquedo comprado de um útero alugado, ou dois escolta luxo em movimento, ou um septuagenário de férias com a neta de 25 anos. no entanto, cabe a nós padres dizer que tudo isso é ruim e um pecado grave, não como as freiras que disponibilizam um para certos pecadores beleza Fazenda? De propósito, Eu queria saber se em Siracusa, antiga e nobre Igreja de fundação apostólica há sempre um Arcebispo que controla a atividade e a vida dos institutos de religiosos que se encontram em seu território canônico, ou talvez o lema antigo se aplique Pecunia non olet?

.

… e que nenhum, na Congregação das Irmãs Ursulinas da Sagrada Família, ouse dizer que a culpa é da Irmã Cristina …

Depois dos hotéis a pontuação das ursulinas o sucesso da Irmã Cristina que não tem culpa de ter encarado a vida religiosa levianamente, seus treinadores devem ter notado, se eles não fossem contratados para administrar academias cinco estrelas.

.

eu reitero que a culpa não é da irmã Cristina mas das freiras, porque se você percorrer o vídeo a seguir poderá ver com seus próprios olhos as freiras presentes no mostrar The Voice Italia que saltam e gritam como loucos. Essas fotos são evidências plásticas de quem é realmente o culpado. De suas irmãs imprudentes que estão torcendo ao vivo se contorcendo publicamente de uma forma nada menos que indigna de virgens consagradas.

.

Somos confrontados com a história comum de uma Congregação em colapso aguardando a morte em uma unidade de terapia intensiva, graças às freiras que nunca valorizaram a sabedoria de Sócrates: "Melhor morrer com o corpo saudável para evitar o cancelamento". Caso contrário, eles transformam suas próprias instituições em salão de beleza e é feita uma tentativa de pegar alguma vocação jogando uma jovem freira no mundo do entretenimento de uma forma vil. Porque como você sabe, depois da tragédia vem sempre o ridículo da farsa grotesca.

a Ilha de Patmos, 22 novembro 2022

.

.

.

.

Relembramos o directo de quinta-feira 24 novembro de clube teológico dirigido por Padre Gabriel. Clique abaixo para se cadastrar Canal da Jordânia

.

O ÚLTIMO LIVRO DE ARIEL S. LEVI de GUALDO – PARA ACESSAR A LIVRARIA CLIQUE NA CAPA

.

 

.

.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.

Gabriele Giordano M. Scardocci
Da Ordem dos Pregadores
Presbítero e Teólogo

( Clique no nome para ler todos os seus artigos )

A grande monarquia cristológica do Rei do Universo

Homilética dos Padres da ilha de Patmos

LA CRISTOLOGICA GRANDE MONARCHIA DEL RE DELL’UNIVERSO

I sudditi di questo Re sono tutti i credenti della sua fede, que espera em sua esperança. E sobretudo são aqueles que experimentam o Reino como comunidade de crentes que amam e operam este amor a partir desta fé e desta esperança..

 

Autor:
Gabriele Giordano M. Scardocci, o.p.

.

artigo em formato de impressão PDF

 

.

Queridas Cartas de A Ilha de Patmos,

.

quella della regalità e signoria di Cristo sul mondo è una solennità liturgica che forse sfugge a noi uomini del 2022. Siamo uomini del nostro tempo, nati e cresciuti all’ombra del secolo breve, o ancor meglio dell’età dei totalitarismi, secolo che si è concluso ventitré anni fa. Per noi la democrazia e la sua espressione mediata in sistemi socio-politici in cui siamo rappresentati è un sistema che culturalmente accettiamo. Ora mi trovo nella splendida Firenze e, come noto a tutti, i Signori di Firenze per tanti anni sono stati i Medici. Lorenzo de’ Medici, detto il Magnifico, ha lasciato i segni dell’opera della sua magnificenza ancora visibili nella Città di Firenze.

.

Palazzo Vecchio in piazza della Signoria evoca in me proprio i fasti e le regalie dei Medici. Ma c’è un’altra Signoria che oggi è necessario ricordare. Gesù ricorda alla Chiesa e al mondo intero la sua Signoria e Monarchia sul mondo. Gesù ci ricorda che al di là di tutte le istituzioni politiche che sono dono per il cittadino e per tutti, il Signore e re della Nostra vita è lui.

.

È bene per noi festeggiare e meditare sul Re: perché ci sia il Ritorno del Re, Jesus Cristo, nelle nostre vite troppo spesso distratte e perse nei meandri delle mode e dei pensieri mondani. Questo non è però un tentativo di distruggere il nostro stare nel mondo. La riflessione di oggi è proprio fondare la nostra presenza nelle nostre smart city, sapendo che siamo inviati dal Re Eterno, il cui trono è la croce. È lì che esprime il suo splendore e la sua regalità.

.

La croce esprime il senso profondo e la diversità assoluta di Gesù rispetto a tutti gli altri re terreni. Perché è innalzato come tutti gli altri re, ma in un modo diverso. Esprime infatti il regno in modo completamente contrario rispetto al resto del mondo. Il Suo Regno è la carità. Gesù è il re che esercita il suo dominio nel servizio e nella donazione totale a noi: l’unico potere, l’unico scettro del Signore è l’amore di chi si dona fino alla fine. Perciò da quella croce si irradia il Regno annunciato da Cristo stesso sin dagli inizi della sua predicazione [cf.. LC 6,28 – 30].

.

I sudditi di questo Re ― e sudditi è la parola giusta da usare ― sono tutti i credenti della fede in lui che attendono nella sua speranza. E sobretudo são aqueles que experimentam o Reino como comunidade de crentes que amam e operam este amor a partir desta fé e desta esperança.. Noi fedeli siamo continuamente connessi e legati al Nostro Re, che accompagna e guida la nostra libertà e responsabilità verso la Santità personale. In tal modo ci fa diventare re tutti quanti.

.

Gesù riconosce con grande gioia il pentimento del ladrone pentito che domanda se potrà essere ammesso nel suo regno e al quale risponde: "Em verdade te digo:: oggi con me sarai nel paradiso». Il grande riconoscimento della propria colpa da parte del ladrone di cui non sappiamo il nome, è il suo ingresso nella fede, speranza e carità di Gesù. Che sono le condizioni di chi si fa servitore del Re. Gesù accoglie tutto questo e lo rende re a sua volta, prima in quel momento, poi definitivamente in Paradiso.

.

Ecco perché questa solennità coinvolge tutti noi. Perché dal battesimo siamo tutti re, profeti e sacerdoti. Siamo re perché cerchiamo di imitare Gesù nell’attuazione del Regno D’Amore del Padre e dello Spirito Santo.

.

Pedimos ao Senhor di entrare nel Suo Regno di Servizio esercitando l’umiltà di chi si riconosce peccatore e viene così esaltato nella gloria del perdono.

Buon cammino di regalità a tutti.

Santa Maria Novella in Firenze, 19 novembro 2022

.

.

Iscrivetevi al nostro Canale Jordânia a clube teológico diretto da Padre Gabriele cliccando sopra l’immagine

LE ULTIME PUNTATE SONO DISPONIBILI NELL’ARCHIVIO: WHO

.

.

Visite as páginas de nossa loja livro WHO e apoie nossas edições comprando e distribuindo nossos livros.

.

.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.

Aquela liturgia em que muitas vezes se participa sem saber o sentido e o significado do que está sendo recitado e celebrado. Comecemos com um breve percurso pelos Prefácios do tempo do Advento …

AQUELA LITURGIA DA QUAL FREQUENTEMENTE PARTICIPAMOS SEM SABER O SIGNIFICADO E SIGNIFICADO DO QUE RECITAMOS E CELEBRAMOS. COMECEMOS COM UMA BREVE VIAGEM PELO PREFÁCIO DO TEMPORADO DO ADVENTO...

Advento, tente vivê-lo e celebrá-lo nas igrejas, não em mídia social. E se você tiver alguma dúvida, ou coisas para esclarecer, voltem-se para nós Sacerdotes, que por mais inadequado que seja, pecadores, inepto e decepcionante - como muitos escrevem em seus desabafos na Internet - algo mais do que os teólogos improvisados ​​em o Facebook e Twitter, tenha certeza de que sabemos disso e podemos oferecê-lo a você, O tempo todo libertar a Dei de amor.

— Pastoral Litúrgica —

Autor
Simone Pifizzi

.

artigo em formato de impressão PDF

 

.

.

Nota do editor: você tem Padri de A Ilha de Patmos um novo editor se juntou, o padre florentino Simone Pifizzi, pastor e liturgista [veja WHO]

Há muitos católicos, mesmo aqueles devotados e animados por uma fé sincera, desconhecem o significado das palavras ditas e dos gestos feitos pelo padre durante a Santa Missa. O rito sagrado que através da Santa Missa renova o sacrifício incruento de Cristo está cheio de sinais e símbolos, cada uma delas carregada de um profundo significado teológico e mistagógico. Como é sempre necessário explicar cada palavra, lembre-se que a “mistagogia”, palavra de origem grega, cujo significado é "iniciação nos mistérios", no léxico cristão indica a descoberta da nova vida de graça que recebemos por meio dos sacramentos. O Catecismo ensina:

.

“A liturgia é o ápice para o qual tende a ação da Igreja e, juntos, a fonte de onde flui toda a sua virtude. A catequese está intrinsecamente ligada a toda ação litúrgica e sacramental, porque está nos Sacramentos, e sobretudo na Eucaristia, que Jesus Cristo age plenamente para a transformação dos homens" [cf.. n. 1074]. A catequese litúrgica visa introduzir no mistério de Cristo (é de fato “Mistagogia”) à medida que procede do visível para o invisível, do significante ao que é significado, dos "sacramentos" aos "mistérios" [cf.. n. 1075].

.

Eu dizia que a sagrada liturgia é rica em sinais e símbolos, cada um dos quais tem um significado profundo. Até os silêncios ou acenos de reverência do Sacerdote têm seu significado teológico e mistagógico. Para entendê-lo, bastaria ouvir os mestres, em vez de perseguir teólogos e liturgistas improváveis ​​que reclamam mídia social. Vamos tentar esclarecer tudo com um exemplo tirado da Primeira Oração Eucarística, também disse Cânone Romano. No acima, onde é feita referência a comunhão dos santos o padre recita:

.

«[…] Em comunhão com toda a Igreja, recordamos e veneramos sobretudo a gloriosa e sempre virgem Maria, Mãe de nosso Deus e Senhor Jesus Cristo”..

.

Mencionando a Bem-Aventurada Virgem Maria o Sacerdote insinua uma leve reverência com a cabeça, quando um pouco mais tarde ele menciona Jesus Cristo, sugere um arco mais profundo. Porque? A razão está contida nas próprias palavras: a "Virgem Maria Mãe" é uma criatura, isto é, uma criatura criada, que é venerado como tal (daí a leve reverência), enquanto Cristo é "nosso Deus e Senhor", que não é uma criatura, mas "gerado não criado da mesma substância que o Pai", ou seja, é Deus, então você ama isso. Estes são passos muito importantes, mesmo que nem sempre seja conhecido aprendiz de feiticeiro que de um dia para o outro começaram a "brincar" com o antigo Missal de São Pio V e que nunca perdem uma oportunidade, em suas exasperações você frequentemente beira a mariolatria, demonstrar a incapacidade de distinguir o Deus encarnado, Segunda Pessoa da Santíssima Trindade, da mais pura das criaturas, que, por mais imaculado, ainda permanece uma criatura criada, com a serena paz de quem a reclama como corredentora, apesar da clara recusa dos Sumos Pontífices, último na ordem da série Bento XVI e Francisco. Esta distinção substancial entre "criatura" e "Deus", na sagrada liturgia não se expressa com palavras e muito menos com lições de teologia dogmática, de cristologia ou mariologia, mas com dois arcos simples: uma luz para Maria criatura criada, um profundo, a Cristo Deus gerado não criado, que não precisa de corredentores e corredentores, como delicadamente expresso por Bento XVI, de uma forma um pouco mais “grosseira”, mas igualmente incisiva e clara, por Papa Francisco [cf.. Catequese sobre a oração – Rezar em comunhão com Maria].

.

Disse amigavelmente: Padres des A Ilha de Patmos, quando celebram e assim exercem o a tarefa de santificar, Eles sabem o que eles estão fazendo. Quando assim ensinam e exercitam o a tarefa de ensinar, eles sabem bem o que ensinam. Sem fazer papel de bobo diante dos ouvintes como esses fenômenos circenses que preenchem suas sérias lacunas teológicas listando os doutorados teológicos obtidos. Claro, toda referência é completamente involuntária, para não falar casual…

.

Na liturgia é chamado de Prefácio o louvor solene que introduz a Oração Eucarística e que constitui a sua primeira parte introdutória. Uma oração tanto no antigo missal de São Pio V quanto no missal de São Paulo VI começa em ambos com um diálogo entre o celebrante e os fiéis:

.

O Celebrante: "O senhor esteja com você". as pessoas respondem: "E com o seu espírito". O celebrante retoma: "Levante Nossos Corações". As pessoas: "Eles são dirigidos ao Senhor". O Celebrante (acenando com a cabeça) "Damos graças ao Senhor nosso Deus". E o Povo conclui: "É bom e certo".

.

A parte recitada apenas pelo celebrante segue, cuja secção central varia consoante a celebração, porque os prefácios são numerosos e por isso variam do Tempo Comum ao da Quaresma, do Advento ao Natal, da Páscoa ao Pentecostes, seguir com outros "próprios prefácios" usados ​​nas celebrações em memória da Santíssima Virgem, dos santos, dos mártires, dos mortos. Por esta razão a segunda parte é sempre variável, porque seu objetivo é explicar, como uma breve catequese, a razão pela qual a glória e a ação de graças de toda a Igreja universal são devidas a Deus. Tomemos como exemplo o III Prefácio da Bem-Aventurada Virgem Maria para compreender este elemento catequético contido na sagrada liturgia. Recite o texto:

.

No anúncio do anjo, acolheu a tua Palavra no coração imaculado e merecia concebê-lo no ventre virginal; tornando-se a mãe de seu Criador, marcou o início da Igreja.

Ao pé da cruz, pelo testamento de amor do teu Filho, estendeu sua maternidade a todos os homens, gerado pela morte de Cristo para uma vida que nunca vai acabar.

Imagem e modelo da Igreja em oração, unidos na oração dos Apóstolos esperando o Espírito Santo.

Assumido à glória do céu, acompanhar a Igreja com amor materno e o protege em seu caminho para a pátria, até o dia glorioso do Senhor.

.

Afinal a parte final, estruturalmente sempre o mesmo, exceto pela diferença de algumas palavras de um Prefácio para outro, cujo objetivo é introduzir o canto e a aclamação do sagrado de todo o Povo de Deus reunido em assembléia:

.

E novembro, juntamente com os Anjos e os Santos,

nós cantamos sem parar

o hino do seu louvor: Santo …

.

O tempo do Advento em que estamos prestes a entrar tem dupla função, como explicam as normas litúrgicas:

.

«[...] É hora de se preparar para a solenidade do Natal, comemorando a primeira vinda do Filho de Deus entre os homens e, ao mesmo tempo, é a hora em que, através desta memória, o espírito é levado à expectativa da segunda vinda de Cristo no fim dos tempos» [cf.. Normas gerais para a organização do ano litúrgico e do calendário, n. 39].

.

Ao longo dos séculos, o curto mas intenso tempo litúrgico “forte” do Advento sempre conservou estes dois grandes aspectos da preparação à celebração memorial do nascimento de Jesus Cristo no tempo e da esperar de seu glorioso retorno final. Estas duas dimensões são recordadas tanto pelos textos bíblicos como patrísticos utilizados tanto na celebração eucarística como na Liturgia das Horas. A este período que marca o mistério da encarnação do Verbo de Deus feito homem, da qual brotará a nova revelação e o mistério da salvação, precisamente por sua importância fundamental, grandes santos padres e doutores da Igreja lhe dedicaram escritos e sermões. Poderíamos citar apenas alguns, por Santo Irineu de Lyon [cf.. Lado de dentro, 1,88-95.99] a São Gregório Magno [cf.. Homilias 1, 8], por São Bernardo de Clairvaux [cf.. Quarto Discurso sobre o Advento 1. 3-4], seguir em tempos mais recentes com São Carlos Borromeu que explica como o tempo do Advento exige ser piedosamente santificado pelos homens [cf.. Cartas Pastorais].

.

Entre os muitos textos que enriquecem a liturgia deste tempo litúrgico, os Prefácios próprios do Advento merecem particular atenção, que constituem em si um verdadeiro itinerário litúrgico-espiritual adequado para enriquecer a vida cristã.

.

Para o tempo do Advento, o Missal Romano Italiano contém quatro textos: Os dois primeiros (eu e eu/a) eles são usados ​​desde o primeiro domingo do advento até 16 dezembro, segundos (II por II/A) para os dias restantes. Prefácios I e I/A enfatizam especialmente a vinda final de Cristo no fim dos tempos, no que é chamado Rússia. Os outros dois (II por II/A) são um convite a preparar o coração e a mente para a celebração da sua primeira vinda, sem perder de vista o destaque dado nos dois primeiros.

.

Agora vamos aos textos, obviamente levando em consideração apenas a "parte móvel" ou a segunda parte do Prefácio, o que anteriormente indicamos e definimos como catequese.

.

No I Prefácio do Advento a dupla vinda de Cristo é anunciada com estas palavras:

.

"Em seu primeiro advento na humildade da condição humana, ele cumpriu a antiga promessa e abriu para nós o caminho da salvação eterna. Quando ele voltar no esplendor da glória, ele nos chamará para possuir o reino prometido que agora ousamos esperar vigilantemente na expectativa".

.

O título já expressa todo o significado deste tempo litúrgico: memória da primeira vinda de Cristo na carne e antecipação de seu retorno glorioso. Três passagens importantes se destacam na primeira parte: a ênfase na humilhação do Filho de Deus, que imediatamente lembra o famoso hino cristológico:

.

"Cristo Jesus, embora seja de natureza divina, Ele não teve por usurpação ser igual a Deus; mas ele se despiu, tomando a forma de servo, tornando-se em semelhança humana; apareceu na forma humana, humilhou-se a si mesmo tornando-se obediente até a morte e morte de cruz" [Fil 2,5-8].

.

Segue o “cumprimento da antiga promessa”. Jesus, com sua encarnação, dá cumprimento final e definitivo a todas as profecias e promessas feitas aos Pais ao longo do Primeiro Testamento. Ou para citar a abertura solene da carta aos Hebreus:

.

"Deu, que já havia falado em tempos antigos muitas vezes e de maneiras diferentes aos Padres através dos Profetas, recentemente, nesses dias, ele nos falou por meio de seu Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas e por meio de quem também fez o mundo" [EB 1, 1-2].

.

Afinal, na conclusão, a abertura definitiva - operada por Aquele que se apresentará como o Caminho, Verdade e Vida [cf.. GV 14, 6] - da salvação eterna e vida sem fim. A segunda parte nos leva ao fim dos tempos, onde a humildade será substituída pela glória. nesta glória, eterno e definitivo a Palavra introduzirá todos os que nele crerem e que com esperança, já nesta vida, eles olham neste momento.

.

Gostaria de enfatizar a presença desses dois verbos que nos preocupam: um no futuro — «ele nos chamará para possuí-lo» e um no presente - «nos atrevemos» que dizem o "já e ainda não" no qual todo crente é inserido com o Batismo e que se renova em cada celebração eucarística e em cada sinal sacramental.

.

No Prefácio I/A Cristo é celebrado, Senhor e juiz da história, através destas palavras de louvor:

.

«Tu ocultaste de nós o dia e a hora em que Cristo, teu Filho,, Senhor e juiz da história, aparecerá nas nuvens do céu vestido de poder e esplendor. Naquele dia tremendo e glorioso o mundo atual passará e novos céus e uma nova terra surgirão. Agora ele vem ao nosso encontro em cada homem e em cada tempo, porque o acolhemos com fé e testemunhamos com amor a bem-aventurada esperança do seu reino".

.

Neste texto, tudo está projetado na vinda final do Cristo glorioso. A linguagem é solene e enfática: "Senhor e Juiz", "vestido de poder e esplendor", "naquele dia terrível e glorioso". No entanto, este "ainda não" é comparado com o presente, em que cada crente é chamado a reconhecer a vinda de Cristo no rosto do irmão que encontra na vida quotidiana na experiência das três virtudes teologais aqui explicitamente referidas: Fé, Esperança e Caridade. A esperança, Virtude típica do Advento, é acolhida com Fé e testemunhada com uma autêntica Caridade.

.

No Prefácio II temos as duas expectativas de Cristo retratado e explicado nestas palavras:

.

«Ele foi anunciado por todos os profetas, a Virgem Mãe o esperou e o carregou em seu seio com amor inefável, João proclamou a sua vinda e indicou-o presente no mundo. O mesmo Senhor, que nos convida a preparar com alegria o seu Natal, encontre-nos vigilantes em oração, exultante em louvor".

.

Texto educativo extraordinário que resume toda a história da salvação em preparação para a vinda do Filho de Deus na carne: o anúncio profético, a Santa gestação da Virgem, a pregação e o testemunho do Batista e que não só anuncia a vinda do Senhor, mas também tem a graça de ver a sua realização. O crente é convidado a alegrar-se porque Jesus já está presente e podemos experimentar esta presença tanto na oração pessoal, como "vigilantes na oração" e na litúrgica, ou: «regozijar-se no louvor».

.

Prefácio II/A centra-se em Maria nova Eva, esclarecendo o papel que Deus lhe confiou no mistério da salvação, ou como dizem na economia [o grego economia] Salvação:

.

« Nós te louvamos, nós te abençoamos, nós te glorificamos pelo mistério da Virgem Mãe. Do antigo adversário veio a ruína, do seio virginal da filha de Sião germinou aquela que nos alimenta com o pão dos anjos e surgiu a salvação e a paz para toda a humanidade. A graça que Eva tirou de nós é devolvida a nós em Maria. Nela, Mãe de todos os homens, maternidade, redimido do pecado e da morte, abre-se ao dom da vida nova. Onde a culpa abundava, vossa misericórdia abunda em Cristo nosso Salvador".

.

O texto deste Prefácio de cunho mariano nos leva diretamente à contemplação da Virgem Mãe de Deus: santa Maria, protagonista por excelência dos últimos dias do Advento. Maria é comparada com Eva, usando a categoria de “maternidade”. Do ventre de Eva - tentado pelo Antigo Adversário, a serpente - surgiu uma humanidade marcada pela experiência do pecado, uma verdadeira "ruína". Maria é a nova Eva, a Mãe de uma nova humanidade, não tanto e não mais no sentido biológico, mas no sentido espiritual. Se por um lado é verdade que todos somos homens nascidos numa carne marcada pela experiência do pecado, a Encarnação do Verbo Divino - aqui primorosamente indicada com duas imagens de forte sabor bíblico: "pão dos anjos" e "rebentos" - escancara diante de nós o dom da Redenção e de uma vida nova, divino e espiritual. No último período as palavras do Apóstolo Paulo repercutiram quase literalmente:

.

«A lei veio então dar plena consciência da queda, mas onde o pecado abundou, graça abundou, porque como o pecado reinara com a morte, assim reine também a graça com a justiça para a vida eterna, por Jesus Cristo, nosso Senhor". [RM 5, 20-21].

.

Isso é o que devemos sempre lembrar também, em todos os momentos da nossa vida, especialmente quando sentimos o peso de nossas deficiências, das nossas falhas, quando a vida parece uma ladainha de fracassos e até quando a própria fé corre o risco de fraquejar por causas internas e externas. por que sobre tudo, mesmo sobre o pecado, sua infinita misericórdia abunda, seu amor.

.

Meditemos com atenção sobre estes textos que a Mãe Igreja nos dá para nos preparar para o nascimento do Senhor e muito mais para o nosso encontro pessoal com Ele, quando não o veremos mais como em um espelho, mas cara a cara, e nós o conheceremos como agora somos reconhecidos por ele [cf.. 1 CR 13, 12].

.

Termino com uma recomendação: o advento, tente vivê-lo e celebrá-lo nas igrejas, não em mídia social. E se você tiver alguma dúvida, ou coisas para esclarecer, voltem-se para nós Sacerdotes, que por mais inadequado que seja, pecadores, inepto e decepcionante - como muitos escrevem em seus desabafos na Internet - algo mais, em comparação com teólogos improvisados ​​em o Facebook e Twitter, tenha certeza de que sabemos disso e podemos oferecê-lo a você, O tempo todo libertar a Dei de amor.

Florença, 17 novembro 2022

.

.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.

Acompanhe a live de A ilha de Patmos no canal “Jordânia” do Clube Teológico” conduzido por nosso teólogo dominicano Gabriele Giordano M. Scardocci

ACOMPANHE AO VIVO DE A ILHA DE PATMOS NO CANAL JORDÂNIA A CLUBE TEOLÓGICO CONDUZIDO PELA NOSSA EDITORA DOMINICANA GABRIELE GIORDANO M. SCARDOCCI

Os Padres des A Ilha de Patmos Tenho o prazer de fornecer a você transmissões ao vivo sobre tópicos importantes e interessantes de doutrina e fé. Inscreva-se numeroso e acima de tudo participe, se você está realmente procurando o que a mídia social fala sobre dizer que você está procurando.

— O vídeo ao vivo da Ilha de Patmos —

Autor:
Jorge Facio Lince
Presidente da Editions A ilha de Patmos

.

o teólogo dominicano Gabriele Giordano M. Scardocci, pai editor de A Ilha de Patmos

A principal reclamação: «… padres não fazem catequese … os padres não explicam mais as Sagradas Escrituras … padres não pregam bem … e ameaça, e ameaça, e ameaça …». É sobre isso que lemos Mídia social numa sucessão de lamentos sem fim.

Para alguns reclamantes podemos até estar parcialmente certos, mas deve ser especificado: e quando os padres estão ocupados oferecendo apoio espiritual, catequese e homilias, a reação de “reclamando” qual é? Infelizmente, os fatos mostram que, em vez de aproveitar certas oportunidades na hora, eles ficam mídia social reclamar: «… padres não fazem catequese … os padres não explicam mais as Sagradas Escrituras … padres não pregam bem … e ameaça, e ameaça, e ameaça …».

Padre Gabriele Giordano Maria Scardocci Nosso editor e teólogo dominicano oferece um valioso serviço a todos aqueles que - pelo menos em palavras - se declaram “órfãos” uma boa catequese, da palavra de Deus e pregação sã e profunda. Você pretende se inscrever, conectar e seguir, Ou você prefere ficar mídia social reclamar: «… padres não fazem catequese … os padres não explicam mais as Sagradas Escrituras … padres não pregam bem … e ameaça, e ameaça, e ameaça …».

pelos números, às vezes satisfatório, às vezes impiedoso, mas principalmente real, seremos capazes de compreender quanto e até que ponto certos “órfãos” eles estão em busca real ou se o que eles procuram é apenas pão, circo e muita fofoca sensacionalista, teórico da conspiração e escandaloso. Visto que a Palavra de Deus não é nem sensacionalista, nem teórico da conspiração, nem escandaloso. Mas sobretudo oferece a verdade do Mistério da Cruz, não oferece: Painel&Circo.

Para acompanhar ao vivo você pode clicar na imagem abaixo amanhã à noite às 21, onde eu pai de A Ilha de Patmos estão esperando por você para falar com você sobre o assunto: "O Retorno do Rei":

.

Todas as atualizações e avisos ao vivo subseqüentes, você pode encontrá-los à direita da página inicial da Ilha de Patmos sob o título "O direto do Padre Gabriele".

.

.

Estamos esperando por você.

Da ilha de Patmos, 15 setembro 2022

.

.

.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.

Jesus Cristo era pobre? O problema de uma incompreendida "Igreja pobre para os pobres" e o grande problema do patrimônio eclesiástico

JESUS ​​CRISTO ERA POBRE? O PROBLEMA DA IGREJA POBRE PARA OS POBRES E O GRANDE PROBLEMA DA IMOBILIÁRIA ECLESIÁSTICA

Quem por ignorância crassa, quem por anticlericalismo vulgar, que por ideologia ou prazer clerical fala de um pobre Jesus reduzido a um pobre menino flor, anuncia um falso Cristo que nunca existiu e não corresponde às crônicas históricas narradas e transmitidas pelos Evangelistas.

- Notícias da Igreja -

.

.

artigo em formato de impressão PDF

 

.

.

.

Os padres napolitanos Vincenzo Doriano De Luca (certo) diretor da revista diocesana Januário e Franco Cirino (deixei) Ecônomo da Arquidiocese de Nápoles – clique na imagem para abrir o vídeo

Alguns Leitores salientaram que escrevo artigos que são «interessantes e claros, mas muito tempo". Alguém esclareceu: "Na época do mídia social a maioria das pessoas não lê além da décima linha". Bem, eu te digo isso A Ilha de Patmos é um pouco’ Um milagre. De outubro de 2014 até hoje, os visitantes sempre aumentaram sem nunca diminuir. Dentro 2016 tivemos que comprar um servidor dedicado capaz de lidar com mais de vinte milhões de visitas por ano. Como o nosso explica webmaster o sucesso não se deve ao número de visitas mas sim ao tempo médio de permanência no site, que é muito alto. Portanto, aqueles que não passam de dez linhas, Eu não sou o público para o qual os Padres de A Ilha de Patmos eles pretendem entrar em contato.

.

Agora vou oferecer um longo artigo para quem não pretende explicar e resolver temas complexos e articulados a nível histórico, eclesial, pastoral, econômica e financeira com três alinhamentos de “tiro” Twitter enquanto caminha pela rua ou na fila do caixa supermercado esperando para pagar.

.

No episódio de Relatório a 7 uma entrevista com dois presbíteros napolitanos foi transmitida pela Rai2 em novembro: Frank Cirino, Ecônomo da Arquidiocese de Nápoles e Vincenzo Doriano De Luca diretor da revista diocesana Janeiro. O ecónomo demonstrou uma preparação extraordinária a nível eclesial-pastoral e económico-financeiro. Convidamos você a ouvir esta entrevista, é muito interessante e esclarecedor para entender como realmente funciona a difícil gestão dos bens eclesiásticos.

.

T vou abordar esse tema em dois lados diferentes ilustrando primeiro, as actuais dificuldades de gestão do património eclesiástico, então o verdadeiro e autêntico significado de "pobreza" e de "Igreja pobre" segundo os Santos Evangelhos. A pobreza da Igreja é um conceito caro a todos hippies Esquerda chique radical com super-penthouses em Parioli e villas em Capalbio, agradável resort de luxo extra na baixa Maremma toscana, onde, quando temia acolher alguns migrantes para serem distribuídos pelos vários municípios da Itália, os primeiros a se levantar foram os Piddini com contas de seis dígitos que acampam naquele local agradável e exclusivo, exceto para reivindicá-lo bem sozinho e os portos abertos ao desembarque de quem chega às nossas costas, contanto, porém, que não chegue à porta de suas moradias [cf.. WHO, WHO, WHO …].

.

Para entender nós realmente precisamos dar um passo para trás, sempre se dirigindo a quem deseja saber, então leia, não para aqueles que pulam na décima linha. Partimos de 1850, ano em que foram aprovadas as Leis Siccardi que sancionaram a separação entre Estado e Igreja no Reino da Sardenha, o número 1013 a 9 Abril e o número 1037 a 5 junho, que suprimiu os privilégios anteriormente concedidos à Igreja, como já aconteceu em outros países europeus no período imediatamente posterior à Revolução Francesa. As leis então se estenderam a outros territórios italianos conquistados pelos piemonteses entre 1848 e a 1861. Eles seguiram a lei Rattazzi n. 878 a 29 Posso 1855 e as leis subversivas n. 3036 a 7 julho 1866 e n. 3848 a 15 agosto 1867. Depois de 20 setembro 1870 que marcou a captura de Roma e a unidade definitiva do Reino da Itália, foram finalmente alargados a todo o território nacional.

.

Desnecessário dizer: a pessoa andando na rua ou na fila do caixa esperando para pagar, mandar tweet pontificar em três linhas sobre as questões históricas ou histórico-eclesiais mais complexas, do tipo "a Igreja é rica e possui metade dos imóveis italianos" (!?), ou "o Vaticano tem os maiores depósitos de ouro do mundo" (!?), ele certamente não pode seguir nosso discurso, porque com o tempo ele perdia a leitura de apenas uma página, ele já terá tuitado pelo menos dez mensagens sábias semelhantes para espalhar suas pérolas de sabedoria. E ao sair do supermercado, sempre ocupado entre um Tweet e o outro, andando pela rua, você não vai perceber ou se perguntar por que certos edifícios históricos que já foram abadias, certose, mosteiros e institutos religiosos, hoje são quartéis, escolas, repartições públicas. Simples de explicar: essas estruturas, entre 1848 e a 1870 foram confiscados da Igreja, expulsou monges, freiras e padres, depois transformado em quartel, hospitais, repartições públicas. Muitas pequenas igrejas pertencentes a institutos religiosos ou irmandades, uma vez requisitados, tornaram-se armazéns, garagem, oficinas, pedaços de casas particulares. E aqui um aparte está em ordem, um dos muitos entre aqueles que você nunca encontrará nos livros de história, porque o Risorgimento italiano ainda hoje é um mito construído à mesa pela propaganda ideológica. O confisco de obras para a destinação daqueles prédios para outro uso, ao longo do século XIX italiano constituiu a maior e mais espantosa destruição do patrimônio artístico nacional. Logo disse: transformar uma Cartuxa ou um mosteiro do século XII ou XIII, enriquecido ao longo do tempo com obras de arte, esculturas, afrescos, mármores bem trabalhados, para usá-lo como quartel, implica necessariamente a destruição irreparável de um patrimônio artístico. Você nunca o encontrou escrito em livros de história para uso escolar em que apenas as glórias indiscutíveis do Risorgimento italiano são explicadas? Em qualquer caso, mesmo que não esteja escrito nos livros, o trabalho desses imensos estragos ainda é visível diante de nossos olhos, partindo de Roma para seguir com todas as outras grandes e pequenas cidades italianas, bastaria desviar os olhos do mídia social e olhar em volta ao caminhar pelas ruas das cidades italianas. Acima de tudo, como cidadãos, você deve estar ciente, apenas por puro senso cívico, do que a maioria das igrejas históricas e institutos religiosos que vemos hoje, eles não são de propriedade das dioceses italianas, mas do estado. Para a sua gestão existe ainda um gabinete especial gerido pelo Ministério do Interior que é ligue para FEC (Fundo de edifícios de culto). E aqui deve ser aberto um parêntese em outro tópico que, no entanto, não podemos tratar aqui, explicar a certos secularistas que trovejam contra o Otto per Mille à Igreja Católica que com esta contribuição, quem realmente se beneficia, não é a Igreja mas o Estado. Tente pensar que o Estado deve administrar, conservar e proteger certas grandes igrejas e basílicas históricas de sua propriedade, devolvidos após o confisco à Igreja por empréstimo para uso, para que alguém pudesse providenciar sua proteção e conservação. Cavalariças hoje guardadas por congregações religiosas ou pelo clero secular das várias dioceses, que contam com a ajuda de devotos fiéis católicos que prestam serviço gratuito como voluntários. Pergunta: quanto custaria ao Estado ter que conservar e guardar alguns grandes, preciosos e importantes edifícios históricos de alto valor artístico? Quanto pessoal assalariado seria necessário, quantos limpadores, quantos guardiões? assim, o acerto de contas, sobre o tão recriminado Otto per Mille, quem realmente está ganhando dinheiro?

.

Apenas vinte anos depois, a partir de 1890, os governos do Reino da Itália, por mais ferozmente anticlerical, eles enviaram seus funcionários com as chaves de muitos institutos históricos e igrejas para implorar aos bispos diocesanos, os monges e monjas, os religiosos e religiosas de quem foram confiscados algumas décadas antes, para que eles pudessem levá-los de volta em ... empréstimo gratuito (!?). De fato, o bom Estado liberal-Risorgimento-anticlerical, cedo se viu confrontado com um enorme património de edifícios histórico-artísticos que não podiam ser todos transformados em quartéis, escolas, hospitais, repartições públicas, localizações da universidade … Muitas dessas igrejas históricas e antigos estabelecimentos religiosos estavam localizados em áreas periféricas, algumas abadias, certose, mosteiros e conventos estavam em áreas isoladas e difíceis de controlar. Uma vez requisitado e fechado, primeiro estes foram saqueados, então eles começaram a se deteriorar. Em toda parte, especialmente na Itália Southern, houve grande pilhagem de obras de arte. O comércio de ladrões e negociantes de arte com os Estados Unidos da América era muito denso, que naqueles anos adquiriram a maior parte das obras ainda hoje conservadas nos seus museus. Tudo isso sempre como prova das grandes glórias históricas não ditas do Risorgimento italiano, que devem permanecer um mito, lenda e ideologia.

.

O século XIX italiano foi também o século dos grandes santos da caridade, educadores e pedagogos, dos quais são emblema San Giovanni Bosco com a Congregação dos Salesianos e as Filhas de Maria Auxiliadora. Também no Piemonte, Maria Enrichetta Dominici deu vida às Irmãs da Providência sob o patrocínio do Marquês de Barolo, que passarão a se chamar Irmãs de Sant'Anna, empenhada na assistência e educação de meninas órfãs. O romano São Vicente Pallotti fundou o Apostolado Católico, diante do qual todos os nobres romanos abriram suas carteiras, só para tirá-lo do caminho, tão insistente ele era quando buscava fundos para obras de caridade em benefício de órfãos e idosos. São José Benedito Cottolengo, fundador da obra da Divina Misericórdia, ela cuidava de crianças e idosos com deficiências físicas graves. A fundação destes institutos e obras também continuou durante o século XX com San Giovanni Calabria que fundou os Pobres Servos e Servas da Divina Providência., a quem devemos a fundação do Hospital Sagrado Coração de Verona, hoje um centro de excelência a nível europeu. E muitos outros santos fundadores e fundadoras.

.

Todas essas estruturas dedicado a ajudar os órfãos, crianças de famílias pobres, idosos doentes privados de apoio e deficientes, acompanhar toda a rede de jardins-de-infância e escolas de numerosas congregações religiosas, acima de tudo constituíam um serviço não indiferente ao Estado, que na sua maioria requisitaram apenas institutos de vida contemplativa depois de os terem declarado "parasitários". Obviamente, ninguém poderia explicar ao legislador da época - talvez mais ainda ao legislador de hoje - que certas obras apostólicas de vida ativa eram sustentadas pela vida contemplativa dos monges e monjas que consumiam suas vidas em oração e penitência nos claustros e que constituíram o combustível para fazer funcionar os motores dos grandes santos da caridade.

.

Entre os séculos XIX e XX, em uma Itália em que a taxa de natalidade era muito diferente e muito maior, graças às doações de muitos benfeitores ricos, enormes institutos foram construídos, alguns eram verdadeiras cidadelas. Entre as décadas de 20 e 30 do século XX, foram construídas colônias marinhas e montanhosas capazes de abrigar até 3.000 crianças. Estruturas faraônicas erguidas em anos em que não havia tanta construção, mas a manutenção e conservação de certos edifícios tinham custos completamente diferentes. Existem também inúmeras instituições para crianças abandonadas, os chamados orfanatos. Igualmente numerosas foram aquelas em que crianças deficientes foram acolhidas e assistidas. Tudo isso acontecia nos anos em que ainda não éramos civilizados. Quando de fato no 1978 houve a "grande conquista social" da lei de legalização do aborto que deu origem a esse "grande e intangível direito civil" [cf.. Ivano Liguori, WHO], as mães poderiam ir diretamente aos hospitais para impor legalmente a pena de morte a seus filhos. E assim, gradualmente, os orfanatos foram permanentemente fechados, em parte devido à queda nas taxas de natalidade e em parte devido à legalização do aborto. Enquanto crianças com síndrome de Down ou outras formas de deficiência são cada vez mais raras de ver, porque eles podem ser mortos antes de nascer, neste nosso país que repudia a guerra e a pena de morte ao som de arco-íris, exceto, no entanto, fazer guerra à vida e infligir a pena de morte a seus filhos, aos indesejados e aos considerados não fisicamente perfeitos.

.

Graças ao impulso dado pelo Concílio de Trento (1545-1563) a Igreja já havia experimentado uma época feliz semelhante entre o final do século XVI e o início do século XVII, com o nascimento de numerosos institutos da chamada vida apostólica. Data desse período o nascimento de todas aquelas congregações religiosas masculinas e femininas ― que depois se multiplicaram nos três séculos seguintes ―, engajado na educação, na creche, no cuidado de idosos, dos doentes e deficientes. Novas formas de vida religiosa que vão desde a Ordem da Companhia de Jesus de Santo Inácio de Loyola até a Ordem Hospitaleira dos Fatebenefratelli de São João de Deus, da Congregação da Companhia do Oratório de San Filippo Neri às senhoras do hospital de San Vicenzo de' Paoli, as Filhas da Caridade.

.

Para o declínio nos nascimentos une a das vocações à vida sacerdotal e religiosa. Muitas congregações de freiras, prosperando até meio século atrás, hoje são cada vez mais reduzidos e compostos por religiosas de idade cada vez mais avançada. As freiras estão desaparecendo de muitas dioceses italianas médias e pequenas, com reduções significativas de números mesmo nos grandes e o consequente encerramento progressivo de jardins de infância, escolas e institutos. Logo disse: como usar certos edifícios históricos de prestígio nos centros das cidades, ou em lugares singulares ou estratégicos, por exemplo de frente para o mar ou em zonas turísticas de montanha, ou em áreas montanhosas e rurais que se tornaram particularmente exclusivas hoje em dia? Com certeza estou vendendo, ou alugando-os a empresas hoteleiras. Para rentabilizar ou de alguma forma rentabilizar essas estruturas, deixando de ser utilizáveis ​​para os fins para os quais foram construídas, significa obter o dinheiro necessário para apoiar outros tipos de obras de caridade ou assistência social de dimensões completamente diferentes, necessário e adequado às necessidades da sociedade contemporânea, que certamente não é mais o dos anos 1920 ou 1930.

.

É preciso muito para entender isso, em vez de gritar contra a "vergonhosa especulação imobiliária da Igreja", ou ao invés de lançar um recurso no semanário Expresso as notícias totalmente falsas sobre a Igreja, segundo certos jornalistas pseudo-investigativos não pagaria impostos em imóveis? Falso. A Igreja sempre pagou impostos sobre imóveis, dos quais estão isentos apenas os edifícios de culto e os de instituições assistenciais e de caridade [cf.. ver em Futuro, WHO]. Ou talvez eles ignorem, os signatários desses inquéritos periódicos publicados apenas um seu Expresso, que mesmo os círculos de Arcigay não pagam impostos porque são reconhecidos como associações de utilidade pública social, pois são responsáveis ​​por difundir o Gênero sexual e instâncias de salão LGBT? Se certas congregações de religiosas não tivessem transformado algumas das suas instituições que já não se podem utilizar em hotéis mais ou menos luxuosos, de onde eles conseguiriam o dinheiro para apoiar outros tipos de atividades de caridade e bem-estar na Itália ou em vários países pobres ao redor do mundo? Aos editores de Expresso, que ao longo dos anos nos bombardearam com artigos que beiram a ferocidade anticlerical, além da mentira gratuita, entenda isso, é tão difícil?

.

o tema abordado no episódio de Relatório, feito excelente por nossos irmãos napolitanos Franco Cirino e Vincenzo Doriano De Luca, assim como um maravilhoso Cardeal Crescenzio Sepe que, pressionado insistentemente por um jornalista lascivo, o mandou se foder [cf.. WHO] ― e ele fez muito bem em fazê-lo ― , foi em parte sobre o número de igrejas históricas no centro histórico de Nápoles, cerca de mil, dos quais apenas o 15% propriedade da Arquidiocese de Nápoles, em parte sobre o caso da Cidadela Apostólica fundada depois da guerra pelo presbítero Gaetano Cascella com as doações de vários benfeitores e legada à Arquidiocese de Nápoles em 1979. Uma enorme estrutura de caridade erguida em Pozzuoli de frente para o golfo e transformada em instalação hoteleira. Logo disse: o suficiente para fazer os suspeitos de sempre gritarem junto com o coro de pessoas totalmente desinformadas contra a suja Igreja especulativa: «A Igreja deve ser pobre porque Jesus foi pobre!».

.

E agora passamos para a segunda parte: temos a certeza de que "Jesus era pobre", como trovejam aqueles que não põem os pés na igreja nem na Páscoa e no Natal e que por dever social têm que participar de algum casamento ou funeral, durante as liturgias não sabem o que responder, nem quando sentar ou levantar? E às palavras "Pai Nosso que estais no Céu...", cena silenciosa total de quase todas as assembléias convocadas por dever para com o falecido e sua família, enquanto o sacerdote celebrante responde a si mesmo, ou se estiver presente um coroinha ou sacristão, a essa altura serão as únicas vozes deles a recitar com ele «... santificado seja o teu nome, Venha o seu reino ...". E ainda, são precisamente essas pessoas que não conseguem distinguir o livro dos Santos Evangelhos de um manual de receitas para a cozinha, levantar o dedo ― obviamente sobretudo em mídia social - trovejar e lembrar em tom ameaçador: «Jesus era pobre!».

.

Desculpe desiludir estes sedentos de pobreza na pele dos outros e da Igreja em particular, exceto para buscar e exigir para si todos os luxos mais caros e até inúteis. Jesus não era pobre. Tanto o Divino Mestre quanto seus Apóstolos tinham o suficiente para comer e viver, apesar de ter deixado o trabalho e as casas. Simone conhecido como Pietro era o que hoje poderíamos definir como um rico empresário pesqueiro. Assim como Tiago e João, filhos de Zebedeu, certamente muito mais rico do que o mesmo Simão conhecido como Pedro, bastaria sair do clube dos deuses ignorantes mídia social e ler as crônicas dos Santos Evangelhos:

.

«Passando junto ao mar da Galileia viu Simão e André, irmão da simone, enquanto lançam suas redes no mar; eles eram na verdade pescadores. Jesus disse-lhes:: "Me siga, Eu farei de vocês pescadores de homens ". E imediatamente, saia das redes, eles seguiram. Indo um pouco mais longe, também viu Giacomo di Zebedèo e seu irmão Giovanni no barco enquanto arrumavam as redes. Ele os chamou. E eles, deixaram seu pai Zebedeu no barco com os meninos, eles o seguiram" [MC 1, 16-20].

.

Eu entendo que hoje somos analfabetos é funcional aquele digital, a ponto de nem entender o que está impresso nas Sagradas Escrituras. Então, vamos tentar entender esta passagem. Em primeiro lugar, os personagens desta história sobre o chamado dos Apóstolos, eles possuíam não apenas “um barco”, mas "dos barcos", que na época não era pouca coisa, especialmente naquela área considerada uma das províncias mais pobres do Império Romano. Tal como hoje é completamente diferente ser camionista proprietário de um camião para grandes transportes cujo custo pode chegar aos um milhão de euros, e ser um motorista de caminhão que dirige um caminhão graneleiro de terceiros como empregado assalariado. A mesma coisa ainda se aplica na pesca hoje, tanto para os pescadores como para as embarcações de pesca, que nem sempre são propriedade de quem se dedica à pesca. Os apóstolos eram empresários que possuíam seus próprios barcos.

.

O Santo Evangelho referido aqui, ele especifica na história que o pai de Giacomo e Giovanni também empregava trabalhadores contratados: "E eles, deixaram seu pai Zebedeu no barco com os meninos, eles o seguiram" [MC 1, 16-20].

.

O jovem John e seu irmão James eles, portanto, vieram de uma família de ricos empresários, tanto que a mãe, em um ataque de ingenuidade nascido de sua falta de compreensão da missão da Palavra de Deus, ele perguntou a Cristo, o Senhor: "Diga a esses meus filhos que se sentem um à sua direita e outro à sua esquerda em seu reino" [MT 20, 21]. Nós nos perguntamos quem, se não a mãe de dois filhos pertencentes ao que hoje chamaríamos de burguesia mercantil, ele teria ousado fazer tal pedido a um Mestre de tanto prestígio? Somente uma mulher pertencente a uma classe social específica que desejasse um lugar de respeito para sua prole poderia fazê-lo.

.

Os Doze Apóstolos recebiam ajuda de benfeitores e quando os hóspedes chegavam nas casas, providenciava-se oferecendo-lhes o melhor que se podia oferecer, eles dedicaram mulheres para cuidar de seus cuidados e necessidades.

.

Beato Patriarca José ele não era um trabalhador assalariado, mas um empresário que exercia um nobre ofício, o de marceneiro; profissão respeitável e muito lucrativa. Portanto, quem diz "São José operário", ou qualquer um que afirme que "São José era um trabalhador", mistifica a figura do abençoado esposo da Virgem Maria, porque José não era um trabalhador como o entendemos hoje, porque certamente era ele quem empregava trabalhadores contratados em sua empresa.

.

A bem-aventurada virgem maria ele veio de uma família ainda mais rica do que a de Joseph, é sempre evidente nos Santos Evangelhos, por exemplo na história de sua visita a sua prima Isabel, mãe de João Batista e esposa de Zacarias, que era um membro da antiga casta sacerdotal e uma pessoa muito culta e rica. Zacarias não era apenas um sacerdote, porque como tal pertencia a um nível muito elevado: ele era um membro da classe de Abias, que representava a VIII das XXIV classes em que se dividiam os sacerdotes que serviam no Templo de Jerusalém.

.

All'era a cultura estava intimamente ligada ao bem-estar econômico. Também neste caso os Santos Evangelhos detalham qual era o nível cultural de Zacarias ao narrar como, não tendo naquele momento o uso da palavra, dele afastado pelo Arcanjo Gabriel por não ter acreditado no anúncio de que sua esposa daria à luz um filho em idade avançada [cf.. LC 1, 5-25], ele pediu uma tabuinha para confirmar seu consentimento ao nome que Elizabeth pretendia dar ao nascituro, escrita: "João é o nome dele". [LC 1, 63]. Diante dessas histórias, historiadores e antropólogos, mas sobretudo os teólogos, eles deveriam explicar quantas pessoas na Judéia antiga na época sabiam ler e até escrever. Não é por nada, quando jovens judeus do sexo masculino celebravam a maioridade através do barra mtzva e eles tiveram que ler e comentar publicamente uma passagem da Torá, como Jesus fez aos doze anos de idade durante o episódio narrado pelos Santos Evangelhos como sua disputa com os Doutores do Templo [cf.. LC 2, 41-50], a maior parte era dor, porque a maioria dos adolescentes judeus não sabia ler nem escrever. Então eles memorizaram um verso e então, com o Sefer Torá abrir [o pergaminho da Lei Sagrada], eles recitaram. Um pouco como acontece hoje com a maioria dos judeus mais ou menos observantes, muitos dos quais não sabem hebraico, vários conseguem lê-lo, mas eles não entendem o seu significado. E assim o rabino passa a escrever um verso transliterado do hebraico, coloca isso Sefer Torá e o adolescente lê, as vezes sem nem saber o que significa.

.

Mas aqui está a resposta imediata de quem quer um Jesus pobre e a rigor filho de pobre a todo custo: "Jesus nasceu em um pobre estábulo". Também neste caso, porém, as coisas são diferentes, de fato, narra o beato evangelista Lucas:

.

«[...] na época em que um decreto de César Augusto ordenou o recenseamento de toda a terra. Este primeiro recenseamento foi feito quando Quirino era governador da Síria. Todos iam alistar-se, cada um na sua cidade. José também, da Galiléia, da cidade de Nazaré, subiu à Judéia, à cidade de Davi, chamada Belém: na verdade, ele pertencia à casa e à família de David. Ele teve que ser registrado junto com Maria, sua noiva, que ela estava grávida" [LC 2, 1-20].

.

realidade histórica é que o poder então vigente havia ordenado um censo por razões administrativas, forçando assim José e Maria, então perto do parto, ir para a cidade de Davi, Belém. E aqui é interessante notar que Belém, em hebraico, significa "Casa do Pão". E bem naquela cidade, certamente não por acaso, ele nasceu que mais tarde se tornará o Pão Vivo descido do céu [cf.. GV 6, 35-59], que não é "como o que seus pais comeram e morreram" porque "quem come este pão viverá para sempre" [GV. 6, 58].

.

Esquecendo todas as leituras do concurso com que a piedade popular coloriu o texto do Evangelho de Lucas, narra que o nascimento de Jesus ocorre em um espaço que poderia ser encontrado nas casas da época, aqueles cavados dentro, presumivelmente uma sala esculpida na rocha. Como o tipo de casas que ainda hoje são visíveis em certos sítios arqueológicos, aqueles localizados na Sicília na Necrópole de Pantalica na área de Siracusa [cf.. WHO], ou em Basilicata no chamado Sassi de Matera [cf.. WHO], ou na baixa Toscana Maremma na cidade de Pitigliano escavada no tufo na fronteira entre a Toscana e o Lácio [cf.. WHO].

.

Nos Evangelhos não há referência ao boi, o burro e a presença de vários animais em torno da Santíssima Virgem Maria. Acima de tudo, este nascimento em um lugar inesperado, não aconteceu porque Giuseppe era uma subclasse sem um tostão, mas porque - como narram os Evangelhos - tanto para o recenseamento, e pelo grande afluxo de peregrinos a Jerusalém, simplesmente não havia um único buraco livre.

.

eu uso um exemplo que sempre me fez sorrir: a mãe do meu aluno e colaborador, hoje presidente das nossas Edições, Jorge Facio Lince, ela estava prestes a dar à luz enquanto estava dentro de um táxi. O taxista prontamente desviou a viagem para o hospital. Mas ninguém jamais discutiria, caso essa outra Maria ― Maria Inês, Mãe do Jorge—, tinha dado à luz em um táxi, que a pobrezinha era tão pobre e sem dinheiro que não tinha dinheiro nem para dar à luz seu filho em uma clínica de ginecologia e obstetrícia.

.

Jesus Cristo era pobre da mesma forma que ele nasceu com a pele muito branca, cabelo loiro e olhos azuis, numa cidade da Suécia - como obviamente lemos nos Santos Evangelhos - chamada Belém, a algumas dezenas de quilômetros da capital Estocolmo. Entre os vários episódios que dão a percepção correta e real de como o Bem-aventurado José e a Virgem Maria não foram pobres calouros sem dinheiro, a história do massacre dos inocentes é certamente exaustiva. O temível Herodes, tendo aprendido que mágicos astrônomos viajaram para a Judéia, onde um rei nasceria, depois de tentar enganá-los, ele posteriormente ordenou matar todos os meninos recém-nascidos com dois anos ou menos.. Bem-aventurado José, avisado em sonho por um anjo, pega a criança e a mãe e foge para o Egito, onde a família permaneceu até a morte de Herodes [cf.. MT 2, 1-16]. Sobre esta história, deve-se especificar que na esteira do protestante Rudolph Bultmann, mestre da desmitologização dos Santos Evangelhos - a que se referem descaradamente muitos dos nossos teólogos e exegetas, transmitindo teorias e ensinamentos diretamente para nossas atuais universidades eclesiásticas ―, muitos estudiosos questionam a historicidade da Fuga para o Egito. Alguns de nossos estudiosos da Bíblia intervieram para ajudá-los, argumentando que a fuga para o Egito da história do Beato Evangelista Mateus teria sido construída para dar um fundamento teológico a este Evangelho dirigido principalmente aos judeus, a quem foi assim exposto que Jesus Cristo era o novo Moisés e que por meio dele se cumpriu a profecia do profeta Oséias: "Do Egito chamei meu filho" [Os 11,1]. Segundo outros, a história do Beato Evangelista Mateus não passaria de um plágio do Agadá Hebraico que narra como o Patriarca Moisés foi salvo da morte, após o faraó ter decretado a supressão de crianças. Em verdade, as semelhanças entre o Patriarca Moisés e Cristo Deus, eles não representam de forma alguma um elemento sólido para negar a historicidade do que é narrado pelo Beato Evangelista Mateus.

.

Após esta digressão obediente vamos voltar ao problema, que é a seguinte: como duas pobres almas poderiam se mudar para o Egito indefinidamente? Os amantes de hoje pobreza de jesus, eles já se perguntaram quanto custa, no momento, ficar no Egito? Aqui, fazendo uma conversão paralela e sociofinanceira, podemos argumentar que na época, ficar no Egito, custou o que custaria ficar em Dubai hoje, conhecido destino das maiores mortes por fome deste mundo.

.

Muitas vezes Jesus foi honrado com presentes preciosos, como o caro óleo de nardo com que Maria ungiu seus pés em Betânia [cf.. MC 14, 3-9]. Entre os espectadores presentes no evento estava Judas Iscariotes, que criticaram duramente aquele gesto de devoção amorosa, lamentando tamanho desperdício. Esse óleo era de fato muito precioso e caro, valia trezentos denários, como o próprio relato do Evangelho detalha. Está aqui, para explicar o que tal quantia equivalia na Judéia na época, basta dizer que um denário era o salário diário de um soldado romano e que o petróleo, mais caro que ouro, correspondia a quase um ano de salário. Antes do episódio de Judas que afirma que aquele dinheiro poderia ter sido dado aos pobres, O Evangelista João nos diz que o Iscariotes não se preocupava com os pobres, mas que ele era um ladrão. De fato, a comunidade dos apóstolos tinha um baú do qual ele roubou dinheiro [cf.. GV 12, 1-8]. Um julgamento severo, aquela incluída nesta história com a qual João condena Judas, não condena a preocupação com os pobres, mas aquela hipocrisia que ontem como hoje se serve dos pobres quando necessário e perante a qual o Senhor responde a Judas dissipando todas as dúvidas para o presente e para o futuro: «Tereis sempre os pobres entre vós, mas você nem sempre vai me ter" [GV. 12, 1-11].

.

Jesus também se vestiu elegantemente, hoje diríamos alta costura. Na verdade, ele estava vestindo uma túnica preciosa, totalmente tecido e sem costura, tanto que debaixo da cruz os soldados não a despedaçaram como faziam com os trapos dos pobres, com o qual eles então limparam suas lanças e espadas e poliram suas armaduras, mas eles jogaram com dados. Os Evangelhos Sinópticos limitam-se a narrar que os soldados lançaram sortes sobre sua vestimenta [cf.. MT 27,35; MC 15,24; LC 23,34], enquanto o beato evangelista João hesita em explicar o valor e o valor daquela peça de roupa: “Agora aquela túnica era perfeita, tecido em uma peça de cima para baixo. Então eles disseram um ao outro: “Não vamos rasgá-lo, mas lançamos sortes para saber de quem é a vez"» [GV 19, 23-24]. Tudo porque uma peça com tanta qualidade e valor, certamente não poderia ser arruinado.

.

Entre os doze apóstolos — como dissemos antes — havia também um caixa, uma espécie de precursor do presidente da APSA (Administração do Patrimônio da Sé Apostólica). No entanto, este administrador primitivo não era um cavalheiro, seu nome era Judas Iscariotes e ele era um assunto para ser cauteloso, nem tanto quando falava dos pobres, fingindo que se importavam tanto; você tinha que tomar cuidado com ele especialmente quando ele dava beijos [cf.. MT 26,47-56; MC 14,43-52; LC 22,47-53].

.

O corpo do Senhor morto foi envolto em linho precioso e colocado em um belo túmulo novo fornecido por um homem rico que se tornou um seguidor de Cristo: José de Arimatéia [cf.. MT. 27, 57-60]. Então Jesus, para fazer a ideia, ele não foi enterrado em uma vala comum ou em um nicho modesto às custas do município de Jerusalém, mas no que hoje seria em todos os aspectos a elegante capela sepulcral de uma família de altíssimo nível.

.

Uma explicação separada merece a mesma pena que a crucificação e os métodos adotados. De fato, isso acontecia com frequência, sem falar na prática, que os carrascos, para aliviar o sofrimento do condenado e apressar sua morte, suas pernas e braços foram quebrados para apressar sua morte que assim ocorreu por asfixia. Uma vez que os cadáveres foram colocados nas cruzes, os corpos seguiram esse destino: ou foram pegos e jogados em uma grande vala comum, ou foram cortados em pedaços com machados.

.

Por quê, o Santo Corpo de Cristo Senhor este destino não seguiu, ou melhor, esta prática, após sua crucificação no Gólgota? O mesmo nome daquela colina sombria, abrange tanto a sua história como o seu significado. Uma palavra de origem aramaica, o lugar é chamado em grego ολγοϑᾶ e em latim Gólgota, literalmente significa "lugar do crânio", ou a "caveira", devido à presença de crânios ossificados e ossos espalhados pelo chão. Os cadáveres foram de fato jogados, inteiro ou em pedaços, em poços que nem sempre são profundos, com a consequência de que os vários animais presentes na área muitas vezes desenterraram e depois espalharam os restos de corpos humanos ao redor. Mas este destino, qual era a prática normal, em vez disso, não foi a vez de Cristo, o Senhor, cujo corpo foi retirado da cruz, coletado, lavado, ungido com óleos preciosos e essências, finalmente envolto em uma mortalha igualmente preciosa. Evidentemente Jesus de Nazaré, porém condenado a esse horrendo castigo, ele não era exatamente um dos vários condenados comuns, portanto, seu corpo e o cuidado com o mesmo seguiram um destino completamente diferente. E esses destinos diferentes denotam que ele não era exatamente um homem pobre, nem um condenado comum cercado por tantas pessoas pobres, como os numerosos condenados para quem os mesmos familiares nem se atreviam a ir pedir os corpos para um enterro digno, também porque deveriam ter dado uma gorjeta generosa aos soldados romanos. Alguns parentes pobres dos mortos crucificados tentaram roubar seus corpos durante a noite, com o risco de acabar sujeito a duras penas se for descoberto. Dito isso, não quero levantar hipóteses que possam até causar escândalo em alguns. Mas, posou essas premissas, tenho uma duvida simples: não é outro senão José de Arimatéia, indicados pelos próprios Santos Evangelhos como «ricos» [cf.. MT 27, 57-61] indo em plena luz do dia pedir o Corpo de Nosso Senhor Jesus Cristo, dos soldados romanos ele não apareceu exatamente de mãos vazias para pegar o corpo e agradecendo muito pela sensibilidade e compreensão?

.

Alguns dias mais tarde, diante da pedra revirada do sepulcro de Cristo Ressuscitado, os Capos del Popolo convidaram os soldados romanos que guardavam o túmulo a mentir. Para induzi-los a fazê-lo, deram-lhes uma boa quantia em dinheiro [cf.. MT 28, 12-14]. Este tema ao qual dediquei uma videoaula a que me refiro [ver vídeo WHO]. Por quê, os chefes do povo, eles não disseram simplesmente aos romanos: “Queridos soldados, seja gentil e nos faça este favor, diz isso…"? Eles não fizeram nada disso pelo simples fato de que na antiga Judéia, onde tudo era vendido, foi comprado e negociado, os romanos que se instalaram perfeitamente e se integraram na cultura e modos de fazer do lugar, de graça eles não fizeram nada, nem mesmo matando rapidamente, porque até uma lança "misericordiosa" para aliviar o sofrimento de um condenado tinha um preço a pagar.

.

O Santo Evangelho da Natividade e o da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo não narram de modo algum o nascimento de um homem pobre nem a morte e sepultura de outro igualmente pobre. E todos nós, sejam devotos fiéis, ambas as pessoas que também não são fiéis e não crentes, com base no que é chamado de honestidade intelectual, devemos nos ater aos relatos históricos dos Santos Evangelhos, que nada têm a ver com as exegeses ideológicas mais ou menos ousadas.

.

Se não entrarmos nesse estilo de pensamento não podemos entender certas passagens dos Santos Evangelhos, mas só podemos torcê-los, consequentemente, sujam e distorcem-nas. Quando de fato no Sermão da Montanha, Cristo Senhor anuncia as bem-aventuranças [cf.. MT 5, 1-16], sua referência aos pobres não é um "bem-aventurados os pobres" seco e lapidar, como murmurou o cardeal Claudio Hummes durante o último conclave, ou como há nove anos, infelizmente, ouvimos enunciados dos púlpitos cada vez mais pobres em fé de nossas igrejas, com discursos homiléticos obsessivamente focados em imigrantes e refugiados. A Palavra de Deus nunca pronunciou esta frase lapidar, mas ele enunciou uma expressão muito mais articulada: "Abençoados são os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus". Ele não faz referência à pobreza material, muito menos indicá-lo como uma virtude, em vez de pobreza, a miséria, não são virtudes cardeais, eles são infortúnios para sair e ajudar os outros a sair. Somos convidados a ser pobres "em espírito", isto é, entrar em uma disposição interior precisa. De fato, ser pobre interiormente significa antes de tudo estar consciente de nossas limitações e misérias como homens nascidos com a corrupção do pecado original.. Ser pobre de espírito significa reconhecer nossa livre e vital necessidade de depender da graça de Deus Pai. E o modelo por excelência daquela pobreza, sinônimo de humildade e dom incondicional de amor, é Cristo Deus que, como o bem-aventurado apóstolo Paulo nos instrui, apesar de ser rico ficou pobre por nós:

.

«Cristo, embora seja de natureza divina, Ele não teve por usurpação ser igual a Deus, mas ele se esvaziou, tomando a forma de servo, tornando-se em semelhança humana. Ele apareceu em forma humana, humilhou-se a si mesmo tornando-se obediente até a morte e morte de cruz" [Fil 2, 6-11].

.

Nos Santos Evangelhos o Senhor não nos diz “Você deve ser pobre”, muito pelo contrário: ele nos exorta dizendo claramente «Cuidado e afastado de toda ganância porque, mesmo se um estiver em abundância, sua vida não depende do que ele possui" [cf.. LC 12, 13-21]. O significado íntimo das palavras do Senhor é: não se preocupe com nada, porque vale a pena se preocupar, mas é bom se preocupar com isso tudo entendido como cristocentrismo cósmico, por estar presente projetado para um futuro eterno tornando-se, certamente não é por nada.

.

Bens materiais são necessários e podem ser muito úteis para transformá-los em um bem coletivo de várias maneiras. Invista nos estudos, por exemplo, ou em certos estudos de uma maneira particular, É muito caro, mas graças ao uso de grandes somas de dinheiro, alguns homens talentosos tornaram-se cirurgiões que inventaram novas técnicas de operação, outros dos cientistas que descobriram novas moléculas ou criaram novas vacinas. E tudo isso foi possível através desse instrumento chamado dinheiro, através do qual - alguns dizem - o mundo se move. Vamos supor também que o dinheiro move o mundo, o importante é que seu movimento não faça do homem um escravo preso e incapaz de enxergar além da matéria, algo inaceitável para nós cristãos que na profissão de fé proclamamos nossa crença trinitária na eternidade: "Et expecto ressureiçãoem mortuorum, et vitam venturi saeculi".

.

Nas páginas dos Santos Evangelhos, mais que um convite a uma pobreza surreal, ou pior a uma pobreza ideológica, o Senhor nos convida a fazer uso saudável e generoso das riquezas, usá-los para o melhor desenvolvimento de nós mesmos e para o bem dos outros, por exemplo, através dos mecanismos de fluxo de dinheiro que criam empregos e bem-estar coletivo. Tudo isso com todo respeito aos grandes tubarões do pior capitalismo liberal selvagem, que afirmam que «a Igreja deve ser pobre», enquanto o pobre africano não pertencente à UE precisa de um livre Cuba à beira da piscina em memória de Fidel Castro, na doce memória de Ernesto Guevara disse Che, também conhecido como O porco, ou seja, o porco, estava notoriamente sujo por dentro e por fora. Se não, para aqueles animados pelo egoísmo que pensam apenas em encher seus celeiros e depois dizem para si mesmos: "Relaxar, come, beba e divirta-se e dê alegria a si mesmo" [LC 12, 19]. O Senhor se lembra: "Cuidadoso, você que acumula tesouros só para si mesmo e não se preocupa em ficar rico na presença de Deus" [LC 12, 21].

.

Riqueza e bem-estar não são ruins, muito pelo contrário, podem ser fontes de grande bem e, como tal, servir para criar riqueza e bem-estar superior. O material significa, começando com dinheiro, sempre foram ferramentas úteis, de fato indispensável para o próprio anúncio da Palavra de Deus e para a evangelização. Os próprios Doze, quem deixou família, casa e trabalho para se dedicar ao apostolado, eles tinham meios de sustento. Sua missão apostólica foi sustentada por fiéis benfeitores e viúvas muito ricas. Vamos, portanto, garantir que a riqueza possa realmente produzir verdadeira riqueza, para nós e para o bem dos outros, para que tudo não seja só "vaidade das vaidades", como Qohelet adverte abrindo seu discurso com uma invectiva contra a vaidade [cf.. Qo 1,3].

.

Não devemos desejar ou rezar criar uma "Igreja pobre para os pobres" [cf.. WHO]. A Igreja é de todos, dos pobres e dos ricos e todos são chamados à salvação. Também porque não está escrito em nenhuma página dos Santos Evangelhos que pobre é bom e rico é mau. Há pobres dotados de maldade e maldade terrível, como tem gente rica que vive com muito respeito pelo próximo, especialmente para os menos favorecidos. E muitas vezes só depois da morte de vários deles é que se soube quanta caridade fizeram e quantas famílias ajudaram na total ocultação.. Assim como há pobres capazes de se privar do necessário para dar glória a Deus, pense no relato evangélico da viúva pobre que joga as duas únicas moedas que possuía no tesouro do templo [cf.. MT 12, 41-44]. É por isso que sempre rezei e continuarei a rezar, não por uma ideológica «Igreja pobre para os pobres», mas para uma Igreja de homens e mulheres ricos na fé, deixando o supremo para os outros ideologia dos pobres, que nunca constituiu uma verdade, muito menos um dogma da santa fé católica. Supondo, porém, que o primeiro a não ter nascido de dois pobres, não ter vivido mal, não ter comido mal, não ter se vestido como um homem pobre, finalmente nem sendo enterrado como um mendigo, foi mesmo Nosso Senhor Jesus Cristo. E quem vos disser o contrário fala-vos de um Cristo completamente diferente daquele descrito nos Santos Evangelhos, portanto, ele anuncia a você um falso Cristo histórico, um Cristo que nunca existiu e nem poderia existir. Portanto, que por ignorância devido ao total desconhecimento dos Santos Evangelhos, coi por pura ignorância, quem por anticlericalismo vulgar, que por ideologia ou prazer clerical fala de um pobre Jesus reduzido a um pobre menino flor, anuncia um falso Cristo que nunca existiu e não corresponde às crônicas históricas narradas e transmitidas pelos Evangelistas.

.

Cristo está longe, Verdade ea Vida [Ver. GV 14, 6], está em seu absoluto e totalidade. Cristo não pode ser reduzido a um pretexto para legitimar nosso caminho e nossas verdades questionáveis, finalmente conduzindo o rebanho que nos foi confiado para apascentar pelo Divino Pastor a um caminho diferente daquele dado e oferecido pelo Supremo Doador da vida. Pois nesse caso o clamor pairará sobre nós:

.

"Ai dos pastores que destroem e dispersam o rebanho do meu pasto". Portanto diz o Senhor, Deus de Israel, contra os pastores que devem pastorear o meu povo: "Você dispersastes as minhas ovelhas, e você está afugentastes e não tê-lo preocupado; eis que tratarei contigo e com a maldade das tuas ações. Oráculo do Senhor. Eu mesmo reunirei o restante das minhas ovelhas de todas as regiões onde as deixar conduzir e as trarei de volta aos seus pastos; eles serão fecundos e multiplicai. porei sobre elas pastores que as apascentarão, Então temerão nem mais, nem te espantes; deles nem sequer perder um » [Fornece 23, 1-4].

.

E sobre nós que as ovelhas as espalhamos, porque estão empenhados em impor as ideologias do nosso "eu" em vez das verdades de Deus, a condenação pairará sobre o "servo preguiçoso"., então seremos “lançados na escuridão, onde haverá choro e ranger de dentes" [MT 25, 30].

.

Tanto para evangelizar como para ajudar os pobres a Igreja precisa dos ricos, muitos dos quais muitas vezes foram generosos na mesma medida que viajaram por toda parte através de todos os piores pecados capitais. Sem o dinheiro dos ricos, a Igreja nunca poderia ter ajudado os pobres. É por isso que a Igreja acumulou bens, tentando ao longo do tempo aumentá-los e colocá-los em bom uso, fazendo-os pagar. Com todo respeito ao que poderíamos definir como os chamados "benfeitores da propriedade" que trovejam: "A Igreja deve vender seus bens e doá-los aos pobres". Isso seria uma boa ideia. Mas, viajando um dia para o sudeste da Sicília e conversando com um sábio fazendeiro que criava vacas - e que incidentalmente ganhava em uma semana o que um alto funcionário do banco ganhava em um mês -, Eu entendi por suas palavras afiadas que fazer tal coisa seria bastante prejudicial, especialmente para os pobres. De fato, se pegarmos uma vaca e a matarmos - disse o sábio fazendeiro -, dando carne assada para os pobres comerem por uma semana, quando então os pobres vêm pedir leite, teremos que responder que não tem leite porque comeram a vaca. Mas, abatendo-o e oferecendo-o como alimento, teríamos feito um gesto de extraordinária "generosidade" e "absoluta doação". Um desses gestos que as pessoas tanto gostam hippies das esquerdas chique radical. Para que pudéssemos enviar os pobres para bater nas portas de suas super coberturas em Parioli, ou as de suas vilas em Capalbio, onde você pode até encontrá-los, se quiser 24.000 euros dentro do canil, como aconteceu com a senadora Monica Cirinnà. Prontamente defendido por Grupo Editorial La Repubblica-L'Espresso [cf.. WHO] que completa com um decreto de arquivamento do tribunal competente de Grosseto explica o quanto o interessado era um estranho. O mesmo semanal Expresso que ao longo dos anos tratou a Igreja Católica em diversas reportagens como algo entre uma máfia e uma associação criminosa [cf.. WHO, WHO, WHO, etc…]. E quando suas investigações se revelaram falsas e os dados falsos ou distorcidos, ninguém nunca explicou como não estávamos relacionados a certas alegações, porque não somos membros da esquerda chique radical e por que não nos chamamos Monica Cirinnà. É por isso que as casinhas da Igreja para Expresso eles sempre fedem a priori, mesmo quando cheiram a alfazema e flor de laranjeira e não contêm dinheiro de origem misteriosa deixado à guarda do cão.

a Ilha de Patmos, 15 novembro

.

.

.

O ÚLTIMO LIVRO DE ARIEL S. LEVI de GUALDO – PARA ACESSAR A LIVRARIA CLIQUE NA CAPA

.

.

.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.