O fracasso de uma colegialidade apostólica mal compreendida. Esses bispos reduzidos a oficiais despojados de toda autoridade que devem ratificar os caprichos dos outros por meio de seminários interdiocesanos

A FALHA DE UMA COLEGIALIDADE APOSTÓLICA MAL COMPREENDIDA. AQUELES BISPOS REDUZIDOS A OFICIAIS DEPOSITADOS DE TODOS OS PODERES QUE DEVEM RATIFICAR OS CAPIULHOS DE OUTROS PESSOAS ATRAVÉS DOS SEMINÁRIOS INTERDIOCESANI

Mais do que uma "Igreja em saída", a nossa é uma Igreja que, concluída a fase de administração controlada pré-falência, se encontra com os oficiais de justiça às portas para a apreensão dos edifícios, após a falência fraudulenta produzida pelo imaginativo egomenico Conselho dos intérpretes de “espírito do conselho” naquela época nada auspiciosa do pós-concílio que fez o Santo Pontífice Paulo VI dizer: "Com o Concílio Vaticano II que esperávamos primavera e em vez disso veio o inverno".

- Notícias da Igreja -

.

.

artigo em formato de impressão PDF

 

.

.

.

"Com o Concílio Vaticano II que esperávamos primavera e em vez disso veio o inverno" [cf.. John Guitton, Paulo VI segredo].

Acontece cada vez mais que vários bispos italianos de quem sou amigo e confidente se dirigem a mim. Se às vezes relato a experiência ou a amargura de alguns deles, é apenas porque os diretamente envolvidos me pediram para tratar desse assunto., para que saibamos que dificuldades e situações enfrentam os poucos bons bispos que ainda restam.

.

Diante de questões muito delicadas, não só o ditado "pecado é dito, mas não o pecador" se aplica, porque nem mesmo o pecado deve ser mencionado. Sendo confessor de muitos sacerdotes e não só, Jamais diria que sou confessor deste ou daquele padre. Necessariamente, o sigilo deve se estender além do conteúdo da própria confissão. Caso contrário, corre-se o risco de gerar problemas como aquele pároco maluco que disse durante um sermão: «Hoje estou entre vocês há dez anos. Eu sempre me lembro da minha chegada, minha primeira Santa Missa na paróquia e também minha primeira confissão, onde iniciei o ministério de confessor com um penitente que confessou seu adultério". Ele disse o pecado, mas não o pecador, que o prefeito não gostou, porque sem o conhecimento do pároco ele sempre disse aos aldeões que ele foi o primeiro a confessar a ele.

.

o bispo em questão foi um homem de grande experiência pastoral, antes mesmo de ser lançado Spot de «pastores com cheiro de ovelha», o resultado disso foi que em pouco tempo vimos sacerdotes chique radical com roupas sob medida e blusas de caxemira improvisar durante a noite «pobres para os pobres», chegando ao episcopado em glória camaleônica entre bengalas pastorais feitas por carpinteiros e cruzes peitorais esculpidas no pedaço de madeira de um barco afundado na costa de Lampedusa. E nas saudações finais de suas cartas, em vez da frase "Em Cristo, vosso Senhor...", começamos a ler sobre bloqueios desse tipo: "Em Cristo o migrante... Em Cristo pobre entre os pobres...". Como dizer: o episcopado não me basta, Eu também quero o cardinalato. E alguém recebeu o cardinalato, entre cruzes peitorais de madeira e cristãos migrantes.

.

Como já disse várias vezes, completo com uma referência às prostitutas ― que, ao contrário desses sujeitos, são honestas e acima de tudo coerentes ―, se amanhã houvesse uma mudança de rumo, prepare-se para vê-los entrar em suas igrejas catedrais com sete metros de cappa magna e preciosas mitras de damasco do século XVIII e pedras preciosas em suas cabeças. Como se nada tivesse acontecido, porque este é o estilo de pessoas sem restrição e dignidade humana, que até as prostitutas são presenteadas com, a ponto de ir adiante de nós no Reino dos Céus, como Jesus Cristo nos admoesta [cf.. MT 21, 28-32].

.

A entrevista foi sobre o problema do seminário as chamadas interdiocesanas ou regionais. Instituições das quais - vou especificá-lo imediatamente - sempre fui um inimigo declarado, porque acredito que todo bispo deve ter o poder e o direito de formar seus futuros padres em sua diocese, mesmo que fossem apenas dois ou três seminaristas. o bispo em questão, hoje emérito, assim que foi ordenado sacerdote, foi nomeado pároco auxiliar de um irmão idoso e santo, do qual ele sempre guardava a foto de lembrança em seu estúdio, primeiro como pastor, então, quando foi nomeado bispo auxiliar de uma diocese próxima, então novamente quando ele se tornou arcebispo metropolitano. Na época, ele havia concluído os estudos necessários para a ordenação sacra, sem nunca alcançar nenhum especialista e muito menos doutorados teológicos. Tendo conhecido pessoalmente e completamente, Posso testemunhar que nunca conheci na Itália, pelo menos no que me diz respeito, um pastor mais competente, sábio e iluminado do que ele, sobretudo atrás das cátedras das diversas universidades eclesiásticas.

.

Como bispo auxiliar ele realmente viveu no seminário diocesano, ele conhecia os seminaristas um por um, ele cuidou deles e os seguiu. Esses ex-seminaristas, hoje todos os sacerdotes com mais de cinquenta, sempre falam dele com veneração. Alguns são meus penitentes ou espirituais diretos, porque era ele quem, quando perguntado a qual confessor ou diretor espiritual, recorrer, dado os tempos difíceis que estamos vivendo, ele os dirigiu a mim. Quando não há gigantes, é uma virtude da necessidade contentar-se com os anões que a praça oferece.

.

Finalmente, o arcebispo metropolitano vê, nunca desejado por ele, mas quase imposto. Na ocasião, dois bispos da região haviam se colocado como autocandidatos, que eles não encontraram nada melhor para fazer do que travar uma guerra uns contra os outros para ganhar o favor da nomeação. O então núncio apostólico excluiu a priori as duas contendas apresentadas por duas facções dos bispos daquela região e propôs uma terceira, o que ele havia mostrado como bispo auxiliar antes, como bispo diocesano depois, as maiores habilidades pastorais, que ele estava confortável em sua diocese e que não desejava ser nomeado para aquela sede arcebispal metropolitana.

.

Promovido a essa sé metropolitana em primeiro lugar, gosto do estilo dele, mostrou toda a sua disponibilidade para com o clero e uma preocupação particular pelo seminário regional. Até que um dia, o jovem reitor, de uma forma quase sibilina deu-lhe este estranho discurso: «Vê a Vossa Excelência, o nosso é um seminário regional que acolhe seminaristas de bispos de diferentes dioceses. Ela é muito atenciosa e presente, mas temo que esta presença assídua possa criar algum descontentamento nos outros bispos, que, como você, não pode estar presente no seminário". Logo disse: a nomeação do reitor, do vice-reitor, de pais espirituais, acompanhar os professores responsáveis, foram decididos pelos bispos da região, cada um dos quais tinha alguns de seus protegidos para colocar. Resumidamente: uma formação sacerdotal arrancada dos bispos e totalmente delegada como um cheque em branco assinado a pessoas por eles escolhidas, por assim dizer ... colegial. E aqui surge a primeira questão: Desde quando, em nome de uma colegialidade mal compreendida, para dizer o mínimo, um bispo é impedido de formar seus próprios futuros padres? Pergunta segue pergunta: futuros sacerdotes, eles são presbíteros do bispo ou são "presbíteros regionais" de uma colegialidade não especificada e compreendida?

.

Antes de continuar a triste história Gostaria de esclarecer que as trocas e conversas que ocorreram entre este bispo e eu datam de quase dez anos atrás, na altura em que decidiu consultar-me e escolher-me como confidente. Esclarecimento necessário para esclarecer quem é o arcebispo, tanto a diocese quanto a região italiana ligada a esses fatos não podem ser identificadas. Porque se fosse eu não falaria sobre isso.

.

Naqueles anos este bispo reclamou comigo que não só tinha que visitar o seminário de sua diocese que se tornou um seminário regional com cautela, porque havia mais e pior: vários bispos da região, considerando-o um suposto “conservador”, eles tinham nomeado, em um espírito de excelente colegialidade, os presbíteros de outras duas dioceses foram reitor e vice-reitor do seminário. Em outra diocese foi também decano da faculdade de teologia e mais da metade dos professores, incluindo professores, tanto sacerdotes como leigos e mulheres, a quem este bispo jamais teria confiado a formação de seus futuros sacerdotes para os cursos de bacharelado teológico. Enquanto na época seus seminaristas eram cerca de 15, os dos bispos das outras dioceses da região variavam de um a três ou quatro. E de repente o Arcebispo Metropolitano se viu isolado e um estranho em sua própria casa. Tudo em nome supremo de uma colegialidade episcopal não especificada, claro.

.

Diante dessa situação, porque não levantou as objeções necessárias? Ele fez, mas já estávamos no início de 2014, em plena lua de mel do atual pontificado baseado na «Igreja pobre para os pobres», «pastores com cheiro de ovelha», "Igreja hospital de campo", «Igreja de saída» e assim por diante. Para calar qualquer bispo ou pároco, bastava dizer: "Não está de acordo com as diretrizes pastorais do Papa Francisco", acabar condenado mais ou menos à morte civil. Frase que tanto lembrou outra, um que muitos de nós já ouvimos zombeteiramente de eméritos e descaradamente ignorantes: "Ah, mas você não sabe que houve um Concílio na Igreja?». Quantas vezes, Respondi àqueles que confundiam o Concílio com o pós-concílio dos extravagantes "intérpretes do espírito do Concílio" que o que eles tentavam transmitir não estava escrito ou sancionado em nenhum dos documentos do Vaticano II. Quantos mais, eu castiguei alegada na moda e leigos clericalizados, fazendo-os parecer os ignorantes que eram, citando documentos e passagens fundamentais do Vaticano II cuja existência ignoravam em nome de suas provocações vulgares: "Ah, você não sabe que houve um Conselho?».

.

Sei muito bem que houve um Conselho, sobre o qual qualquer um poderia me questionar, encontrando-me longe de despreparado para seus documentos, porque acho que sei e posso provar outra coisa, desafiando alguém a negá-lo: com o Concílio de Trento abriram-se seminários e deu-se formação adequada ao clero cuja missa beirava o analfabetismo. Nessa época houve um florescimento de novas congregações religiosas, de grandes santos educadores e pedagogos, de grandes santos da caridade. Além disso, desenvolveu-se uma grande atividade missionária e evangelizadora que levou a Igreja a ser, do fenômeno quase exclusivamente europeu que foi, verdadeiramente universal e espalhado por todo o mundo. Estes foram os frutos históricos do Concílio de Trento que ninguém pode negar, exceto para negar dados históricos incontestáveis. Embora hoje, o Concílio de Trento e o termo “do Trento” é usado como sinônimo de sagacidade obtusa e retrógrada, mesmo dentro das universidades eclesiásticas, como prova de quanta ignorância chegou ao poder na Igreja através das piores mistificações ideológicas e das mais perigosas alterações dos fatos históricos.

.

Chegamos agora ao Concílio Vaticano II, considerado por alguns como o conselho dos conselhos, coisas diante das quais o primeiro Concílio Niceno e o primeiro Constantinopolitano que dogmaticamente estabeleceu as bases da depósito de crédito comparados a ele - que mesmo de novos dogmas ele não definiu nem pela metade - eram quase coisa de amadores briguentos, que não é por acaso que eles até brigaram entre si na Sala del Trullo quando discutiram a natureza de Cristo que foi finalmente definido como «gerado, não criado da mesma substância que o Pai», não uma criatura criada como os bispos arianos a entendiam.

.

resultados históricos objetivos do Vaticano II foram esses: antes de tudo a secularização do clero e a clericalização dos leigos católicos formados hoje por um exército de piedosas e importunas mulheres piedosas e padres meio-serviço, cujo objetivo é apenas criar confusão nas estruturas pastorais e tornar o vida dos párocos às vezes quase inviável. Em seguida, o despovoamento progressivo dos seminários diocesanos e noviciados religiosos, os edifícios de muitos dos quais foram vendidos a empresas privadas, ou convertidos em abrigos ou hotéis com o propósito certo de rentabilizar de alguma forma edifícios, cujos custos de manutenção seriam em si exorbitantes tanto em termos de manutenção como de impostos [cf.. Meu artigo anterior WHO]. Da molte piccole e medie diocesi le suore sono ormai scomparse e gli stabili dei loro ex istituti religiosi chiusi e convertiti ad altri usi. La maggioranza dei vescovi italiani non possono permettersi di avere un seminario diocesano perché è tutta grazia di Dio se riescono ad avere due o tre seminaristi al massimo. In quelle stesse diocesi, dentro “copo” epoca tridentina, di seminaristi ne avevano almeno venti o trenta, ma forse non erano autentiche vocazioni illuminate da quella “primavera Espírito” che per ammissione dello stesso Santo Pontefice Paolo VI fece calare sulla Chiesa l’inverno: "Com o Concílio Vaticano II que esperávamos primavera e em vez disso veio o inverno" [cf.. John Guitton, Paulo VI segredo].

.

Deixe-me ser claro: qui non si intende affatto discutere né sulla validità del Vaticano II, che era neppure necessario bensì indispensabile, né tanto meno sulla validità dei suoi documenti pastorali. Ciò sul quale bisognerebbe seriamente discutere con una lunga litania di culpa MEA è ciò che del Concilio è stato fatto nella infausta stagione del post-concilio, quando in nome di un male inteso “spirito del Concilio” ciascuno ha finito per crearsi un concilio personale proprio, in testa a tutti quelli che i corposi e lunghi documenti del Vaticano II non li conoscono e non li hanno mai studiati. Fu per questo che in un mio libro del 2011 coniai il termine di egomenico Conselho degli interpreti dello spirito del concilio nella stagione del post-concilio [cf.. E Satanás se tornou trino].

.

Domanda semplice, di quelle destinate purtroppo a rimanere senza risposta, come capita quando si va a toccare il totem intangibile della cieca ideologia: è vero o no che dopo il Concilio di Trento i seminari sono stati aperti e sono fioriti nel corso dei tre secoli successivi, elevando il livello sia pastorale che culturale di quel clero che nella precedente stagione versava in stato pietoso, poucas exceções? È vero o no che dopo il Concilio Vaticano II, nei successivi cinquant’anni, i seminari si sono svuotati e progressivamente sono stati chiusi? È una domanda storica alla quale bisognerebbe rispondere con obbiettivo rigore storico, non con cieca ideologia. Basterebbe prendere i dati statistici del clero italiano del 1950 e confrontarli con quelli del 2022, scoprendo all’istante che più che dei dati sono dei bollettini di guerra. Exemplo: diocesi che nel 1950 avevano un presbiterio composto da 1.000 presbiteri tra clero secolare e clero regolare per un numero di 350.000 batizado, hoje, con un numero di battezzati pari a 700.000 hanno un presbiterio composto da 350 presbíteros. Então, se andiamo a guardare le statistiche sull’età dei presbiteri, lì c’è da piangere sul serio. Prendo una diocesi italiana a caso. Anno 2021: età media dei presbiteri 70 anos, nuovi presbiteri ordinati 2, presbiteri defunti 18. Pergunta: di questa e di altre diocesi italiane, che ne sarà nel giro di 10 o 15 anos? O qualcuno pensa davvero di risolvere il problema ormai irreversibile che batte inesorabile alle porte con la istituzione delleaccolitesseche finiranno presto usate come preti-surrogato? [cf.. WHO]. Perché qualche vescovo particolarmente illuminato non ha trovato di meglio da fare che affidare a qualcuna di questeaccolitessedelle parrocchie di provincia ormai da anni senza parroco. Perché è così che i nostri vescovi illuminati risolvono le cose.

.

Dinanzi a queste domande che vertono in parte sulle conseguenze dello “spirito del Concilio” generato dai grandi “interpreti del Concilio”, in parte su dei dati che, eu repito, più che tali sono dei bollettini di guerra, la risposta dei vescovi e di certi preti, che come noto non hanno colpe, tanto sono impegnati nella ricerca delle colpe altrui, è presto data: «Tutta colpa della scristianizzazione delle società!». Boa, ma a questo punto alla domanda si aggiunge domanda: e la scristianizzazione di chi è colpa? Forse della Lega degli Anarchici Libertari Anticlericali? Perché da sempre si è cercato di scristianizzare, sin dagli albori dello stesso Cristianesimo, Meu ele sentido da fé ha prevalso su Decio, Diocleziano, Nerone … a seguire su Attila, poi sui maomettani che se nel 1571 avessero vinto a Lepanto la successiva settimana avrebbero issato il vessillo della mezzaluna sulla cattedra del Vescovo di Roma a San Giovanni in Laterano. E ancora a seguire: sui lanzichenecchi che misero a ferro e fuoco Roma nel XVI secolo, sui giacobini della Rivoluzione Francese, su Napoleone che prese Pio VII come un pacco e lo trasportò prigioniero in Francia, su Hitler, su Stalin … nessuno ce l’ha fatta. E se il sentido da fé è riuscito a prevalere e sopravvivere dinanzi a certi personaggi e stagione storiche, qualcuno mi spiega come mai è invece collassato proprio nella stagione di un post-concilio mentre soffiava a poppa e a prua il grande spirito del concilio dei concili?

.

Torniamo adesso al buon vescovo che un giorno di quasi dieci anni fa ebbe con me quel colloquio doloroso, che proseguì con il problema delle sacre ordinazioni dei diaconi e dei presbiteri. Cominciò col dirmi che la situazione del seminario inter-diocesano voluto a quel modo dai vescovi della regione, con quell’impronta, quei formatori e quel genere di insegnamento, aveva creato la estraneità tra vescovo e seminaristi, tra i quali intercorreva solo una superficiale e cortese conoscenza. A breve avrebbe dovuto ordinare due diaconi, consapevole di come fossero stati allevati nel corso di tutto il ciclo formativo, non solo in antitesi all’impronta pastorale del loro vescovo giudicata troppo conservatrice, perché quei candidati avevano espresso più volte che a rincuorarli era il fatto che il loro vescovo aveva già compiuto settant’anni e che «cinque anni passano in fretta, graças a Deus!». E fu lì che il vescovo mi chiese un parere, che non esitai a dargli dinanzi alla sua domanda molto esplicita: «Tu che cosa faresti al mio posto?». Risposi che avrei fatto la cosa doverosamente peggiore, senza manifestare disagio, ma improntando il tutto su principi sia di sacramentaria sia di coerenza. Mi feci un attimo vescovo al posto suo ― ossia mi calai nel suo ruolo ― e dissi che avrei preso i due spiegando che sia con loro che con qualsiasi altro candidato ai sacri ordini non era mia abitudine dichiarare la autenticità della vocazione, perché non l’ho mai fatto e mai lo farò. Pelo contrário, ho sempre sorriso ogni volta che ho sentito attestare in toni trionfalistici: «Autentica e solida vocazione!». La vocazione rimane per gran parte un mistero e nessun vescovo o formatore può fare attestati di assoluta autenticità. Anche perché non si spiegherebbe come mai si sono verificati casi di presbiteri che hanno lasciato il sacerdozio anche dopo vent’anni, dichiarando e spiegando di avere «vissuto due decenni di illusioni» o di «avere compiuto una scelta sbagliata» perché «il sacerdozio non era la mia strada». Di sicuro non avevano una vocazione, perché una vocazione autentica e solida non si perde e non muore mai, può essere a un certo punto rifiutata o persino distrutta dalla libera volontà del presbitero, ma neppure difficoltà e sofferenze che possono persino valicare le capacità di umana sopportazione la possono annullare. Un presbitero veramente vocato al sacerdozio può anche compromettersi irreparabilmente la salute e andare incontro a morte prematura per i dolori inferti e sofferti, ma non lascerà mai il sacerdozio, perché il carattere che ha ricevuto lo ha trasformato ontologicamente, è indelebile ed eterno e gli ha conferita una dignità superiore a quella degli stessi Angeli di Dio.

.

Ciò che un vescovo e dei formatori possono attestare è l’idoneità ai sacri ordini del candidato. Então, se qualche vescovo o formatore riesce a leggere le più impenetrabili sfere delle coscienze, per di più nel complesso rapporto intimo e profondo tra Dio e l’uomo, benedetti siano loro per un simile dono così raro e speciale.

.

Interpretando il ruolo del vescovo che parla con i candidati agli ordini sacri proseguo col dire che al posto suo avrei detto: … voi siete idonei a ricevere i sacri ordini perché nulla osta a che vi siano concessi. Però non posso essere io a ordinarvi diaconi e poi presbiteri per la Chiesa che attualmente governo. Non ritengo giusto e coerente che voi riceviate i sacri ordini da un vescovo che non stimate e di cui non condividete le linee pastorali. Vamos esclarecer: al vescovo voi dovrete promettere filiale rispetto e devota obbedienza, non dovete promettergli né stima né apprezzamento per la sua opera pastorale, questo non è richiesto e previsto, né mai potrebbe esserlo, perché se ciò fosse sarebbe veramente aberrante. Resta però un fatto: per il presbitero la figura del vescovo consacrante è destinata a rimanere indelebile per tutta la vita. Durante il sacro rito si domanda «Prometti filiale rispetto e devota obbedienza a me e a tutti i miei successori?». Con la menzione dei «successori» si precisa implicitamente che domani il vescovo può essere un altro e poi un altro ancora. Ci sono presbiteri anziani che dopo il loro vescovo consacrante ne hanno avuti altri quattro o cinque. Pur malgrado il ricordo di colui che ti ha generato nel sacro ordine sacerdotale rimane per tutta la vita e incamminandosi verso la vecchiaia, più il tempo si allontana da quel lieto evento più diventa vivo e caro. Per poco possa valere la mia esperienza: il vescovo che mi accolse, che provvide alla mia formazione e infine mi consacrò presbitero, io l’ho venerato, rispettato e ubbidito. Aveva un carattere e un temperamento non facile e negli anni a seguire sono stato con lui anche duro nel rivolgergli meritate critiche e giudizi severi, ponendo in luce certi suoi gravi difetti, ma non sono mai venuto meno per un solo istante al mio affetto e alla mia gratitudine nei suoi riguardi. E tra i diversi presbiteri che ha ordinato, forse sono l’unico che celebra sempre Sante Messe di suffragio per la sua anima. Si chiamava Luigi Negri [1941-2021].

.

Pode acontecer, ed è capitato, che un presbitero si ritrovi con un vescovo sgradevole, incapace e persino dannoso, al quale tributare in ogni caso filiale rispetto e devota obbedienza, pur non apprezzandolo né nutrendo alcuna fiducia e stima per lui, oppure avendola perduta in seguito. Diverso è però il discorso del vescovo consacrante, porque, nesse caso, tra lui e l’ordinando deve essersi instaurato un rapporto di reciproca stima e fiducia. O come mi ha detto di recente il confratello Simone Pifizzi, uno dei nuovi Padri della nostra Ilha de Patmos: «Prima di ordinarmi diacono il Cardinale borrelhos Silvano, Arcebispo de Florença, ele me disse: “quando durante il sacro rito ti chiederò di promettere filiale rispetto e devota obbedienza, dovremo guardarci molto bene negli occhi, perché quella promessa e quel legame sarà indelebile con me e con tutti i miei successori”». Grandi uomini e pastori come Silvano Piovanelli oggi ci mancano terribilmente, ci appaiono figure di una stagione che diventa sempre più lontana allo spuntare dei primi capelli bianchi sulle nostre teste, ma il loro solo ricordo ci è di conforto e speranza per vivere al meglio il nostro sacerdozio ministeriale.

.

Apprezzare e stimare un vescovo non è né obbligatorio né tanto meno dovuto, Mas, se si è coerenti, da un vescovo che non si apprezza e non si stima sarebbe bene non farsi ordinare, perché in tal caso l’ordinando trasformerebbe il vescovo in una sorta di pubblico ufficiale che ratifica un atto burocratico, mentre dal canto suo il vescovo trasformerebbe la sacra ordinazione in un semplice atto burocratico da ratificare. E conclusi dicendo al vescovo: potresti dir loro che col tuo benestare e la garanzia di idoneità dei formatori possono rivolgersi a qualsiasi vescovo della regione che sarà ben disposto ad accoglierli. Credo infatti che sugli imbarazzi e i disagi, che poi divengono reciproci, non si debba passare sopra con diplomatica pelosità clericale, si affrontano e si trovano soluzioni.

.

Mi prestò ascolto e con pastorale sapienza agì in tal senso. Poco dopo avvenne una lite scatenata dal rettore del seminario che osò rivolgersi al vescovo in questi toni perentori: «Lei li deve ordinare per la sua diocesi, e isso é, altrimenti vanifica tutta la nostra opera formativa». Ribatté il vescovo: «Pensavo che i diaconi, poi a seguire i presbiteri, fossero diaconi e presbiteri del vescovo, não de equipe inter-diocesana del seminario». Furono presi, ordinati e incardinati da un altro vescovo nella sua diocesi, rivelandosi poi dei preti ingestibili sin dal primo anno di ministero sacerdotale, mentre a Roma si moltiplicavano le lamentele contro questo vescovo da parte di alcuni vescovi della regione e della cosiddetta equipe formativa del seminario regionale. Incidentalmente: un paio di anni dopo il rettore del seminario non poteva che essere nominato vescovo, dopo avere improntato la nuova formazione dei futuri preti a suon di visite nei campi profughi e nei campi rom. Non importa che questi futuri preti non conoscessero non dico le opere, ma nemmeno il nome dei più grandi Santi Padri e dottori della Chiesa, perché una puntata a un campo rom supplisce tutto e conferisce speciali doni di grazia dello Spirito Santo.

.

Se di fatto viene tolta a un vescovo la facoltà di poter formare i propri diaconi e presbiteri come egli reputa giusto e opportuno per la sua diocesi, in nome di una collegialità episcopale molto male intesa, forse sarebbe opportuno chiudere definitivamente i pochi seminari che ci restano, la maggioranza dei quali disastrati e disastrosi. Evitando a questo modo di trasformare le diocesi in una via di mezzo tra liberi collettivi e cooperative sociali, con i vescovi ridotti e obbligati a ratificare capricci ed errori di presbiteri e laici. Più che una «Chiesa in uscita» la nostra è una Chiesa che conclusa la fase dell’amministrazione controllata pre-fallimentare si ritrova adesso con gli ufficiali giudiziari alle porte per il sequestro degli stabili, após a falência fraudulenta produzida pelo imaginativo egomenico Conselho dos intérpretes de “espírito do conselho” naquela época nada auspiciosa do pós-concílio que fez o Santo Pontífice Paulo VI dizer: "Com o Concílio Vaticano II que esperávamos primavera e em vez disso veio o inverno".

a Ilha de Patmos, 22 novembro 2022

.

.

Relembramos o directo de quinta-feira 24 novembro de clube teológico dirigido por Padre Gabriel. Clique abaixo para se cadastrar Canal da Jordânia

.

O ÚLTIMO LIVRO DE ARIEL S. LEVI de GUALDO – PARA ACESSAR A LIVRARIA CLIQUE NA CAPA

.

 

.

.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.

fé e ciência, um relacionamento que sempre foi frutífero, mas não fácil, especialmente no mundo da era digital, na direção de 24 novembro no 21

FÉ E CIÊNCIA, UM RELACIONAMENTO QUE SEMPRE FOI FRUTO, MAS NÃO FÁCIL, ESPECIFICAMENTE NO MUNDO DA ERA DIGITAL, NA LIVE DE 24 NOVEMBRO ÀS 21

No mundo inteligente, nella età digitale dove tutto è a portata di dito e di un click, fé e ciência ainda têm uma relação frutífera entre si? C’è tra di loro un’armonia da riscoprire?

— O vídeo ao vivo da Ilha de Patmos —

Autor: Jorge Facio Lince Presidente delle Edizioni L’Isola di Patmos

.

o teólogo dominicano Gabriele Giordano M. Scardocci, pai editor de A Ilha de Patmos

In uno dei suoi interventi televisivi Padre Ariel S.. Levi di Gualdo spiazzò gli ospiti presenti, intrisi di surreali “leggende nere medievali” e di conflitti tra “Chiesa e scienza”, provérbio: «La Chiesa è stata e tutt’oggi è madre della scienza». E con una breve battuta – come di necessità si deve fare negli spazi di un programa de entrevista – disse tutto l’essenziale.

La Chiesa “nemica” della ragione? Siamo seri e non scherziamo: le più grandi speculazioni logiche e razionali nascono e si sviluppano nell’ambito cattolico sino a giungere al loro culmine con la enciclica Fé e Razão (Fede e ragione) do Santo Pontífice João Paulo II.

No mundo inteligente, nella età digitale dove tutto è a portata di dito e di un click, fé e ciência ainda têm uma relação frutífera entre si? C’è tra di loro un’armonia da riscoprire? Di questo tema se ne discuterà con Andrea Mameli, fisico e divulgatore scientifico, nella diretta di mercoledì 24 novembro no 21:00.

Iscrivetevi al nostro canale e partecipate numerosi. Le dirette trasmesse potete poi trovarle nell’archivio del Canal da Jordânia a clube teológico.

Todas as atualizações e gli avvisi sulle successive dirette potrete trovarli nella colonna di destra della pagina inicial de L’Isola di Patmos sotto la voce «Le dirette di Padre Gabriele».

Estamos esperando por você.

Da ilha de Patmos, 23 setembro 2022

 

CLICCATE SULL’IMMAGINE PER ISCRIVERVI AL CANALE

.

.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.