O caso de “Irmã Cristina”. Lembre-se querida Cristina, quando você canta, coloque Cristo nas notas, caso contrário, sua renúncia não terá ensinado nada

Padre Ivano

O CASO DA "IRMÃ CRISTINA". LEMBRE-SE QUERIDA CRISTINA, QUANDO VOCÊ VAI CANTAR, COLOQUE CRISTO NAS NOTAS, CASO CONTRÁRIO SUA RENÚNCIA NÃO TE ENSINARÁ NADA

Agora suas ex-irmãs, as queridas Ursulinas da Sagrada Família, eles ainda têm uma chance de ajudar Cristina, mostre proximidade com ela e também forneça sua ajuda material obediente. Sem economizar em alguns tapas saudáveis, estão ao lado dela, assim como Cristo fez com aquele jovem rico que não quis segui-lo.

- Notícias da Igreja -

Autor
Ivano Liguori, ofm. Capp..

.

artigo em formato de impressão PDF

 

.

A leitura de áudio estará disponível na manhã de 26 novembro

.

Entrevista com Ir. Cristina

Irmã Cristina Scuccia, a freira cantora do Congregação das Ursulinas da Sagrada Família, deixou a vida consagrada para talvez seguir a sua (vera?) vocação no mundo do canto [veja: Who, Who, Who e Who]. É uma notícia de alguns dias atrás.

.

Para esta notícia recente, Padre Ariel já dedicou um pequeno artigo com o qual concordo plenamente quanto ao realismo e equilíbrio [veja: Who]. No entanto, como religioso sacerdote da Ordem Capuchinha também eu gostaria de fazer algumas considerações sobre o assunto, que de certa forma soará como verdadeiras provocações, talvez desagradando alguém, mas que terá o mérito de destacar algumas das hipocrisias mais comuns da vida consagrada disfarçadas de sentimentos de piedade.

.

Em primeiro lugar, há algo a informar as muitas almas belas ― aquelas que nestas horas dentro Vida real o sui social estão jogando tiro ao pombo com as pobres ex ursulinas ― que todos os anos a Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica atende a muitos pedidos de religiosas que pedem para deixar sua ordem, seu instituto ou congregação a que você pertence. De quem é a culpa? Por que isso acontece? Nem sempre consigo me dar uma resposta convincente, segundo a opinião esclarecida de algumas belas almas, a culpa é sem dúvida do Papa jesuíta ou talvez daqueles religiosos que nos fizeram chorar Madona com pecados contra o sexto mandamento ou talvez daqueles que não conseguem se resignar a viver segundo um estilo religioso grotesco típico dos monges do filme O nome da rosa de Jean-Jacques Annaud ou as freiras improváveis ​​do filme Lei da Irmã. Porque para algumas almas bonitas e blogueiros especialistas em gatos, toda tradição e Latim, o religioso é uma máscara grotesca entre o psiquiátrico e o ridículo, uma mistura de mortificação e cilício, distúrbios de humor e desejos de romance com coceira Aves silvestres, em suma, um verdadeiro louco.

.

Portanto, quando ocorre que algum consagrado pendure o hábito, imediatamente começamos a procurar os motivos – reais ou presumidos – e procedemos com a delicadeza e tacto de um rolo compressor dentro de uma loja de cristais Swarovski. mas nós aqui, do agradável Ilha de Patmos não queremos ser um rolo compressor, sabemos bem, de fato, que alguns abandonos são certamente justos porque lhes falta o mínimo de consciência e liberdade necessários para viver como pessoas consagradas e se constituir no mundo como tochas de luz, sinais proféticos para a Igreja. Mais abandonos, em vez de, eles constituem verdadeiras injustiças deixadas escapar muito levemente e na maioria das vezes surgem do desespero, da solidão, da miséria humana e da insipidez paraculagina de alguns superiores que trocam o Presente do governo com o privilégio de sua própria impecabilidade em que nunca existe erro pessoal e se existe é normalmente sempre e somente do "religioso problemático" que decide sair.

.

Honestamente, depois de mais de vinte anos de vida religiosa ― Entrei nos Frades Menores Capuchinhos a 21 anos de idade durante os estudos universitários em farmácia ― não estou mais em condições de me escandalizar com essas deserções, como saídas ou abandonos são chamados em fria linguagem técnica. Pelo contrário, eu digo a verdade, diante de um confrade que não só suspende todo julgamento, mas deliberadamente escolhe gastar algumas palavras, sabendo que é urgente demonstrar o amor de uma avó que, diante do neto mais temerário e rebelde, ainda tem a preocupação de pedir: "Como você está? Você comeu?». E só Deus sabe quão expressivos podem ser os olhos e o olhar de um religioso que tomou a dolorosa decisão de partir. Pergunte como você está, significa compartilhar muito mais do que uma onda sentimental. Na minha humilde opinião, significa derramar bálsamo no último ato de misericórdia para com um homem em crise. E não é assim que se interpreta a velha parábola do Pai Misericordioso, de Lucas, que todos se gabam de apreciar, mas que poucos praticam, sobretudo se são religiosos?, padres ou católicos doc?

.

Talvez o pequeno (suor) Cristina, catapultado para aquele mundo miserável de entretenimento, devorando e devorando, ela só precisava ouvir a pergunta da avó com mais frequência: "Como você está? Você comeu?», que então se traduz em "Você está feliz? Jesus e a Igreja estão realmente preenchendo sua vida? você está se dissipando, Você está chateado? você está orando? Seu coração, sua alma, seu desejo talvez seja ruim de alguma forma?». Porque são essas perguntas que ajudam a prevenir crises pessoais, doenças espirituais, os porões dos vícios que o diabo desencadeia para desviar os religiosos de seu caminho de perfeição, como disse o bispo San Macario.

.

Na minha vida religiosa Já encontrei várias vezes superiores e diretores de alunos que estavam mais preocupados com a presença de seus irmãos no coral do que com sua real felicidade. Escrupulosos em supervisionar se os frades recitavam o breviário na íntegra, mas não igualmente diligentes em perceber se seus frades se abriam ao sorriso e à alegria dentro do convento. Preocupação com a observância regular, do uso do dinheiro, mas nem um pouco interessado em saber se o frade conseguiu dormir bem ou não, talvez angustiado por algum fantasma da alma. Encontrei tantos superiores e diretores de estudantes que fizeram da vida religiosa um reavivamento de Instagram e Tique-taque. Um realidade onde o religioso canta, bala, faça isso mostrar homem, faz tudo e seu oposto, e onde o único caminho para a perfeição consiste na observância do lema de 1968 "proibido proibir" porque Jesus é o ás leva tudo que é bom acima de todas as coisas, do palco de Sanremo ao Grande Chartreuse.

.

Mas agora um 45 anos de idade estou começando a ficar vintage, lembrando que um tempo para deixar o convento, era preciso bater na porta do pai guardião (o superior local) e pedir permissão: «Abençoado pai, Posso ir a…» e depois de fazer recados fora do convento, volte para o guardião e diga novamente: "Abençoado pai, estou de volta". Essas coisas não são mais usadas hoje, jovens noviços e estudantes muitas vezes têm muitas liberdades desde o noviciado (Ganhei meu primeiro telefone celular como diácono com a idade de 33 anos) e o que há vinte anos poderiam ser considerados formalidades hoje entendo que eram formas de vivenciar a filiação e a paternidade espiritual, juntamente com aquela fraternidade evangélica que une e protege todas as religiões.

.

O caso de (suor) Cristina é emblemático daquela verdade que nos diz que até os religiosos estão saindo de cena. Junto com os casais que explodem (ver Albano e Romina, Totti e Ilary), eu gosto disso habilmente, os irmãos que sim eles despejam e as freiras que são... bem, você entendeu. Esta é a verdade nua da nossa «Igreja em saída», certamente não é uma verdade recente, essas coisas sempre aconteceram e vão acontecer de novo, basta lembrar alguns precedentes ilustres, como Irmã Sorriso o De José Cionfoli. Talvez verdades incómodas para as quais é necessário encontrar uma resposta mas sobretudo uma forma de as prevenir. Porque tenho certeza que é a Irmã Sorriso, assim como Fra Giuseppe Cionfoli e agora Irmã Cristina certamente foram escolhidos e amados por Deus em sua escolha da vida religiosa, mas não tiveram a graça de encontrar professores capazes de aceitá-los como eram, acompanhando seus talentos para uma purificação madura que limite as tentações e a nostalgia. Tais deserções na vida religiosa nunca são fáceis e é preciso ter um olhar muito mais compassivo e complexo para todas as várias conspirações que as pessoas normalmente seguem nesses casos..

.

A dimensão da fragilidade da Igreja implica também a possibilidade de abandono do estado de vida consagrada, mas são poucos os que o querem reconhecer e muito poucos os que querem amar e apoiar estes irmãos necessitados de forma gratuita e abnegada. Porque a essência da vida batismal, da qual a vida religiosa é a plena maturidade, não é nada além de amor até o fim. Está lá, no amor como martírio-testemunha de que residem a credibilidade e a santidade da Igreja e de nós cristãos: "A maneira como vocês se amam, eles reconhecerão que vocês são meus discípulos" [cf.. GV 13,35]. E, em vez disso, você apenas lê os comentários de virgens difamadas que estão consternadas porque Cristina Scuccia não é mais freira, clamando pela traição de Judas e covardia. Diante dessas falas fico calado porque senão acabaria dizendo coisas caridosas.

.

Vamos tentar entender de uma vez por todas que o amor cristão é o que a maioria despreza, um amor que ama o que está quebrado, que cria escândalo, um amor que caminha por caminhos tortuosos e afundados de uma humanidade decadente. O resto, não foi isso que o Senhor Jesus fez com cada um de nós? “Quando ainda éramos fracos, no devido tempo, Cristo morreu pelos ímpios" [cf.. RM 5,6]. Isso ainda é verdade hoje, Cristo continua a morrer por nós todos os dias, pessoas amontoadas, que se liga a si mesmo com o vínculo de uma consagração especial, batismal, religioso ou sacerdotal, e que exige necessariamente uma conversão que nos faça passar do abandono das trevas ao esplendor da luz.

.

Cristo nos ama, batizado, religiosos e padres, não porque somos perfeitos, mas precisamente porque somos imperfeitos, de fato ímpio, ainda não entrou nessa pietas do dia de Páscoa que certamente não é obtido com um esforço de vontade, mas como graça dada livremente pedir ao Espírito Santo todos os dias com lágrimas. A vida religiosa é um caminho de perfeição que só se realiza quando a imagem de Cristo, novo homem, nasce em nós. E esta entrega certamente leva tempo, da paternidade e maternidade espirituais, de acompanhamento afetuoso e sofrido, mercadoria muito rara entre os superiores religiosos de uma "Igreja em saída", cada vez mais Gerente como é para muitos bispos.

.

Eu considero o caso de (suor) Cristina Scuccia não uma excepcionalidade, mas a expressão de uma tendência bem conhecida por quem vive e trabalha no mundo real da vida consagrada. Se formos então examinar os casos de abandono, notamos que não são religiosos e religiosas com limitações humanas e espirituais que estão saindo, mas exatamente o contrário. Muitas vezes nos encontramos diante de personalidades realmente talentosas, dotado de carisma, inteligência viva e que têm um histórico cultural respeitável, o suficiente para fazê-lo alcançar importantes qualificações acadêmicas. Eles são como carros de motor grande que foram confiados a pessoas sem experiência de direção.. E (suor) Cristina tem qualidades que sem dúvida foram mal canalizadas. Qualidades que poderiam apoiá-la e ajudá-la em sua vocação e que, ao contrário, foram usadas para se sobrepor à vocação religiosa, criando uma alternativa que atendesse às necessidades temporais de uma jovem congregação religiosa, que do trabalho de canto da irmã talvez também tivesse beneficiado de grandes somas de dinheiro? Isso não deveria ser escandaloso porque até as freiras têm que comer e manter suas estruturas, mas talvez haja necessidade de uma reflexão cuidada que tenha em conta algumas prioridades a repensar.

.

casos de abandono na grande maioria das vezes nem sequer dizem respeito ao celibato - tal como esperariam muitas almas lindas, todas Coração de Jesus e Maria - e isto significa que não se sai porque quer casar ou porque está não é mais capaz de respeitar o voto de castidade. A razão para o fracasso está em algo totalmente diferente: muito mais profundo, muito mais complexo, muito mais concreto. Por causa disso, todo abandono permanece misterioso, conhecido apenas por alguns aspectos, mas sempre injulgável por homens tão prontos para julgar e classificar tudo em categorias tranquilizadoras. Só Deus que é Pai pode conhecer profundamente o coração do homem, também daquele que decide em sua liberdade abandonar a vocação que lhe foi oferecida, mas que não pode fugir da vocação comum de todo batizado que é o chamado comum à santidade que vai além do estado de vida (não importa se consagrado, casado ou solteiro).

.

Por esta razão, vamos parar de brincar de pombo com o ex (suor) Cristina, com ela, assim como com as outras ex-religiosas. Este não é um caso de mídia para ser exibido em tabloides ou blogs católicos.. Neste momento de fragilidade, embora a aparência e o Maquiagem diga o contrário, esta menina precisa de ajuda sincera para reconstruir sua vida mas acima de tudo ela precisa aprender a não se deixar levar pelas miragens do implacável mundo do entretenimento que vê o religioso ou ex religioso como um animal a ser exibido para fazer público. Lembre-se do caso de Don Alberto Ravagnani usado pela primeira vez por Fedez e depois intimidado e amaldiçoado em? Boa, essas são as perspectivas reais.

.

Primeiro foi a Irmã Cristina, agora tem Cristina Scuccia empregada na Espanha, amanhã talvez seja uma mulher anônima com um casamento fracassado e filhos dependentes que canta em clubes espanhóis para poder pagar as contas. Então a glória do mundo, a glória dos homens, assim como a glória do palco.

.

Agora suas ex-irmãs, as queridas Ursulinas da Sagrada Família, eles ainda têm uma chance de ajudar Cristina, mostre proximidade com ela e também forneça sua ajuda material obediente. Sem economizar em alguns tapas saudáveis, estão ao lado dela, assim como Cristo fez com aquele jovem rico que não quis segui-lo. vamos ter certeza, a proposta passa, o amor de Cristo permanece, ainda que velada naquela triste saudade que só os olhos podem exprimir, como aquele jovem rico que partiu porque tinha muitos bens, mas entre os muitos bens que tinha, precisava do único necessário que desse valor a todos os demais.

.

Cristina, lembra quando você canta, coloque Cristo nas notas, caso contrário, sua renúncia não terá ensinado nada.

Laconi, 25 novembro 2022

 

.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.

1 responder
  1. Stefano Delle Chiaie
    Stefano Delle Chiaie diz:

    Depois de quase duas semanas e duas aparições consecutivas na televisão na mesma transmissão do Mediaset, O despir da irmã Cristina continua a manter o tribunal como uma notícia de última hora, demonstrando o valor pedagógico que o mainstream atribui ao exemplo edificante desta freira recuperada do mundo e sua influenciadora Special Forces. Eu tropeço cansado mais uma vez, desta vez no Corriere.it, na enésima reiteração desta noção, atingido por uma legenda embora: “O Papa Francisco entenderia”. Tendo lido em outro lugar que o Papa Francisco a teria encorajado a continuar em sua dimensão espiritual-musical, Eu entro no artigo que realmente confirma as aspas, também aprendendo isso, de acordo com esta ovelhinha primeiro perdida e depois achada, Francisco aprovaria sua renúncia aos votos porque “ao seu redor ele quer pastores (e freiras) aquele cheiro de ovelha não é mofo”. Afinal, a inevitável pergunta que vale todo o salário do pobre jornalista pago 50,00 euros a peça “E’ contra ou a favor do casamento gay?”, e igualmente óbvia a resposta “quem sou eu para julgar…Deus só prega o amor, se duas pessoas se amam o que há de errado?”. O suficiente para me tranquilizar sobre as boas intenções reafirmadas pelo novo católico adulto no cabeçalho do artigo: “minha fé não desmoronou e continuarei a espalhar a mensagem evangélica mesmo sem o véu”.

Comentários estão fechados.