O medo das mulheres: “Tiraram o Senhor do túmulo e não sabemos onde o colocaram”

Homilética dos Padres da ilha de Patmos

O susto das mulheres: «TIRARAM O SENHOR DO TÚMULO E NÃO SABEMOS ONDE O COLOCARAM»

Santo Agostinho, com a acuidade que o distingue, lê honestamente o que dizem estas palavras: «Ele entrou e não encontrou. Ele deveria ter acreditado que foi ressuscitado, não que tenha sido roubado"

.

 

 

 

 

 

 

 

.

artigo em formato de impressão PDF

.HTTPS://youtu.be/4fP7neCJapw.

 

.

Enquanto na noite de Páscoa lemos a história mais antiga do evangelho sobre a ressurreição de Jesus, Marcos, hoje é proclamado o início do capítulo vinte de João, provavelmente o último texto dos Evangelhos sobre a ressurreição de Jesus a ser escrito. Nós somos, assim, diante de uma parábola que parte do que é contido e retomado por Marcos, isto é, um relato "pré-Marc" da paixão e ressurreição de Jesus e vai até a última história, o joanino, que remonta ao final do primeiro século. A Liturgia, no espaço de uma única noite, da Vigília Pascal à missa do dia de Páscoa, recolhe fontes e tradições que se estabeleceram ao longo de algumas décadas e permite-nos desfrutar das diferentes perspectivas dos evangelistas. Este é o texto proclamado:

Salvador Dali, O amanhecer, 1948

«O primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao túmulo pela manhã, quando ainda estava escuro, e ele viu que a pedra havia sido removida do túmulo. Ele então correu e foi até Simão Pedro e o outro discípulo, o que Jesus amava, e disse a eles: "Levaram o Senhor do sepulcro e não sabemos onde o puseram!». Pedro então saiu junto com o outro discípulo e eles foram ao túmulo. Os dois correram juntos, mas o outro discípulo correu mais rápido que Pedro e chegou primeiro ao túmulo. Ele se abaixou, ele viu os lençóis colocados ali, mas ele não entrou. Enquanto isso, Simon Pietro também chegou, quem o seguiu, e ele entrou no túmulo e observou os panos ali colocados, e a mortalha - que estava em sua cabeça - não foi colocada ali com os panos, mas embrulhado em um lugar à parte. Então o outro discípulo também entrou, que chegou primeiro ao túmulo, e ele viu e acreditou. Na verdade, eles ainda não tinham entendido a Escritura, isto é, ele teve que ressuscitar dos mortos" (GV 20,1-9)

Lendo esta passagem uma emoção profunda toma conta de nós, o mesmo vivido pelas primeiras testemunhas da Ressurreição, uma mulher e dois discípulos. Esta parece ser a intenção do evangelista. Nós esperaríamos, na verdade, uma confissão madura e convencida sobre o evento, porém em nosso texto ainda não temos o anúncio da Páscoa, em vez de, o que Maria Madalena corre contar aos dois discípulos é: “Tiraram o Senhor do túmulo e não sabemos onde o colocaram”. Maria, presa do medo e do desânimo, ele dá como certo que o corpo de Jesus foi roubado e sua preocupação se concentra em “onde” o corpo pode agora ser encontrado. A história evangélica mostra, portanto, a génese da fé pascal, apresentando o seu momento incoativo, a liberação da faísca que logo se tornará fogo. O caminho interno que conduzirá ao grito e ao anúncio “Ressuscitou” passa pela consciência da evidência da morte constituída pelas ligaduras e pela mortalha que envolveram o corpo e o túmulo onde foi colocado.. O Santo Evangelho faz com que estes discípulos se sintam muito próximos de nós, ao nosso caminho gradual rumo a uma fé firme na Ressurreição de Jesus. A fé plena será a de Tomé que diz: "Meu Senhor e meu Deus" (GV 20,28); mas não sem ter passado também pela tentação de não acreditar e desconfiar.

A ausência de fé na Ressurreição é simbolicamente antecipado pela nota de que "ainda estava escuro lá fora" (GV 20,1) quando Maria Madalena foi ao túmulo. E a “escuridão” no simbolismo joanino refere-se àquilo que se opõe à luz (GV 1,5; 3,19), designa a situação problemática dos discípulos na ausência de Jesus (GV 6,17), é a condição de incerteza e confusão em que aqueles que não seguem Jesus se encontram vagando (GV 8,12), quem não acredita nele (GV 12,46). Resumidamente, estamos no "primeiro dia da semana" (GV 20,1), mas o amanhecer ainda não quebrou, ainda estamos no escuro.

Neste contexto o evangelista apresenta as reações de três discípulos diante do túmulo vazio e em particular a fé incoativa do discípulo amado que, tendo visto as bandagens no chão e entrado no túmulo vazio, "acreditava" (GV 20,8), ou melhor, "ele começou a acreditar" (cf.. o aoristo ingressivo: o epistemológico e ele acreditou). Só assim podemos explicar a nota que o evangelista faz para comentário imediato: “Porque ainda não tinham compreendido a Escritura que dizia que era necessário que ele ressuscitasse dentre os mortos” (GV 20,9). Santo Agostinho, com a acuidade que o distingue, lê honestamente o que dizem estas palavras: «Ele entrou e não encontrou. Ele deveria ter acreditado que foi ressuscitado, não que tenha sido roubado" (cf.. WHO). A fé pascal não nasce da mera observação de um túmulo vazio: isso também pode levar à hipótese de roubo do corpo. Os fatos devem ser comparados com as palavras das Escrituras e iluminados por elas. Só então darão vida à fé pascal. Fé que encontrará a sua plenitude com o dom do Espírito que ilumina as mentes, abrindo-as à compreensão das Escrituras, como aconteceu com os discípulos de Emaús (cf.. LC 24,45), Por que: «Quando ele vier, o Espírito da verdade, irá guiá-lo para toda a verdade” (GV 16, 13).

Na verdade, a ressurreição é um evento inédito, impensável e desconcertante. Paulo saberá algo sobre isso quando tentar anunciá-lo aos atenienses (No 17, 32). É uma novidade absoluta de Deus e os discípulos estão totalmente despreparados para o evento. Somente o discípulo amado, precisamente por causa daquele conhecimento íntimo que o liga a Jesus, ele começa a compreender e a abrir espaço em sua alma para a novidade realizada por Deus.

Contudo, está presente nestes três discípulos o aspecto emocional que na época os levou a deixar tudo para seguir Jesus. Em Madalena que teme não poder mais ver e tocar o seu Senhor e por isso corre. Ele corre em direção a Pedro e ao discípulo amado, os dois pontos de referência do grupo de discípulos. E por sua vez eles correm também, desta vez ao contrário, de volta ao túmulo. No momento em que o nível emocional é liberado, todos se expressam sem fazer cumprir as regras do grupo.. Porém, ao chegar ao túmulo, o discípulo amado espera por Pedro e o deixa entrar primeiro, respeitando a primazia estabelecida pelo Senhor. Nível emocional e afetivo de Maria (correndo para os dois discípulos) e do discípulo amado (que espera por Pedro e o deixa entrar primeiro no túmulo) eles permanecem ordenados e submetidos à objetividade da comunidade. Mas para guiar a emoção e a afetividade à fé plena, será necessária a inteligência das Escrituras e a fé nela., que é o fundamento ineliminável e objetivante da fé pascal e da vida eclesial.

Nós hoje que ouvimos estas palavras mais uma vez do Santo Evangelho proclamado, expressamos gratidão a estes importantes discípulos que quiseram manter a hesitação diante de um acontecimento tão incomum. Nós os sentimos perto, gratos pelo testemunho de fé que nos transmitiram nas Escrituras. Ensinaram-nos a procurar o Ressuscitado já não no túmulo (mnemônico em grego: letão. "memorial"; GV 20 1.2.3.4.6) que é a memória do cemitério, morto. Mas agora vivendo em sua glória e presente quando nos amamos, quando testemunhamos isso nos lugares de nossa existência, quando encontramos sofrimento ou quando trazemos esperança. Como nos reunimos todos os domingos, Páscoa da semana, sem o qual não podemos mais viver. Porque lá confessamos não só os nossos pecados, mas ouvimos novamente a Escritura que nos fala sobre Ele e nos alimentamos Dele, esperando que Ele venha.

Termino com estas palavras do poeta florentino Mario Luzi (1914 – 2005). O Papa João Paulo II pediu-lhe que comentasse as estações do Via Sacra no Coliseu na Sexta-Feira Santa 1999. E foi assim que terminou:

«Do túmulo a vida explodiu. / A morte perdeu sua dura batalha. / Uma nova era começa: o homem reconciliado na nova aliança sancionada pelo seu sangue / ele tem o caminho diante dele. / É difícil permanecer nesse caminho. / A porta do seu reino é estreita. / Agora sim, ou Redentor, que precisamos da sua ajuda, / agora pedimos sua ajuda, / tu, orientação e supervisão, não negue isso para nós. / A ofensa ao mundo foi enorme. / Seu amor foi infinitamente maior. / Te pedimos amor com amor. / Amém". (Mário Luzi, Via Sacra no Coliseu, 1999)

Vere Surrexit Christus SPEs MEA Dominus..., e ele apareceu a Simão, Aleluia!

Feliz Páscoa a todos.

 

Do Eremitério, 31 Março 2024

Santa Páscoa da Ressurreição

.

Caverna de Sant'Angelo em Maduro (Civitella del Tronto)

 

.

Visite as páginas de nossa loja livro WHO e apoie nossas edições comprando e distribuindo nossos livros.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.

.

.

Quinta-feira Santa 2024. Homilia de saudação do Cardeal Giuseppe Betori

QUINTA-FEIRA SANTA 2024. HOMILIA DE SAUDAÇÃO DO CARDEAL GIUSEPPE BETORI

Afirme que hoje, das águias e falcões onde estamos passando para galinhas ou, bom andamento, para perus, não é uma declaração mesquinha e irreverente, mas um fato: nos últimos anos temos testemunhado as nomeações episcopais de indivíduos embaraçosos, mas o que é pior, eles são todos iguais, ou como dizem moldado, clonado para emulação. Tudo isto face à pluralidade de vozes dentro da Igreja!

.

Autor
Simone Pifizzi

.

artigo em formato de impressão PDF

.

.

Este artigo me inspirou - o que não é assim, porque se trata de relatar o texto de uma homilia pronunciada pelo Cardeal Giuseppe Betori, Arcebispo Metropolitano de Florença - foi o Padre Ariel, que há algumas semanas dedicou uma homenagem ao seu Bispo nestas nossas colunas, SE. Mons. Andrea Turazzi; homenagem feita com um toque de classe resumida nesta frase:

«Um bom sacerdote é tal se espera o fim do seu mandato para louvar o seu Bispo [...] Só agora que ele já não tem o poder de governo pastoral sobre a Diocese e sobre mim, Posso dizer publicamente o quanto o reverenciei, apreciei e amei meu Bispo".

O Arcebispo de Florença, apesar de ter apresentado ao Sumo Pontífice a sua renúncia ao governo pastoral da nossa Diocese, ainda não é emérito, nem seu sucessor designado foi oficializado ainda. Sua missão entre nós, na verdade, No entanto, deve ser considerado concluído. Quanto ao seu sucessor, é quase certo que ele já foi escolhido e nomeado, só temos que esperar pelo anúncio oficial.

Com o Cardeal Giuseppe Betori - e agora muito poucos outros que se tornaram bispos na casa dos cinquenta anos sob o pontificado do Santo Pontífice João Paulo II - está definitivamente encerrado um período eclesiástico e eclesiástico que também teve os seus muitos problemas, mas em todo caso também povoado por personalidades de alto nível pastoral e profundidade cultural. Afirme que hoje, das águias e falcões onde estamos passando para galinhas ou, bom andamento, para perus, não é uma declaração mesquinha e irreverente, mas um fato: nos últimos anos temos testemunhado as nomeações episcopais de indivíduos embaraçosos, mas o que é pior, eles são todos iguais, ou como dizem moldado, clonado para emulação. Tudo isto face à pluralidade de vozes dentro da Igreja!

Tornando as palavras minhas dirigida hoje por um irmão ao seu Bispo, também posso dizer:

«Um bom sacerdote é tal se espera o fim do seu mandato para louvar o seu Bispo [...] Só agora que ele já não tem o poder de governo pastoral sobre a Diocese e sobre mim, Posso dizer publicamente o quanto o reverenciei, apreciei e amei meu Bispo".

Cardeal Giuseppe Betori revelou-se uma pérola agora incrustada no diadema da genealogia dos últimos Bispos doados a esta nossa Igreja florentina por Roma, agora, como demonstra a homilia a seguir…

Florença, 28 Março 2024

 

Cardeal Giuseppe Betori Arcebispo Metropolitano de Florença, Santa Missa Crismal do ano 2024

A Missa Crismal, em que o Bispo concelebra com os presbíteros das diversas áreas da diocese e durante o qual abençoa o santo crisma e os demais óleos, é considerada uma das principais manifestações da plenitude do sacerdócio do bispo e um sinal da estreita união dos presbíteros com ele”. Estas são as palavras do Romano Pontifício nas Instalações para o rito da Bênção dos Óleos. Com estas palavras dirigi-vos há quinze anos na minha primeira presidência da celebração da Missa Crismal na Igreja Florentina. Ainda me refiro a eles hoje, nesta celebração que se pode presumir ser a minha última presidência da Missa Crismal nesta catedral, dirigir-me em particular a vós, sacerdotes florentinos, com quem partilhei o governo pastoral do povo de Deus que me foi confiado nos últimos anos.

As minhas são palavras de agradecimento, de reflexão, de entrega para o futuro. No entanto, gostaria de evitar cair em sentimentos, embora importante e não ausente em meu coração neste momento, trazer tudo de volta à luz da palavra de Deus. Gratidão, conhecimento, a esperança confiante deve, de facto, medir-se pela fidelidade com que soubemos corresponder ao dom que Cristo nos concedeu, de como nos sentimos obrigados a mergulhar nas suas formas de uma forma adequada aos tempos, de como nos entregamos a ela na certeza de que a presença do Senhor e do seu Espírito está entre nós, apesar das incertezas do presente, isso nunca falhará.

Neste horizonte acolhemos com satisfação a revelação que hoje nos chega da palavra de Deus a respeito da missão de Cristo, das dignidades e responsabilidades que são dadas aos seus discípulos, do serviço da palavra e da graça que nos é confiada a nós, seus ministros, para benefício de todos. A imagem que resume este mistério é a da unção, com a qual o profeta expressa a consagração do Messias enviado para levar a boa nova da salvação, colocar-se a serviço dos pobres e oprimidos, espalhar a consolação da misericórdia. Ouvimos Jesus proclamar esta mesma unção como sinal da missão para a qual o Espírito o envia como libertador da humanidade de toda a sua fragilidade para entrar no tempo da graça do Senhor. Afinal, esta unção, agora definido como real e sacerdotal, é o sinal de um povo redimido que vive para a glória do Pai.

Anúncio, sacerdócio e realeza da pessoa de Cristo passam para o dos crentes nele e o nosso ministério de sacerdotes é colocado ao serviço desta passagem. Obrigado, portanto, pelo seu ministério ao serviço da Palavra; Que sempre haja dentro de você o desejo de conhecê-lo cada vez mais profundamente e poder expressá-lo novamente com palavras que sejam capazes de atender às questões expressas e não expressas da humanidade contemporânea, olhamos para o futuro com confiança, certos de que na riqueza inesgotável da palavra de Deus há uma orientação segura para os novos desafios que pairam sobre a humanidade nos dias que virão. Obrigado pelo vosso ministério como pontífices entre a humanidade e o seu Criador, de generosos transmissores da graça que vem do alto e da voz da humanidade e das suas expectativas para com o Pai de todos; em um mundo que se constrói seguindo o mito da autossuficiência, sinta que é seu compromisso particular despertar no seu povo a necessidade de invocação e a humildade para acolher o dom da vida, a nova obra dos sacramentos; alimente sempre a esperança dentro de você, para que nenhum obstáculo o leve ao desespero ou mesmo à inércia, porque nada muda de qualquer maneira, ter dentro de nós a certeza de que o Ressuscitado tem o poder de fazer novas todas as coisas. Obrigado pela forma como vocês animam suas comunidades em seu ministério, dedique-se a ser, você enfrenta os problemas dos mais pobres em particular; Somos de fato ministros da Igreja, mas o nosso serviço é sempre pela vinda do Reino de Deus entre nós, nos sinais de bem que ajudamos a fazer florescer e na contribuição que como comunidades cristãs somos capazes de oferecer para a afirmação da justiça, da paz, de respeito pela dignidade de cada homem, do bem comum; O lugar da Igreja na sociedade está mudando rapidamente e, consequentemente, o do sacerdote, por isso somos exortados a abandonar qualquer nostalgia da centralidade, mas também a reiterar que ninguém e nenhum mundo pode permanecer alheio ao dom de nós mesmos no Senhor.

Na homilia de quinze anos atrás Eu estava te chamando para uma comunhão que não fosse uma uniformidade massificadora, mas um entrelaçamento de relações na diversidade de experiências e na modulação da verdade única. Pedi que você escapasse da repetição cansada de uma melodia monótona para buscar uma harmonia polifônica em que cada voz busca harmonia com as demais, para uma comunicação que expressa a inteligência da realidade e a beleza da experiência. Não sei há quanto tempo conseguimos viver assim nestes anos e também estou aqui para lhe pedir perdão pelo que não fiz ou pelo que posso ter feito no sentido contrário.

O outro lembrete de quinze anos atrás estava na raiz sacramental do nosso ministério, para não nos deixarmos reduzir a agentes sociais, embora apreciado e querido, nem mesmo aos funcionários de um lugar sagrado para recorrer como refúgio da angústia humana. A sacramentalidade significa que o que é decisivo em nós é o dom da graça, dos quais fomos e somos destinatários e dos quais temos a responsabilidade de sermos transmissores. Por isso, lembrei-vos e repito-vos que servir a dimensão sacramental da Igreja significa antes de tudo um compromisso de mostrar como no regime sacramental podemos compreender o primado de Deus na história e como ele se manifesta para nós e entra em contacto com nossa vida graças à mediação de Cristo, quem é o fundamento e fundador dos sacramentos.

E este chamado a Cristo faz-me repetir ainda hoje que a extensão do nosso ser sacerdote depende estritamente do nosso vínculo com ele. Somente permanecendo unidos a Ele é que tanto a nossa identidade como o nosso serviço na Igreja e no mundo encontrarão verdade e eficácia. Que este olhar para Cristo nunca falte na nossa vida quotidiana, fale com ele, deixemo-nos guiar e apoiar por ele.

Caminhamos juntos ao longo desses anos. Foi um grande presente para mim ser seu bispo e poder contar com seu apoio. Não sabemos quando, mas no futuro outro bispo irá guiá-lo, a quem vos entregarei, mas a quem também vos peço que se entreguem com confiança. Os bispos passam, o Senhor permanece e ele é o nosso único e verdadeiro Pastor, dos quais somos apenas sinais, consciente, no que me diz respeito, de fraqueza e insuficiência. Peço misericórdia ao Senhor e peço-te compreensão humana. Carinhosamente.

 

Florença, 28 Março 2024

Catedral Metropolitana de Santa Maria del Fiore

Santa Missa Crismal

 

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.

Informamos ao Arcebispo de Chieti-Vasto que o padre excomungado Alessandro Minutella reserva-se nas estruturas religiosas de sua Diocese para celebrar os ritos da Semana Santa e depois seguir no Grand Hotel de Assis

INFORMAMOS AO ARCEBISPO DE CHIETI-VASTO QUE O SACERDOTE EXCOMUNICADO ALESSANDRO MINUTELLA RESERVA-SE NAS ESTRUTURAS RELIGIOSAS DE SUA DIOCESE PARA CELEBRAR OS RITOS DA SEMANA SANTA E DEPOIS CONTINUA PARA O GRANDE HOTEL DE ASSIS

Quando ligamos para a Casa del Pilgrino em Manoppello, instituto fundado na época pelos Frades Menores Capuchinhos, perguntar se eles sabiam quem iriam hospedar, os responsáveis ​​literalmente caíram das nuvens ao responder que durante horas 20 no 24 eles fizeram uma reserva com um grupo de "fãs de basquete" (!?)

- Notícias da Igreja -

Autor
Os Padres da Ilha de Patmos

.

 

Senhor. Alessandro Minutela ele incorreu em excomunhão automático por cisma e heresia (veja decreto WHO), subseqüentemente, por sua obstinação obstinada, foi demitido do estado clerical por decreto do Sumo Pontífice Francisco (veja decreto WHO), portanto, não faz mais parte da Igreja e do clero católico por sentença proferida pela Autoridade Eclesiástica Suprema.

Por anos viaja pela Itália e pela Europa recolhendo pessoas perdidas e vulneráveis, trazendo ao mundo a “boa notícia” de que o Sumo Pontífice Bento XVI nunca teria feito um ato de renúncia e que o Sumo Pontífice Francisco nada mais é do que um “satânico emissário usurpador de o Anticristo".

Como ele foi excomungado e demitido do estado clerical Senhor.. Alessandro Minutella não pode acessar locais de culto ou usar estruturas eclesiásticas de forma alguma, ele não pode se qualificar como padre católico e não pode usar a vestimenta eclesiástica do clero.

Num claro sinal de desafio e provocação decidiu celebrar durante o Tríduo Pascal em Manoppello, numa estrutura religiosa junto ao Santuário da Sagrada Face. Mas vamos ao engano: quando ligamos para o Casa do Peregrino de Manoppello, instituto fundado na época pelos Frades Menores Capuchinhos, perguntar se eles sabiam quem iriam hospedar, os responsáveis ​​literalmente caíram das nuvens ao responder que durante horas 20 no 24 tinha feito uma reserva para um grupo de “cesta de torcedores”. É claro que o Sr.. Alessandro Minutella enviou seus supostos contatos para fazer uma reserva provocativa por meio de engano, certamente não em seu nome nem no de sua exótica associação de hereges cismáticos, mas mesmo em nome de um … “cesta de torcedores” (!?) Porém, o Arcebispo de Chieti-Vasto saberá o que fazer e como fazer.

No dia seguinte o Sr.. Alessandro Minutela e seus seguidores estarão todos Grande Hotel em Assis, que não é uma estrutura religiosa, mas apesar de não o ser, é uma estrutura que graças à religiosidade funciona e desenvolve a sua actividade hoteleira, o suficiente para evitar que uma pessoa expulsa da Igreja cause grave indignação ao sentimento católico, com todos os seus fanáticos a reboque, diretamente em um dos maiores lugares simbólicos do mundo da religiosidade cristã.

a Ilha de Patmos, 22 Março 2024

.

.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.

É melhor morrer um único homem do que perecer uma nação inteira

Homilética dos Padres da ilha de Patmos

MEGLIO MUOIA UN SOLO UOMO CHE PERISCA LA NAZIONE INTERA

Per Gesù la vera morte non è quella fisica che gli uomini possono dare, mas reside na recusa de dar a vida pelos outros, o fechamento estéril sobre si mesmo; ao contrário, a verdadeira vida é o culminar de um processo de doação.

.

 

 

 

 

 

 

 

.

artigo em formato de impressão PDF

.HTTPS://youtu.be/4fP7neCJapw.

 

.

Fraintendere, ovvero prendere una cosa per un’altra. Questa attività che si è diffusa ai giorni nostri contrassegnati dall’uso consistente dei social, per l’autore del Quarto Vangelo diventa un espediente letterario per mezzo del quale, utilizzando la momentanea incomprensione, il lettore è guidato verso una conoscenza ulteriore, spesso più profonda, della realtà, del mistero che vive in Gesù. Lo abbiamo visto nell’incontro fra Lui e la samaritana e prima ancora con Nicodemo, nel Vangelo di domenica scorsa. Lo ritroviamo ancora qui, nel brano evangelico di questa quinta Domenica di Quaresima. Cosa c’è di più semplice e naturale del desiderio di vedere Gesù? Non sarebbe una richiesta che anche noi porremmo ogni giorno? Eppure l’Evangelista ci dice che Egli sembra, aparentemente, non prenderla in considerazione; distratto o, melhor dizer, concentrato su una prova imminente, su ciò che potrebbe distoglierlo e dunque su una presentazione di sé che la semplice curiosità di vederlo potrebbe non capire. Che cosa o chi dobbiamo guardare quando desideriamo vedere Gesù?

Secondo Tempio di Gerusalemme, modello di ricostruzione, Museo dello Stato d’Israele

"Naquela época, tra quelli che erano saliti per il culto durante la festa c’erano anche alcuni Greci. Questi si avvicinarono a Filippo, che era di Betsàida di Galilea, e gli domandarono: “homem, vogliamo vedere Gesù”. Filippo andò a dirlo ad Andrea, e poi Andrea e Filippo andarono a dirlo a Gesù. Gesù rispose loro: “È venuta l’ora che il Figlio dell’uomo sia glorificato. Em verdade, em verdade te digo: se il chicco di grano, caduto in terra, non muore, só resta; mas se morrer, produce molto frutto. Chi ama la propria vita, la perde e chi odia la propria vita in questo mondo, la conserverà per la vita eterna. Se uno mi vuole servire, mi segua, e dove sono io, là sarà anche il mio servitore. Se uno serve me, il Padre lo onorerà. Adesso l’anima mia è turbata; che cosa dirò? Pai, salvami da quest’ora? Ma proprio per questo sono giunto a quest’ora! Pai, glorifica il tuo nome”. Venne allora una voce dal cielo: “L’ho glorificato e lo glorificherò ancora!”. La folla, che era presente e aveva udito, diceva che era stato un tuono. Altri dicevano: “Un angelo gli ha parlato”. Disse Gesù: “Questa voce non è venuta per me, ma per voi. Ora è il giudizio di questo mondo; ora il principe di questo mondo sarà gettato fuori. E eu, quando sou levantado do chão, attirerò tutti a me”. Diceva questo per indicare di quale morte doveva morire» (GV 12, 20-33).

Per comprendere la pericope appena letta occorre far riferimento alla montante ostilità verso Gesù segnalata dalle seguenti parole che precedono il brano appena riportato:

«”Se lo lasciamo continuare così, tutti crederanno in lui, verranno i Romani e distruggeranno il nostro tempio e la nostra nazione”. Ma uno di loro, Caifa, che era sommo sacerdote quell’anno, ele disse-lhes: “Voi non capite nulla! Non vi rendete conto che è conveniente per voi che un solo uomo muoia per il popolo, e non vada in rovina la nazione intera!”. Questo però non lo disse da se stesso, mãe, essendo sommo sacerdote quell’anno, profetizzò che Gesù doveva morire per la nazione; e non soltanto per la nazione, ma anche per riunire insieme i figli di Dio che erano dispersi. Da quel giorno dunque decisero di ucciderlo» (GV 11, 48-53).

Nelle parole delle oppositori vi è anche la constatazione che: «Il mondo (ho kósmos) gli è andato dietro» (GV 12,19). Neste contexto, nel quale le decisioni degli avversari sono già prese, alcuni greci vogliono vedere Gesù. È un primo passo, non ancora quel vedere perfetto che fa contemplare con lo sguardo trasformato dallo Spirito il senso delle cose, tutta la profondità della realtà che farà proferire a Gesù: «Chi ha visto me ha visto il Padre» (GV 14,9). Questo desiderio però è positivo, di tutt’altro tenore dell’aspirazione omicida degli avversari di Gesù. Ma i greci, presenti per la Pasqua a Gerusalemme, forse simpatizzanti del monoteismo ebraico o addirittura già circoncisi, non possono entrare nella parte più interna del tempio dove probabilmente Gesù si trovava: il recinto riservato agli ebrei. A segnare questo spazio vi era infatti una balaustra di cui ci parla anche lo storico Giuseppe Flavio che riportava delle scritte, ancora oggi conservate a Gerusalemme e Istanbul, le quali recitavano in lingua greca, per essere comprese dai non ebrei:

«Nessun straniero penetri al di là della balaustra e della cinta che circonda lo hierón (la zona del Tempio riservata, n.d.r.); chi venisse preso in flagrante sarà causa a se stesso della morte che ne seguirà».

Questi che vogliono vedere Gesù si rivolgono al discepolo che porta un nome greco, Filippo, che era di una città abitata anche da molti greci e forse lui stesso parlava la loro lingua. La richiesta doveva essere singolare se lo stesso Filippo si fa aiutare ed accompagnare da uno dei primi due discepoli di Gesù, anch’egli con un nome greco: Andréa.

Ricevuta la notizia Gesù coglie il momento come un altro segnale che la sua «ora» è venuta (Venit hora), quella della sua glorificazione nella sua Pasqua (GV 17,1). A Cana di Galilea, quando si era nella fase iniziale, Gesù ne fa menzione a sua Madre, adesso qui, em vez de, si dice espressamente che l’ora: «È giunta». E come allora gli sposi delle nozze di Cana spariscono dalla scena, anche qui i greci paiono scortesemente messi da parte, affinché emerga una rivelazione su Gesù. Stavolta non un segno, ma le sue stesse parole la palesano. La sua morte sarà feconda come accade al chicco di grano che per moltiplicarsi e dare frutto deve cadere a terra e quindi marcire, morrer, altrimenti resta sterile e solo. Accettando di marcire e morire, il chicco moltiplica la sua vita e dunque attraversa la morte e giunge alla resurrezione.

Ritorna il paradosso delle parabole che Gesù sente il bisogno di chiarire:

«Chi ama la propria vita, la perde, e chi odia la propria vita in questo mondo, la custodisce per la vita eterna».

Per Gesù la vera morte non è quella fisica che gli uomini possono dare, mas reside na recusa de dar a vida pelos outros, o fechamento estéril sobre si mesmo; ao contrário, a verdadeira vida é o culminar de um processo de doação. La vicenda del chicco di grano è la vicenda di Gesù ma anche quella di ogni suo servo, Who, seguendo Gesù, conoscerà la passione e la morte come il suo Signore, ma anche la resurrezione e la vita per sempre. Non sarà solo Gesù a essere glorificato dal Padre ma anche il discepolo, il servitore che, seguendo il suo Signore, diventa suo amico (GV 15,15).

Che cosa, assim, Gesù promette di vedere? La sua passione, morte e resurrezione, la sua glorificazione, la croce come rivelazione dell’amore vissuto fino alla fine (cf.. GV 13,1). A ogni discepolo, proveniente da Israele o dalle genti, è dato di contemplare nella sua morte ignominiosa la gloria di chi dà la vita per amore. L’Evangelista ci permette anche di gettare uno sguardo sui sentimenti più intimi vissuti da Gesù e sulla sua coscienza filiale. Come i sinottici racconteranno l’angoscia di Gesù al Getsemani (cf.. MC 14,32-42 e par.), nel momento che precede la sua cattura, Giovanni riporta la sua confessione: «Ora l’anima mia è turbata». Egli è turbato per quel che sta per accadere, come già si era turbato e aveva pianto alla morte dell’amico Lazzaro (cf.. GV 11,33-35). Ma questa angoscia umanissima non diventa un inciampo posto sul suo cammino: Gesù è si tentato, ma vince radicalmente la tentazione con l’adesione alla volontà del Padre. In modo diverso dai sinottici, ma concorde con loro, per Giovanni Gesù non ha voluto salvarsi da quell’ora, né esserne esentato, ma rimane fedele alla sua missione compiendo la volontà del Padre, in unione profonda con Lui, tanto che la gloria è fra loro condivisa: "Pai, glorifica il tuo nome». Venne allora una voce dal cielo: «L’ho glorificato e lo glorificherò ancora». Ritornano alla mente le parole della Lettera agli Ebrei:

«Nei giorni della sua vita terrena egli offrì preghiere e suppliche, con forti grida e lacrime, a Dio che poteva salvarlo da morte e, per il suo pieno abbandono a lui (sua reverentia), venne esaudito» (EB 5,7).

Ma l’ora di Gesù corrisponde anche al giudizio sul mondo che non conosce l’amore del Cristo e vi si oppone:

«Ora avviene il giudizio di questo mondo; ora il principe di questo mondo è gettato fuori. E eu, quando sarò innalzato da terra attirerò tutti a me»

un rimando a quel serpente innalzato da Mosè (cf.. nm 21,4-9; GV 3,14) che salvava gli israeliti. L’«ora» messianica di Gesù espelle il principe del mondo che preferisce le tenebre del male e lascerà spazio all’autentico Re che, anche se governa da una croce, attrae tutti per amore e verso il quale bisogna rivolgere uno sguardo di fede. Ecco la vera risposta a quanti volevano, e ancora oggi vogliono, «vedere Gesù».

La pagina odierna del Vangelo è la buona notizia soprattutto per tutti quei discepoli che conoscono la dinamica del cadere a terra, del «marcire» nella sofferenza, nella solitudine e nel nascondimento. In alcune ore della vita sembra che tutta la sequela si riduca solo alla passione e alla desolazione, all’abbandono e al rinnegamento da parte degli altri, ma allora più che mai occorre guardare all’immagine del chicco di grano consegnataci da Gesù; più che mai occorre rinnovare lo sguardo della fede: «Eles olharão para aquele que perfuraram» (GV 19,37).

Secondo un’antica tradizione il Vescovo Ignazio di Antiochia (35 circa – Roma, 107 cerca de) conobbe l’apostolo San Giovanni. Non sorprende perciò ritrovare in una sua lettera indirizzata ai cristiani di Roma, dove troverà il martirio, una concordanza di termini e di vedute con il Vangelo che oggi abbiamo letto:

«Sono frumento di Dio e sarò macinato dai denti delle fiere per divenire pane puro di Cristo… È meglio per me morire per Gesù Cristo che estendere il mio impero fino ai confini della terra… Il principe di questo mondo vuole portarmi via e soffocare la mia aspirazione verso Dio. Ogni mio desiderio terreno é crocifisso e non c’é più in me nessuna aspirazione per le realtà materiali, ma un’acqua viva mormora dentro di me e mi dice: “Vieni al Padre”».

Do Eremitério, 17 Março 2024

.

Caverna de Sant'Angelo em Maduro (Civitella del Tronto)

 

.

Visite as páginas de nossa loja livro WHO e apoie nossas edições comprando e distribuindo nossos livros.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.

.

.

Gabriele Giordano M. Scardocci
Da Ordem dos Pregadores
Presbítero e Teólogo

( Clique no nome para ler todos os seus artigos )
Padre Gabriel

Aborto, o novo dogma do nosso tempo com o grito de liberdade, Igualitário, fraternidade …

ABORTO, O NOVO DOGMA DO NOSSO TEMPO clama LIBERDADE, IGUALDADE, FRATERNIDADE...

Pela moral católica que desce do Evangelho e da tradição viva da Igreja, bem como pela reflexão racional, o aborto é um mal e um pecado, um crime grave contra a vida pior que o assassinato de um homem ou o feminicídio. Um homem ou mulher cujas vidas estão sendo atacadas, de alguma forma, eles também poderiam se defender e escapar da morte, ou fugir do ataque do assassino, mas uma criança no ventre da mãe não é, ele não pode se defender de forma alguma ou escapar.

 

Autor:
Gabriele Giordano M. Scardocci, o.p.

 

artigo em formato de impressão PDF

 

 

Vencedora do Prêmio Nobel Madre Teresa de Calcutá ele repetiu uma frase: «O maior destruidor da paz é o aborto». A expressão lapidar contém um desafio às tendências do pensamento moderno que muitas vezes escolhem a lógica da morte em vez da vida. Entre estes está uma certa cultura de liberdade que impôs a possibilidade de escolher o aborto, a ponto de torná-lo um “dogma” contemporâneo., enraizado nas crenças mais profundas das pessoas e, naturalmente, dos políticos que votam nos parlamentos e promulgam leis que favorecem a interrupção voluntária da gravidez. Na última campanha eleitoral italiana, até mesmo alguns políticos de inspiração católica tranquilizaram os seus eleitores programa de entrevista afirmação da televisão: “o aborto continua a ser um direito intangível” (!?).

 

Sobre isso Gostaria de me referir aos acontecimentos políticos que ocorreram em duas democracias maduras, o que são os americanos e os franceses, em que podemos reconhecer a fraqueza de uma cultura de liberdade de um lado, em detrimento de outro mais fraco, quase sem direitos: a do nascituro que aspira à sua própria existência.

Em novembro 2022 no estado de Montana (EUA) ocorreu um referendo em que a seguinte questão foi proposta aos eleitores:

«Os cuidados médicos devem ser prestados às crianças que deles necessitam, se eles sobreviveram a uma tentativa de aborto?».

O voto "não" venceu, com uma percentagem igual a 52% dos eleitores. Na opinião de 231.345 os eleitores desse estado americano não deveriam receber tratamento a uma criança que está morrendo porque a primeira tentativa de acabar com sua vida falhou: a "liberdade" de uma mulher vem antes de seu direito de viver. Segundo os defensores do voto “não”, os profissionais de saúde têm todo o direito de deixar uma criança morrer, desde que a mulher veja sua escolha e seu corpo “respeitados”.. São aberrações que escapam a uma consciência moral; na verdade é muito difícil entender como o evento ocorreu, vamos dar uma olhada, de uma menina que sobreviveu a uma tentativa fracassada de aborto, pode ser definida como violência contra o corpo daquela mulher que não o quis e, portanto, deveria ser deixada para morrer, impedindo-a de receber cuidados que salvam vidas.

Logo disse: precisamente hoje, quando a chamada boa sociedade anseia por casos de feminicídio, ao mesmo tempo, devemos tomar nota de que não é considerado feminicídio se uma menina nasce viva após um aborto mal sucedido, é deixado para morrer. Na verdade, só é feminicídio se um homem mata uma mulher dominado por um impulso criminoso, mas não se um ginecologista matar uma menina, porque neste segundo caso estamos perante o exercício de um direito legalmente protegido, exercido pela mãe que é reconhecida como detentora do poder de vida e de morte e realizado pelo ginecologista que utiliza a arte médica para ajudar a mulher a usufruir deste direito indiscutível. Pelo contrário, mais que indiscutível, dogmático!

Muito mais significativo que o referendo em Montana foi a recente aprovação definitiva da alteração à Constituição pelo Parlamento francês, o Congresso do Parlamento, do que em câmaras montadas, Segunda-feira 4 Março deste ano, queria incluir o “direito” ao aborto na Carta Constitucional. A França é agora o país líder não só na Europa, mas também no mundo, incluir o direito ao aborto na sua carta fundamental. Este direito na França era regido pela lei Simone Veil de 1975. A votação do Parlamento francês e tons triunfalistas dos comentários que o exaltaram, tanto na França como na imprensa internacional, parecem transformar uma tragédia para se indignar e lutar contra, numa afirmação suprema da dignidade e da liberdade das mulheres. O aborto se torna um símbolo de emancipação, profecia de uma nova forma de compreender a feminilidade. Mais uma vez ofuscando a urgência de investir mais recursos para dar às mulheres, em vez da licença para eliminar os filhos, a possibilidade de não fazer isso. A alteração agora aprovada à Constituição, fortemente apoiado pelo Presidente Emmanuel Macron para marcar uma diferença de abordagem em relação a uma decisão anterior do Supremo Tribunal dos Estados Unidos (veja WHO), coloca vários problemas, por exemplo, aos franceses que, seguindo uma confissão religiosa que repudia o aborto, eles agora consideram isso um direito consagrado na constituição. Nenhum americano, no caso previsto na citada Sentença que adiou a decisão sobre o aborto aos Estados Federados, ele foi colocado na posição de escolher entre ser cidadão e sua consciência. No caso francês, porém, sim.

O aborto sempre foi uma necessidade dolorosa para muitas mulheres, dos quais eles próprios foram as primeiras vítimas. Matar a criança que você carrega no ventre sempre foi e é, para uma mãe normal, um drama, tornada ainda mais terrível pelo facto de uma sociedade chauvinista, ainda, ele não faz tudo que pode para evitá-lo, muitas vezes deixando-a sozinha para vivenciar em primeira mão os muitos problemas que tornam a maternidade problemática. Por esta razão, confiar no reconhecimento lógico da liberdade das mulheres para motivar tal posição política coloca vários problemas do ponto de vista filosófico., moral e biológico. Para biologia, por exemplo, não há “saltos” entre a vida pré-natal e a vida pós-nascimento e uma cesura entre uma e outra seria arbitrária: os nascituros são indivíduos biologicamente humanos, como aqueles que nasceram. Tudo então depende das justificativas filosóficas e éticas que podem ser dadas para justificar o aborto e muitos estudiosos, mesmo os não religiosos, destacaram que a ética cristã colocou pelo menos uma barreira ao que poderiam ser as consequências de direitos semelhantes sancionados constitucionalmente e decorrentes das liberdades pessoais. Desta forma, quem poderá decidir no futuro quem é um sujeito autoconsciente e quem não está entre um feto, uma criança, uma pessoa com doença mental ou em coma, uma pessoa que sofre de demência total, incapaz de compreender e querer?

Os dois casos políticos relatados acima eles nos fazem pensar naquela tradição espartana ligada ao Monte Taygetos. Naquela montanha as crianças indesejadas por não estarem aptas para a vida militar ou “defeituosas” eram jogadas de lá e feitas para morrer. «A cultura do desperdício», como o Santo Padre Francisco chamou lá atrás 2023. Porque, como sabemos, pela moral católica que deriva do Evangelho e da tradição viva da Igreja, bem como pela reflexão racional, o aborto é um mal e um pecado, um crime grave contra a vida pior que o assassinato de um homem ou o feminicídio. Um homem ou mulher cujas vidas estão sendo atacadas, de alguma forma, eles também poderiam se defender e escapar da morte, ou fugir do ataque do assassino, mas uma criança no ventre da mãe não é, ele não pode se defender de forma alguma ou escapar.

O Catecismo da Igreja Católica lembre os crentes: «A vida humana é sagrada porque, desde o seu início, envolve a ação criativa de Deus e permanece para sempre numa relação especial com o Criador, seu único propósito. Somente Deus é o Senhor da vida do começo ao fim: ninguém, em qualquer circunstância, pode reivindicar o direito de destruir diretamente um ser humano inocente " (Nº 2258). E o número 2302 recorda - eco das palavras de Madre Teresa relatadas no início - que entre os inimigos da paz encontramos antes de tudo o assassinato.

Os Pontífices afetados por esta questão do aborto todos eles assumiram uma posição clara e contrária. O Santo Padre Francisco, com a atitude colorida que muitas vezes o distingue, ele afirmou repetidamente que esta espiral de ódio é clara no aborto porque quando você faz um aborto é como pagar um assassino para cometer um assassinato (cf.. WHO). O Santo Padre Bento XVI recordou há alguns anos a terrível ferida aberta pelas leis do aborto, declarando: “Criaram uma mentalidade de degradação progressiva do valor da vida” (cf.. WHO). O Magistério de São João Paulo II foi muito claro neste sentido: «Tudo parece decorrer com o máximo respeito pela lei, pelo menos quando as leis que permitem o aborto ou a eutanásia forem votadas de acordo com as chamadas regras democráticas. Em verdade, estamos apenas diante de uma aparência trágica de legalidade e do ideal democrático, que o é verdadeiramente quando reconhece e protege a dignidade de cada pessoa humana, é traído em seus próprios fundamentos: «Como é possível ainda falar da dignidade de cada pessoa humana, quando os mais fracos e inocentes podem ser mortos? Em nome de que justiça se pratica a discriminação mais injusta entre as pessoas?, declarando alguns dignos de defesa, enquanto a outros é negada esta dignidade?». Quando essas condições ocorrem, já foram desencadeados aqueles dinamismos que levam à dissolução da autêntica convivência humana e à desintegração da própria realidade estatal.. Reivindique o direito ao aborto, para infanticídio, à eutanásia e reconhecê-la legalmente, equivale a atribuir um sentido perverso e injusto à liberdade humana: o do poder absoluto sobre os outros e contra os outros. Mas esta é a morte da verdadeira liberdade: "Verdadeiramente, na verdade eu te digo: quem comete pecado é escravo do pecado (GV 8, 34)» (cf.. Evangelho da vida, n. 20).

O drama do aborto, porque continua assim, portanto, não parece exatamente liberal, desde que tirou a vida de alguém, foi dito no início, a paz passa por um ferida; e essa paz interior também desaparece, da alma, em alguém que faz um gesto tão violento. Eventualmente, com isso, além da liberdade e da paz, até a esperança morre. Em primeiro lugar, o do feto, porque o futuro está barrado para ele, sua história humana entre seus pares. Mas também o da mulher que, apesar de toda a ajuda sanitária e psicológica, ela se verá sozinha ao dar esse passo terrível. Talvez você se sinta consolado naquele momento em saber que o aborto foi incluído entre seus direitos constitucionais? Ou ele se lembrará de toda a ajuda de que precisaria - não apenas moral e espiritual, mas também econômico, social e político - para que ele não tivesse que fazer uma escolha semelhante, ela e todas as mulheres do mundo que tiraram a vida de seus filhos?

santa maria novela em Florença, 16 Março 2024

.

Padre Gabriel, Roma, Praça da República (anteriormente Piazza Exedra) Marcha pela vida

.

.

Inscreva-se em nosso canal Jordânia a clube teológico dirigido por Padre Gabriele clicando na imagem

 

OS ÚLTIMOS EPISÓDIOS ESTÃO DISPONÍVEIS NO ARQUIVO: WHO

.

Visite as páginas de nossa loja livro WHO e apoie nossas edições comprando e distribuindo nossos livros.

.

.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.

Se alguém não nasce de cima, ele não pode ver o Reino de Deus

Homilética dos Padres da ilha de Patmos

SE NÃO NASCE DE CIMA, ELE NÃO PODE VER O REINO DE DEUS

A moral joanina é uma moral da verdade: «Em vez disso, quem pratica a verdade caminha para a luz, de modo que fica claro que suas obras foram feitas em Deus ". Na crescente consciência de que “sem mim você não pode fazer nada”, as consequências de ser cristão, também a nível moral, eles estão ligados em Giovanni ao tema do permanecer. Permanecer com Jesus implica um dever em nível de coerência, mas antes de tudo como consequência ao nível do ser, viva como Jesus: «Aquele que diz que permanece nele, ele também deve se comportar como se comportou".

.

 

 

 

 

 

 

 

.

artigo em formato de impressão PDF

.HTTPS://youtu.be/4fP7neCJapw.

 

.

Visto que o Evangelho de Marcos é mais curto que os outros, algumas passagens do Evangelho de João ajudam a cobrir todos os domingos do ano litúrgico, especialmente durante Lent. São textos que ajudam a compreender aquele mistério pascal que será celebrado em particular nos dias do “Tríduo”. Eles antecipam temas importantes, como a da ressurreição do "Filho do homem", referida na seguinte passagem evangélica, proclamada no quarto domingo da Quaresma.

Henry Ossawa Tanner: Jesus e Nicodemos, óleo sobre tela, 1899, Academia de Belas Artes da Pensilvânia (EUA)

"Naquela época, Jesus disse a Nicodemos: “Como Moisés levantou a serpente no deserto, então o Filho do homem deve ser levantado, para que todo aquele que nele crê tenha a vida eterna. Na verdade, Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Filho unigênito para que todo aquele que nele crê não se perca, mas tenha a vida eterna. Deu, na verdade, ele não enviou o Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele. Quem acredita nele não está condenado; mas quem não acredita já foi condenado, porque ele não acreditou no nome do Filho unigênito de Deus. E este é o veredicto: a luz veio ao mundo, mas os homens amavam as trevas mais do que a luz, porque suas obras eram más. Qualquer um de fato faz o mal, odeia a luz, e não vem à luz para que suas obras não sejam reprovadas. Em vez disso, quem faz a verdade vem em direção à luz, para que pareça claramente que suas obras foram feitas em Deus"" (GV 3,14-21)

Nos Sinópticos, Jesus prevê que ele terá que sofrer muito; anuncia que «ele será ridicularizado, açoitado e crucificado" (MT 20,19) e que no terceiro dia ele ressuscitará. Giovanni, em vez de, anunciar a paixão de Jesus apresenta-a como uma “exaltação”. Ele faz isso nos capítulos 3 (vv. 14-15), 8 (v. 28) e 12 (v. 32). A última é a música mais explícita: «Quando eu for levantado [exaltado] do chão atrairei todos para mim". No versículo anterior Jesus havia dito: «Agora é o julgamento deste mundo, agora o príncipe deste mundo [Satanás] ele será expulso". Jesus, levantado do chão, tomará o lugar dele, se tornando rei e atraindo todos para ele. Mas a exaltação de Jesus não acontecerá no Céu, mas na cruz. Muitos interpretaram, na verdade, a ressurreição de Jesus como uma antecipação joanina de sua ascensão, enquanto aqui há uma referência explícita à morte do Senhor. Tudo isto pode parecer desconcertante porque na nossa passagem, O outro irmão, estamos no início do Evangelho e não no fim, mas Jesus já fala de sua morte. Além disso, também lemos no prólogo que: «Seus pais não o acolheram» (GV 1,11). E não esqueçamos que também é domingo «Em alegria» como proclama a antífona de entrada da liturgia eucarística. Então, onde encontrar motivos para se alegrar? Evidentemente nesta verticalidade evangélica que te deixa tonto.

O primeiro a ficar desconcertado é Nicodemos, O interlocutor de Jesus, a quem é pedido um renascimento do alto (de cima), isto é, pelo Espírito derramado do alto. A reação de espanto de Nicodemos - «Como pode isso acontecer?» - encontra uma resposta de Jesus que também nos desconcerta:

«Se você não acredita quando eu falei com você sobre as coisas da terra, como você acreditará se eu falar com você sobre coisas do céu?» (GV 3,12).

De acordo com o contexto as coisas terrenas consistem precisamente na dinâmica do renascimento espiritual que deve ocorrer na vida, aqui na terra, na humanidade da pessoa que, graças à fé, abre-se à ação do Espírito. Enquanto as coisas celestiais são o paradoxo de uma ressurreição que coincide com uma sentença de morte e uma crucificação que, segundo João, é exaltação e glorificação. Encontramos o eco das palavras do profeta Isaías: «Quem vai acreditar na nossa revelação?» (53,1); que seguem o anúncio de que o "servo do Senhor será exaltado" (É 52,13). O verbo grego, dentro versão da Septuaginta (LXX), ypsóo, também será usado por João em nosso texto para indicar a ressurreição do Filho do homem. Assim, no coração da fé cristã há algo surpreendente especificado imediatamente depois: a ressurreição do Filho do homem é o acontecimento que realiza e realiza plenamente o dom que o Pai concedeu à humanidade: o dom do Filho. A elevação na cruz que parece ser o ponto mais baixo da vida de Jesus, para o olhar da fé é o momento em que se nasce do alto, como Nicodemos foi questionado: "Verdadeiramente, verdadeiramente eu te digo, se alguém não nasceu de cima, não pode ver o reino de Deus"; graças ao dom do Espírito que o crucifixo derrama. Aqui está o motivo para se alegrar, pois se "ninguém jamais subiu ao céu, exceto aquele que desceu do céu" (GV 3,13), o evento que poderíamos ler como o mais baixo na vida de Jesus, sua cruz, Segundo John, torna-se o momento mais alto para ele e para nós: ocasião de um dom que revela todo o amor de Deus. Um amor que, Como tal, não pretende condenar nem um pouco, mas apenas salve. Um amor livre e incondicional que pode difundir e manifestar as suas energias naqueles que lhe abrem espaço, acolhendo-o em si através da fé: «Deus amou tanto o mundo que deu o seu Filho unigênito». Um presente vertical e assimétrico porque não busca reciprocidade: «Como o Pai me amou, então eu te amei. Fique no meu amor" (GV 15,9); "Como eu te amei, então vocês se amam" (GV 13,34).

Aqui devemos insistir na absoluta novidade de uma afirmação. Em outras religiões, por exemplo, falamos da profundidade do mistério de Deus, da sua grandeza, da sua eternidade, da sua justiça, etc.. Mas só o Cristianismo nos ensina:

«Porque Deus amou tanto o mundo que deu o seu Filho unigênito, porque todo mundo acredita nele […] tenha vida eterna" (GV 3, 16).

Tal revelação transforma a moral cristã. Jesus nos deixou apenas um mandamento, que é um novo mandamento, o de amar um ao outro, como ele nos amou (GV 13, 34). Esta é a única maneira de explicar o fato, paradoxal à primeira vista, que toda a moral joanina é praticamente uma moral da verdade. Está resumido em dois preceitos fundamentais: a fé que nos abre ao Mistério e o amor que nos faz viver no mistério da revelação. Por outro lado, Giovanni parece saber, na sua riquíssima essencialidade e simplicidade, apenas dois pecados: a rejeição da fé em Jesus e o ódio ao irmão.

Assim, a moral joanina é uma moral da verdade: «Em vez disso, quem pratica a verdade caminha para a luz, de modo que fica claro que suas obras foram feitas em Deus ". Na crescente consciência de que “sem mim você não pode fazer nada”, as consequências de ser cristão, também a nível moral, eles estão ligados em Giovanni ao tema do permanecer. Permanecer com Jesus implica um dever em nível de coerência, mas antes de tudo como consequência ao nível do ser, viva como Jesus: «Aquele que diz que permanece nele, ele também deve se comportar como se comportou" (1 GV 2,6). «Quem permanece Nele não peca; todo aquele que peca não o viu nem o conheceu" (1GV 3,6). Se o cristão, como Giovanni, ele fica surpreso ao olhar para isso, na verdade, se realmente permanece Nele, então ele não peca mais. Pois quem permanece nesse espanto e nessa graça não pode pecar. É lindo, em sua concisão, Comentário de Agostinho sobre este versículo: «Na medida em que permanece nele, na medida em que ele não peca». Uma percepção comum, especialmente entre os Padres da Igreja Oriental. Ecumênio também, um teólogo da tradição antioquina de Crisóstomo, em seu comentário à Primeira Carta de João, escreve:

«Quando aquele que nasceu de Deus se entregou completamente a Cristo que nele habita através da filiação, ele permanece fora do alcance do pecado".

Vamos nos tornar perfeitos à medida que nos abandonamos totalmente a Jesus Cristo, enquanto permanecemos Nele.

Para concluir e resumir, se algum dia fosse possível, temas de tão grande densidade teológica que se extraem do trecho evangélico deste domingo, Relato uma passagem da constituição dogmática A luz:

«Cristo, na verdade, levantado do chão, ele atraiu todos para ele; ressuscitado dos mortos, ele enviou seu Espírito vivificante sobre os discípulos e através dele constituiu seu corpo, a Igreja, como sacramento universal de salvação; sentado à direita do Pai, trabalha incessantemente no mundo para conduzir os homens à Igreja e, através dela, uni-los mais intimamente a si mesmo e torná-los participantes de sua vida gloriosa, nutrindo-os com seu corpo e seu sangue”..

Do Eremitério, 10 Março 2024

.

Caverna de Sant'Angelo em Maduro (Civitella del Tronto)

 

.

Visite as páginas de nossa loja livro WHO e apoie nossas edições comprando e distribuindo nossos livros.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.

.

.

Gabriele Giordano M. Scardocci
Da Ordem dos Pregadores
Presbítero e Teólogo

( Clique no nome para ler todos os seus artigos )
Padre Gabriel

Viagem noite adentro com Nicodemos

Homilética dos Padres da Ilha de Patmos

VIAGGIO NELLA NOTTE CON NICODEMO

"Deu, na verdade, ele não enviou o Filho ao mundo para condenar o mundo, ma perché il mondo sia salvato per mezzo di lui»

Autor:
Gabriele Giordano M. Scardocci, o.p.

 

artigo em formato de impressão PDF

 

 

Queridos irmãos e irmãs,

nelle nostre vite abbiamo avuto momenti di grande notte e tenebra esistenziale e spirituale. In quei momenti il Signore ci è stato vicino con la sua Luce, anche se forse all’inizio non ce ne siamo accorti. In questo cammino di Quaresima possiamo ripensare a quei momenti e scoprire il senso della speranza come carità teologale. Nicodemo stesso era andato da Gesù di notte. I due hanno un lungo scambio di cui oggi effettivamente è riportata solo una parte. La sezione più importante:

Cristo e Nicodemo, opera di Pieter Crijnse Volmarijn, XVII sec.

"Naquela época, Jesus disse a Nicodemos: “Como Moisés levantou a serpente no deserto, então o Filho do homem deve ser levantado, para que todo aquele que nele crê tenha a vida eterna. Na verdade, Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Filho unigênito para que todo aquele que nele crê não se perca, mas tenha a vida eterna. Deu, na verdade, ele não enviou o Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele. Quem acredita nele não está condenado; mas quem não acredita já foi condenado, porque ele não acreditou no nome do Filho unigênito de Deus. E este é o veredicto: a luz veio ao mundo, mas os homens amavam as trevas mais do que a luz, porque suas obras eram más. Qualquer um de fato faz o mal, odeia a luz, e não vem à luz para que suas obras não sejam reprovadas. Em vez disso, quem faz a verdade vem em direção à luz, para que pareça claramente que suas obras foram feitas em Deus"" (GV 3, 14-21).

Inizialmente Gesù fa riferimento al serpente nel deserto innalzato da Mosè (14-15), sostenendo con gran forza che Lui è il nuovo innalzato che donerà la vita eterna. Efetivamente, il richiamo al serpente non era nuovo per Nicodemo. por aqui, Jesus, fa riferimento all’episodio in cui Mosè aveva preso un serpente e postolo su di un’asta liberava dalla morte gli ebrei avvelenati (cf.. nm 21,8 ss).

Ecco allora che Gesù è il Nuovo Innalzato: colui che se accolto con fede e amore libera da tutti i veleni della nostra vita. I peccati, i vizi e le fragilità. Accogliere la vita vera ed autentica è scoprire tutte le proprie potenzialità, i doni di Dio e offrirli nella carità al prossimo. Occorre dunque purificare lo sguardo della nostra fede per cercare di incontrare Gesù innalzato anche nei momenti di difficoltà e sofferenza. Anche quel momento, se vissuto con fede dona momenti di crescita: si entra nella vita nuova quando si è innalzati sulla propria croce in Lui, nei momenti cruciali da vida.

Questo fiorire nella vita nuova in Cristo spalanca la speranza per un mondo migliore già adesso, che costruisce il Bene Comune nella Carità, e anche la speranza escatologica. La speranza cioè di essere redenti e un giorno di andare in Paradiso. Gesù stesso lo promette a Nicodemo:

"Deu, na verdade, ele não enviou o Filho ao mundo para condenar o mundo, ma perché il mondo sia salvato per mezzo di lui».

La salvezza che Gesù ci offre avviene proprio sulla croce, no qual, con un’opera supererogatoria ci ha riscattato dal dominio del peccato e del demonio; noi abbiamo attinto a questa salvezza direttamente nel nostro battesimo e l’abbiamo rinvigorita nella cresima.

Neste tempo de Quaresma possiamo rinvigorire la fede e la speranza della vita eterna, sempre con degli atti di carità, ma anche con uno sguardo di speranza e di bene sulla storia che viviamo. De fato, la micro-storia personale che viviamo nella nostra quotidianità è un grande dono di grazia: Dio ci ha donato vita, libertà e vocazione personale, Por conseguinte, le nostre scelte personali influiscono nella costruzione del nostro quotidiano. Il nostro quotidiano se vissuto con fede e carità ci permette di sperare di costruire una macro-storia del mondo in cui viviamo, che spalanca la strada della speranza per la vita eterna. assim, nel nostro piccolo percorso quotidiano amiamo, crediamo e operiamo nel Bene al contempo fondiamo la speranza di una vita che sarà eternamente bella perché al cospetto di Dio. La vita eterna che sarà inaugurata dalla mattina di Pasqua in cui con Cristo saremo chiamati a nascere per non morire mai più.

La Quaresima ci purifica per imparare a sperare nell’Eterno e non più solo sulle realtà temporanee. Chiediamo al Signore di crescere sempre più nella speranza e generare sempre più un cuore effuso dal suo Santo Spirito e dall’amore mariano.

Que assim seja!

santa maria novela em Florença, 10 Março 2024

.

.

Inscreva-se em nosso canal Jordânia a clube teológico dirigido por Padre Gabriele clicando na imagem

 

OS ÚLTIMOS EPISÓDIOS ESTÃO DISPONÍVEIS NO ARQUIVO: WHO

.

Visite as páginas de nossa loja livro WHO e apoie nossas edições comprando e distribuindo nossos livros.

.

.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.

Gabriele Giordano M. Scardocci
Da Ordem dos Pregadores
Presbítero e Teólogo

( Clique no nome para ler todos os seus artigos )
Padre Gabriel

Sendo examinado pelo coração de Deus

Homilética dos Padres da Ilha de Patmos

ESSERE SCRUTATI DAL CUORE DI DIO

Gesù scruta il cuore degli uomini testimoni dei suoi miracoli e si accorge che la loro non è una vera fede ma solo emozione. É uma fé que busca apenas o sensacionalismo, o que hoje definiríamos como “fideísmo”. Gesù cerca invece di donare loro una fede che sia autentica e forte.

Autor:
Gabriele Giordano M. Scardocci, o.p.

.

artigo em formato de impressão PDF

 

 

 

Caros Leitores da Ilha de Patmos,

In questa terza tappa verso la Pasqua osserviamo un momento molto forte della vita di Gesù. L’unico episodio in cui il Signore sembra quasi utilizzare delle azioni violente in cui combatte la mentalità del suo tempo. In effetti ogni scena di combattimento è sempre forte agli occhi. Pensiamo alle scene di guerra descritte nelle grandi opere classiche come l’Ilíada olá Jerusalem Liberated. Il combattimento di Gesù, Mas, non è finalizzato alla guerra, ma finché nel cuore dell’uomo e in ciascuno di noi sgorghi un sentimento di fede e di conversione continua.

In questa III domenica di quaresima Leggiamo il celeberrimo passo della cacciata dei mercanti dal tempio nel (testo del Vangelo QUI). Una scena davvero forte. Una modalità da parte del Signore per purificare il Tempio, cioè la casa di Dio, dalle impurità che le vendite non sempre giuste venivano qui operate. no entanto, il Tempio, è spazio sacro in cui i mercanti davvero non potevano entrare per finalità di compravendita.

Este episódio si applica generalmente al nostro tempo come condanna del mercato e delle speculazioni finanziarie disumane e che non rispettano la dignità e la sacralità dell’uomo. Ma questo è anche segno che Gesù non è attento alla singola materialità economica in sé stessa ma come mezzo per il fine. Il denaro, assim, per quanto mezzo necessario, non può mai diventare un sostituto di Dio.

Il dialogo successivo è scusa che Gesù usa per annunciare la sua Passione. Per affermare il suo atto d’amore finale. Questo atto d’amore è Redenzione e liberazione dal peccato. Ed è anche il Grande Segno di Gesù, più grande di tutti gli altri segni, che dobbiamo riscoprire anche noi in questa Quaresima. Se infatti leggiamo con attenzione questa pericope:

«Mentre era a Gerusalemme per la Pasqua, durante la festa, Muito de, vedendo i segni che egli compiva, credettero nel suo nome. Jesus, non si fidava di loro, perché conosceva tutti e non aveva bisogno che alcuno desse testimonianza sull’uomo. Egli infatti conosceva quello che c’è nell’uomo».

Comprendiamo in che modo Gesù, tramite la sua conoscenza divina per via eternitatis, scruta il cuore degli uomini che erano testimoni dei suoi miracoli. E si accorge che la loro non è una vera fede ma solo emozione. É uma fé que busca apenas o sensacionalismo, o quello che oggi definiremmo “fideismo”. Gesù cerca invece di donare loro una fede che sia autentica e forte.

Questo è il nostro cammino quotidiano che in questo periodo forte possiamo intraprendere con coraggio. Facciamoci aiutare con la preghiera, i Sacramenti e l’affidamento al Signore a liberarci da una fede poco matura, emotiva e fragile. Questo percorso può anche aiutarci a comprendere quali sono le nostre difficoltà e distrazioni nella preghiera e nella pratica delle opere di misericordia.

Il tutto ci porterà a crescere nell’essere conosciuti per divenire gradualmente sempre più intimi col Signore. E questa intimità sarà fonte di gioia e soddisfazione.

Pedimos ao Senhor di avere sempre un cuore aperto alle sue ispirazioni d’amore e di verità per diventare uomini nuovi in Lui.

Que assim seja!

santa maria novela em Florença, 3 Março 2024

.

.

Inscreva-se em nosso canal Jordânia a clube teológico dirigido por Padre Gabriele clicando na imagem

 

OS ÚLTIMOS EPISÓDIOS ESTÃO DISPONÍVEIS NO ARQUIVO: WHO

.

Visite as páginas de nossa loja livro WHO e apoie nossas edições comprando e distribuindo nossos livros.

.

.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.