Da desorientação doutrinária da Igreja ao pecado dos padres e à reciclagem dos leigos. Perspectiva de uma cultura intransigente que ao condenar santifica e condena santificando

DA DESORIENTAÇÃO DOUTRINÁRIA DA IGREJA AO PECADO DOS SACERDOTES E À RECICLAGEM DOS LEIGOS. PROSPECÇÃO DE UMA CULTURA NÃO TRANSANSIGENTE AO ENVIAR SANTIFICADORES E SANTIFICAR SENTENÇAS

O “tolerante” moderno, em vez de, ele não se sacrifica por suas idéias como o idealista faria, pelo contrário, não se escrúpulo em sacrificar aqueles que têm idéias contrárias à sua, assim como um ditador faria com seus oponentes. Quantos mártires de tolerância e direitos existem hoje? Mas talvez os mártires mais numerosos sejam aqueles que são considerados semeadores involuntários de ódio justamente porque divergem, portadores de ódio que não são vistos porque estão presentes apenas no olhar do tolerante de plantão que tem interesse em usar o ódio como um instrumento ideológico de controle de massa.

- As páginas teológicas -

.

Autor
Ivano Liguori, ofm. Capp.

.

.

artigo em formato de impressão PDF
.



.

eu. UMA PERGUNTA DE PRINCÍPIO

Eu acho que não revelo segredos não confiável, se eu disser que manter os cristãos cristãos, nos dias de hoje, não é uma tarefa simples. Não se trata tanto de preservar apenas uma aparente identidade tradicional - pelo menos no que diz respeito ao continente europeu - mas de mostrar que Deus ainda tem um certo direito de cidadania na vida dos homens e que Cristo é reconhecido como o evento fundador e definitivo da revelação. divina.

o colapso da abóbada da basílica de San Francesco em Assis em 1997 [clique na imagem para abrir o vídeo]

De acordo com uma pesquisa a Centro de Pesquisa Pew [cf. WHO] conduzido em 2017 em uma amostra de 1.804 entrevistados, 80% dos italianos se declaram cristãos, o fato preocupante diz respeito à frequência, na verdade o 23% participa de serviços religiosos pelo menos uma vez por semana, a 20% uma vez por mês e em 34% tem uma prática muito menos assídua. De acordo com outros dados relacionados a uma pesquisa Ipsos de 2017, sempre na itália, seu 60.000 respondentes, Católicos estão diminuindo. Vai de 85,4% dos 2007 ai 74,4% a 2017. Um estudo mais recente do 2018 dell'Estudo sobre valores europeus 84,4% dos italianos geralmente dizem que acreditam em Deus sem outras especificações úteis.

Dados em mãos estamos passando por uma queda drástica na fé cristã, mas o que uma pesquisa nunca pode dizer diz respeito à motivação teológica que representa a verdadeira razão dessa queda. A motivação teológica que se torna uma pedra escandalosa sobre a qual as estatísticas impiedosas são quebradas reside no fato de que não se possui mais a especificidade do cristianismo, para que muitas vezes nos perdemos, à mercê de uma forma de Alzheimer que nos torna incapazes de reconhecer a fé e reconhecer a nós mesmos como crentes prontos para dar razão, como São Pedro expressa em sua primeira epístola [cf.. 1PT 3,15-16].

Eu dou um exemplo para ficar mais claro. Nenhum judeu, de ontem a partir de hoje, nunca se sonharia em negar a aliança entre Deus e Abraão e, acima de tudo, o evento fundador que unificou o povo escolhido durante a libertação da Páscoa no Egito. Nenhum judeu, são, duvidaria que Deus é o Goel libertador e redentor do povo e que em Moisés tornou possível a salvação contra o domínio do faraó do Egito. Embora essa fé tenha sido severamente testada diante dos terríveis eventos de Auschwitz, a fé de nossos irmãos em Abraão permaneceu substancialmente inalterada por séculos e se torna um motivo para a identidade étnica e religiosa ser celebrada com orgulho em todas as famílias.

Para nós cristãos, em vez de, ter uma certa fé não é uma questão de orgulho, mas de vergonha, somos frequentemente os primeiros a nos considerar intransigentes e fanáticos quando tentamos nos elevar acima da mediocridade. Em seguida, ser mais digerível aos olhos de quem vê, preferimos ficar rosados ​​e mostrar um amor universal que podemos justificar lindamente através do discurso escatológico de Mateus 24,31-46 que - aliás - de acordo com a exegese correta, nunca deve ser divorciado das passagens subsequentes - narradas pelo Santo Evangelista Mateus, primeiro a parábola das Dez Virgens [cf.. MT 25,1-13] e depois o dos Talentos [cf.. MT 25,14-29] — com o risco de fazer o texto sagrado dizer o que realmente não pretende dizer.

Como evidência disso, Trago um exemplo em apoio às minhas palavras. Quantas vezes ouvimos falar de pregar sobre o amor nos púlpitos? Quantas vezes o amor foi usado como slogan e chave mestra justificar tudo, mesmo o injustificável e o irracional? Quantas vezes, em nome do amor, fizeram escolhas completamente más, expressando o mais sentimentalismo emocional e a paixão mais sedutora? O termo cristão de caridade refere-se a Deus, de acordo com o ensino do apóstolo João: "Querido, vamos amar um ao outro, porque o amor é de deus: quem ama nasceu de Deus e conhece a Deus. Quem não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor " [cf.. 1GV 4,7-8]. Triste é a consciência de verificar que esse "amor" hoje tão fortemente divulgado é privado da presença de Deus Trindade e usado como álibi através do qual o pecado é normalizado até que se esgote em uma atitude exclusivamente filantrópica e utilitária. Essa atitude de empobrecer caridade de fato, não é um vício moderno da pessoa de Deus, forte dessa sabedoria dizendo Nada de novo sob o sol [nada de novo sob o sol] a história do Cristianismo já conheceu esta degeneração do conceito de amor desde os seus primeiros séculos.

Dentro 361 d.C. o imperador Juliano, o apóstata, ele se opõe vigorosamente ao Cristianismo, implementando uma política de paganização do povo e um retorno ao pensamento neoplatônico. O cristianismo reterá apenas a atividade de caridade e a atenção ao próximo que tenta enxertar dentro da anti-Igreja pagã que ele projetou. A história nos diz que a tentativa foi impraticável, paganismo decadente, bem como o ateísmo moderno assumido pela religiosidade de elite, ele não podia competir com o autêntico amor de Deus, que em Cristo consiste na característica do heroísmo até o sacrifício da vida e, no Espírito Santo, na característica da missionariedade, que é a principal causa de toda ação virtuosa.. O amor, ser autenticamente cristão, não basta fazer o bem, mas deve levar a uma doação total, mesmo com essas pessoas e nessas situações sem amor, em virtude do fato de que se a justiça do discípulo não exceder a do mundo, não há mais que seja uma indicação de perfeição e uma garantia da presença do Espírito do Pai, como indica o Santo Evangelista Mateus [cf.. MT 5,20]. O amor cristão é aquela virtude teológica que se reconhece em Deus e o leva a ele, anuncia salvação para a alma, converte do pecado e abre os portões do céu.

Após essa digressão necessária sobre o relacionamento entre Deus e o amor, voltemos à busca das questões de significado que desafiam nossa fé. Quem é jesus? O que ele veio fazer no mundo? Estas são as questões básicas ainda, na maioria dos casos, as perguntas permanecem sem resposta para muitos jovens que participam do catecismo e para muitos jovens cristãos. A situação não muda muito se enviarmos essa pergunta a adultos, para os pais dessas crianças, ou aos avós que, trágico para dizer, eles estão caminhando para um retorno ao analfabetismo religioso que leva a um ateísmo prático real.

Agora, para saber quem é Jesus Cristo nos resignamos a questionar os vários secularistas da moda que estão no social e na televisão com um ar suave, eles ditam a nova cristologia na página com a circunstância agravante que a Igreja, o oficial, aquele designado para o controle da doutrina correta, que deve confirmar os irmãos na fé, é silenciosa. E mesmo quando ele fala, tentando montar uma negação malfeita e pálida, ele o faz com pouca convicção, a fim de suspeitar que certas afirmações heréticas ganharam certa simpatia, mesmo dentro dos palácios sagrados.

Nós podemos dizer, neste ponto, esse dogma entrou em crise? Absolutamente não. Quem entrou em crise é um certo Naomesa eclesiástico formada por pastores e teólogos que perderam – sim – a bússola da fé e que recorrem cada vez mais à categoria de “mistério” tentando se esconder atrás de um biombo, já que eles não podem mais dar razão para a fé e a esperança que há neles, tudo está incluído nas primeira e segunda epístolas de São Pedro e no Evangelho de São João [cf.. 1PT 3,15; 2PT 1,16-19; 1 Gv1, 1-4]. Desta forma, ele perdeu as duas virtudes teológicas da fé e da esperança, o que resta, o amor, assume as conotações da modernidade e busca de consentimento a qualquer custo. Você já reparou que a modernização da pessoa de Cristo, da Igreja, do Magistério, da moralidade, da formação do clero e sua identidade sempre foi realizada pelos campeões do amor e em nome do amor? Chegamos ao paradoxal, em que a corrupção doutrinária da Igreja está sob a bandeira do amor! Aquele amor que, é necessário reiterar, ele se tornou carne e deu a vida pelo pecador, enfim, insulto à lesão. No auge dessa confusão doutrinária, há também o ato sacrílego de querer confundir ou associar Deus ao pecado.. Mas se pretendemos permanecer fiéis a Cristo e à Igreja Católica, assim como St. Thomas Becket com seu martírio, nós temos que resistir e a resistência cristã não se realiza no canto de "Bella Ciao", mas de 'deixe Pasquale ' o que nos lembra que Cristo é Deus, Senhor e Soberano, conquistador do pecado.

São, em última análise, ser cristão significa entrar na vida íntima de Jesus Cristo, e que ele reine como o governante indiscutível da minha existência - a verdade reiterada todos os anos sobre a solenidade de Cristo Rei no final do ano litúrgico - talvez seja bom reconhecer que algo deu errado ou estamos diante de um grande mal-entendido. A fé é acima de tudo uma adesão do homem a Deus e, ao mesmo tempo e de maneira inseparável, é o consentimento livre de toda a verdade que Deus revelou e que encontra plenitude em Jesus Cristo, revelação definitiva e completa do mistério salvador de Deus [cf.. O Senhor Jesus Cristo].

Portanto, nós francamente reconhecemos que somos nós sacerdotes, bem como os chamados cristãos comprometidos – aqueles que, por exemplo, militam em movimentos eclesiais, eles se reconhecem como ativistas na vida social e política do país, que ajudam na paróquia, que praticam uma certa caridade - na melhor das hipóteses estamos perseguindo uma cristianismo secundário, fronteira ou periferia que aos olhos dos mais maliciosos se revela como uma fachada do cristianismo.

Com este termo identificamos uma certa cultura cristã extremamente variada e complexa que negligencia o fim supremo e sobrenatural da fé que consiste na salvação da alma, ignora a luta espiritual contra o pecado e a abertura à graça divina, juntamente com a necessidade de permanecer dentro de uma fé católica divina observada dentro de uma comunidade de fé que se reconhece na Igreja de Roma.

Conto cristianismo secundário dissipa em grande parte a figura do sacerdote, reinventando-o como Gerente, um curador diligente do museu e assistente social pago regularmente com horário de trabalho variável. A mesma dissipação é encontrada entre os leigos, naqueles que não se identificam mais na categoria dos fiéis (então fiel a quem e o quê? mah!) e por esse motivo, optam por hibridar em modelos do cristianismo que transformam todos eles em figuras mitológicas difíceis de conciliar em uma jornada de fé e em uma vida que no batismo foi entregue a Deus.

Não há dúvida de que há uma necessidade urgente de reiterar uma questão de princípio: a essência do cristianismo está nessa pequena palavra que Jesus pronuncia várias vezes no evangelho de João [cf.. GV 8,24; 8,28; 8,58; 13,19; 18,5] designar a si mesmo: é aquele’Eu sou — em greco ἐγὼ εἰμι, Eu eimi, que é uma garantia da identidade divina [cf.. É 3,14-15] e de salvação para toda criatura.

É a escolha totalizante desse eu divino que coloca em crise e que, como pode ser visto na leitura de Jacob Neusner em seu livro "Um rabino fala com Jesus", constitui a grande diferença entre o Israel Eterno e o Novo Israel, constituído pelo povo dos batizados redimidos pela Paixão de Cristo e sua Ressurreição.

Meu EU identidade ele deve ser capaz de reconhecer o mistério de Deus, reprimir 'Eu sou quem tem o primeiro lugar [cf.. LC 14,25-33] e isso me joga no chão [cf.. No 22,8] e aterroriza sempre que eu pretendo possuí-lo e gerenciá-lo como eu quiser [cf.. GV 18,6], todos, pode ser encontrada nos Evangelhos de San Luca e San Giovanni.

Quem é jesus? Jesus é Deus, como várias passagens das sagradas escrituras indicam para nós, em particular o Santo Evangelista Lucas, seguir com o Evangelho de São João e a correspondência paulina [cf.. LC 22,70; GV 1,1.14; GV 5,18; GV 8, 58; Fil 2,6; Com o 2, 9; Com o 1,15; EB 1,3], é o senhor [cf.. RM 10,9; GV 20, 28; LC 23,39-43; Fil 2,11], ele é o autêntico revelador do Pai [cf.. GV 10, 30; GV 5,22-23; GV 14,8-11], e por essas razões, ninguém pode ignorar essas verdades reveladas sem consumir uma traição, fazer uma negação, sem se sentir escandalizado ou iniciar uma guerra santa; tudo sempre com referência ao Evangelho de São João. Este Deus-homem veio para salvar o mundo dos pecados [cf.. MT 1,21], para que o homem tenha uma vida bonita e não uma boa vida [cf.. GV 10,10] e vivendo seriamente, ele é definitivamente privado do câncer do pecado [cf.. EB 2,14-15] e justificado em seu sangue [cf.. RM 5,9; 8,33]. Não há alternativas, o ciúme divino do Antigo Testamento [cf.. Dt 5,6-10] é combinado com a escolha totalizadora de Cristo e sua pessoa é a única opção de comunhão possível que produz frutos de nova vida [cf.. MT 12,30; LC 5,38].

Jesus Cristo é tão volumoso que não é possível silenciá-lo, por dois mil anos, seu nome ressoou na terra e sua fidelidade provou ser tão estável quanto o céu [cf.. Vontade 89,3]. Tudo ainda fala dele: do calendário para os feriados, das tradições civis à ética, da arte à música; história, geografia, o modo de calcular o tempo e até o vasto cosmos e a natureza testemunham que Ele é Deus e que é o Senhor. Mesmo antes daqueles que pretendem negar perniciosamente, rejeitá-lo, Até que desapareça completamente, o mérito involuntário deve ser admitido - assim como foi para os demônios [cf.. MC 5,6; LC 4,34; No 19,15] - de um reconhecimento querigmático, em que sua majestade e poder não são nem um pouco questionados.

E enquanto Cristo se proclama e se afirma, sua majestade é reiterada, seu papel principal que ele desempenha na história humana, embora este último oculte com mais frequência sua presença como Adam [cf.. GN 3,9-10] ou desejar como Nietzsche fazer um parricídio que rompa a dependência angustiada do parceiro divino, promessas de liberdades mais amplas.

.(II). CRISE DE FÉ, CRISE DOUTRAL, CRISE MORAL

.A questão do princípio que eu queria abordar no primeiro parágrafo deste artigo nos ajuda a entender melhor a condição da crise crônica que há cinquenta anos afeta o quão sólida a Igreja é. É uma crise em várias frentes que afeta os aspectos de acreditar na atual contingência histórica. Da doutrina ao cuidado pastoral, da moralidade à espiritualidade, do testemunho diário à maneira de interpretar o martírio, tudo repousa sobre uma fé instável, onde Cristo não é mais Deus e seu papel não é mais o do Salvador. Atenção bem, afirmar a existência de uma má fé não é o mesmo que dizer que não existe mais uma fé em geral ou que aqueles que acreditam o fazem de maneira maliciosa ou interessada. As estatísticas mostram que ainda cerca de 80% das pessoas se declaram cristãs, mas o fato de se declarar ainda não é razão suficiente que leva a acreditar. Os abençoados apóstolos Pedro, André e João se viram reprovados várias vezes por Nosso Senhor por sua fé nele ainda não suficientemente madura e aberta à graça.. E todos os outros, embora identificados como os discípulos do Nazareno, eles não hesitaram em abandoná-lo no momento da paixão, negando com obras o que eles proclamavam abertamente. Em outras palavras, podemos dizer que o registro do nome no registro paroquial de batismos não nos torna cristãos crentes e credíveis. Essas considerações nos levam a entender como uma fé dessa natureza e uma crença desse tipo não acrescentam nada e não prejudicam a existência do homem.. Com as palavras do Evangelho de João, podemos dizer que a fé leva essencialmente a um habitar lá onde Jesus esta presente [cf.. GV 1,38; 15,4-ss]. Ao habitar Nele, há mais que leva à cristificação da vida do que, embora obra de graça, no entanto, precisa de assistência humana e do exercício do livre arbítrio.

Como não reconhecer Karl Rahner e na invenção dos “cristãos anônimos” a astúcia magistral de uma aparente religiosidade moderna que, em face de uma proposta aberta de fé, levou muitos a acreditar que é muito melhor manter-se o mais longe possível de tudo o que é cristão (e talvez até católico) preferindo passar o tempo mais produtivamente em vez de recorrer a um Deus que não se conhece mais pelo nome e que se preservou apenas como presença formal. Essas pessoas são mais do que “cristãos anônimos” – anônimos para quem vê que Deus sempre chama a todos pelo nome [cf.. É 43,1; 45,4] - eles deveriam ser chamados de “ateus dogmáticos”, já que não sentem a necessidade de crer no Deus de Jesus Cristo, eles já vivem dentro de uma fé ateísta que se alimenta e se alimenta de seus próprios dogmáticos. Preste atenção nisso, ninguém é mais dogmático e intransigente do que um ateu convencido, que afirma vigorosamente o que para ele não deveria existir, e lutar contra o que ele não acredita mais. Assim como ninguém está mais apegado às tradições cristãs de alguém que abandonou a prática religiosa por anos e vive com memórias distantes e nostalgia. dogmatismo, rigidez, nostalgia e estilos de fé escleróticos são os resíduos de alimentos dos quais os cristianismo secundário vorazmente alimenta, mas, como são indigestos, são regurgitados assim que se aproxima uma novidade evangélica.

Devemos reiterar que a fé cristã curto é uma ilusão piedosa, se não consistir em uma teologia bem estabelecida da salvação. Cristo não é apenas Deus para crer, mas ele é o Salvador e Redentor do homem, aquele por quem a salvação entra no mundo e o homem se liberta da escravidão do pecado [cf.. MT 1,21; MC 2,7]. A fé sem salvação é mutilada e, para sobreviver, é direcionada e identificada para outras disciplinas do conhecimento humano., como filosofia, psicologia, a sociologia, antropologia, a medicina, rumo a um novo humanismo com uma marca ateísta que manifesta sua própria hybris presumindo salvar a fisicalidade do indivíduo - lutar contra a pobreza, passar fome, para doenças, a guerras - e preservar a criação - paralelismo, ambientalismo, franciscanismo pseudo-comunista - reconstituindo uma virgindade primordial agora perdida, tudo à custa de uma alma divina imortal que foi criada por Deus e que retornará a Deus após a morte. De fato, se queremos dizer tudo, esse falso hybris que lutou contra o pecado original no passado e ainda luta hoje, tira o sentido do pecado do homem, introduzindo lugares de controle externo nos quais procurar o bom bode expiatório para justificar qualquer adversidade e oposição. Infelizmente, o homem é criado para Deus e sem ele seu coração não consegue encontrar a paz [cf. Augustine, As Confissões, 1,1.5], sem senso de pecado e sem necessidade de redenção, o que resta é o sentimento de culpa que esmaga e deprime a pobre humanidade moderna. Muitos deresponsabilizzati, são incapazes de realizar um verdadeiro e sincero exame de consciência - mesmo tendo em vista uma confissão sacramental - que conduz ao reconhecimento da culpa e à busca da redenção daquele que é capaz de fornecê-la.

Alguns preferem fazer o download para o diabo culpa de todas as reversões pessoais, rejeitando ingenuamente a questão sobre os ombros do espírito do mal - que aqui é assumido como um lugar de controle externo - sem lembrar que o tentador [cf.. GN 3, ss] para consumir a queda do homem, ele precisava de seu consentimento. Resumidamente, atenuando atenuando, fácil e improvável para uma humanidade além do limite da desordem.

Para desviar a atenção dessa triste verdade o que leva a um pessimismo de que definir Leopardi soaria como um eufemismo, oposições são inventadas, distrações em massa lutando entre si. E, como na época dos romanos antigos, as pessoas competiam no Coliseu para manter as pessoas famintas boas, hoje você compete entre facções opostas para desviar suas mentes: tradicionalistas versus progressistas, os papistas contra os sedevacantistas, os Lefebvrianos contra os modernistas, os Guelphs contra Ghibellines, cristãos de direita contra cristãos de esquerda, sacerdotes seculares contra padres regulares, em suma, a lista ainda poderia se prolongar e continuar indefinidamente com a inclusão de movimentos eclesiais que competem para ganhar a palma da mão dos melhores, se a questão não fosse por si só suficientemente trágica.

Diante desse panorama, a Igreja hierárquica, o dos pastores com cheiro de ovelha, os pobres sacerdotais, lobbies especulando sobre migrantes, integração e bem-vindo o que faz? O exercício de Liderança mais validado hoje pelo clero, ele não repousa mais na autoridade da fé razoável, que traz motivações baseadas na necessidade de acreditar e por que é necessário acreditar. A liderança de muitos de nós, sacerdotes - basta ouvir uma homilia ou uma catequese para perceber isso - está repleta de benevolência democrática e de um estilo que eu definiria como "parlamentar", no qual as coisas são decididas por eleição, através da autoridade da maioria. e se algo põe em perigo o pensamento dominante, uma moção ou interpelação está imediatamente pronta para reverter a situação a seu favor.

O estilo político parlamentar é também o de nossos bispos que estão prontos para se dissociar de seus padres, visto como rebatedores curiosos, quando eles tentam educar os fiéis aos princípios de doutrina e moral, mesmo simplesmente citando o catecismo. Juntamente com os atos de dissociação forçada, existem desculpas fáceis para todas as categorias de pessoas que não correspondem ao pensamento do Evangelho. A técnica de transformar o inimigo em amigo através de um amor bombardeio [bombardeio de amor] que assume a presunção de falhas fáceis e inexistentes é o novo paradigma para ser inclusivo na caridade. Pouco importa se o apóstolo nos lembrar que a caridade deve fugir de ficções [cf.. RM 12,9] e praticar a Verdade, mesmo quando é desconfortável e inapropriado para a maioria.

Nós sacerdotes 3.0 na nova versão atualizada, absorvido pelo papel gerencial dos curadores de museus com um salário fixo, sem paternidade de nossos pastores e sem uma fé sólida que nos distingue como profetas diante do mundo, somos presas fáceis do fomito da sensualidade. Sentidos nublados por uma vida mais afinada com o mundo do que com Cristo, o Salvador do mundo, eles nos expõem a questões críticas que são identificadas através do exercício da sexualidade desordenada, de uma possessividade que expressa o pior de si na gestão do dinheiro, e na incapacidade de manter relações significativas com as pessoas, sem mencionar a manutenção despótica do poder que se aproxima muito da conservação dos privilégios da pior casta.

Falando em sexualidade, é preciso fazer uma distinção. Eu falei sobre sexualidade apenas para diversificá-la da genitalidade, de fato, os dois termos da moralidade cristã são atribuídos a dois aspectos diferentes. Embora os adjetivos sexual e genital eles são usados ​​hoje como sinônimos, eles não são. Identificamos a pessoa em seu ser masculino ou feminino com o termo sexual, em seu comportamento masculino ou feminino, em sua maneira de expressar masculinidade ou feminilidade e no estilo diferente e original de comunicar amor. Com o termo genital, em vez de, queremos dizer o que se refere mais adequadamente aos sistemas genitais, a sua anatomia e fisiologia, à tarefa unitiva e procriadora que a doutrina católica continua a considerar resolutamente unida.

Realidade genital, tão saudado pela modernidade, está incluído no sexual que é mais amplo, completo e tipicamente humano. Estamos preocupados demais em pegar padres por abuso de genitalidade que não percebemos que há uma grande desconexão na prática dessa sexualidade, que é parte integrante e essencial da figura do presbítero.. Tanto é assim que o termo "pai", com o qual costumamos chamar os padres do clero regular, é uma indicação do exercício da sexualidade masculina saudável como uma demonstração de uma paternidade espiritual que visa o acompanhamento e a santificação do povo de Deus. É por isso que os padres são obrigados, em primeiro lugar, a uma masculinidade comprovada e comprovada, que lhes permita expressar melhor o exercício de sua sexualidade, sendo pais amorosos e autoritários..

A maneira de amar que ele conhece em sexualidade e masculinidade seu próprio idioma, pode se expressar de duas maneiras diferentes e antitéticas: através de uma possessividade asfixiante que quer consumir o outro e operá-lo ou através de uma liberdade de diálogo que não teme o outro e propõe amá-lo como ele é, o suficiente para amadurecer e crescer como vemos no encontro entre Jesus e a mulher samaritana [cf.. GV 4,1-26]. Em relação ao sexo feminino, Jesus é diferente da maioria dos homens de seu tempo que usam, eles abusam e objetivam que a mulher receba algo dela em troca. Em Cristo, esse amor livre e libertador do Pai, que testemunha o amor verdadeiro por toda realidade criada, é concretizado. O padre, venha ALTER Christus, não pode mortificar esse amor libertador e livre, constitucional à sexualidade e à natureza de alguém. Compromissos que alternam entre sublimações compensatórias devem ser evitados, distúrbios patológicos e desvios. A liberdade do padre apaixonado, que é uma explicação para uma vida celibatária, complicado, pobre e obediente à imagem do Redentor, é uma condição teológica e profética que não pode ser entendida exceto em função do Reino e daquela vida escatológica completa em que todos os relacionamentos serão assumidos e transfigurados em Deus [cf.. MT 19,12; MC 12,25].

Mesmo no uso do dinheiro e no exercício do poder é possível traçar uma expressão da sexualidade humana que pode ser equilibrada, maduro e informado pela graça ou despótico, narcisista e sujeito aos desejos egoístas do mundo. A forma de gerir e salvaguardar os bens que nos são confiados - desde o cuidado da criação até à forma de trabalhar dentro da criação - comunica ou não o encontro abrangente com Deus que ama e serve a partir de tudo o que existe. bom. Exiba o sucesso e o poder, através de um uso desumano e instrumental da riqueza, é uma constante que encontramos bastante difundida na história humana, às vezes é uma gratificação imediata, outras vezes de um verdadeiro culto idólatra pelas coisas e por si próprio. Entre os discípulos de Jesus Cristo, Mas, a lógica do reino humano não se aplica, mas o imperativo é indiscutível: "Não é assim entre vocês" [cf.. MC 10,43]. Não devemos ser tão ingénuos a ponto de pensar que a riqueza e o poder constituem objectivamente males em si mesmos - como aconteceu em alguns movimentos pauperistas ou em certas ideologias dos séculos XIX e XX -, é necessário avaliar cuidadosamente o uso feito. O Evangelho nunca acusa a pessoa rica como tal, se não em referência a um não compartilhamento e um uso solipsista que esquece os gemidos dos pobres [cf.. LC 16,19-31], e as dificuldades da viúva [cf.. MC 12,41-44]. Assim, enquanto a riqueza humana se torna funcional para sustentação e manutenção honestas, a riqueza do Reino abre as portas do paraíso e garante a posse de Deus [cf.. LC 12,16-21].

Todo poder e autoridade vem de Deus e é seu dom [cf.. Senhor 33,23; Fornece 1,10; GV 19,10-11; RM 13,1-2; Ap 2,28]. Este conceito era bastante conhecido na antiguidade, a ponto de sustentar a tese - que alguns autores defenderam [cf.. S. Paul, S. Augustine, Do Estado de Deus, Jacques-Bénigne Bossuet] — segundo o qual foi possível construir um verdadeiro princípio jurídico que legitimasse os governantes para governar os homens, ocupando o lugar de Deus. Tanto no governo civil quanto no religioso, a obediência a quem detinha o poder era interpretada como obediência direta a Deus. Esta tese assim formulada consiste em duas imprecisões. A primeira consiste em não considerar o fato de que qualquer poder e autoridade terrena não está imune àquela ferida do pecado original que corrompe todo poder e autoridade no despotismo e na ditadura. A segunda imprecisão consiste em negligenciar o aspecto trinitário da questão, considerando apenas a pessoa do Pai como detentor exclusivo de autoridade e poder, excluindo a participação do Filho e do Espírito Santo..

Somente tornando-se obediente ao Pai, assim como Cristo era, é possível encontrar o caminho seguro para evitar corrupção de poder e desvios de autoridade [cf. MT 4,1-11]. O padre, participando da autoridade de Cristo decorrente da ordenação sagrada, também é admitido no governo e no exercício de um poder que expressa uma autoridade. Então, como, depois do batismo, Cristo é levado ao deserto pelo Espírito Santo para se tornar um messias de salvação segundo o Espírito do Pai e não segundo o espírito do mundo., assim, o sacerdote no exercício do poder e da autoridade é chamado a imitar o Mestre que, ao servir o outro, fazia dele um servo, culminando seu diaconato com o sacrifício de sua vida em favor dos homens [cf.. MC 10,42-45] e colocando todo o poder nas mãos do Pai no jardim das oliveiras [cf.. MT 26,39; 26,42; MC 14,36; LC 22,42] dando cumprimento a isso kenosis que começou com a encarnação. A autoridade sacerdotal traça a diaconia do Filho, Alimenta-se da vontade do Pai e possui a unção do Espírito Santo para a santificação dos irmãos e para a confirmação da fé recebida no batismo..

III. UMA EMPRESA LÍQUIDA, FRACO E IMPERFEITO

A sociedade ocidental em que vivemos, onde o cristão é chamado a fazer sua peregrinação terrestre e onde ele manifesta seu corajoso testemunho de fé, parece cada vez mais um terrível Moloch que pede a realização de sacrifícios contínuos e que se dá o direito de ser adorado como uma divindade. Não importa se esses sacrifícios são pagos pelo preço de vidas e almas humanas inconclusivas agora fragmentadas e perdidas, perdido no não sentido da existência. Uma sociedade estranha, nosso, que tem o prazer de ser narcisisticamente contemplada para se parecer com uma terrível madrasta que exige muito mais de seus filhos do que ela realmente consegue dar.

Uma madrasta ineficaz, por causa do útero estéril, que é adornado com palavras como seria com jóias que brilham com significados altos como no caso do amor, de tolerância, de benevolência, compreensão e direitos. Essa visão de falência do mundo já havia sido predita por Cristo a seus discípulos no Evangelho.: "Se o mundo vos odeia, sei que ele odiava-me antes. Se você fosse do mundo, o mundo amaria o que era seu; porque não sois do mundo, mas eu escolhi você do mundo, é por isso que o mundo te odeia" [cf.. GV 15,18-19]. Cristo e seus discípulos não são do mundo, enquanto experimenta a dimensão temporal do mundo, mas não sua essência. O sinal efetivo consiste no fato de que a Palavra de Deus se tornou carne [cf.. GV 1,14], a Palavra divina se tornou humana, ao contrário do que acontece hoje em que muitas das palavras humanas são divinizadas e absolutizadas. No entanto, este Moloch corporativo aparentemente invencível e deificado já tem um prazo estabelecido, apenas pelo simples fato de que o "príncipe e deus deste mundo" [cf.. GV 12,31; 2CR 4,4] foi definitivamente derrotado.

Neste ponto da discussão é útil introduzir o tema da idolatria, isso nos ajudará a entender alguns problemas importantes da empresa que enfrentamos diariamente. Fale sobre idolatria, no tecido social, não é de forma alguma secundário, de fato, podemos dizer que essa atitude se repete ciclicamente e sistematicamente justamente quando o sentido do "Sagrado" diminui, o que inclui horizontes muito mais amplos e diversificados do que a simples referência ao divino. Nesse sentido, seria interessante estudar o declínio dos povos precisamente em relação à crise e ao desaparecimento do "sagrado" da vida humana. No momento, basta mencioná-lo na pendência de um estudo futuro mais pontual e competente.

Vamos esclarecer um fato imediatamente: idolatria, em realtà, é uma das muitas máscaras com as quais o ateísmo se esconde diante da sociedade e do mundo. Falar sobre idolatria e ateísmo parece uma contradição, mas não é. Na Bíblia, por exemplo, o pecado da idolatria é bem conhecido, mas não o do ateísmo, Por quê? A resposta é simples: o homem antigo e o bíblico não são absolutamente ateus. É necessário partir da constatação evidente de que nenhum homem nasce naturalmente ateu, a centelha de sua origem divina estimula o homem desde o nascimento, até sua morte e o empurra a procurar o significado de sua própria existência e uma verdade que o transcende.

Ateísmo visível, o praticado nos dias de hoje, é a degeneração da idolatria que desiste das vestes do sagrado. O ateísmo é o fruto enganoso que se formou dentro de alguns períodos históricos e que através da Revolução Francesa, a era da iluminação, O pensamento positivista se materializou cada vez mais através das filosofias dos séculos XIX e XX, juntamente com movimentos gnósticos bem definidos que declararam guerra ao cristianismo e, especificamente, ao cristianismo católico.

Ateísmo, paradoxalmente, alimenta-se desse modo de vida dissociadoo que é claramente visível em nossos dias e que assume cada vez mais características patológicas, iludindo-se de que ele está levando todos a um progresso ilimitado. O homem ocidental moderno se vê cambaleando nesse modelo corporativo - muitas vezes e de boa vontade se iludindo de ter conseguido excelentes realizações de civilização e humanização - um rosto de uma comunidade humana que está se tornando cada vez mais claramente delineada como o rosto de um homem. A sociedade imperfeita e que já começou a apresentar uma conta muito alta.

Essa sociedade imperfeita que se define e se torna conhecido precisamente por seus dogmáticos tão intransigentes e por sua consciência marcadamente fideísta que muitas vezes se tornam imprudentes. O desembaraço aduaneiro do relativismo gnoseológico e ético com o qual podemos ler e interpretar a realidade que nos rodeia, o otimismo generalizado de um certo tipo de ciência que afirma responder aos gemidos mais íntimos de significado no coração do homem, revoluções no campo da tecnologia e comunicação, juntamente com a presunção de constituir uma nova ordem mundial que possa unificar todos os credos, levar inexoravelmente ao fracasso, pois, na verdade, ele traça em uma chave moderna o pecado antigo que os construtores da Torre de Babel cometeram [cf.. GN 11,1-9]. O ateísmo é, portanto, o destilado de uma vontade idólatra privada do sentido do sagrado que afirma fazer um nome, independentemente de seu Criador. [cf.. GN 11,4].

Essa visão social, tão dolorosamente concreto, mas mesmo assim real, isso pode ser explicado através de uma frase do teólogo dominicano Réginald Garrigou-Lagrange [1877-1964] isso diz: «A Igreja não se compromete com princípios, porque ele acredita, é tolerante na prática, porque ele ama. Os inimigos da Igreja são tolerantes com os princípios, porque eles não acreditam, mas intransigente na prática, porque eles não amam. A Igreja absolve os pecadores, os inimigos da Igreja absolvem pecados " [cf. Deus, sua existência e sua natureza, Paris 1923, p. 725]. Que sentido devemos dar a estas palavras do bom Réginald Garrigou-Lagrange em relação a uma sociedade líquida e desestabilizada como a nossa?? Qual thread comum une os recursos de fraqueza, imperfeição, dell'idolatria ateu o suficiente para produzir uma realidade aparentemente liberal, mas secretamente intransigente e às vezes implacável e contraditória?

O raciocínio do teólogo dominicano ajuda a compreender como esta sociedade, antes de ser inimiga de Deus e da Igreja, é antes de tudo inimiga de si mesma. Na verdade, está mais inclinado a empreender mais facilmente a busca de uma tolerância que uniformize e aplaina seus semelhantes do que a busca da verdade que leve a diferentes alterações, até alcançar a alteridade transcendental que representa o núcleo autêntico da fé e do relacionamento com Deus. Hoje, se você notou como conduzir alguns debates e discussões, a maneira mais segura de colocar seu oponente nas cordas e depois silenciá-lo, consiste essencialmente em acusá-lo de intolerância. A acusação de não tolerância é aquela acusação que não admite verdade objetiva, que não leva em consideração a experiência pessoal, da história e tradição dos povos. A acusação de intolerância é recusada através da censura, a proibição de realidades que não podem ser ditas, conhecido ou simplesmente testemunhado. Hoje, é possível ser considerado intolerante de várias maneiras e ser provocado em diferentes áreas, como fé e religião, raça e etnia, sexualidade e genitalidade, costumes e tradições, política e o mundo civilizado e muito mais.

No jogo dos contrastes, estratagema que eu já analisei neste artigo, professar fé me faz, por exemplo, uma pessoa intolerante e violenta. Afirmar a lei moral natural do casamento me dá visibilidade como um fanático fundamentalista medieval, cultivar e valorizar as raízes tradicionais e culturais de um povo me torna um inimigo perigoso da globalização e da inculturação. Aqueles que chamamos hoje com o apelido de intolerante são realmente divergentes, heróis que não se alinham com o pensamento único e, portanto, precisam ser vistos como inimigos para serem neutralizados. Se você notar os melhores expoentes do pensamento liberal, tolerante e garante eles pecam inúmeras vezes de atitudes iliberais, violento e intransigente digno do melhor regime despótico ditatorial.

O “tolerante” moderno, em vez de, ele não se sacrifica por suas idéias como o idealista faria, pelo contrário, não se escrúpulo em sacrificar aqueles que têm idéias contrárias à sua, assim como um ditador faria com seus oponentes. Quantos mártires de tolerância e direitos existem hoje? Mas talvez os mártires mais numerosos sejam aqueles que são considerados semeadores involuntários de ódio justamente porque divergem, portadores de ódio que não são vistos porque estão presentes apenas no olhar do tolerante de plantão que tem interesse em usar o ódio como um instrumento ideológico de controle de massa. A tolerância moderna, portanto, não apenas reivindica direitos, mas também a dispersão do ódio. Por menos de uma década, tolerância contraiu um casamento feliz com o termo grego fobia. Através deste termo, os melhores cavalos de trabalho dos tolerantes são gerados A sociedade imperfeita como a homofobia, Islamofobia, xenofobia e outros. Eu cito esses três exemplos apenas porque eles são os mais praticados pelas mídias sociais, televisão, rádio e jornais … Percebemos que todo este andaime não faz o menor sentido e que não é possível prosseguir um discurso de tolerância que se vincule exclusivamente a um direito privado de deveres e a um medo que é um antídoto ao ódio.? Invocar a tolerância ao alavancar direitos e excluir deveres constitui uma visão de mundo baseada no egocentrismo, em que tudo se torna legal, basta que ele conceda direitos pessoais verdadeiros ou presumidos.

Por outro lado, desafiar a tolerância à frente ao ódio confiar no sentimento de medo do outro é tolice, pois isso significaria dizer que basta gerar um alarme para evitar um mal. Nesta imponente zibaldona, é difícil encontrar a borda do novelo para trazer tudo de volta a uma origem segura e certa. A perspectiva de uma cultura social intransigente que, ao condenar, santifica e santifica a condenação, parece mais um paradoxo que lembra o deus romano Janus, que, tendo uma "cara dupla", é a imagem perfeita de compromisso, do transformismo, da união dos opostos.

Hoje a máscara de Janus triunfa sobre as faces do mundo que viajam pelas ruas de nossas cidades e vilas, das nossas praças e shopping centers, dos edifícios do poder e das igrejas. Janus sem idade que se veste com roupas masculinas e femininas ou, se necessário, neutro, usando o véu, a batina, o hábito, a saia enfiada em roxo ou vermelho, mas que é sempre ele, a cobra antiga que nunca se cansa de fazer guerra com a pretensão ímpia de provar que Deus estava errado em confiar no homem.

.

Sanluri, 27 novembro 2023

.

.

O último livro de Ivano Liguori, para acessar a livraria clique na capa

.

.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

 

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

 

.





Gabriele Giordano M. Scardocci
Da Ordem dos Pregadores
Presbítero e Teólogo

( Clique no nome para ler todos os seus artigos )
Padre Gabriel

No senhorio de Cristo Rei do Universo sermos pequenos reis

Homilética dos Padres da Ilha de Patmos

NELLA SIGNORIA DI CRISTO RE DELL’UNIVERSO PER ESSERE PICCOLI RE

Scriveva Oscar Wilde: “O egoísmo não consiste em viver como nos agrada, mas em exigir que os outros vivam como nos agrada”

 

Autor:
Gabriele Giordano M. Scardocci, o.p.

.

artigo em formato de impressão PDF

 

 

Caros leitores da Ilha de Patmos,

si conclude l’Anno Liturgico, è il nostro ultimo dell’anno cattolico. L’anno liturgico si compie con una grande festa, quella di Gesù Cristo che è Re dell’Universo.

Oggi la monarchia non è più una forma di governo tipicamente adottata in tutto il mondo, dove invece si preferisce la repubblica. Per questo che la figura del “re” ci sfugge, se non forse per la recente incoronazione di Re Carlo d’Inghilterra. Gesù è Re dell’intero universo e delle nostre vite. Ma non come il Re d’Inghilterra, di Svezia o del Belgio. La sua monarchia non si esercita in un governo politico. È una monarchia d’amore che esprime il suo trono della gloria, la sua esposizione di massima visibilità nella croce; oggi questo trono di gloria si concretizza per noi, nella compassione di Gesù. Lo leggiamo all’inizio del brano del Vangelo di oggi:

"Quando o Filho do Homem vier na sua glória [...] siederà sul trono della sua gloria. Davanti a lui verranno radunati tutti i popoli. Egli separerà gli uni dagli altri, come il pastore separa le pecore dalle capre, e porrà le pecore alla sua destra e le capre alla sinistra».

Qui l’immagine del re è accostata a quella del pastore. Efetivamente, il pastore, ha un ruolo anch’esso di governo all’interno del mondo della fattoria. Era un mondo e una cultura vicini all’immaginario in cui Gesù parla. Ecco allora che quelli alla destra sono i benedetti del Padre. Quelli alla sinistra no. Efetivamente, i benedetti del Padre, sono coloro che hanno accolto i poveri e i bisognosi nelle diverse situazioni di necessità che Gesù esprime. Mentre coloro che saranno nel fuoco eterno, non sono stati attenti e compassionevoli di queste povertà materiali e spirituali. Così Gesù ci mostra e ci chiede di imitarlo come Re nell’Amore concreto, nella carità operante, che Lui ha voluto fare nei confronti di tutte le persone che ha incontrato: Nicodemos, il cieco di Gerico, l’indemoniato di Gerasa e gli altri incontri. Tutte queste grandi opere il Signore le ha sempre compiute con un atto di compassione e tenerezza, con un cuore veramente umano e veramente divino. Un cuore piccolo cristologico per un grande amore.

Da questo viene per noi il fondamento delle opere di misericordia materiali e corporali. O Senhor, assim, ci chiede di seguire Lui, il nostro Re, nella vita cattolica proprio perché operiamo con un amore concreto e attento al prossimo cercando di guardalo con tenerezza. Cercando di guardare il prossimo come se fosse Gesù stesso che in quanto piccolo ci chiede questo servizio. Diventiamo piccoli re in Gesù piccolo re dell’Universo.

Ao contrário invece troviamo coloro che andranno nel fuoco eterno. Perché sono sfuggiti completamente alla logica dell’amore e della compassione. assim, i capri alla sinistra sono le persone chiuse nell’egoismo, nella dimensione dell’attenzione unica dei propri bisogni e delle proprie necessità. Il rischio che si corre quando si dimentica la pratica delle opere di misericordia è di non riconoscere più non solo l’altro, ma di non riconoscere la necessità di Dio nella vita. Ecco allora che i malvagi nel fuoco eterno sono coloro che non riconosco la centralità della Signoria di Dio nella vita, del Re dei re, sem o qual nada podemos fazer. La tensione all’egoismo è dunque una sostituzione, un incoronarsi da soli re pretendendo che l’Universo e Dio si prostrino a noi.

Scriveva Oscar Wilde: “O egoísmo não consiste em viver como nos agrada, mas em exigir que os outros vivam como nos agrada”.

Chiediamo al Signore di essere accolti al suo trono e alla sua monarchia d’amore, ed essere già da adesso testimoni che l’Amore autentico esiste, e si vive nella comunione del Padre, do Filho e do Espírito Santo.

Que assim seja!

santa maria novela em Florença, 25 novembro 2023

.

.

Inscreva-se em nosso canal Jordânia a clube teológico dirigido por Padre Gabriele clicando na imagem

 

OS ÚLTIMOS EPISÓDIOS ESTÃO DISPONÍVEIS NO ARQUIVO: WHO

.

Visite as páginas de nossa loja livro WHO e apoie nossas edições comprando e distribuindo nossos livros.

.

.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.

Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo: uma realeza baseada na caridade

Homilética dos Padres da ilha de Patmos

NOSTRO SIGNORE GESÙ CRISTO RE DELL’UNIVERSO: UNA REGALITÀ ERETTA SULLA CARITÀ

Tanto splendida è questa pagina dell’Evangelo proclamata oggi nelle nostre chiese, que cada comentário parece estragar um pouco. Melhor deixar como está, simplesmente, ad indicare alle persone che la vita dell’uomo non è mai concepibile senza l’altro. Tragedia allora non sarà il conflitto, l’alterità, la differenza bensì i due estremi che negano questo rapporto: la confusione e la separazione

.

 

 

 

 

 

 

 

 

.

artigo em formato de impressão PDF

.HTTPS://youtu.be/4fP7neCJapw

.

 

In un breve ma celebre apologo por título Il Natale di Martin lo scrittore russo Lev Tolstòj1 raccontò di uomo, un ciabattino di nome Martin, che aveva misteriosamente incontrato il Signore nelle persone bisognose che durante la giornata erano passate davanti la sua bottega e citò espressamente la pagina del Vangelo di questa domenica.

San Martino dona parte del mantello al povero (dipinto, elemento d’insieme) di Bartolomeo Vivarini (SEC. XV)

La letteratura non è stata l’unica arte che questa mirabile pagina di Matteo ha ispirato, basti pensare agli affreschi del Buonarroti nella Cappella Sistina. Leggiamola:

"Naquela época, Jesus disse aos seus discípulos: “Quando il Figlio dell’uomo verrà nella sua gloria, e tutti gli angeli con lui, siederà sul trono della sua gloria. Davanti a lui verranno radunati tutti i popoli. Egli separerà gli uni dagli altri, come il pastore separa le pecore dalle capre, e porrà le pecore alla sua destra e le capre alla sinistra. Allora il re dirà a quelli che saranno alla sua destra: "Vamos, benditos de meu Pai, ricevete in eredità il regno preparato per voi fin dalla creazione del mondo, perché ho avuto fame e mi avete dato da mangiare, Tive sede, e me destes de beber:, ero straniero e mi avete accolto, nua e você me vestiu, doente e me visitastes, ero in carcere e siete venuti a trovarmi”. Allora i giusti gli risponderanno: "Homem, quando ti abbiamo visto affamato e ti abbiamo dato da mangiare, o assetato e ti abbiamo dato da bere? Quando mai ti abbiamo visto straniero e ti abbiamo accolto, ou nu e te vestimos? Quando mai ti abbiamo visto malato o in carcere e siamo venuti a visitarti?”. E il re risponderà loro: “In verità io vi dico: tutto quello che avete fatto a uno solo di questi miei fratelli più piccoli, você fez isso comigo". Poi dirà anche a quelli che saranno alla sinistra: “Via, longe de mim, amaldiçoado, o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos, perché ho avuto fame e non mi avete dato da mangiare, Tive sede e não me destes de beber, ero straniero e non mi avete accolto, nua e você não me vestiu, doente e na prisão e me visitastes ". Em seguida, ele vai: "Homem, quando ti abbiamo visto affamato o assetato o straniero o nudo o malato o in carcere, e non ti abbiamo servito?”. Allora egli risponderà loro: “In verità io vi dico: tutto quello che non avete fatto a uno solo di questi più piccoli, non l’avete fatto a me. E eles vão: para o castigo eterno, i giusti invece alla vita eterna”».

Con il brano di oggi finisce non solo, per quanto riguarda la liturgia, l’anno liturgico in corso, che lascia il passo all’Avvento, ma anche l’insegnamento di Gesù nel Vangelo secondo Matteo. Subito dopo la nostra pericope infatti l’evangelista da inizio al racconto della passione, morte e risurrezione di Gesù, com estas palavras: «Terminati tutti questi discorsi, Gesù disse ai suoi discepoli» (MT 26,1). Gesù insegnerà d’ora in poi in un altro modo, soprattutto con i gesti e l’obbedienza al Padre nella prova suprema della croce. Per questa ragione è rivestita di particolare importanza la pericope di oggi, l’ultimo discorso fatto da Gesù in Matteo, senza contare, l’invito del Risorto a fare discepoli e a battezzare in 28,18-19, e le poche ma importanti parole dette durante la passione, a partire dall’ultima cena.

a propósito occorre anche dire che nonostante una prassi interpretativa consolidata che prende l’avvio dai Padri della Chiesa e che porta a definire la scena come il giudizio “universale”, a partire dal XVIII secolo vengono sottolineati i tanti e buoni indizi nel testo, non solo di tipo lessicale, per ritenere che anziché di un giudizio per tutta humanidade, il testo implichi, ao contrário, un giudizio solo per i pagani, ma non è possibile in questo contesto esplicitare questa interpretazione che richiederebbe troppo spazio.

La scena del giudizio è esclusivamente matteana, ed è costruita in modo magistrale, con l’uso di vari espedienti quali ad esempio la ripetizione, utili per la memorizzazione. Molti sono i confronti che possiamo fare con il linguaggio e la simbologia di stampo apocalittico correnti al tempo di Gesù che appaiono di volta in volta nella letteratura canonica ― Daniele e Apocalisse ― ma anche in quella apocrifa. Il dato originale, revolucionário, em vez de, la novità che apporta il discorso di Gesù è che lo stesso giudice, il Re, si consideri oggetto di tali azioni: «Ho avuto fame e mi avete dato da mangiare», ou, «non mi avete dato da mangiare». Questo crea un effetto di sorpresa sia in quelli che gli hanno usato misericordia sia in quelli che gliel’hanno negata. Mentre nell’Antico Testamento il giorno del Signore è decretato da Dio stesso ed è quindi Lui l’unico che giudica, nella logica del Nuovo Testamento è Gesù, il Messia, che può intervenire in questo giudizio. Di conseguenza Dio compirà il giudizio, mas isso em paz avviene già nel modo in cui ci siamo rapportati al suo Figlio in questo mondo, al Gesù presente nei poveri che hanno avuto fame e sete e che sono stati assistiti o meno da noi. Ecco perché alla fine dei tempi, sarà Cristo, l’Agnello, a prendere in mano il libro della nostra vita, quello che nemmeno noi siamo capaci di leggere e comprendere fino in fondo, e ad aprirne i sigilli (cf.. Ap 5).

Colpisce poi che la grandiosa visione che abbraccia l’intera umanità si accompagni allo sguardo posato su ciascuno e, em particular, su quelle persone che normalmente sono le più invisibili: pobre, malati, prisioneiros, affamati, assetati, estrangeiros, ignudi. Non a caso il nostro testo li chiama «minimi» (vv. 40.45). La carità verso il bisognoso, il gesto di condivisione che è così semplice, Humana, diário, ao alcance de todos, crentes e não crentes, diviene ciò su cui si esercita il giudizio finale. L’esempio di Martino di Tours, secondo la narrazione agiografica di Sulpicio Severo2, è emblematico. Dopo aver diviso con la spada il suo mantello per coprire la nudità di un povero mendicante alle porte di Amiens, in un rigido inverno, Martino ebbe la visione in sogno di Cristo che gli diceva: «Martino, tu mi hai rivestito con il tuo mantello». Cristo è identificato con il povero, come nella nostra pagina evangelica.

Tanto splendida è questa pagina dell’Evangelo proclamata oggi nelle nostre chiese, que cada comentário parece estragar um pouco. Melhor deixar como está, simplesmente, ad indicare alle persone che la vita dell’uomo non è mai concepibile senza l’altro. Tragedia allora non sarà il conflitto, l’alterità, la differenza bensì i due estremi che negano questo rapporto: la confusione e la separazione3. Os outros, soprattutto se bisognosi, non costituiranno per me l’inferno quanto una benedizione: «Venite benedetti perché…». Due celebri pieces teatral, una di Sartre4 con all’interno la famosa espressione: "O inferno são os outros"; l’altra di Pirandello, Vestire gli ignudi5, che nel titolo fa diretto riferimento al nostro brano evangelico, ci hanno raccontano drammaticamente che non escludendo l’Altro dal proprio mondo il problema sarebbe facilmente risolvibile e l’inferno cesserebbe di esistere. Quegli autori hanno inteso, ao contrário, constatare l’impossibilità di un’esistenza che escluda l’Altro. In altri termini, l’enfer, c’est les autres, perché dall’alterità non si può uscire, ci si rende conto che l’Altro detiene il segreto del proprio essere e, enquanto, che senza l’Altro questo essere non sarebbe possibile.

Così il Signore Gesù, anche nell’ultimo suo discorso, ci ha sorpreso ancora una volta dando un nuovo significato alle ‘opere di misericordia’, già note nel giudaismo coevo, onde eles estavam, Mas, intese come una sorta di imitatio Dei, nel senso di un fare agli altri ciò che Dio stesso ha fatto per l’uomo. Non prevedevano invece che il giudice eterno si celasse dietro esistenze umilissime, disagiate e sconfitte. Nell’altro, nel fratello, c’è Gesù il quale aveva detto ai suoi discepoli: «Quem quer que te receba, me recebe, e chi accoglie me accoglie colui che mi ha mandato… Chi avrà dato da bere anche un solo bicchiere d’acqua fresca a uno di questi piccoli perché è un discepolo, em verdade te digo: ele não vai perder sua recompensa ". Mentre ora estende questa visione all’intera umanitàpanta ta ethne, πάντα τὰ ἔθνη del v.22: «Tutto quello che avete fatto a uno solo di questi miei fratelli più piccoli, você fez isso comigo". Perché come recita un antico inno adoperato nella liturgia del Giovedì Santo: «Ubi caritas et amor, Deus está lá».

Buona Domenica a tutti!

Do Eremitério, 25 novembro 2023

 

NOTA

[1] La rielaborazione di Tolstòj apparve per la prima volta anonima sulla rivistaRusskij rabocij” (L’operaio russo), não. 1 a 1884, com o título “Djadja Martyn” (Zio Martyn). Dentro 1886 il racconto, com o título “Dove c’è amore c’è Dio”, fu inserito in un volume edito a Mosca da Posrednik assieme ad altri otto, tutti con la firma di Lev Tolstòj

[2] Severo Sulpicio,Vita di Martino, EDB, 2003

[3] Michel de Certeaux, Mai senza l’altro. Viaggio nella differenza, 1983

[4] J.P. Sartre, Porta chiusa, Bompiani, Milão 2013

[5] Pirandello L., Maschere nude. vol. 5: Enrico IVLa signora Morli, una e dueVestire gli ignudi, Mondadori, 2010

 

 

Grotta Sant’Angelo in Ripe (Civitella del Tronto)

 

.

Visite as páginas de nossa loja livro WHO e apoie nossas edições comprando e distribuindo nossos livros.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.

.

.

Deveríamos refletir mais sobre o pecado de perder tempo

Homilética dos Padres da ilha de Patmos

DOVREMMO RIFLETTERE MAGGIORMENTE SUL PECCATO DEL PERDERE TEMPO

Comunque si voglia intenderli, já que todo conto parabólico está aberto a uma pluralidade de interpretações, os talentos continuarão sendo um dom gratuito que não pode ser guardado para si mesmo, nem se esconde, mas deve ser multiplicado. Eles revelam que Deus, più che un padrone si dimostra Padre verso noi figli e fa nel corso del tempo molte di queste grazie a ognuno di noi e alle nostre comunità.

.

 

 

 

 

 

 

 

.

artigo em formato de impressão PDF

.HTTPS://youtu.be/4fP7neCJapw

.

Un dono può esser offerto con mille motivazioni, anche non nobili a volte. Ma ha dalla sua una caratteristica inconfondibile: rivela l’identità di chi offre e di chi lo riceve. Il Vangelo di questa Domenica presenta un Donatore molto speciale, il quale non elargisce un solo singolo dono, bensì ogni suo bene. Vamos ler:

"Naquela época, Gesù disse ai suoi discepoli questa parabola: «Avverrà come a un uomo che, partendo per un viaggio, chiamò i suoi servi e consegnò loro i suoi beni. A uno diede cinque talenti, a un altro due, a un altro uno, De acordo com a capacidade de cada um; poi partì. Subito colui che aveva ricevuto cinque talenti andò a impiegarli, e ne guadagnò altri cinque. Così anche quello che ne aveva ricevuti due, ne guadagnò altri due. Colui invece che aveva ricevuto un solo talento, andò a fare una buca nel terreno e vi nascose il denaro del suo padrone. Dopo molto tempo il padrone di quei servi tornò e volle regolare i conti con loro. Si presentò colui che aveva ricevuto cinque talenti e ne portò altri cinque, provérbio: «Senhor, mi hai consegnato cinque talenti; lá, ne ho guadagnati altri cinque”. "Boa, servo buono e fedele ― gli disse il suo padrone ―, sei stato fedele nel poco, ti darò potere su molto; prendi parte alla gioia del tuo padrone”. Si presentò poi colui che aveva ricevuto due talenti e disse: «Senhor, mi hai consegnato due talenti; lá, ne ho guadagnati altri due”. "Boa, servo buono e fedele ― gli disse il suo padrone ―, sei stato fedele nel poco, ti darò potere su molto; prendi parte alla gioia del tuo padrone”. Si presentò infine anche colui che aveva ricevuto un solo talento e disse: «Senhor, so che sei un uomo duro, che mieti dove non hai seminato e raccogli dove non hai sparso. Ho avuto paura e sono andato a nascondere il tuo talento sotto terra: ecco ciò che è tuo”. Il padrone gli rispose: «Servo malvagio e pigro, tu sapevi che mieto dove non ho seminato e raccolgo dove non ho sparso; avresti dovuto affidare il mio denaro ai banchieri e così, ritornando, avrei ritirato il mio con l’interesse. Toglietegli dunque il talento, e datelo a chi ha i dieci talenti. Perché a chiunque ha, verrà dato e sarà nell’abbondanza; ma a chi non ha, verrà tolto anche quello che ha. E il servo inutile gettatelo fuori nelle tenebre; là sarà pianto e stridore di denti». (MT 25,14-30).

Il brano evangelico di questa domenica aggiunge una specificazione al significato della vigilanza che già era stato presentato nella parabola delle dieci vergini (MT 25,1-13). Lì vigilare significava essere previdenti, essere pronti, preparati, dotarsi del necessario mettendo in conto una lunga attesa. Agora, nella parabola dei talenti, la vigilanza viene specificata come attenzione e responsabilità nel quotidiano e declinata come fedeltà nelle piccole cose («sei stato fedele nel poco»: MT 25,21.23).

Innanzitutto ricordiamo quale funzione abbia la parabola. Tale forma comunicativa prevede spesso l’uso di un linguaggio iperbolico, un’ambientazione paradossale, con volute esagerazioni che possono anche arrivare a scandalizzare per la violenza che vi è implicata. Ci colpisce, Who, la punizione del servo malvagio. Ma sorprende anche il finale che, come spesso accade nei racconti fittizi parabolici, presenta un vero e proprio colpo di scena: il talento viene tolto a chi ne ha solo uno e dato a chi già ne ha molti. Nel lettore sorge la domanda: che padrone è colui che si permette di umiliare in tal modo un suo servo, che in fondo ha agito prudentemente?

Si diceva che la vigilanza non riguarda solo l’attesa escatologica ma investe in pieno il rapporto con il quotidiano, con le sue realtà di ogni giorno. La parabola di Matteo, che ha un parallelo un po’ differente e più complesso con Lucas 19,11-27, è certamente inserita in un contesto escatologico ― il v.30 la situa nell’orizzonte del giudizio finale: «Il servo inutile gettatelo nelle tenebre, là sarà pianto e stridor di denti» ― ma questo non fa che ribadire che tale giudizio finale lo si prepara qui e ora, nell’oggi della storia, cosa che si mostrerà in tutta la sua evidenza nella parabola del giudizio universale (MT 25,31-46) domenica prossima. Là apparirà chiaramente l’autorità escatologica dei piccoli e dei poveri. Il giudizio finale si baserà sulle azioni di carità e di giustizia compiute in loro favore oppure omesse. Il quotidiano si rivela così come il luogo escatologico per eccellenza, perché è il tempo che ci è dato. Così la parabola dopo la ripartizione dei talenti[1] in modo personalizzato, commisurata con le capacità dei riceventi, si dispiega fra il «subito» (v.15) di coloro che li fanno fruttare e il dopo «molto tempo» (v.19) del ritorno del padrone. Del resto non appare importante, almeno in questo racconto, la quantità dei doni ricevuti, poiché i due servi operosi, nonostante abbiano ricevuto talenti in misura diversa, percepiranno però la stessa ricompensa. Importante piuttosto è il tempo la cui durata fa emergere la verità delle persone, dei loro comportamenti, della loro tenuta e della loro responsabilità. Il trascorrere del tempo è rivelatore; infatti i primi due servi hanno saputo cogliere subito che esso era il primo grande dono di cui potevano usufruire e non lo sprecarono gettandolo via.

Deveríamos refletir mais sobre o pecado de perder tempo. Se il terzo servo avesse riflettuto su questo ne avrebbe approfittato, perché alla fine la ricompensa sarebbe stata la medesima dei primi due servi che avevano ricevuto di più. Ma come si diceva più sopra il dono è, al pari del tempo impiegato, rivelativo dei personaggi di questa parabola. Così il donatore, anche se Gesù lo cela inizialmente dietro un anonimo uomo (v.14), è chiaramente Dio che infatti più avanti verrà chiamato ‘Signore’ (Kyrie, Κύριε dei v.20.22.24). Solo Lui è capace di fare dono di ogni cosa sua [2], in maniera preveniente e inaspettata soprattutto verso dei destinatari che per quanto intraprendenti sono pur sempre dei servi. Alcuni padri della chiesa hanno voluto vedere dietro al dono dei talenti quello della Parola di Dio, in ricordo della parabola del buon seme che porta frutto a secondo del terreno che trova. Ireneo di Lione, morreu em 202 d.C., vi vide il dono della vita, accordato da Dio agli uomini. Comunque si voglia intenderli, já que todo conto parabólico está aberto a uma pluralidade de interpretações, os talentos continuarão sendo um dom gratuito que não pode ser guardado para si mesmo, nem se esconde, mas deve ser multiplicado. Eles revelam que Deus, più che un padrone si dimostra Padre verso noi figli e fa nel corso del tempo molte di queste grazie a ognuno di noi e alle nostre comunità. La capacità di riconoscerle e di farle fruttare è la qualità dei servi non pavidi che sanno correre anche dei rischi.

Il punto della parabola però non è di natura economica, cioè nella capacità di trarre profitti dall’investimento di un capitale, perché la ricompensa, in tale senso, avrebbe dovuta essere commisurata al merito e alla grandezza del patrimonio accumulato. Esso invece è incentrato sull’agire istantaneo e sul non rimanere inerti nel tempo che viene concesso. Tenendo conto che il padrone-Signore tornerà e chiederà ragioneponit rationem» traduce la Vulgata) di come avranno agito i servi. Essi scopriranno che ai suoi occhi ciò che contava era la bontà e la fedeltà nell’agire e quel che sembrava tanto in verità era molto poco rispetto alla ricompensa: "Boa, servo buono e fedele ― gli disse il suo padrone ―, sei stato fedele nel poco, ti darò potere su molto; prendi parte alla gioia del tuo padrone».

La parabola diviene così un invito ai discepoli e alle comunità a non rimanere immobili e incantati davanti alle difficoltà dei tempi che corrono, pronti invece ad agire in ogni momento, consapevoli dei doni ricevuti e che questo che ci è dato è il tempo propizio. Le sfide che esso pone e le mutate condizioni culturali non dovrebbero impaurirci o farci rimanere contenti solo di quello che già si fa oppure inebriati da un attivismo solo fine a se stesso. La parabola chiede ai cristiani consapevolezza, responsabilità, audacia e soprattutto creatività, tutte realtà condensate nelle parole: essere buoni e fedeli.

Infine ci chiedevamo prima perché il padrone, protagonista della parabola, trattò così male il terzo servo. Ciò che colpisce in questa vicenda è proprio l’idea che il servo si era fatta di lui. Mentre i primi due servi non hanno avuto bisogno di riflettere su questo, quasi fosse automatico per loro che se il padrone ti da un dono esso vada subito fatto fruttare, l’altro servo invece elabora una sua idea, potremmo dire una sua teologia, che ne blocca l’azione, perché a dominarla è l’idea di paura. Intrappolato in questa immagine che egli ha del padrone, quella di un uomo duro e pretenzioso, pur avendo nella sua disponibilità il dono grande di un talento non riesce a fidarsi di lui. È questo sarà il suo vero dramma.

Il suo non agire verrà giudicato in modo parallelo al buono e fedele, però come malvagio e pigro. Se avesse almeno aperto un conto di deposito ne avrebbe riscosso gli interessi attivi, ma preferì seppellire il suo dono e per questo, quando non ci sarà più tempo per agire, al momento del giudizio, verrà consegnato al pianto e allo stridere dei denti, un’espressione biblica che indica il fallimento della propria vita[3].

La fede che opera è importante nel vocabolario del primo Vangelo. Gesù parla della fede di coloro che credono in lui per poter essere guariti, quella del centurione (8,10), del paralitico (9,2), della donna emorroissa (9,22), dei due ciechi (9,29), della Cananea (15,28), e incita i suoi, mai criticati perché hanno «poca fede», ad averne di più (cf.. 6,30).

La nostra parabola potrebbe dunque voler dire qualcosa sul credere o non credere in Dio nel tempo intermedio che separa dal giudizio. Il terzo servo, malvagio, non ha più fede, l’ha persa col tempo: si è dimenticato che quanto gli era stato affidato doveva essere investito perché portasse frutto per il padrone, ma anche a suo favore: è divenuto perciò inutile (v.30). Che la parabola tratti del dono della fede, si può indirettamente evincere anche da un altro testo del Nuovo Testamento, dove San Paolo dice che questo dono è misteriosamente personalizzato, proprio come nella parabola che racconta Gesù:

«Per la grazia che mi è stata data, io dico a ciascuno di voi: non valutatevi più di quanto conviene, ma valutatevi in modo saggio e giusto, ciascuno secondo la misura di fede che Dio gli ha dato» (RM 12,3).

Per concludere potremmo chiederci: Quale visione abbiamo di Dio? Quella vendicativa, esigente e dura che incute paura o quella liberante, positiva che ci fa agire nella fiducia e nel non timore, come l’ha vissuta e ci ha insegnato Gesù?

Do Eremitério, 19 novembro 2023

 

NOTA

1 Il talento, che significava anche «ciò che è pesato, era un’unità di peso di circa 30-40 kg. corrispondente a seimila denari. Poiché un denaro, secondo quanto Matteo stesso spiega in 20,2 (Matteo è molto preciso nell’uso delle monete, e nel suo vangelo ne sono elencate diversi tipi), è il corrispettivo della paga per un giorno di lavoro, si intende qui una somma ingente data in gestione ai servi

2 Nella parabola dei vignaioli omicidi Egli non si perita di mandare anche suo Figlio (MT 21,37)

3 «Ancora, o reino dos céus é como uma rede lançada ao mar, que coleta todos os tipos de peixes. quando está cheio, os pescadores puxam-no para terra, eles se sentam, eles recolhem os peixes bons em cestos e jogam fora os ruins. Assim será no fim do mundo. Os anjos virão e separarão os maus dos bons e os jogarão na fornalha ardente, Ali haverá choro e ranger de dentes " (MT 13,47-50).

 

 

 

Grotta Sant’Angelo in Ripe (Civitella del Tronto)

 

.

Visite as páginas de nossa loja livro WHO e apoie nossas edições comprando e distribuindo nossos livros.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.

.

.

Não vamos jogar fora o bebê junto com a água do banho: a instituição do padrinho nos Sacramentos do Batismo e da Confirmação

NÃO JOGAMOS FORA O BEBÊ COM A ÁGUA SUJA: O INSTITUTO DO PADRINHO NOS SACRAMENTOS DO BATISMO E DA CONFIRMAÇÃO

Dada a situação atual, Acredito que na prática pastoral, valeria a pena envidar mais esforços para devolver dignidade e valor à figura do padrinho, tendo em conta a sua função pedagógica, mas, mesmo antes, da conotação tipicamente eclesial da sua presença.

– Teologia e direito canônico –

AutorTeodoro Beccia

Autor
Teodoro Beccia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

artigo em formato de impressão PDF

 

 

A instituição dos padrinhos remonta à Igreja primitiva, quando o dever de batizar crianças foi imposto, Apesar, supostamente, no início as crianças eram apresentadas diretamente pelos pais. Tertuliano refere-se ao spatrocinadores A garantia, mas os termos usados ​​nos tempos antigos são diferentes e muito evocativos: receptores, gestantes, fIdeias, protestantes que assistem ao batismo de crianças (cf.. De Baptismo, 18, 11, dentro PL eu, 1221). A necessidade de padrinhos talvez estivesse correlacionada com o batismo concebido como um novo nascimento, que, portanto, exigia novos pais.

Em continuidade com esta linha de reflexão, mais tarde, São Tomás recordaria que a regeneração espiritual provocada pelo batismo se assemelha à regeneração carnal e, pois nisso a criança precisa de uma enfermeira e de um pedagogo, então no espiritual há necessidade de alguém que o instrua na fé e na vida cristã (Summa Th. III, q. 67, uma. 7). O Instituto, ou ministério padrinho, certamente parece estar relacionado com o catecumenato de adultos. Tendo em conta a situação em que se encontravam os cristãos durante a perseguição do Império Romano, para evitar que intrusos entrem nas comunidades, era exigido que o candidato ao batismo fosse apresentado por algum crente conhecido, que garantiu a seriedade das suas intenções e o acompanhou durante o catecumenato e a entrega do Sacramento, bem como garantir posteriormente a sua fidelidade ao compromisso assumido.

Chegando aos dias atuais, os sacerdotes que cuidam das almas muitas vezes enfrentam dificuldades quando têm que lidar com a questão da escolha dos padrinhos. Os casos são muito variados. Há pais que, para não prejudicar nenhum familiar, gostariam de prescindir dos padrinhos por ocasião do Baptismo ou da Confirmação dos filhos.. Às vezes, somos confrontados com a proposta de padrinhos que se encontram em situação "irregular" e que, portanto, não podem ser admitidos. além disso, com o intenso fenómeno migratório que caracteriza a nossa época, acontece também que se pede para aceitar como padrinho ou madrinha fiéis pertencentes a Igrejas ou comunidades eclesiais que não estejam em plena comunhão com a Igreja Católica, com exceção das Igrejas Ortodoxas (cf.. posso. 685 § 3 do Código Oriental, CEO e outro).

Tudo isso leva a fazer algumas perguntas: Os padrinhos são realmente necessários e faz sentido continuar a solicitar a sua presença, dado que o seu ofício muitas vezes se tornou uma "mentira litúrgica", como alguns o chamaram? Qual é a função deles? Quais são os requisitos para ser admitido nesta posição?

Padrinhos são necessários? Procuramos dar resposta a esta questão através da legislação do Código de Direito Canónico, que é sobre o padrinho (ou madrinha) do batismo segundo os cân.. 872-874 e o padrinho (ou madrinha) de confirmação em cann. 892-893. Deixe ser a lata. 872 que o cachorro. 892, em referência à obrigação de dar ao batizado ou confirmado um padrinho, eles usam a mesma expressão: tanto quanto possível (o mais longe possível): a regra não é exaustiva ou preceptiva, como não estava no Código de 1917, mas também não deve ser considerado meramente opcional.

Em relação ao Batismo, as razões da presença são apropriadamente indicadas num curto mas denso trecho da Introdução Geral do Rito do Batismo dos Infantes (cf.. 8) e o Rito de Iniciação Cristã de Adultos (cf.. 8):

«O padrinho amplia a família do batizado no sentido espiritual e representa a Igreja no seu papel de mãe».

Sua função, assim, não é apenas litúrgico ― nem pode ser reduzida a uma presença meramente coreográfica ― mas também pedagógica, como o cânone lembra. 872 §1, aquele, além da tarefa de auxiliar o adulto a ser batizado e apresentar o bebê a ser batizado, apela à cooperação para que o afilhado leve uma vida cristã em conformidade com o Sacramento e cumpra fielmente as obrigações que lhe são inerentes.

Uma descrição eficaz da tarefa do padrinho, no caso do batismo de um adulto, mas que sugere critérios de julgamento aplicáveis ​​por analogia também aos padrinhos de recém-nascidos, é indicado em nenhum. 43 do Para ser notado ao Rito de Iniciação Cristã de Adultos:

"O padrinho, escolhido pelo catecúmeno para seu exemplo, por seu talento e sua amizade, delegado pela comunidade cristã local e aprovado pelo sacerdote, acompanha o candidato no dia da eleição, na celebração dos sacramentos e na mistagogia. É sua tarefa mostrar ao catecúmeno a prática do Evangelho na vida individual e social com amigável familiaridade., ajudá-lo em suas dúvidas e ansiedades, dar testemunho dele e cuidar do desenvolvimento de sua vida batismal. Escolhido antes mesmo da “eleição”, quando dá testemunho ao catecúmeno perante a comunidade; seu ofício mantém toda a sua importância mesmo quando o neófito, recebeu os Sacramentos, ainda precisa de ajuda e apoio para permanecer fiel às promessas do Batismo».

Mesmo para Confirmação, o que exige a presença do padrinho não é a celebração como tal, mas a formação cristã do candidato à confirmação, como o cânone lembra. 892, que se refere à dupla função de garantir que o confirmado se comporte como verdadeira testemunha de Cristo e cumpra fielmente as obrigações inerentes ao mesmo Sacramento (posso. 892). Portanto não é uma mera aparição ornamental ao lado do candidato para confirmação no momento da celebração, mas um ministério que se funda no Sacramento e que pede também ao padrinho a continuidade da presença espiritual, como conselheiro e guia chamado à responsabilidade educativa para com um irmão, que deve expressar na fé e nas obras a maturidade recebida como dom e a ser adquirida existencialmente.

A indicação do Código é, portanto, orientado não por escolhas mínimas, mas para que uma pastoral seja renovada. Fora dos casos extraordinários, o padrinho da Confirmação deverá estar presente (a ciência, sobre isso, uma resposta da Congregação para o Culto Divino e a disciplina dos Sacramentos (cf.. Informação 11 [1975], PP. 61-62).

Os requisitos. A lata. 874 é responsável por apresentar os requisitos necessários para ser admitido ao cargo de padrinho/madrinha tanto no batismo quanto na confirmação (cf.. posso. 893 § 1). Vamos nos limitar aqui a focar apenas em alguns pontos, a partir de legislação anterior:

1) para ambos os Sacramentos, o padrinho deve ter recebido todos os três sacramentos de iniciação (significando a união íntima entre eles), não apenas aquele para quem ele atua como padrinho;

2) o cachorro. 893§ 2 lembre-se da oportunidade (expediente) que o padrinho da confirmação é o mesmo do batismo (sublinhar a profunda ligação entre os dois Sacramentos), enquanto anteriormente isso era proibido;

3) não é mais necessário um padrinho do mesmo sexo da pessoa que está sendo batizada/confirmada;

4) a proibição de clérigos e religiosos e religiosas atuarem como padrinhos e madrinhas não existe mais, sem permissão expressa do Ordinário ou pelo menos do superior local. No entanto, os institutos religiosos poderiam estabelecer as suas próprias regras.

5) Em relação à idade (16 anos), com uma lei particular o bispo pode estabelecer outra diferente, mas também o pároco ou o ministro, por justa causa, pode introduzir a exceção, tendo em conta um critério bastante amplo, mas que nunca deve obscurecer a razão eclesiológica que motiva a presença do padrinho.

6) O padrinho deve ser um católico fiel. A razão desta aparente "restrição ecumênica" não se encontra apenas no perigo do indiferentismo, do qual o próprio Conselho alertou (cf.. Para as nações 15 e Igrejas Orientais 26), mas ainda mais no valor eclesial da Presente do padrinho: da natureza do assunto você não pode representar uma comunidade eclesial com a qual não está em plena comunhão, nem mesmo expressar fé nele. Nesta perspectiva, a disposição do código é consistente com a consciência que a Igreja tem da sua própria identidade, e, portanto, é também profundamente ecumênico. Sendo esse o caso, membros de comunidades eclesiais separadas da Igreja Católica são excluídos do papel de padrinhos, que podem atuar como testemunhas junto com um padrinho católico.

Quanto aos "ortodoxos", unidos a nós por laços muito estreitos (você 15) o cachorro. 685 § 3 do Código Oriental (CEO) admite que um de seus seguidores pode cumprir o papel de padrinho, mas sempre junto com um padrinho católico. No batismo de um católico, em virtude da estreita comunhão existente entre a Igreja Católica e as Igrejas Ortodoxas Orientais, portanto é permitido, por um motivo válido, admitir um fiel oriental com o papel de padrinho junto com um padrinho católico (ou uma madrinha), desde que seja reconhecida a idoneidade do padrinho. No entanto, a educação cristã será primariamente responsabilidade do padrinho católico, porque representa a comunidade cristã e é garante da fé e do desejo de comunhão eclesial do baptizado e/ou dos seus pais (cf.. Vademecum para a pastoral das paróquias católicas para com os orientais não católicos, o, n. 16).

Outros requisitos também indicado por pode. 874 § 1, 3° são muito qualificados para definir o perfil do padrinho. Respeitado devidamente, têm um impacto profundo tanto na designação da pessoa, e no caminho de entender a tarefa.

Cabe à legislação específica Determine o que significa “levar uma vida em conformidade com a fé”: Diferentes ambientes e situações levam a diferentes determinações. O histórico do caso é tão amplo como sempre: abrangemos todo o leque de possibilidades relativas a quem se encontra em situação conjugal irregular, para aqueles que professam ateísmo e agnosticismo; desde aqueles dedicados às artes mágicas até aqueles que são membros notórios de uma seita, de uma associação que conspira contra a Igreja Católica (cf.. posso. 1374: então, por exemplo, a Maçonaria), ou parece pertencer a algum grupo criminoso (como a máfia, em N'drangheta, a Camorra ou outros grupos criminosos do tipo mafioso).

Afinal, contra a prática de substituir padrinhos por pais, sem fundamento e justificativa, lembrar (posso 874, § 1,5) que nem pai nem mãe podem atuar como padrinhos, pois seria absurdo pensar que os pais se ajudam como padrinhos dos filhos. Sobre o número, o cachorro. 873 afirma que apenas um padrinho é suficiente, enquanto no caso há dois, eles devem ser de sexo diferente. A lata. 892, que trata do padrinho da confirmação, em vez disso, prescreve apenas um padrinho ou madrinha.

O papel da testemunha: não se pode esquecer que entre as tarefas do padrinho está também a de comprovar que ocorreu o Batismo ou a Confirmação. Can. refere-se a esta função. 875: apresenta a figura de testemunha do batismo que, ao contrário do padrinho, não está sujeito a quaisquer condições e desempenha um papel semelhante ao das testemunhas de casamento (cf.. posso. 1108 §2) embora sem ser, como neste caso, de Anúncios validade. Para obter consentimento conjugal válido, de Anúncios validade é necessária a presença simultânea de duas testemunhas, o assistente como testemunha qualificada e o consentimento válido dos noivos. No caso do Batismo ou da Confirmação, a testemunha só tem a tarefa de certificar a atribuição, portanto, não é necessário para a validade do Sacramento (cf.. enlatar. 875-877). Consequentemente, a figura da testemunha não está sujeita a quaisquer condições. O único requisito é que a pessoa escolhida como testemunha tenha o uso da razão e seja capaz de depor.

Oferece-se assim a possibilidade lidar com algumas situações particulares em que a pessoa escolhida não poderia de outra forma exercer o papel de padrinho: assim, por exemplo, no caso de um crente pertencente a uma comunidade eclesial protestante (cf.. posso. 874 §2), ou está coabitando, divorciados, casados ​​novamente ou em outra situação conjugal irregular, ou se declara agnóstico ou ateu, ou abandonou formal e publicamente a fé católica através do chamado "bater". Esta é uma solução que pode potencialmente gerar ambiguidade, mal-entendidos e interpretações enganosas, deve ser adotado com prudência e cautela, enquanto que, por outro lado, será necessário explicar com absoluta clareza que a testemunha do batismo não é de forma alguma “uma espécie de padrinho”, mas uma figura completamente diferente.

O documento CEI Encontramos Jesus, a 29 junho 2014, ele afirma:

«As Conferências Episcopais regionais são convidadas a discernir sobre o assunto e avaliar a oportunidade pastoral de apoiar - apenas como testemunhas do rito sacramental - aquelas pessoas indicadas pela família que, apesar de não ter requisitos prescritos, eles sempre expressam uma proximidade parental positiva, afetivo e educativo".

UMA para este fim, eles podem ser encontrados online vários pronunciamentos sobre o assunto. Citamos, por exemplo, as disposições da Conferência Episcopal da Sardenha e da Diocese de Aosta. Portanto, o mais longe possível, é necessário dar formação aos Padrinhos/Testemunhas para acompanhar os Batizados na escolha da vida cristã, sem prejuízo da liberdade da Testemunha que não pode ser forçada a partilhar ou abraçar esta escolha de vida.

A utilidade da figura da Testemunha seja meramente legal ou responda à necessidade de certificação da concessão do Batismo ou da Confirmação. Do ponto de vista pastoral, o documento também o apresenta como uma possível solução para atender às situações de incompatibilidade dos requisitos para o papel de padrinho.

A idade da testemunha no Batismo ou Confirmação não é especificado como no caso do casamento, onde a maioridade é exigida, ou no caso de padrinhos onde é exigida a idade da criança 16 anos. Logicamente, para a idade da Testemunha, poderia ser aplicada como critério a avaliação do Pároco ou do Bispo Diocesano., como no caso dos Padrinhos pode. 847 §1 n.2. Durante a celebração, diferentemente do Padrinho e da Madrinha, a Testemunha não deve ter qualquer participação ativa, uma vez que o seu papel é apenas o de fiador da certificação da concessão do Sacramento. Cada bispo diocesano poderá dar outras disposições sobre o contexto celebrativo

No que diz respeito ao registo da certidão de baptismo no registo paroquial deve ser sublinhado que, no caso do testemunho de um Batismo previsto pelo cân.. 874 §2, o nome e sobrenome da testemunha e os dados pessoais devem ser anotados conforme exigido pelo cânone. 877 [5].

O problema do certificado. O Código de Direito Canônico, nos cânones dedicados ao padrinho do batismo e da confirmação, ele nunca menciona a necessidade de produzir, do padrinho, ou o pároco, de qualquer tipo de certificado / certificado / auto-certificação. Estamos perante um caso em que a prática adquiriu agora um significado além da, muitas vezes ligado ao fato de o sacerdote que cuida das almas não ter pleno conhecimento para estabelecer a admissibilidade de uma pessoa ao cargo de padrinho, porque ele não o conhece, vem de outra freguesia, muitas vezes longe, etc.. etc…

“Canonizando” a ordem civil, podemos observar como já em diversas dioceses e paróquias, o "certificado de aptidão" foi substituído por uma "autocertificação de aptidão". Mas vamos ver o que é autocertificação: o direito civil introduziu a possibilidade de fornecer à Administração Pública e aos particulares uma declaração feita e assinada por um cidadão que substitui completa e definitivamente algumas certificações administrativas. É por isso que também é chamada de "declaração substituta". E, assim, uma forma de evitar burocracia e desperdício desnecessário de tempo, especialmente quando você opta pela autocertificação on-line. De acordo com a lei, repartições públicas são obrigadas a aceitar autocertificação para as práticas exigidas. Se não, incorreria em uma violação dos deveres oficiais. A situação é diferente quando se trata de particulares: aceitar ou não esta declaração permanece uma questão de critério para eles. Portanto, a autocertificação tem o mesmo valor jurídico e administrativo que o certificado ou documento que substitui. Enquanto a verdade for dita: se os dados contidos na autocertificação forem falsos, o interessado perde todos os benefícios.

Auto-certificação, sendo uma declaração feita pessoalmente pelo interessado, poderá revelar-se, se implementado na legislação local da diocese, uma simplificação substancial do trabalho dos sacerdotes que cuidam das almas: o interessado poderá declarar-se a existência dos requisitos para acesso ao cargo de padrinho e comprometer-se neste sentido com a Igreja diretamente perante o pároco que deverá administrar o Sacramento, sem solicitar ao pároco de residência certidão que muitas vezes o próprio pároco não conseguia emitir pelos motivos acima expostos, isto é, a impossibilidade de o sacerdote poder certificar uma situação da qual pode não ter conhecimento por toda uma série de razões que bem conhecemos.

Dada a situação atual, Acredito que na prática pastoral, valeria a pena envidar mais esforços para devolver dignidade e valor à figura do padrinho, tendo em conta a sua função pedagógica, mas, mesmo antes, da conotação tipicamente eclesial da sua presença. Não podemos esconder que os desvios do passado pesam na figura do padrinho, mas isso não pode justificar a reação emocional daqueles que agora consideram inútil, nem daqueles que facilmente acedem à solução cómoda de não exigir a presença dos padrinhos, porque ele não consegue encontrar nenhum adequado. Se não houver nenhum, eles devem ser treinados, através de caminhos apropriados que melhorem este escritório, que tem as características e a dignidade de um verdadeiro ministério laical (cf.. o lay 23).

Entre as diversas propostas, há quem sugira contratar os padrinhos para vigiarem, embora discretamente, sobre a educação dos afilhados, alertando o pároco sobre deficiências e desvios, para fornecer, dentro do escopo de possibilidades e limites, por um retorno ao bem. Outra pessoa, então, acredita que eles poderiam receber a tarefa de cuidar do afilhado em caso de órfão precoce. Talvez um lembrete daquele parentesco espiritual que, na verdade, passa a ser estabelecido entre padrinho e afilhado, e ao qual o Código de 1917, reconhecendo o seu elevado valor sacramental e pastoral, conectou um impedimento conjugal, hoje não está mais em vigor no código latino, mas é totalmente compreendido e implementado como uma decisão sobre o casamento pelo Código dos Cânones das Igrejas Orientais.

 

Velletri de Roma, 11 novembro 2023

.

.

Visite as páginas de nossa loja livro WHO e apoie nossas edições comprando e distribuindo nossos livros.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.