Proclamar novos dogmas é mais sério do que desconstruir os dogmas da fé. Maria Corredentrice? Uma idiotice teológica sustentada por quem ignora as bases da cristologia

DIVULGAR NOVOS CÃES É MAIS SÉRIO DO QUE DESCONSTRUIR CÃES DA FÉ. MARIA CORREDENTRICE? UMA IDIOCIA TEOLÓGICA APOIADA POR AQUELES QUE IGNORAM A BASE DA CRISTOLOGIA

 

A bem-aventurada Virgem Maria teria pedido para ser proclamada co-redentora com um quinto dogma mariano? Sorrimos para não chorar por certas bobagens. Alguém está disposto a acreditar verdadeiramente que a Santíssima Virgem que se definiu como humilde serva, a mulher do amor dotado, silêncio e sigilo, que tem como propósito conduzir a Cristo, pode pedir aos videntes ou videntes desvalorizados que sejam proclamados co-redentores e colocados quase ao mesmo nível do Divino Redentor?

— Teológica —

.

.

artigo em formato de impressão PDF

 

.

.

"Portanto, depois de ter levantado novamente pedidos suplicantes a Deus e ter invocado a luz do Espírito da Verdade, para a glória de Deus todo poderoso, que derramou sua benevolência especial na virgem Maria em honra de seu Filho, Rei imortal dos tempos e vencedor do pecado e da morte, para maior glória de sua augusta Mãe e para alegria e exultação de toda a Igreja, pela autoridade de nosso Senhor Jesus Cristo, dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo e Nossa, nós pronunciamos, declaramos e definimos como dogma revelado por Deus que: a imaculada Mãe de Deus sempre virgem Maria, terminou o curso da vida terrena, ela foi assumida à glória celestial em corpo e alma ". Portanto, caso existam, Deus me livre, ousou negar ou questionar voluntariamente o que foi definido por Nós, saiba que falhou na fé divina e católica" (Bolha dogmática a generosa, 1novembro 1950)

Com o touro dogmático a generosa O Papa Pio XII proclamou o dia 1º de novembro 1950 o dogma da Assunção ao céu da Bem-Aventurada Virgem Maria, cuja festa solene é celebrada em 15 agosto. Nesta ocasião, ofereço uma reflexão teológica a todos aqueles que clamam pela proclamação do dogma de Maria Corredentora, a partir de uma pergunta: É mais sério desafio e desconstruir os princípios da Santa Fé Católica, ou mais sério para proclamar novos dogmas? Sem dúvida é mais grave a segunda coisa, que, cometendo erros e semeando confusão entre o Povo de Deus, questiona os dogmas através da releitura e reinterpretação, até chegar ao seu de-construção, não é dito ser animado por intenções maliciosas, tudo isso também pode ser o resultado daquela má formação teológica que foi passada por mais de meio século a gerações de sacerdotes e teólogos. Muitos são meus confrades que saíram de nossos desastrosos seminários como sacerdotes e beberam o melhor das heterodoxias ensinadas nas universidades eclesiásticas., eles são realmente convencido de que o mau é bom, que o defeito é virtudes, que heresia e ortodoxia é que a Ortodoxia é uma heresia. Não poucos, induzida a pensar, eles passaram a admitir que receberam uma má formação teológica e uma má formação do sacerdócio, quase sempre tentando com esforço e sacrifício remediar. Aqueles que admitir nada disso nunca, apesar das suas lacunas inquietantes, estamos vendo-os se tornarem bispos um após o outro.

.

Quem proclama dogmas que não existem Ele realiza um erro maior, porque opera colocando-se acima da autoridade da mesma santa Igreja Mater et Magistra, detentor de uma autoridade que deriva do próprio Cristo. E este último sim, que é um dogma da fé católica, que não chegou a dedução lógica, mas com base em palavras claras e precisas pronunciadas pela Palavra de Deus feito Homem (cf.. MT 13, 16-20). E quando se proclamam dogmas que não existem e não podem existir, nesse caso estamos no diabólico, porque o orgulho entra em cena em sua pior manifestação: orgulho intelectual. Eu escrevi e expliquei anteriormente, mas merece repeti-lo novamente: na chamada escala dos pecados capitais, o Catecismo da Igreja Católica indica, em primeiro lugar, o orgulho, com a dolorosa paz de quem persiste em concentrar-se na luxúria - que lembramos não figura em primeiro lugar, mas nem ao segundo, ao terceiro e quarto - todo o mistério do mal, independentemente do fato de que os piores pecados que vão todos e rigor do cinto a subir, Não, em vez de seu cinto a cair, como em um tom irônico, mas teologicamente muito sério, que escrevi anos atrás [Veja o Catecismo n. 1866].

.

Portanto, começo com um exemplo com por objeto a chamada Notificação Usual, aqueles que apenas ouvem o som da magia Latim eles perdem todo o senso de razão e qualquer tipo de senso crítico, com a consequente distorção total da realidade objetiva. aqui, então, SE. Mons. Mario Oliveri, Bispo emérito de Albenga, defensivamente para dizer que ele não foi de forma alguma removido de sua sé episcopal como responsável - em parte mesmo involuntário -, por ter reduzido uma diocese a um autêntico bordel, a um centro de coleta de homossexuais declarados expulsos por sérios problemas morais por um ou mais seminários, até encontrar-se com um número considerável de padres incontroláveis ​​dedicados a todo tipo de vício e engano patrimonial útil para a manutenção de seus vícios. Nada disso salta minimamente aos olhos das Notas Usuais, que implacáveis ​​e obstinados continuam a afirmar e escrever que o pobre prelado foi perseguido da "Igreja modernista" porque amava o O antigo rito da Missa, mitras de jóias usados ​​setenta centímetros de altura e dar a Sagrada Comunhão, all'inginocchiatoio sob o dossel apoiado por cavaleiros fratura.

.

Assim como aconteceu - afirmo as Notas Usuais -, aos membros da Congregação dos Frades Franciscanos, não só punidos de acordo com eles para organizar conferências crítica de Karl Rahner, ter mostrado o perigo do Modernismo e Maçonaria; mas perseguidos sobretudo porque também celebravam - nem é preciso dizer - col O antigo rito da Missa.

.

Nas colunas da nossa revista A Ilha de Patmos o pontifício acadêmico dominicano Giovanni Cavalcoli e eu, mais tarde o teólogo capuchinho Ivano Liguori e o teólogo dominicano Gabriele Giordano M. Scardocci que escrevemos ao longo dos anos sobre Karl Rahner, sobre o modernismo e os modernistas, e assim por diante Maçonaria, em tons muito críticos e ásperos. Nós nem apenas atiramos em rajadas, acabamos de disparar repetidos tiros de morteiros pesados, com uma severidade muito maior do que a usada em conferências anteriores promovidas pelos Franciscanos da Imaculada Conceição. Você deve, portanto, pedir-lhe: porque eles não têm nenhuma delegacia de polícia ainda? Porque, apesar de ter acusado duramente Karl Rahner indicando-o como a fonte originária de todas as heresias de retorno que invadem a Igreja hoje, seminários e universidades pontifícias, nenhuma autoridade eclesiástica jamais nos deu suspiros e muito menos recordações?

.

Quando há alguns anos Conversei com um dos mais ilustres mariólogos dos Frades Franciscanos da Imaculada Conceição, Fiquei muito impressionado com seu fanatismo madonnolatric, para seguir de seu orgulho, porque já tomou o dogma de Maria Corredentora para proclamação. Como resultado, dentro dessa congregação, o dogma nunca proclamado de Maria Coredemptrix de fato já estava escrito em depósito Fidei com muita teologia e culto promovido e difundido. Tudo com a completa indiferença que todos os Papas do século XX, incluindo aqueles particularmente dedicado à Virgem Maria, mesmo que tenham pleiteado várias vezes nesse sentido, nunca quiseram considerar a possível proclamação deste novo dogma mariano. Entre estes, basta mencionar o Santo Pontífice Pio X, o Venerável Papa Pio XII, o Santo Pontífice Paulo VI e o Santo Pontífice João Paulo II que queriam que o emblema da Santíssima Virgem fosse gravado em seu brasão papal, ele era tão dedicado Mater Dei, finalmente o Venerável Pontífice Bento XVI, que na sua qualidade de teólogo explicou e esclareceu com a mansidão tímida - talvez até excessiva - que sempre o caracterizou, que o próprio termo "co-redentora" criou problemas no nível teológico com a cristologia.

.

O Papa reinante - que não é tímido e manso - se expressou três vezes [1] sobre esta questão reiterando um seco e decisivo não:

.

«Nossa Senhora não quis tirar nenhum título de Jesus; recebeu o dom de ser Sua Mãe e o dever de nos acompanhar como Mãe, ser nossa mãe. Ele não pediu para si mesmo ser quase-redimidor ou co-redimidor: não. O Redentor é um e este título não é dobrado" [2].

.

A reação das notas usuais mais radicais não tardou a chegar: acusaram o Sumo Pontífice de ser blasfemo e blasfemo (!?). Mais uma razão, é bom esclarecer: se questionar o dogma da imaculada conceição e a assunção ao céu da Bem-Aventurada Virgem Maria é errado e herético, por outro lado, promulgar o dogma de Maria a co-redentora e agir de acordo, -se para disseminar a teologia tão insolente, é muito mais sério. Então, se diante dessas e de outras coisas a Santa Sé intervém em determinado momento, é inútil clamar «à perseguição de O antigo rito da Missa!». Porque se queremos ser objectivos e aplicar antes de mais critérios de aequitas em conjunto com o sentido de proporção, de maneira completamente razoável, podemos dizer que antes que o machado fosse baixado sobre os pobres franciscanos da Imaculada Conceição, os jesuítas foram severamente atingidos e junto com eles várias outras ordens e congregações históricas com problemas internos muito mais graves, mas, principalmente, responsável por espalhar ao longo de décadas de uma forma perigosa - como no caso dos jesuítas -, um pensamento patentemente não-católica. Isso é algo de que os Franciscanos da Imaculada Conceição não podem ser acusados. Se de fato esses jovens e simples fratacchioni criados pelo padre Stefano Maria Manelli, eles erraram, isso aconteceu em grande parte de boa fé e também por não pouca ignorância, sem dúvida, animado pelas melhores intenções interior e exterior, por amor da verdade e veneração autêntica da Santa Igreja de Cristo.

.

Os jesuítas e membros de outros grupos religiosos que espalham as piores teologias destrutivas, podem ser duramente criticados pela forma como desconstroem ou atualizam os dogmas da fé, mas os Franciscanos da Imaculada Conceição que proclamaram um dogma mariano em fatos concretos, dando-lhe existência e instituindo o culto de Maria Corredentora, no nível teológico eles cometeram um erro muito mais grave, substituindo assim a mais alta e suprema autoridade da Igreja. E não se oponha, assim como os jejuns totais da teologia que presumem por isso poder dissertar nas esferas mais delicadas da dogmática: «… Mas São Luís Maria Grignion de Montfort em sua Tratado sobre a Verdadeira Devoção escreveu isso ... mas Nossa Senhora de Amsterdã em uma revelação privada pediu que ... esse místico e esse visionário disse que em uma revelação privada a Madonna lhe pediu que ... ".

.

A Santíssima Virgem Maria teria pedido ser proclamada co-redentora com um quinto dogma mariano? Sorrimos para não chorar por certas bobagens que tornam alguns assuntos bastante arrogantes e difíceis de administrar para nós sacerdotes e para nós teólogos, precisamente porque a sua arrogância anda de mãos dadas com a sua ignorância. No entanto, a resposta é simples: alguém está disposto a acreditar que a Santíssima Virgem que se definiu como uma humilde serva, a mulher do amor dotado, silêncio e sigilo, aquele que tem o propósito de levar a Cristo, pode realmente pedir aos videntes ou videntes desvalorizados que sejam proclamados co-redentores e colocados quase em pé de igualdade com o Divino Redentor?

.

O próprio termo de co-redentora é em si uma solene idiotice teológica que cria enormes conflitos com a cristologia e o mistério da redenção realizada unicamente por Deus, o Verbo encarnado, que não precisa de co-redentores e co-redentores. O mistério da redenção é um com o mistério da cruz, em que Deus fez o homem morreu como um cordeiro sacrificial. Na cruz, a Bem-Aventurada Virgem Maria não foi pregada até a morte como um cordeiro sacrificial, que no final de sua vida ela adormeceu e foi elevada ao céu, ela não morreu e ressuscitou no terceiro dia, derrotando a morte. A Virgem Abençoada, primeira criatura de toda a criação acima de todos os santos por sua pureza imaculada, ele não perdoa os nossos pecados e não nos redime, ele intercede pela remissão dos nossos pecados e pela nossa redenção. Quando nos voltamos para ela através da oração, tanto no Ave Maria do que em Oi Regina para todo sempre, ao longo da história e tradição da Igreja, nós a invocamos dizendo "rogai por nós pecadores", não pedimos a ela que perdoe nossos pecados ou nos salve.

.

Isso deve ser o suficiente encerrar um discurso que não pode ser proposto no plano teológico como o de Maria corredentora. Uma autêntica idiotice teológica que só os ignorantes arrogantes e os madonnolatri desconhecem o que é a verdadeira devoção à Santíssima Virgem pode se alimentar, mas sobretudo qual é o verdadeiro papel confiado por Deus a Cheio de graça na economia da salvação.

.

a Ilha de Patmos, 15 agosto 2022

Assunção ao céu da Bem-Aventurada Virgem Maria

.

Notas

[1] Ver. 12 dezembro 2019 homilia na Santa Missa na festa de Nossa Senhora de Guadalupe; 30 abril 2020, Santa Missa na Capela do Martha Casa Sancthae; 24 Março 2021, no discurso durante a audiência geral.

[2] Ver. Santa Missa na Capela do Martha Casa Sancthae.

.

.

Queridos leitores,

por favor leia este artigo [OMS vedere] e ser o mais sensível e atencioso possível

Obrigado

.

.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.

6 respostas
  1. Stefano Delle Chiaie
    Stefano Delle Chiaie diz:

    Gentio p. Ariel, relendo meu segundo comentário reconheço que sucumbi ao sarcasmo, que você não deve fazer, e também peço desculpas aos seus leitores por isso. Dito isto, e confiou em sua defesa compreensível e obediente do cargo, Eu nem mesmo nomeei o Santo Padre: como ele me acusa de tê-lo julgado e condenado? As coisas que mencionei não são apenas sobre ele. E não é minha culpa que o Papa às vezes se encontre, Querendo ou não, para atuar como um testemunho de certas enormidades. Então, scusi, Eu talvez denunciei calúnias? Se certas coisas são públicas, onde está a calúnia? Em seguida, por que devo ser rotulado de pseudo-católico e calvinista se me atrevo a ter uma atitude crítica saudável e sacrossanta?? Talvez o direito de criticar os filhos da Luz tenha sido revogado? Concordo que por respeito à Igreja Noiva de Cristo, o Papa nunca deve ser educado, e dele sempre se pode dizer que caiu em uma emboscada, mas todos os outros? Mas realmente nós, madonnari ignorantes, com o hobby da mariologia, temos um respeito reverente para com certos teólogos, assim como Bispos e Cardeais? Por favor, pelo menos mantemos o senso do ridículo.

    • Pai de Ariel
      Pai de Ariel diz:

      Há leigos católicos que, depois de pular de um blog para outro e ler comentários em comentários, eles pensam que podem disputar nas áreas mais delicadas da dogmática, que sempre foi o setor mais delicado da teologia, não uma disputa entre os torcedores da Lazio contra os da Roma ou vice-versa. Eles também pensam que podem fazer críticas precisas e detalhadas ao pontífice reinante, que certamente não é sem falhas, ambiguidades e contradições, mas sem conhecer a eclesiologia e a complexa história do papado.

      No entanto, o problema não é este, mas outra coisa, Vou tentar explicar para você com este exemplo: uma vez, um cara, começou a criticar Karl Rahner, a quem pessoalmente considero um teólogo pernicioso e perigoso. Ouvi-o e depois citei duas das principais obras desse famoso teólogo alemão e pedi-lhe uma opinião precisa e específica sobre a periculosidade de seu pensamento.. Ele apenas reiterou: "Ah, mas de Rahner é dito que … Eu li que …».
      Disse por quem? De um blogueiro! Leia onde? Em um blog por um amador perfeito que presume entender teologia.

      Você vê meu querido, certos autores ou certas correntes teológicas, com toda a liberdade especulativa concedida aos filhos de Deus e da Santa Igreja, Posso criticar aqueles que atingiram o limiar dos deuses 60 Venho estudando em profundidade as áreas mais delicadas da teologia dogmática há várias décadas, da dogmática sacramental e da história do dogma. Isso me legitima, qualifica-me e dá-me toda a autoridade necessária para poder discutir com qualquer teólogo que tenha a liberdade e o pleno direito de ser um antitomista amargo ou um antiescolástico irredutível e ao qual posso contestar com plena e profundo conhecimento da causa e conhecimento. Da mesma maneira, com um teólogo que apóia a possibilidade de proclamar o dogma da “Maria Corredentrice”, Eu posso discutir isso livremente, mas não ela, Eu não acho que ele passou anos e anos de sua vida estudando certas áreas muito delicadas da teologia.

      Sua crítica poderia ser legítima se baseada em conhecimento profundo e culto, não é legítimo, menos ainda o exercício da liberdade concedida aos filhos de Deus, se for baseado na emotividade subjetiva e na falta de conhecimento, porque neste caso não é um exército de liberdade, mas uma expressão de pura ignorância baseada em não saber que presume saber por que "diz-se que … Eu li que …».

  2. orenzo
    orenzo diz:

    Sempre me causa profunda tristeza ler que a Imaculada Sempre Virgem Mãe de Deus “Ela nunca se apresentou como uma co-redentora” e “Ele não pediu para si mesmo ser quase-redimidor ou co-redimidor”.
    Em vez disso, é para mim uma grande alegria ler o convite a imitar a Imaculada Sempre Virgem Mãe de Deus por “poder transformar nossa dor em uma oferta amorosa, imitando a Madona, a Corredentora”, “Maria, embora ele concebido e nascido sem a mancha do pecado, (aquele) participou de uma maneira maravilhosa nos sofrimentos de seu divino Filho, ser co-redentora da humanidade” Por que “Na realidade, o papel co-redentor de Maria não cessou com a glorificação do Filho”.
    “Que o nosso desejo corresponda generosamente ao desejo do Redentor, cuidar de Maria, a co-redentora, ao qual elevamos nossa oração com plena efusão”: aquele “santa Maria, Co-redentora da humanidade ao lado de seu Filho, (há) sempre dar coragem e confiança”, vamos invocá-lo “como Imaculada, Dolorosa e Corredentora, exaltando o seu papel único na história da salvação e na vida do povo cristão.”
    E também nos Evangelhos, tanto nas palavras do velho Simeão, tanto em Jesus, que entra em Jerusalém a cavalo, montado na jumenta e no seu jumentinho, pode ser visto, como em filigrana, a co-redenção, cuja teologia é admiravelmente e simplesmente representada no reto de “Medalha Milagrosa”.

  3. Stefano Delle Chiaie
    Stefano Delle Chiaie diz:

    Se o título de co-redentora serviu para explicar melhor todos os outros e não para tirar de Cristo o de Redentor, Eu não encontraria motivos para escândalo. Então é o suficiente para entender um ao outro. anúncio é, mesmo o de Immacolata criou dificuldades durante séculos, até que Scotus desatou o nó que ele então permitiu 1854 proclamar o dogma que confirma a fé da Igreja de todos os tempos sobre esta prerrogativa de Maria. O mesmo tipo de raciocínio deve ser aplicado no presente caso. São, dedos do pé, ser a mãe de Cristo faz de Maria a Mãe de Deus, é legítimo perguntar o que impede a mãe do Homem das Dores (venerada como Dolorosa e Mãe das Dores) partilhar de modo especial a paixão do Filho, e, portanto, ser chamado, com todas as aspas apropriadas, Redentora. Por Sua vontade, significa. De fato, que He potuit está fora de questão, é apenas uma questão de entender se também é decuito e se, assim, ele fez. Já Simeão profetizou a Maria um sofrimento sem igual, com um "também" que parece vinculá-lo à redenção de um Mistério da Dor que teve que se manifestar: “Ele está aqui para ruína e ressurreição de muitos em Israel, sinal de que vai ser contrariada os pensamentos de muitos corações, e uma espada traspassará sua alma também". A participação na dor redentora de Cristo também é indicada por São Paulo como a realização de "o que falta" na cruz de Cristo, que por si só parece uma blasfêmia, é aquele, em comparação com a grandeza de Maria, também poderia ser chamado de co-redenção. Mas assim seja. Comida solo para pensamentos.

    • Stefano Delle Chiaie
      Stefano Delle Chiaie diz:

      P. S.: se então o título de co-redentora serviu pelo menos para salvaguardar Maria de ser reduzida a um arquétipo junguiano (“Ela é apenas uma mãe, não é uma deusa"), e evitar honrar ídolos pagãos como a Mãe Terra e Pachamama como deuses, ou para participar de ritos xamânicos onde a avó ocidental é invocada para ter acesso ao círculo sagrado dos espíritos (ela é uma porta para o céu, não é qualquer mãe!), Nós vamos, isso por si só seria suficiente para considerá-lo desejável (e também urgente) a proclamação do dogma. Afinal, São Paulo VI disse que não se pode ser cristão sem ser mariano, declaração que tem toda a aparência de uma implícita, Apesar – talvez – não premeditado, antecipação do dogma de Maria co-redentora.

      • Pai de Ariel
        Pai de Ariel diz:

        Ela acha que a Virgem Maria, que é devotado à Igreja e acima de tudo obediente como o corpo visível de Cristo na terra (cf.. Com o 1, 18) ela que venerou os Apóstolos fez participantes do mistério do sacerdócio ministerial de Cristo, começando com Pedro, escolhido por seu Divino Filho como Chefe do Colégio Apostólico e da Igreja (cf.. MT 13, 16-20), apreciaria as palavras de um pseudo-católico da Mariologia para dizer o menos confuso que, como ela, puro de “promover” a Madonna como um título adicional, ele não hesita em jogar lama no Sucessor do Beato Apóstolo Pedro?
        Faça a si mesmo essas perguntas e responda.
        Ela, como qualquer católico, como nós sacerdotes e como nossos bispos, não tem título, autoridade e poder para julgar e condenar o Sumo Pontífice que só pode ser julgado por Deus e por nenhuma autoridade humana. E tenha certeza de que se você estiver errado, Deus também será particularmente severo com ele, Mas Deus, Ela não.
        O dela não é uma instalação católica, nem é um implante luterano. Sua atitude em relação ao Papado e à Autoridade da Igreja é uma atitude tipicamente calvinista.
        Se até hoje ninguém lhe disse, agora eu disse a ele.
        Dos dois um … ou ele se corrige ou ele aceita: você é um calvinista perfeito.

Comentários estão fechados.