A insuportável leveza de ser. Um artigo cômico imperdível sobre “O New Compass Diário” sobre o nascimento de Jesus Cristo o 25 Dezembro

- notícias Church -

A IMBATÍVEL LEVEZA DO SER. UM ARTIGO CÍMICO IMPERDÍVEL SOBRE A NOVA BÚSSOLA DIÁRIA SOBRE O NASCIMENTO DE JESUS ​​CRISTO O 25 dezembro

.

Nesta jornada do Advento, os Padres da Ilha de Patmos desejam chegar ao mistério de um Natal profundamente meditativo, neste momento histórico-social muito difícil, deixando para os outros todas as limitações que ao invés disso poderiam acarretar um nascimento político-polêmico. O problema é que, infelizmente - e não é a primeira vez - O New Compass Diário corre o risco de confundir o Santo Sepulcro de Cristo com o túmulo de Giulio Andreotti, este é o seu verdadeiro problema subjacente!

.

Autor
Ariel S. Levi Gualdo

.

.

PDF artigo formato de impressão
..

.

De Jesus Christ Superstar de 1973 aqui estamos nós no andrógino Jesus Cristo Photoshop de 2020, com olho azul, lábios carnudos sedutores, traços femininos e assim por diante. Jesus Cristo era "o mais belo dos filhos do homem" (Vontade 44, 3), não o mais afeminado entre os filhos do homem, como alguns fideístas blasfemas e certos lânguidos pinzochere exaltados o retratam hoje.

Como acontece ciclicamente, nossa equipe editorial tem estado ocupada trabalhando nos novos livros que serão lançados alguns dias antes do Natal, para oferecer aos nossos leitores três obras de ficção valiosa. Após um período de silêncio, hoje retomamos toda a nossa atividade publicitária a partir de algo "leve", por assim dizer! Para acompanhar nos próximos dias artigos de um calibre muito diferente, já escrito pelos padres de A ilha de Patmos.

.

o facto: um editorialista de O New Compass Diário hoje ele tenta explicar que a data de nascimento da Palavra de Deus fixada em 25 Dezembro é real [ver artigo, Quem]. Infelizmente, perdendo isso de vista para nós, católicos, o datum histórico combinado com o datum de fé, não consiste em um “encontro tradicional” mas a partir da encarnação do Verbo de Deus feito Homem: «E o Verbo se fez carne e veio morar entre nós " [GV 1, 14].

.

Vamos esperar um segundo episódio em que é explicado, à luz da tradição iconográfica popular, que Jesus tinha um metro e oitenta de altura, loira de olhos azuis e que sua mãe, a sempre virgem Maria, ela tinha as feições de uma garota de Hanover, como se tivesse nascido no extremo norte da Europa. Mas, acima de tudo, com a idade de apenas 16 cerca de anos - tantos mais ou menos ela estava no momento do parto - um homem está ao seu lado, o venerado patriarca Joseph, quem tinha mais ou menos anos 80, como a iconografia e a tradição popular documentaram por séculos. Sem adiar outro fato histórico irrefutável: naquela área da antiga Judéia, quando Jesus Cristo nasceu do céu, a neve caiu, em um cenário semelhante ao que podemos encontrar em dezembro em Madonna di Campiglio ou em Courmayeur. Na verdade, sabe-se que os pastores vinham em trenós puxados por cães husky e que poucos dias depois os Magos, que eram esquiadores cross-country bem conhecidos e experientes, eles chegaram precisamente esquiando na gruta da natividade coberta de neve. Que tal: nem mesmo aquele romancista obcecado da Maria Valtorta consegue escrever tais bobagens - o que quer dizer alguma coisa! - quando narra a presença real do boi e do burro na caverna, com Jesus colocado na manjedoura sobre feno e palha. Em conclusão: tente colocar um recém-nascido em feno e palha, então falaremos sobre isso em breve, como a carne daquela pobre criatura recém-nascida vai acabar reduzida.

.

A data fixada em 25 Dezembro está parcialmente ligado à tradição popular e parcialmente ao fideísmo. Sempre soubemos que o calendário que começa depois de Cristo é quebrado por vários anos devido a vários erros de cálculo. O fato inegável apoiado pela história é o nascimento de Jesus Cristo, que ninguém pode negar, porque é amplamente documentado pelas fontes, assim como seu julgamento e sua sentença de morte, impresso nas crônicas judaicas e romanas. E neste segundo caso, sim, que temos uma certa data histórica de sua paixão e morte, porque tudo coincide com Pessach, Páscoa Judaica, e é documentado pelas fontes históricas mais confiáveis: e Santi Vangeli.

.

A data exata do nascimento de Cristo Deus é completamente irrelevante: aquela criança nasceu verdadeiramente e é a Palavra de Deus feita Homem que morreu, ressuscitou dos mortos e ascendeu ao céu. Se sua vida e morte são certamente comprovadas pela história, a mesma prova certa obviamente não pode ser fornecida para o grande mistério de sua ressurreição e ascensão ao céu, o autor da Carta aos Hebreus explica-nos coerentemente: "A fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, ea prova das coisas que não se vêem" (EB 11, 1-3).

.

Para essas explicações, uma pessoa tão querida e rica em fé louvável me responde: «Acredito cegamente no que os próprios Santos receberam sobre o assunto do próprio Jesus e de Maria em pessoa, também confirmando que esta data de 25 Dezembro não foi apenas simbólico ". Respondi que se o assunto é complexo de alguma forma, é simples no que diz respeito ao discurso dos santos, de suas visões ou frases, que nos lembramos não fazem parte do depósito da fé e acima de tudo não obrigam o fiel a aderir à fé. Assim, para esclarecer melhor, Eu dei o exemplo dos estigmas. O estigmatizado tinha os estigmas impressos no centro da palma da mão, embora para Cristo os pregos não fossem cravados naquele lugar, mas nos pulsos. E nosso teólogo capuchinho Ivano Liguori em sua qualidade de franciscano teria muito a nos dizer sobre isso., pois foi o seráfico Padre Francisco de Assis o primeiro a receber este doloroso dom divino dos estigmas. Porque, portanto, nas palmas das mãos? simples, porque Deus é o pedagogo supremo e divino. Durante séculos, o crucifixo foi representado com pregos cravados nas palmas das mãos e Deus, doando os estigmas de seu filho para algumas almas escolhidas, ele manteve aquela imagem conhecida pelos fiéis.

.

… o Natal em que estamos arriscando 2020

Falando sério um com o outro, nosso teólogo dominicano Gabriele Giordano M. Scardocci apontou que existem estudos históricos, de valor hipotético-especulativo, porém realizado com rigor científico. A partir de alguns pergaminhos antigos, foi estudado, durante os anos sessenta, do que calculando a classe de Abia em que Zacarias, marido de Isabel e pai de João Batista, exercícios e oficia o culto, também pode ser assumido que Jesus Cristo nasceu nos últimos dez dias de dezembro. Mas, contrário ao artigo publicado em O New Compass Diário, onde as coisas são historicamente tidas como certas, esses estudiosos usam um formulário hipotético, afirmando que a partir desses dados poderia ser possível hipotetizar esta data de 25 Dezembro. Isso é muito mais honesto em um nível científico [Ver. O calendário de avaliação da seita do deserto da Judéia. Aspectos dos Manuscritos do Mar Morto, em Jerusalém escrita, vôo. IV, Jerusalém 1958, PP. 162-199].

.

Nesta jornada do Advento, Padres des A ilha de Patmos eles gostariam de poder alcançar o mistério de um Natal profundamente meditativo, neste momento histórico-social muito difícil, deixando para os outros todas as limitações que ao invés disso poderiam acarretar um nascimento político-polêmico. O problema é que, infelizmente - e não é a primeira vez - O New Compass Diário corre o risco de confundir o Santo Sepulcro de Cristo com o túmulo de Giulio Andreotti, este é o seu verdadeiro problema subjacente!

.

a Ilha de Patmos, 9 Dezembro 2020

.

.

APOIE A ILHA DE PATMOS COM A COMPRA DOS LIVROS DE NOSSAS EDIÇÕES, Quem

.

Como ajudar nosso trabalho:

«Você saberá a verdade, ea verdade vos libertará» [GV 8,32],
mas trazer, difundir e defender a verdade não só de
riscos, mas também os custos. Ajude-nos a apoiar esta ilha
com as suas ofertas através do sistema Paypal seguro:

.

ou você pode usar a conta bancária:

a pagar Edições A ilha de Patmos

estavam: TI 74R0503403259000000301118

SWIFT DO CODICE: BAPPIT21D21
neste caso, envie-nos um aviso de e-mail, porque o banco
Ele não fornece o seu e-mail e nós não poderíamos enviar-lhe um
ação de graças [ [email protected] ]

.

.

.

.

.

Acerca de Pai de Ariel

Ariel S. Levi di Gualdo Presbitero e Teologo ( Clique no nome para ler todos os seus artigos )

37 thoughts on "A insuportável leveza de ser. Um artigo cômico imperdível sobre “O New Compass Diário” sobre o nascimento de Jesus Cristo o 25 Dezembro

  1. O 'erro típico’ da 'apologética ruim’ é relatado no final do artigo de Don Ariel: isso é o que ele falou, nota…. Messori em um artigo de 2003. Este: http://www.vittoriomessori.it/…/a-25 realmente aconteceu…/

    1. Querido sebastiano,

      muito obrigado.
      Não conhecia este artigo antigo de Vittorio Messori, que é muito valioso e que, pelo que li, volta à fonte que citei no final.

      Muitas felicidades e melhores votos

  2. Até o dia de Natal é irrelevante para você, e então você até nega que Jesus nasceu em Belém em 25 dezembro, O que acha de ,vocês são filhos do relativismo e então questionam tudo. E assim, por meio de suas interpretações, você construiu um evangelho em escala humana: l'uomo ” moderno “.Será, mas eu nunca sinto falta dos tempos passados ​​como hoje, quando eu ouvi nas igrejas ,( perdido) um grande silêncio, cheiro de incenso e cheiro de velas, mas você realmente sentiu o sentido do sagrado, de uma fé e fervor que você poderia tocar.

    1. Dado que suas palavras não expressam fé, mas fideísmo emocional feito de velas e perfumes de incenso, Eu vôo e vou …

      Ou ela não leu meu artigo, ou se ele leu não entendeu, ou ela é uma lutadora a livre!

      Então leia meu artigo e você verá com que clareza eu explico que nossa fé está ligada à encarnação da Palavra de Deus, não na data em que ele nasceu, o que é completamente irrelevante.

      Nossa fé está fundamentada na encarnação da Palavra de Deus, sobre a morte dele, ressurreição e ascensão ao céu, não é baseado em “magica” data de 25 Dezembro.

      Dito: chamando um teólogo como eu de relativista, é como acusar a Santa Madre Teresa de Calcutá do crime de exploração da prostituição infantil.

      1. Caro Pai,

        Não sou especialista e não compreendi se a questão dos estigmas nos Santos é dita de forma irónica por ti ou se queres insinuar isso na realidade, se os estigmas fossem verdadeiros, deveriam ter aparecido nos pulsos.

        Na minha opinião a questão é muito interessante, especialmente para alguém tão pobre de fé quanto eu. Ao ler os comentários sobre este artigo engraçado e informativo, (quem sabe se os huskies eram brancos / cinza ou brancos / marrons) Eu li que eles a chamaram “relativista”… Eu quero ligar para isso apontando que sua declaração sobre os santos, de suas visões ou frases, você lembrou que estes não fazem parte do depósito da fé e acima de tudo não obrigam o fiel a aderir à fé, isso é verdade, mas me parece que a Igreja Católica Cristã deseja que os fiéis também levem em consideração a tradição católica e, portanto, também os fatos relativos aos Santos.. Portanto, minha ignorância me leva a perceber esta afirmação como semelhante ao pensamento protestante. Erro?

        Eu te saúdo com 2 Saudações: que de “Boas festas de natal” e para ver o mais rápido possível um “Em linha reta e reverso”.

        1. dear John,

          Eu te respondo na ordem:

          1. Não, meu exemplo sobre os estigmas não tem nada de irônico, imagine se eu zombasse dos estigmatizados que foram submetidos a uma tremenda dor física. Eu só quis dizer que Deus respeita, em sua pedagogia suntuosa e divina, iconografia popular, que durante séculos antes do Santo Padre Francisco receber, primeiro na história, os estigmas, eles representaram o crucifixo com pregos cravados nas palmas das mãos, enquanto os crucifixos eram pregados com pregos cravados nos pulsos. A mortalha sagrada, que quanto mais o tempo passa, mais ele dá novas provas de autenticidade, tem a figura impressa de um homem crucificado com pregos cravados em seus pulsos.

          2. Vou te dar como exemplo um dos diferentes eventos e aparições, com mensagens relacionadas, reconhecido pela Igreja, para explicar o que isso significa “reconhecimento” e o que isso implica: as aparições da Bem-aventurada Virgem Maria em Fátima. A Igreja reconheceu as aparições como autênticas, mais tarde ele também canonizou Giacinto e Lúcia, hoje santos venerados, e considerou as mensagens autênticas – também conhecido como “segredos” – dado pela Santíssima Virgem aos pastorinhos. Dito: aquelas aparições, autêntico e reconhecido, eles nada acrescentam e nada retiram do mistério do Apocalipse, nem de forma alguma perfeito. Portanto, embora, infelizmente, seja difícil colocá-lo na cabeça de certos fanáticos fideístas de catolicidade não especificada, minha fé e a de qualquer católico devoto, pode facilmente ignorar esse evento, que nada adiciona, Repito, para o depósito da fé. Portanto eu poderia ser – Eu falo por exemplo – completamente indiferente ao acontecimento de Fátima, o que não posso e não devo fazer é negar sua autenticidade, porque a Igreja o reconheceu como autêntico.
          Infelizmente, nós padres e teólogos, temos que lutar, infelizmente sem sucesso, com certas hordas de fiéis que gostariam de impor visões, frases e mensagens sobrenaturais recebidas de Santos e Santos, como se fossem uma espécie de quinto Evangelho. E quando você tenta explicar a eles o que canonizar um santo ou um santo, não significa transformar tudo o que ele disse em um dogma de fé, escrito ou percebido, é impossível ser ouvido, porque eles geralmente reagem mal e de uma forma completamente desconexa.
          E eu vou dizer: uma e outra vez a Igreja, embora tenha elevado certos homens e mulheres às honras dos altares como modelos de virtude heróica, ao mesmo tempo ele não reconheceu, ou ele marcou como não autêntico e não confiável certos escritos ou visões atribuídos a eles. E’ o caso, por exemplo, da Beata Catherine Emmerick, dos quais a Igreja não reconheceu a autenticidade dos chamados “profecias”. Infelizmente, os ignorantes que são extremamente orgulhosos de sua ignorância, ele responde que se a Igreja a beatificou, tudo que você teria dito deve ser autêntico. Este não é o caso. No caso deste Beato trazido como exemplo, a Igreja declarou que suas visões não podem ser consideradas autênticas porque foram manipuladas pela imaginação de seu editor e é impossível estabelecer o que Emmerick realmente relatou e o que é, em vez disso, atribuível à fantasia literária de Clemens Brentano.

          3. A última vez que fui ao ar em 8 de outubro, então fiz uma gravação externa duas semanas depois. Não sei quando poderei voltar aos estúdios de Milão porque com o covid-19, como você se viu, o número de convidados nos programas tem sido muito pequeno e eles tentam evitar que as pessoas tenham que viajar longas distâncias neste horário. Porém, terei a oportunidade de voltar em breve, eles já me convidaram.

          1. Pai, obrigado pela resposta longa e detalhada, Obrigado pelo tempo que ele me deu. Deus o recompense. Eu a vi na TV em 8 de outubro e também vi sua contribuição em vídeo na semana seguinte. Enquanto isso, pelo menos, envie as contribuições em vídeo para a equipe editorial, se possível. No assunto, ela foi muito clara. Mas eu gostaria de dizer que, Eu não tenho uma boa memória e agora não sou específico, mas quando no passado explorei a questão do método usado pelo qual a Igreja estabelece se uma aparição é verdadeira ou não, fiquei perplexo, desapontado, porque acreditava em um processo de análise mais articulado e aprofundado. Em vez disso, estarei errado sobre os estigmas, mas eu digo isso, Eu teria ficado mais feliz se São Francisco ou Padre Pio tivessem estigmas nos pulsos, porque na verdade é nos pulsos que os pregos de Jesus Cristo foram cravados (se eu penso nisso eu começo a chorar, scusi). Mas é quase certo que vejo assim, porque sou o último dos fiéis, eles são quase zero. Que Jesus Cristo seja louvado.

          2. No Sudário, vemos apenas um sinal do prego saindo do pulso.
            Isso não exclui que o prego possa ter sido cravado na parte inferior da palma e então, passando no espaço entre o capitão, o escafóide e o semilunar, sai do pulso: com esta inclinação para trás da unha, dado qualquer buraco já feito na madeira, a mão pode ser fixada na forca sem a necessidade de dobrar a ponta do prego.

          3. “…aquelas aparições, autêntico e reconhecido, eles nada acrescentam e nada retiram do mistério do Apocalipse, nem de forma alguma perfeito…”

            eu digo – perdoe-me – mas a virgem tem tempo a perder? Ele não sabe que é irrelevante? Porque aparece e reaparece? Talvez porque ela mesma era uma vidente?
            Hoje nos lembramos da aparição de Guadalupe a Juan Diego e do “fadiga” que a Virgem teve que fazer para quebrar a dureza do Bispo. O prodígio do tilma …as flores perfumadas fora da estação …..
            Não, a Virgem não perde tempo, mas atinge o coração das pessoas, ignorando o “sábio” e “insiders” , evangelizando assim os evangelizadores.
            Agora, recentemente, a Virgem de Medjugorje derramou sangue em Civitavecchia, nas mãos de um bispo tão racional, mas
            Ninguém parece se importar….
            E ainda, mesmo antes de Maria, o antigo pai Abraão era um vidente, Moisés era um vidente, os profetas eram videntes….Nós os lemos durante a missa definindo-os “Palavra de Deus”
            São Paulo não era um vidente? É uma teologia enxertada na cultura judaica anterior, mas,
            se ele não fosse um vidente, não teríamos o apóstolo e mártir que conhecemos.
            É verdade que não é prudente acreditar em toda tagarelice, principalmente em tempos como o nosso, mas receio que não seja prudente nem mesmo fechar a porta ao sobrenatural que bate enrijecendo nas certezas de todos os tempos.

          4. Eu sugiro que você mude o credo, na parte em que ele se professa:

            Eu acredito em um deus,
            Pai todo poderoso,
            Criador do céu e da terra,
            de todas as coisas visíveis e invisíveis.

            Eu acredito em um senhor, Jesus Cristo,
            Filho unigênito de Deus,
            Ele nascido do Pai antes de todas as idades:
            Deus de Deus, Luz da Luz,
            Deus verdadeiro de Deus verdadeiro,
            gerado, não criado,
            da mesma substância do Pai;
            através dele todas as coisas foram criadas.

            […]

            Eu acredito no espirito santo,
            quem é senhor e dá vida,
            e procede do Pai e do Filho.
            Com o Pai e o Filho ele é adorado e glorificado,
            e ele falou através dos profetas.

            […]

            Aqui, as partes em que nossa fé no Deus triúno é professada, ele poderia integrá-los como quiser:

            Eu acredito nas aparições da Virgem de Guadalupe, na aparição da Virgem Maria em Fátima, Eu acredito na dilaceração da Madonna de Civitavecchia, a Nossa Senhora de Medjugorje mas acima de tudo aos trêmulos segredos confiados a “videntes” da Gospa …
            Se quiser, você também pode adicionar o que quiser: a crença nas visões dos santos, em suas locuções interiores, em suas mensagens proféticas e assim por diante.

            A Igreja nunca fez isso, mas, nestes tempos de grande criatividade emocional, ela sempre pode fazer isso.
            E uma vez feito, pode recitar isso.
            Onde está o problema?
            Vou continuar a recitar o o Credo Niceno-Constantinopolitano (credo) onde todas essas coisas não estão lá, porque não constituem elementos do depósito da fé e porque nada acrescentam e nada retiram do depósito da fé. Mas isso não significa nada, basicamente hoje, Fé, é apenas uma questão de gostos e crenças pessoais, você não acha?

  3. Hoje, os eruditos ensinam que Jesus deveria ter nascido ao redor 6 A.C.. porque eles colocam a morte de Herodes em 4 a.C..
    Na web, lemos que a data da morte de Herodes para 4 A.C.. foi estabelecido com base no que Josephus relata sobre ele.
    Estudar com o mínimo de atenção o que Josefo escreve sobre a morte de Herodes, deriva pode ter morrido entre 3 A.C.. e l’8 d.C..
    Em “Antiguidades Judaicas” Livro XVII:167 lemos que, alguns meses antes de sua morte: “Erodir, portanto, depôs Mattia do pontificado supremo. Quanto ao outro Mattia, aquele que levantou a sedição, ele o queimou vivo junto com alguns de seus seguidores. E naquela mesma noite houve um eclipse lunar.”.
    Já que as datas dos eclipses lunares podem agora ser facilmente obtidas na internet, o eclipse lunar que atende totalmente às especificações descritas por Josephus é o de 29 1 de dezembro a.C.: Herodes deveria, portanto, ter morrido em uma data entre 15 eo 20 1 ° de março d.C..
    Jesus, na morte de Herodes, ele ainda não tinha completado um ano e meio para viver.

  4. Na igreja de San Miniato al Monte, ao pôr do sol do solstício de inverno, a luz do sol lânguido do solstício de inverno penetra por uma janela de vidro e ilumina a figura do Capricórnio zodiacal (renda magnífica mas original, porque o zodíaco se abre para Áries) que está localizado perto da entrada. Na ausência de um buraco gnomônico (como em outro lugar) a polarização da luz ocorre por meio de artifícios arquitetônicos. O canto superior da janela de entrada decapita parte da luz e outra parte é identicamente reduzida pela balaustrada que separa os celebrantes dos fiéis, criando assim uma verdadeira porta para o céu que se abre apenas por um momento.
    Este padrão é muito arcaico e remonta a uma tradição bem anterior ao Cristianismo, tanto que o dies a quo pode ser fixado na caverna rochosa muito arcaica de Pair non Pair, onde uma figura, significativamente chamado de Agnus dei, de Abbé Breuil mostra exatamente a mudança de significado do sol do solstício, este é um tema que dominará a arte rupestre arcaica na área franco-cantábrica e continuará no Neolítico.
    Este crack atemporal (que na verdade envolveu as estruturas do sagrado por milênios) conecta o Céu com a Terra e é o tema de uma mitologia universal (o mito dos simplórios) onde um "herói" ou, inversamente, um "avatar" ascende a um outro lugar celestial ou desce dele, colocando assim o círculo do céu em comunicação com o quadrado da terra. Talvez o testemunho arquitetônico cristão mais completo das portas celestiais seja oferecido pelo prodigioso templo de San Tomé em Almenno, na área de Bergamo, onde todas as portas celestiais são exatamente identificáveis: os quatro solares e os dois lunares (os dois lununistas que acontecem a cada 18, 62 anos) e mais. Não por acaso Adriano Gaspani, o arqueólogo que produziu os levantamentos astronômicos do local, ele atribuiu a autoria a trabalhadores irlandeses, provavelmente descendentes daqueles que construíram os montes locais de Newgrange e Lougcrew e outros.

    Seja indiferente a este simbolismo ancestral que permaneceu intacto ao longo dos próprios milênios de sábia arquitetura cristã (onde o tempo se torna espaço, diz Wagner ) e infelizmente é uma indicação de modernismo porque o símbolo temporal que torna o momento do nascimento único foi perdido (como aquele dos dois “animais” e “Palha”)

    Cristo foi definido como o solstício eterno por São Bernardo (Acredito) haverá uma razão para isso ?
    Ou não?

  5. Pai de Ariel,

    Concordo com você que existem textos / fatos / ações diante dos quais nenhum raciocínio é válido, mas a resposta mais sábia, mais pertinente e ainda mais cristã é a zombaria. No entanto, o texto com o qual você argumenta é muito sério e técnico, escrito por um especialista ou acadêmico. O texto está obviamente aberto a críticas, mas uma coisa é fazer isso enquanto permanece no mesmo nível de especialista, explicando o que no texto não é convincente ou pelo menos errado, outra coisa é tirar sarro dele, citando coisas que o texto não diz (garota de hanover, cães de trenó, etc.), para então dizer que a tese defendida é de fato conhecida pelos especialistas e por eles discutida (Aula de abia).

    Pai de Ariel, controlar melhor o seu espírito toscano-romano, porque artigos como este a degradam de teóloga a polemista, um Sgarbi em uma batina que não sente a necessidade.

    1. Caro Paulo,

      qualquer crítica educada é sempre relevante, porque sempre será precioso para aqueles que o recebem, agindo como um estímulo para aqueles exames de consciência saudáveis ​​que nos levam a lidar com nossas limitações e inadequações humanas, tanto de pensamento quanto de fala.

  6. Então, sobre o dia em que Jesus nasceu, os dias entre dezembro e janeiro são os dias em que os cordeiros nasceram (razão pela qual os pastores passaram a noite fora com seus rebanhos) que seria usado para a Páscoa: cordeiros nascem e o verdadeiro Cordeiro nasce.

  7. O artigo me parece agressivo em relação ao que foi escrito por La nuova bq. Na verdade, eles permaneceram (Pelo menos por enquanto) mais no ano de nascimento, do que no dia. Em qualquer caso, também é confirmado neste artigo que o último 10 Dias de dezembro podem ser uma data plausível. Então eu não entendo porque há tanta controvérsia… talvez seja apenas para tentar aumentar o público, como muitas vezes me parece.

  8. Certamente não é dogma 25 Dezembro, e muito menos a meia-noite é dogma, qual fuso horário então ? , mas vice-versa é certo que não cabe aos ducados do estilo lamorgês e prefeito de Bari, nem para os caminhantes pseudo-satíricos unilaterais Maurizio Crozza para nos dizer quando, se e como celebrar o Natal.

      1. E o papa? O papa que faz? Não caberia a ele advertir e repreender ninguém neste e em outros casos como este? O Papa não é o farol da Igreja? Bah…

        1. Ocasionalmente, pode acontecer que o farol precise de manutenção, que as luzes queimadas mudaram, as baterias da fonte de alimentação substituídas …

          1. Ele tem.. Ele tem.. Ele tem.. Bravo pai Ariel. Às vezes é melhor brincar sobre isso, pelo menos esperamos que eles decidam fazer desaparecer aquele obbrobio do presépio (se você pode chamá-lo assim) uma piazza S. Peter. Vamos Jesus Cristo da Ave Maria, um tulti.

          2. Com licença padre Ariel, Eu não entendi o fato da palha. O Evangelho de Lucas nos diz que o Menino foi enrolado em panos e colocado em uma manjedoura, não Valtorta.. linguagem simbólica e está tudo bem, no entanto, não acho que a igreja alguma vez tenha declarado que o nascimento de Jesus em Belém, como nos é dito, é um “conto de fadas” que se refere a outra coisa.. Não sei né, talvez eu esteja errado

  9. “Eu sugiro que você mude o credo…”

    Como se eu estivesse respondendo ao guarda de trânsito que se aproxima de mim: “Eu não te calculo porque você não é o prefeito!”
    No céu, todos têm seu papel e sua importância.
    A virgem vem até nós (quando realmente vier, esse é o problema) como um profeta, ela que é reconhecida pela Igreja como “rainha dos profetas” além do mais “rainha dos apóstolos”.
    Deus compartilha sua glória e seus poderes com as almas que ele ama e que o amam, cada um de acordo com suas habilidades e méritos.
    Seria triste se a Madonna “Servo do senhor” veio competir na glória com a Santíssima Trindade.
    “Examine tudo, São Paulo nos exorta hoje na missa, mas guarde apenas o que é bom”

  10. Em resposta ao comentário de Maria e depois do Padre Ariel a Maria. Eu digo que as palavras do Padre Ariel em resposta a Maria são afiadas, mas certas em minha opinião. Hoje a fé é verdadeiramente criada e sentida ao gosto e prazer de cada um, Isso acontece comigo também, no entanto, desta forma, você corre o risco de perder a bússola, rua. Não pode ser totalmente verdadeiro e válido ou, pelo contrário, não ou talvez, caso contrário, nosso Senhor Jesus também se tornaria relativo. À espera de uma intervenção divina cada vez mais necessária, desejo um Feliz e Santo Domingo a todos.

    1. “….até mesmo nosso Senhor Jesus se tornaria relativo.”

      Por que a atenção a Maria prestaria “relativo” nosso senhor jesus?
      No Catecismo da Igreja Católica, al n.975, leia a seguinte citação: “Acreditamos que a Santíssima Mãe de Deus, Nova Eva, Mãe da igreja, seu papel maternal para com os membros de Cristo continua no céu.” Portanto, Maria não deve ser relegada a 2000 anos atrás porque seu cuidado materno também é contemporâneo.
      Quando ocorre um evento como lacrimejamento de Civitavecchia, uma 2 Fevereiro, dia simbólico das pessoas consagradas, ou é um golpe para ser exposto, o c’ é a pata de Satanás e deve ser exorcizada, ou eu não sei…..devemos pelo menos dizer uma ave-maria para nos ajudar a entender, sem bater arrogantemente e irritar a porta na sua cara.

      1. Mas como você ousa separar meia frase de um discurso articulado e então imputar a mim o que nunca tocou minha mente à distância?
        Vergonha, se ele tem uma consciência cristã (o que eu duvido), desonesto e fanático!

  11. Espero ter entendido mal a seguinte frase: “Se sua vida e morte são certamente comprovadas pela história, a mesma prova certa obviamente não pode ser fornecida para o grande mistério de sua ressurreição e ascensão ao céu, o autor da Carta aos Hebreus explica-nos coerentemente: "A fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, ea prova das coisas que não se vêem" (EB 11, 1-3).”.

    Em substância, o senhor, Pai, estaria dizendo que a ressurreição e a ascensão são verdades de fé que não podem ser verificadas por meio de instrumentos históricos e científicos? E que, portanto, o que é o principal argumento na fundação da própria fé cristã torna-se um dogma de fé não testável? Se nos somarmos ao cálculo das verdades da fé, além da ressurreição, até mesmo os milagres realizados por Jesus, qual seria a prova da veracidade da fé cristã neste ponto?

    Ou ainda significa que os Evangelhos, sendo escritos literários “enviesado”, eles não têm autoridade para afirmar a historicidade objetiva dos eventos “ressurreição” e “Dia de Ascensão”? E, portanto, os fundamentos sobre os quais assenta toda demonstração de fé cristã são, pelo menos, duvidosos?

    1. Dearest,

      Afirmei o que afirmei com rigor teológico e, ao fazê-lo, assumi que não fui mal interpretado., um dos dois: ou eu me expliquei mal ou alguém entendeu mal. Certamente vai depender da primeira coisa, Eu não descarto.

      Eu uso outro exemplo para esclarecer o que pensei ter expressado com extrema clareza ao falar da ressurreição e ascensão ao céu como elementos fundadores de nossa fé que não são cientificamente demonstráveis ​​a ponto de transcenderem o ser humano e os próprios princípios da física..

      Acredito com fé certa e absoluta que quando eu celebro o Sacrifício Eucarístico da Santa Missa, o pão e o vinho tornam-se real e substancialmente o corpo e o sangue de Cristo., Isto, vivo e verdadeiro na alma, corpo e divindade.

      tudo isso, ele acredita que pode ser provado com um racionalismo científico rigoroso?
      Bem, Eu sou incapaz de fornecer tal prova, mas, se você conhece alguém que pode provar cientificamente que aquele pão e vinho são verdadeiramente o corpo e sangue de Cristo, nesse caso, deixe-me saber. Ele certamente também será capaz de provar cientificamente a ressurreição de Cristo e sua ascensão ao céu.

      1. Caro Pai, obrigado pela sua resposta mas permita-me insistir. O que eu contesto é o seguinte raciocínio circular que vislumbrei em sua frase:
        1) Quem me disse que a ressurreição (ou da mesma forma os milagres realizados por Jesus) realmente aconteceu? fé.
        2) Quem me diz que a fé cristã é verdadeira? Em primeiro lugar, as manifestações “empírico” da ressurreição e os milagres realizados por Jesus para provar sua divindade.

        Se a segunda afirmação for verdadeira (e, do meu conhecimento limitado de teologia, Eu entendo que é), o primeiro não pode ser. Por isso é necessário que a ressurreição (e outros milagres) tem uma base histórica demonstrável, obviamente dentro dos limites da ciência histórica, além disso, em relação aos fatos de 2000 anos atrás. No entanto, deve haver uma prova empírica razoavelmente credível, caso contrário, a fé permaneceria infundada.

        No caso de transubstanciação, o problema não se coloca. Esta é uma verdade de fé somente, não é necessário demonstrar a credibilidade da fé.

      2. É o que eu digo pai, A fé não pode ser racional, não seria chamado de fé se fosse assim, se fosse tentado, todas as pessoas seriam convertidas, pelo contrário, talvez o termo mais correto seja “Filiação”. Ou seja, se Deus aparecer em, bolsas, fala e faz trabalhos, tudo indiscutivelmente, então homens, todas as pessoas reconheceriam Jesus como o Criador. Seria bom demais, mas não é… portanto, aquelas pessoas que querem explicações claras, aqueles que desejam um Apoftegma, ou seja, uma resposta definitiva está fadada a ser decepcionante. Portanto, esta é a fé, acredite sem ter certeza. Obrigado Pai.

  12. De acordo com o professor Melis, milhares de Shardana estiveram presentes entre o povo de Israel,que no Egito eram frequentemente alistados como guardas pessoais do Faraó, de acordo com o famoso estudioso, eles eram a chamada tribo perdida de Dan, dos quais na Bíblia é dito que eles subiram em navios, em” realidade”o Shardana foi para sua terra natal, Sardenha, da qual, por pelo menos um milênio, eles dominaram o Mediterrâneo, provocando junto com os demais povos da Irmandade todos ‘ começo de 1200 AC com seus ataques a destruição dos micênicos( que eles também eram “Irmãos) Dell’ Império hitita e a ruína de ‘ Egito. Boa noite

  13. Professor Talmon Dell ‘ A Universidade Hebraica de Jerusalém compartilha a tese de 25 Dezembro. Quanto a Maria e Jesus, não sei se eram loiros, mas os Phelesets (e os amorreus) ancestrais dos povos cananeus eram indo-arianos e, portanto, de acordo com os estudiosos, também Abraão e sua família, mais precisamente eles eram mitanni, l ‘ aristocracia de’ império urrita (cujo povo, por outro lado, eram semitas). L ‘ O Egito estava sob o domínio dos hicsos, que eram parcialmente compostos de elementos indo-arianos, bem como de tribos semíticas, e que dominaram o país por cerca de 200 anos Segundo alguns estudiosos, a expulsão dos hicsos pelos faraós de Tebas constituiria o’ êxodo bíblico. De acordo com o famoso Professor Melis, entre as pessoas que seguiram Moisés c ‘ havia centenas de Shardana, que muitas vezes eram alistados como guardas de elite do Faraó, dizem que eles são a famosa tribo de Dan que, de acordo com a Bíblia, retornou em navios, na verdade, eles voltaram para o que era sua terra natal, Sardenha, de onde por cerca de um milênio eles governaram o Mediterrâneo na época, Eles estavam lá ‘ esqueleto, por assim dizer, dos famosos povos do mar que destruíram ao redor do 1200 l’ Império hitita, Os micênicos que também eram uma das tribos que constituíam a Irmandade e ali devastaram ‘ Egito. Mesmo agora é possível ver palestinos com olhos azuis. Portanto…..

  14. Pai Ariel Caro, como você sabe, existem poucas coisas em que eu discordo de você; e eu certamente não entro no campo teológico, em que eu sinto falta deles “Lebbasi”. No entanto, não entendo sua resposta à Signora Maria: fez a distinção necessária entre aparições marianas aprovadas e não aprovadas, se uma mariofania é aprovada pela Igreja, certamente é verdade e a Igreja a aprova através da obra do Espírito Santo; e se Nossa Senhora se deu ao trabalho de aparecer, isso também aconteceu por meio da obra do Espírito Santo. Então, eu não preciso de um novo credo; e eu considero a pergunta paradoxal da Sra. Maria muito válida: mas se ninguém escuta a Virgem, com que propósito o Espírito Santo age?

    Certamente as mariofanias não acrescentam nada ao Apocalipse, mas, evidentemente, eles querem nos alertar sobre questões importantes que, se fôssemos bons cristãos, seríamos capazes de compreender com base na Revelação e no Magistério.; mas para qual, como não somos bons cristãos, precisamos de uma ajudinha.

    Que muitas vezes esses mariofanies são interpretados de forma irracional, tanto que se São Tomás voltasse à terra ele espancaria muitos, mesmo entre os tradicionalistas, É verdade. Que em alguns há uma atitude errada e mórbida em considerá-los também. Mas existe a maneira certa de levá-los em consideração sem ignorá-los; há necessariamente, porque – Eu volto ao ponto anterior – o Espírito Santo nunca age no vácuo.

    1. Caro Fabrizio Giudici Padre Ariel tem um certo talento nas respostas e acho que está um pouco cansado, com certeza “aparicionismo”. Mas pelo que entendi por ele e acredito que para a maioria dos teólogos as aparições também podem ser reconhecidas, mas o que os videntes dizem que souberam de Nossa Senhora não é totalmente verdade., porque eles podem entender mal ou ser condicionados por suas crenças, expectativas pessoais. Isso há muito tempo tirou muitas esperanças em relação aos tempos que nos esperam, porque pelo menos antes “eu sabia” que a confusão e convulsão que estão sendo vividas na Igreja e em todo o mundo em algum tempo acabaria como “esperado ” das aparições de La Salette (reconhecido), da própria Fátima considerando que passou eu 100 anos dos quais mais de um vidente falou ou teria falado, teria havido a vitória de Maria porque “Deus tinha outros planos”. Se bem entendi, segundo o padre Ariel, corremos o risco de esperar em vão…… Boa noite

    2. Caro Fabrizio,

      antes de mais nada é um prazer ouvi-lo e ter a oportunidade de cumprimentá-lo.

      O tema é muito delicado do ponto de vista teológico, porque toca o depósito da fé e ao mesmo tempo os pronunciamentos da Igreja que, no entanto, têm diferentes graus que muitos não conseguem compreender, talvez porque “Novembro” nós não explicamos tudo o suficiente, ocupado, pois estamos falando apenas sobre “migrantes” de “arredores de existência” ao invés de instruir o Povo de Deus na sã doutrina.

      O problema não é que a Igreja se tenha pronunciado sobre as aparições ou mensagens marianas dadas aos videntes, mas como e com qual “grau” a Igreja se pronuncia. Porque o pronunciamento é dividido em graus muito específicos. exemplo: a Igreja pode se pronunciar para definir um dogma (pronunciamento definitional ou pronunciamento de primeiro grau que implica o exercício do mais alto magistério infalível), pode decidir definir uma nova disciplina eclesiástica (pronunciamento final, que não é um pronunciamento infalível de primeiro grau que define um dogma, mas que, no entanto, implica o exercício “segundo grau” de infalibilidade ao propor infalivelmente um ensino ou uma doutrina). Depois, existem várias outras formas de pronunciamento que não envolvem o exercício do magistério infalível, através do qual podem ser dadas diretrizes pastorais e disciplinares que são modificáveis, revogável, cancelável.

      Deixe-me dar um exemplo: às minhas críticas teológicas do Caminho Neocatecumenal (veja Quem), certos grupos de neocatecumenais muito ignorantes têm insistido em responder com o mantra obsessivo-compulsivo: "A Igreja aprovou-o … nos aprovou! Quem está contra nós é contra a Igreja e contra o Sumo Pontífice que nos aprovou … nos aprovou!». É inútil explicar a certas pessoas fechadas e monótonas que, um ato puramente administrativo que reconhece um movimento leigo, não é um dogma definido no depósito eterno e imutável da fé que liga o solene “Acredito” os fiéis, mas um ato administrativo que um pontífice poderia revogar no local a qualquer momento.

      Infelizmente, quando isso não está claro, os fiéis podem cair na confusão e conferir o grau de dogma a qualquer tipo de pronunciamento ou ato do magistério da Igreja, a ponto de colocar no mesmo nível o mistério da ressurreição de Cristo Deus e as aparições e mensagens dadas aos videntes por Nossa Senhora de La Salette.

      A Igreja reconheceu várias aparições marianas como autênticas e reconheceu as mensagens da Santíssima Virgem relatadas por vários videntes como confiáveis ​​e credíveis, mas este tipo de reconhecimento não implica uma adesão de fé por parte dos católicos, isso poderia ser – Digo por exemplo – completamente indiferente às aparições ocorridas em Fátima e reconhecidas como autênticas, sem comprometer de forma alguma a solidez de sua fé. Isso ocorre porque, certas aparições ou revelações, eles não acrescentam nada e não retiram nada do depósito da fé.
      O que nenhum católico devoto pode fazer, é para declarar falsas aparições ou mensagens reconhecidas como autênticas pela Igreja.

      O mesmo é verdade para os Santos, a quem devemos veneração, mas que não somos obrigados a venerar. Eu direi a ela, existem alguns santos e santos que me deixam completamente indiferente, Eu acho alguns de seus escritos até banais e chatos. Eu posso tentar isso, dentro dos limites do respeito cristão. O que eu nunca poderia dizer é que, já que aquele santo não inspira simpatia em mim, portanto não é sagrado. Este não, porque a Igreja o reconheceu como tal, mas reconhecendo-o como tal, não me obriga a venerá-lo, se alguma coisa, ele me pede para respeitá-lo como tal, certamente ele não me obriga a orar a ele e pedir sua intercessão.

      Infelizmente, com o advento da internet e mídias sociaisuma, é tudo um enxame de sites e blogs que espalham aparências, mensagens proféticas, revelações, segredos revelados, mas não totalmente divulgados. Aqui estão os gurus pseudo-católicos da Internet que revelam o verdadeiro segredo de Fátima mantido escondido pela Igreja e assim por diante … e como outro leitor disse que respondeu, Admito que tudo isso me causa urticária como presbítero e como teólogo.

      A bem-aventurada virgem maria, A Imaculada Conceição, o Mater Dei, tem um papel preciso na história da salvação ou na chamada economia da salvação.
      E’ ela primeiro, que não deseja ser colocado em um papel diferente daquele que lhe foi atribuído pela Divina Majestade.

      1. Pai de Ariel, o prazer de ouvir de você em uma resposta direta é todo meu. Aproveito para estender meus votos de um Feliz Natal (também para o resto da ilha).
        Eu concordo totalmente com o que ele respondeu. Mas meu ponto era outro: visto que certamente nem * todos * os fiéis devem se sentir obrigados a ouvir as mensagens de Maria, no entanto, eu acharia paradoxal que * ninguém * os ouvisse. Alguém deve ser direcionado, caso contrário, o Espírito Santo faria um movimento inútil. Então o que, enquanto não adicionando nada ao Apocalipse, deve haver algum conteúdo…

        Maria, a questão dos cem anos é um excelente exemplo: nas revelações aprovadas deve-se conhecer o texto aprovado e distingui-lo de suas interpretações. O período de tempo entre o 1917 e 2017 não é explícito nas palavras da Virgem, mas foi assim inferido por um terceiro. Claro que há “aparicionismo”, tanto nessas interpretações indevidas nos episódios aprovados, e na miríade de episódios não confirmados que, no entanto, são considerados por muitos como iguais ao primeiro. Mas combater o aparicionismo é uma coisa, subestimar as aparições de outro.

        Como sempre, a intervenção magistral da Igreja é necessária para evitar que os fiéis difundam ideias estranhas. Digamos que nisso as hierarquias não têm sido impecáveis: primeiro, muita ênfase foi colocada em Fátima em relação ao ataque ao JPII (o próprio papa foi uma parte ativa dessa ênfase); então, fomos informados de que o Terceiro Segredo foi exaurido naquele episódio; então Ratzinger / BXVI disse mais…

Os comentários estão fechados