As cartas de Berlicche e o elogio à loucura pela eutanásia, catolicidade e “crentes leigos”

- Notícias da igreja -

AS CARTAS DE BERLICCHE E A EULOGIA DA LOUCURA SOBRE EUTANÁSIA, CATOLICIDADE E "CRENTES LEIGOS"

.

Um ateu também pode se sentir certo e certo eutanásia e expressar os motivos em qualquer local. Eu não contesto a liberdade de pensamento e expressão, sacrossanto e garantido para todos. Mas quão bem essas idéias podem ser consideradas firmemente baseadas nas raízes cristãs e no Iluminismo ou na modernidade?

.

Autor:
Gabriele Giordano M. Scardocci, o.p.

.

.

PDF entrevista formato de imprensa
 

.

.

.

Michel Pacher [1435-1498]. Mônaco da Baviera, Old Pinakothek, do mosteiro de Novacella: «Agostino, o diabo e o livro dos vícios " (1480)

neste período de incerteza e di confusione sociale dovuti alla pandemia da covid19, parece estranho e impróprio propor um referendo sobre a eutanásia, quase como se fosse um assunto a ser resolvido rapidamente, como a pandemia.

.

Eu não quero entrar nisso em longas discussões legais, do qual eu não sou um especialista, Eu só quero me tornar um observador cuidadoso da realidade circundante. Eu nem gosto de acabar em polêmica, como já explicado no passado em nosso livro dedicado a super panelas de teólogos cibernéticos, no entanto, sinto que devo dizer algo sobre os efeitos que a coleta de assinaturas para o referendo está tendo sobre os fiéis católicos. Sobretudo depois de ter suportado as travessuras de um padre que "como padre" disse "sim à eutanásia" e a quem O padre Ivano Liguori dedicou palavras precisas e severas.

.

Obviamente estamos conversando - novamente no assunto de supercazzole de supercazzolari - da equipe de católicos adultos que, com base em pesquisa aguda e aprofundada sobre Wikipedia que confirmam suas teorias bizarras, eles concordam em assinar facilmente para o referendo. Então, se alguma coisa, eles vão para a missa sem pestanejar, para receber a comunhão, convencido de que eles fizeram o seu melhor; convencido de que religião é uma coisa e política uma coisa (!?).

.

Folheando dias atrás O Corriere della Sera, entre as cartas enviadas para Aldo Grasso Me deparei com a categoria indefinida de "crente leigo", na verdade, ele se autodenominou um leitor. Não vou julgar a pessoa que escreveu a carta, do qual não tenho conhecimento e desejo de expressar meus julgamentos. Repita: Eu não sei, além do nome que terei prazer em omitir, e eu nem sei o nível de escolaridade dele. Na verdade, embora, a partir do conteúdo dos tópicos oferecidos, Parece que notei que nas entrelinhas há uma confusão evidente no conteúdo: confusão talvez um pouco’ procurado e um pouco’ espontâneo.

.

Neste texto, parece reler um argumento que lembra a escrita interlocutória do personagem Berlicche, no mais conhecido Cartas de Berlicche claro. S. Lewis. Neste livro, o diabinho Berlicche, enquanto se aposentava, ensina o mais jovem Malacoda, que irá substituí-lo, para insinuar dúvidas inexistentes, mas aparentemente bem fundadas e, assim, levar o homem ao pecado. O modo argumentativo parece muito semelhante a mim. O autor dessa carta não é comparável ao diabo, mas sua escrita e argumentação lembram a ideia descrita por Lewis.

.

O motivo principal pelo qual gostaria de me concentrar reside no fato de que parece conter um pequeno resumo do que o convencional cultural é considerado verdades sagradas sobre a eutanásia. Acima de tudo, é um resumo do que o convencional ele acredita estar inquestionavelmente ciente da relação entre a moralidade católica e a eutanásia. Escreve o autor: «[...] como um crente leigo, eu pergunto aos crentes intransigentes ". A carta começa com as palavras "crente leigo", o que não esclarece nada do conhecimento do escritor sobre fé e moral. Mesmo assumindo que por leigo queremos dizer grego Laos (pessoas), percebe-se imediatamente e intuitivamente que o escritor não foi ordenado bosomes, nem é filho de algum instituto religioso e posteriormente ordenado sacerdote. Portanto, logicamente, é evidente que o autor não é um presbítero. Batizado ou não, o escritor, portanto, se apresenta como um não sacerdote que diz acreditar em algo. Posteriormente, parece ler um de seus contrastando com os chamados "crentes intransigentes". Portanto, se houver conflito, significa que o Autor acredita que é mais compreensivo, razoável e aberto em comparação com a linha dura de "mente fechada". Que tipo de crentes eles serão, se ele se define como um crente leigo e por contraste, intransigente? A partir daqui, não parece ser capaz de dar uma resposta certa, embora no momento não tenhamos tido quaisquer esclarecimentos sobre o conteúdo das crenças do autor. Continuando a leitura, no entanto, temos alguns esclarecimentos: «[...] é permitido ao homem estender a vida por meses / anos delegando todas as funções vitais a uma máquina?».

.

A primeira pergunta mostra uma imagem das ideias que o autor oferece com uma série de perguntas sugestivas. Aqui, a técnica da pergunta retórica é usada: isto é, dentro de questões que são feitas como questões conscienciosas e escrupulosas, sugere respostas que parecem evidentes por si mesmas e que podem ser deduzidas das mesmas perguntas. Portanto, admitidos e não admitidos que são, o autor começa com um tópico de natureza médico-científica (funções vitais / máquina). O argumento expresso, no entanto, parece um pouco’ estou errado. O que significa prolongar a vida e ficar preso a um carro? Teríamos esperado pelo menos uma série de explicações com exemplos concretos e argumentos científicos com os quais se mostra que as terapias existentes nada teriam feito a não ser delegar todas as funções vitais a uma máquina.. Tudo isso está ausente.

.

Requer um pouco de esforço’ para entender, Considerando que existe de fato uma condição objetiva em que uma pessoa pode delegar todas as funções vitais a uma máquina que, sem qualquer intervenção médica, enfermeiras e operadores, pode por si só cuidar de suas funções vitais completamente. A maquinaria indefinida, pode talvez substituir completamente o batimento cardíaco, a troca pulmonar de oxigênio e dióxido de carbono e também a produção de secreções dos órgãos internos? A pessoa que precisa desta máquina, mais razoavelmente, precisará de uma tecnologia auxiliar, mas nunca de uma substituição completa. Na verdade, como é conhecido pelo conceito da própria máquina, nunca pode e de forma alguma substituir completamente a integridade das funções de um homem, isso só pode ajudá-lo a viver uma vida difícil, mas ainda satisfatória, até o seu cumprimento natural. Esta pessoa, mesmo que ateu, pode melhorar os momentos de sofrimento, de dor e vício como momentos em que expressa toda a sua singularidade e beleza, onde a tecnologia auxiliar pode fazê-lo descobrir talentos ocultos e habilidades de resiliência que nem ele sabia que possuía.

.

Deve permanecer bastante perplexo confrontado com a questão colocada, quase como se a eutanásia fosse a única e autêntica solução para um estilo de vida em que se pede o apoio de outra pessoa ou de uma tecnologia. Mas se for assim, também a pessoa que vive com pernas ou braços protéticos, potrebbe ritenere di vivere una vita indegna e chiedere di staccare la macchina e farsi uccidere. Um ponto quel, qualquer interpretação subjetiva de "uma vida que vale a pena ser vivida" teria rédea solta e deveria ser levada a sério, mesmo sem discuti-la, substituindo o valor da pessoa entendida como sujeito moral e legal.

.

Até agora não citei nenhum texto da tradição confessional católica. Pense apenas na ética aristotélica das virtudes, por meio do qual o homem experimenta harmonia nos meios virtuosos corretos que o ajudam a viver os momentos trágicos da vida sem cair no desespero; mas também indo para filósofos próximos ao Iluminismo, em relação à centralidade da pessoa, penso na lição kantiana do segundo imperativo categórico, inserido dentro do Fundação da Metafísica dos Trajes:

.

«Aja de forma a tratar a humanidade, tanto em sua própria pessoa quanto na pessoa do outro, sempre também como um fim e nunca simplesmente como um meio. " (Eu. Kant, Fondazione della metafisica dei costumi, BA 67-68)

.

Portanto, mantenha uma pessoa viva significa reconhecer sua centralidade, singularidade e propósito: cada pessoa é um centro propulsor de ideias, valores mobiliários, criatividade, ações que devem ser acompanhadas em qualquer momento da vida e não mortas por um ato arbitrário e ideológico.

.

Indo além, a estrutura dos argumentos torna-se complicada:

.

“Não devemos considerar a criação de uma vida artificial como um 'pecado mortal', contrário à vontade de Deus que havia estabelecido o tempo para a morte natural? Desligar o "espinho" não irá, por outro lado, colocar o destino de uma de suas criaturas de volta nas mãos de Deus? Os dois ladrões crucificados no Gólgota tiveram suas pernas quebradas para apressar sua morte, como o início da Páscoa é iminente. Para o cristo crucificado, de acordo com as profecias, eles não foram quebrados porque seu Pai o reuniu em espírito antes desta tortura extrema. Teria sido eutanásia "?

.

O autor da carta imediatamente si sposta da una analisi più o meno medico scientifica a una più o meno teologica, morando nos termos do pecado, vita, vontade de Deus, predestinação. E, em duas linhas, pretende propor a sua própria síntese esquemática do mistério cristológico da Cruz e da Redenção. Escusado será dizer que: os dois andares, o médico científico e o teológico, eles são assimilados e colocados de uma forma bastante confusa. Suspeito que o escritor anônimo não tenha noção dos termos bíblicos e da missão trinitária. Na verdade, ele está convencido de que possui argumentos invencíveis para apoiar sua tese, que, Se não estou enganado, parece-me agora que posso dizer eutanásia na natureza. Dito, é claro que a resposta é não a todas as perguntas feitas. Mas para responder, Novembro “credenti intransigenti― che siamo così dementi da credere alla Tradizione, à Escritura e ao Magistério da Igreja Católica - devemos basear-nos precisamente no conteúdo do depósito da fé que nos constitui precisamente como "crentes intransigentes", de acordo com o significado do autor. Então a resposta é não, porque dar saúde a uma pessoa que está sofrendo não é criar vida artificial. O homem, de fato, não pode criar nada, mas apenas construir, manipular, retrabalhando um assunto existente. Em Gênesis e no segundo Livro dos Macabeus [cf.. 2 Mac 7, 28] tudo isso é claro, mesmo a uma simples análise textual: Deus cria do nada (em hebraico ), homem constrói, produzir. Além disso, Deus não prevê primeiro o que acontecerá a seguir, ou seja, definitivamente a data precisa em que um homem vai morrer. Para Deus, de acordo com a teologia católica, ele vive em um estado de presente eterno simultâneo. Ele vive em um estado atemporal em que não há nem antes nem depois. Portanto, ele não pode prefixar algo antes ou depois dele.

.

Desconectar é o ato de matar uma pessoa injustamente Precisando de suporte e terapia; Eu não entendo como isso pode ser chamado de um ato típico do plano de Deus. Na lógica do Autor anônimo, Jesus, per rimanere nel piano di Dio avrebbe dovuto uccidere il paralitico che i quattro amici calarono dal tetto sul suo lettuccio [cf.. MC 2, 1-12], os cegos de Jericó que lhe pediram para ouvi-lo [cf.. MT 20, 29-34], ou mesmo assassinar o servo do centurião, sofferente e paralizzato sul letto. quem sabe, forse gli Evangelisti non hanno veramente capito cosa intendesse Gesù. Mas nosso autor anônimo entendeu melhor, cerca de dois mil anos depois, doando "pérolas de fé" não intransigente na página dos leitores O Corriere della Sera.

.

Eu acho que é claro que desligue é desobedecer ao plano criativo de Deus, que dá ao homem vida e liberdade. Só ele pode chamar esses dons para si mesmo, perché ne è il Donante originario. Cabe a nós, homens, apenas guardar esses dons de Deus. Também deve ser notado que os dois ladrões estão com as pernas quebradas e Jesus Cristo não está, porque de acordo com a interpretação de nosso autor ele deveria ter sido poupado da tortura da cruz. Para o cristo crucificado, de acordo com as profecias, eles não foram quebrados porque seu Pai o reuniu em espírito antes desta tortura extrema. E isso teria sido eutanásia?

.

Tive dificuldade em não sorrir face a esta evidente falácia de cunho teológico: de fato, o Pai envia seu Filho justamente para dar sua vida na cruz. Este é o objetivo final da missão trinitária da Encarnação. O Filho é enviado para gerar um efeito de graça e redenção em toda a humanidade, através da tortura e morte da cruz. Que os soldados romanos não quebrem suas pernas, é absolutamente acidental em comparação com os terríveis sofrimentos já recebidos e com a morte de Jesus que era de fato iminente. O Pai não protege o Filho de nenhuma dor, na verdade, o próprio Jesus está ciente disso, da chegada de seu momento dramático, quando ele decide amar até o fim [cf.. GV, 13-1].

.

O argumento nem funciona de um ponto de vista lógico: se uma pessoa está na cruz e é chamada a si em espírito, vuol dire che sta già soffrendo e semplicemente com’è normale a un tratto muore. Na verdade, a cruz foi um terrível castigo infligido na antiguidade precisamente porque gerou um sofrimento atroz e um estigma identificador no condenado.. Ser crucificado significava ter anteriormente sofrido um grande número de bofetadas, surras, chicotadas, cuspir e insultos pessoais, dopo aver camminato per un lungo viaggio trascinando sulle spalle una croce di legno pesante su un corpo già ampiamente piagato da mille dolori. Em seguida, encerrou a jornada a ponto de levantar a cruz, il condannato veniva inchiodato mani e piedi con lunghi spuntoni battuti con grossi martelli direttamente nella carne. Eventualmente içado alto, exposto a intempéries e agentes atmosféricos, até a morte, que dado o conjunto de violência sofrida era iminente.

.

Na lógica do Autor anônimo tudo isso não seria considerado uma tortura, Eu acredito e suponho, mas como uma espécie de cruzeiro em um luxuoso navio da Costa, com muita coquetel e hora feliz. É evidente que falar em tirar a tortura de Cristo que sofre na Paixão exclusivamente porque o Pai não permite que os soldados quebrem suas pernas., mostra que a história é desconhecida, nem as instituições sancionadoras do direito romano da época e muito menos as noções básicas de fé e teologia católica. Por que então nos lançamos em uma análise tão curiosa e imaginativa da Paixão de Cristo? Para o caro leitor "crente leigo", talvez o aborreça saber que está errado sobre suas convicções cristológicas, baseado em argumentos da fé católica? Portanto, não teria sido mais prudente para ele não se expressar sobre temas que não conhece em profundidade.?

.

Talvez a parte mais cômica dessa troca epistolare la riserva la stessa resposta por Aldo Grasso, que ao responder ao escritor, ele testemunhou que o próprio Umberto Veronesi - um conhecido defensor da eutanásia - teve múltiplos depoimentos de enfermos, nenhum dos quais "nos muitos anos passados ​​ao lado do leito de pacientes terminais, ele explicou, ninguém nunca tinha pedido a ele para morrer. Todo mundo sempre pediu a ele para curar; mesmo contra todas as evidências, mesmo quando claramente não era mais possível ". Que tal: honrar o princípio da não contradição!

.

Tutta questa lunga disamina su una lettera pubblica, legível por todos e analisado em um jornal nacional, é, portanto, destinado a mostrar a incrível mentalidade que está subjacente à cultura da morte, assim definido pelo Santo Pontífice João Paulo II. Uma mentalidade que tem seus próprios dogmas e crenças, pronto para inventar e modificar ex novo também conceitos, idéias e noções objetivas no contexto bíblico, teológica, médico, jurídico, ético, moral para ser considerado absolutamente inexpugnável.

.

mente-lhe: un ateo può anche ritenere giusta e doverosa eutanásia e expressar os motivos em qualquer local. Eu não contesto a liberdade de pensamento e expressão, sacrossanto e garantido para todos. Mas quão bem essas idéias podem ser consideradas firmemente baseadas nas raízes cristãs e no Iluminismo ou na modernidade? Em vez disso, esses argumentos bizarros são apenas o resultado de uma reinterpretação ideológica total que mina a própria liberdade de pensamento e expressão em que se presume se basear. De fato, una mentalità eutanasica tenderà a inculcare in modo ideologico e propagandistico le sue idee, propondo aqueles que o contradizem como "fanáticos, intransigente, medieval, confessional "sem deixar a liberdade de construir um espaço crítico na consciência do homem. Que é um santuário intangível e a fonte original de qualquer liberdade.

.

Concluo saudando com afeto o Autor desconhecido esclarecendo que não estou com raiva dele, mas admitir publicamente que certos tópicos me fizeram sorrir, bem onde haveria lágrimas de sangue para chorar.

.

Roma, 20 Setembro 2021

.

.

AVISO

Caros leitores,

tivemos que "definir regras" para comentar os artigos, uma regra muito simples: apenas se inscreva. Como de fato explicamos no link a que nos referimos, tendo em média mais de dois milhões de visitas por mês A ilha de Patmos está propenso a receber centenas de mensagens de spam geradas por robôs. Para se inscrever, basta fazer login Quem e siga as instruções que detalhamos para os menos experientes.

.

 

.

.

.

Blog pessoal

pai Gabriele

.

.

Notícias do Roman Província Dominicana: visite o site oficial dos dominicanos, Quem

.

.

«Você saberá a verdade, ea verdade vos libertará» [GV 8,32],
mas trazer, difundir e defender a verdade não só de
riscos, mas também os custos. Ajude-nos a apoiar esta ilha
com as suas ofertas através do sistema Paypal seguro:









ou você pode usar a conta bancária:

a pagar a Editions A ilha de Patmos

IBAN TI 74R0503403259000000301118
neste caso, envie-nos um aviso de e-mail, porque o banco
Ele não fornece o seu e-mail e nós não poderíamos enviar-lhe um
ação de graças [ isoladipatmos@gmail.com ]

..

.

.

Acerca de pai Gabriele

Gabriele Giordano M. Scardocci Dell'Ordine dei Frati Predicatori Presbitero e Teologo ( Clique no nome para ler todos os seus artigos )

4 thoughts on "As cartas de Berlicche e o elogio à loucura pela eutanásia, catolicidade e “crentes leigos”

  1. Gent.mo Padre Domenicano,

    sono un chirurgo (amico del nostro comune amico Padre Ariel che conosco da anni), non ho il dono della fede, por enquanto, non escludo niente, mas.
    Parlo dall’interno dell’ambito clinico, temo totalmente ignorato, nel corso di questa campagna pro eutanasia, promossa dai soliti noti e basata di rigore sui «casi limite» o sui «casi rarissimi», per parafrasare Padre Ariel a proposito del suo precedente articolo sul tema dell’eutanasia.

    Pessoalmente, che come ho detto non ho il dono della fede, mai parteciperei in modo diretto e neppure indiretto alsuicidio assistitodi una persona. Mio compito è salvare le vite, non dare la morte.

    Coloro che stanno portando avanti queste campagne sanno, o forse fingono di non sapere, che i medici favorevoli all’eutanasia rischiano domani di contarli sulle punta delle dita di due mani scarse? Ma non perché «cattolici intransigenti», anzi semmai affatto credenti, ma rispettosi della vita e del Giuramento di Ippocrate.
    O si vuole ignorare che buona parte degli obbiettori di coscienza per quanto riguarda l’aborto non sono «medici cattolici intransigenti» ma solo medici che hanno un certo concetto della vita umana?

    Seguiterò sempre a leggervi e … quem sabe! Se un giorno cadrò sulla via di Damasco mi rialzerete voi.

    bom trabalho!

    M.P.
    Roma

  2. Caro Pai,

    la suggestiva promessa eutanasica è quella di una morte gestibile nella misura in cui è consensualmente procurata. Se il momento della morte diventa una funzione della mia volontà la morte sembra perdere il suo carattere annichilente e l’io sembra poter trionfare sulla propria mortalità.
    Quella eutanasica è la stessa promessa fatta da Cristo, ma con ben altre condizioni: «Se uno osserva le mie parole non vedrà mai la morte» (GV. 8, 51).
    L’eutanasia promette alla persona di non vedere mai la morte.

    Antonio Caragliu
    jurista

  3. Gentile Padre Gabriele Giordano M. Scardocci,

    Sono anni che leggo L’Isola di Patmos, pur non avendo inviato mai messaggi e commenti. Oggi mi sento tirata per i capelli a farlo.

    2002, meu filho, 16 anos, rientrando a casa alle 19, d’inverno, è investito sullo scooter da un 24enne strafumato di hashish. Trauma cranico grave e altri danni che non sto a dettagliare. Giunge in ospedale privo di conoscenza e, già nel pronto soccorso d’urgenza, è dichiarato lo stato di coma.

    Não me deterei, le dico solo che mio figlio è stato in coma profondo per 13 mesi e mezzo. L’investitore se l’è cavata con meno, per sei mesi dovette frequentare un centro di recupero psicologico, per sei ore al giorno. Mas não importa …

    Ciò che voglio dirle è che nei lunghi mesi di questa esperienza non ho mai conosciuto nessun luminare, nessun medico e nessun paramedico che abbia ipotizzato, mas eu digo … anche solo alluso astaccare la spina”. Solo alcune conoscenti allusero al distacco della spina, e erano tutte donne coi santini dei padripii dentro la borsetta e sempre aggiornate sui messaggi della madonna di Medjugorje. I medici e paramedici non credenti no, mai alluso a che … de, em certos casos, staccare la spina

    Risvegliandosi dal coma, mio figlio avrebbe dovuto riportare danni permanenti gravissimi o almeno gravi. depois 10 giorni camminava con le stampelle e dopo 14 sem, nessun danno al cervello.
    I due luminari che lo hanno seguito non sono credenti e dopo il risveglio dissero che non potevano parlare come me di miracolo ma potevano dire che delle risorse del cervello umano la scienza è lontana dal conoscere tutto e che quello che non è spiegabile oggi può esserlo domani.

    Dico per esempio. Se la legge consentisse di staccare le cosiddette macchine, e se (non sarebbe mai accaduto) io lo avessi chiesto e fatto? Non avrei forse tolta la vita a mio figlio? Sono contro l’accadimento terapeutico ma sono anche contro a togliere la vita a una persona che, pure in stato di coma, vive sempre.

    Oggi mio figlio è sposato e ha un bambino e una bambina, al maschietto è stato dato il nome di mio marito morto per un tumore nel 1998.
    Scusi la durezza Padre, ma quando leggo le dichiarazioni di Marco Cappato e quando lo sento parlare (a dire il vero cambio subito canale) mi sembra di sentir parlare il demonio, e se sbaglio e se manco di carità cristiana la prego di correggermi.

    Pregherò per voi e per la vostra missione di sacerdoti

    Francesca Romana (Roma)

    1. Cara Signora Francesca romana,

      eles são, quelle come le sue, testimonianze che toccano davvero il cuore e che donano tanta gioia anche a me che ho scritto l’articolo.

      Spesso si dice finché c’è vita c’è speranza, io direi che finché c’è la speranza teologale ogni vita è speranza ed esperienza di grazia.

      Questa sua storia lo conferma.

Os comentários estão fechados