Os supercazzolari teólogos da internet atacam no Natal: “Vacinas produzidas com fetos abortados. A Igreja abre caminho para o reconhecimento do aborto ”

- Notícias da igreja -

TEOLOGIAS DA INTERNET SUPERCZZULAR NO ATAQUE NO NATAL: «VACINAS PRODUZIDAS COM FETOS ABORTADOS. A IGREJA ABRE CAMINHO PARA O RECONHECIMENTO DO ABORTO "

Se ele Teólogo da internet formado em teologia moral e bioética pela universidade paleoastronáutica havia lido o documento emitido pela Congregação para a Doutrina da Fé, em vez de prosseguir com a semeadura oportuna do supercazzole, ele teria notado que a Igreja não expressa nem concede isso de forma alguma, pelo contrário, ele declara o contrário e o explica com uma clareza que não está sujeita a qualquer mal-entendido.

.

Autor:
Gabriele Giordano M. Scardocci, o.p.

.

.

PDF artigo formato de impressão

 

.

.

.

O último livro dos Padres da Ilha de Patmos, veja Quem (na cobertura: A guilhotina das redes sociais, obra da pintora romana Anna Boschini - Vitarte Studio)

O documento da Congregação para a Doutrina da Fé recém-lançado sobre a legalidade do uso de algumas vacinas anticovid-19 gerou um acalorado debate sobre mídia social, onde junto com as perguntas certas, perguntas, vontade de entender o texto, considerações completamente impertinentes também foram misturadas com o assunto.

.

As intervenções dos teólogos do bar podem estar faltando, graduados da universidade paleoastronáutica, que governou com inefável supercazzolismo que assim se abriria para a legalidade do aborto em si? Eles não podiam espalhar nada mais falso, mas eles fizeram. E nestes dias nós, Padres de A ilha de Patmos temos sido oprimidos por mensagens contendo, não tanto pedidos de esclarecimento, que estamos sempre felizes em dar, porque isso constitui a própria essência do nosso apostolado como sacerdotes e teólogos, mas condenações sem apelação dirigidas ao … Igreja "Nova satânica" e "anticristã".

.

O documento emitido pela Congregação para a doutrina da fé é muito clara e retoma os documentos anteriores sobre o mesmo tema, publicado sob os pontificados de São João Paulo II e Bento XVI. Mas como se sabe, não há pior surdo do que alguém que não quer ouvir, ou para retomar o conceito expresso em nosso livro recente: não há supercazzolaro pior do que aquele que não quer deixar de se acreditar um especialista em Bioética e Ciências Sagradas sem ter sequer lido uma linha desses documentos, tendo se limitado apenas a pular de um blog para outro ou extrair conhecimento da famosa academia de ciências do Facebook.

.

A questão do aborto é central para nossa moralidade: absolutamente para não ser esquecido ou colocado no sótão. Por outro lado, o medo de ofender pessoas que fizeram um aborto voluntário, se não pior, aqueles que acreditam que o fizeram por meio de uma ação justa e completamente legítima, hoje a importante obra de denunciar e condenar este terrível ato também parece dominar. Um ato que o pontífice reinante marcou com palavras severas e termos que São João Paulo II e Bento XVI nunca teriam usado: "O aborto é como contratar um assassino para matar uma pessoa" [cf.. Futuro, 18.10.2018, Quem].

.

A pessoa que faz um aborto não é condenada, sempre acolhido com muita delicadeza e carinho por nós confessores, mas o próprio ato e todas as dinâmicas ideológicas e filosóficas que favorecem o aborto são condenados como “direito inalienável”. É por isso que recebi com grande alegria a recente publicação do livro: Uma defesa da vida sem compromisso - Para minar a ideologia pró-morte em seus alicerces [cf.. Quem] escrito pelo Universitari per la Vita, Fabio Fuiano, Chiara Chiessi e Florio Scifo, um texto entregue à imprensa por jovens corajosos que há alguns anos trabalham na luta contra a cultura do descartável., que promove o aborto e a eutanásia.

.

O aborto é um ato perverso em si mesmo que sempre deve ser condenado porque é a repressão violenta de um inocente no ventre da mãe. Sim, mesmo se você tiver medo de dizer que é um assassinato, o mais sério de todos os assassinatos. O motivo é simples e lógico: se tentarmos matar um adulto, ele pode tentar reagir de alguma forma, pode até escapar da morte ou, na tentativa de se defender, mata-o o agressor que ataca sua vida, mas uma criatura no ventre da mãe não é, Não pode se defender de alguma forma. É por isso que o ato é tão grave que as pessoas que cooperam direta e formalmente neste ato caem em excomunhão automático. No entanto, é precisamente por essas pessoas que precisamos orar muito, para que eles se convertam e entendam seus pecados. Quem pecou mais, precisa de mais misericórdia. Por isso a moral católica não condena a pessoa, que deve ser recuperado e a quem o amor de Deus deve ser mostrado, explicando que o ato de aborto, permanece em si mesmo completamente e para tudo radicalmente mal.

.

A isso eu também gostaria de acrescentar minhas considerações. Aborto, como eutanásia, eles têm uma base ideológica sólida por trás deles: uma cultura de morte, como São João Paulo II chamou, que chamarei em breve de necrocultura. Brincando com as palavras até que seu significado seja esvaziado e contando com evidências não científicas, necrocultura lançou as bases para a ideia de que o aborto é um direito, cuja negação constituiria uma afronta à liberdade das mulheres e da sociedade. E aqui eu abro um aparte, na verdade eu ainda não entendo qual é a diferença entre um interrupção voluntária da gravidez e um aborto voluntário, que para muitos hoje é uma distinção absolutamente aceitável (!?). De fato, essas palavras indicam exatamente a mesma realidade: a morte de um feto no ventre da mãe. A necrocultura, portanto, gerou um sistema de silêncio: se você tentar tocar no assunto do aborto, dizendo a um abortista que você não é a favor, na maioria das vezes é cheio de insultos, sem haver uma comparação saudável. A necrocultura quer impor que quando se trata de aborto, deve ser necessariamente considerado um direito, caso contrário, é legítimo atacar verbalmente qualquer pessoa que não compartilhe dessa ideia. A necrocultura construída sobre uma antropologia idealista e sem fundamento na realidade, alegando libertar o homem das rédeas da moralidade católica devocional, na verdade, gerou outro dogma indiscutível que proclama que o aborto é uma liberdade, um direito, uma conquista inatacável da civilização.

.

Eu acredito que a necrocultura tem dentro de si as sementes de sua destruição. De fato, contando apenas com a mídia de massa, apenas nas idéias pessoais de seus ideólogos, em algum tempo ele entrará em colapso antes da evidência.

.

Natal, neste sentido, é um feriado universal, também porque enfatiza a beleza e sacralidade da mulher e da maternidade: acolher uma criança está escrito nos acordes biológicos da mulher, assim se torna, em ela ser uma mãe, modelo de boas-vindas verdadeiras para todos. Assim como uma mãe foi Maria que acolhe a ternura de seu filho, Jesus. E mais tarde ele aprendeu com este filho o acolhimento dos amigos de seu filho, discípulos, mulheres e apóstolos. Assim, uma gravidez, uma maternidade se torna um berço e uma abertura para o mundo inteiro: para os pobres, abandonado, esquecido, estigmatizzati.

.

A necrocultura nega tudo isso e ao fazer isso ele nega o homem inteiro em toda a sua sociabilidade e doação ao mundo.

.

estes dias, aqueles católicos que se educam na Internet, ou "Católicos como hobby", como os padres Ivano Liguori e Ariel S os chamam em vez. Levi Gualdo, tirando pérolas de sabedoria dos gurus da ignorância e limitando-se a ler o título, ou talvez para entender melhor até mesmo o subtítulo dos jornais, mas não mais do que isso, tendo que pular freneticamente para mordiscar de um blog para outro, eles começaram a invocar contra a Igreja "apostática" e "anticristo", que alegadamente declarou legal o uso de fetos abortados para preparar vacinas anticovídeas, algo que - dizem em delírio - "logo abrirá o reconhecimento do aborto pela Igreja herética". Se o teólogo da internet formado em teologia moral e bioética pela universidade paleoastronáutica tivesse lido o documento divulgado pela Congregação para a Doutrina da Fé, em vez de prosseguir com a semeadura oportuna do supercazzole, ele teria notado que a Igreja não expressa nem concede isso de forma alguma, pelo contrário, ele declara exatamente o oposto e o explica com uma clareza que não pode ser mal interpretada:

.

“A razão fundamental para considerar o uso dessas vacinas moralmente legítimo é que o tipo de cooperação é maléfico (cooperação passiva de material) de aborto obtido, do qual vêm as mesmas linhagens de células, por aqueles que usam as vacinas resultantes, é controlo remoto. O dever moral de evitar tal cooperação material passiva não é vinculativo se houver um perigo grave, como difusão, de outra forma irreprimível, de um patógeno sério: neste caso, a propagação pandêmica do vírus SARS-CoV-2 o que causa Covid-19. portanto, deve-se presumir que, neste caso, todas as vacinações reconhecidas como clinicamente seguras e eficazes podem ser usadas com certa consciência de que o uso de tais vacinas não significa cooperação formal no aborto das quais as células com as quais as vacinas foram produzidas derivam. No entanto, deve ser enfatizado que o uso moralmente lícito desses tipos de vacinas, para as condições particulares que o tornam tão, não pode por si só constituir legitimidade, mesmo indireto, da prática do aborto, e pressupõe a oposição a essa prática por parte de quem dela faz uso " [o documento oficial completo da Santa Sé pode ser encontrado Quem].

.

Natal é a festa da Encarnação, a vitória sobre o pecado e a cultura do aborto e da morte, O triunfo do homem com Deus, isso também está escrito nas entrelinhas do documento da Congregação para a Doutrina da Fé, que nós convidamos você a ler, evitar beber do perigoso supercazzole dos teólogos da internet que trabalham no Academia de Ciências da Mídia Social, pseudônimo: os supercazzolari perigosos.

.

Roma, 23 Dezembro 2020

.

.

Blog pessoal

pai Gabriele

.

.

Visite as páginas de nossa loja livro Quem e apoiar nossas edições compra e espalhando nossos livros.

.

Notícias do Roman Província Dominicana: visite o site oficial dos dominicanos, Quem

.

.

«Você saberá a verdade, ea verdade vos libertará» [GV 8,32],
mas trazer, difundir e defender a verdade não só de
riscos, mas também os custos. Ajude-nos a apoiar esta ilha
com suas ofertas através do sistema seguro PayPal :

 

 









ou você pode usar a conta bancária:

Roma, Nenhuma agência. 59.
IBAN:
TI 74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código RÁPIDO: BAPPIT21D21

neste caso, envie-nos um aviso de e-mail, porque o banco
Ele não fornece o seu e-mail e nós não poderíamos enviar-lhe um
ação de graças [ [email protected] ]

..

.

.

Acerca de pai Gabriele

Gabriele Giordano M. Scardocci Dell'Ordine dei Frati Predicatori Presbitero e Teologo ( Clique no nome para ler todos os seus artigos )

33 thoughts on "Os supercazzolari teólogos da internet atacam no Natal: “Vacinas produzidas com fetos abortados. A Igreja abre caminho para o reconhecimento do aborto ”

  1. O fato de que substâncias orgânicas derivadas de fetos humanos são usadas para produzir (até mesmo) vacinas como anticovid é uma das alavancas legais que algumas associações de advogados, com base nas proteções constitucionais existentes, sugeriu o uso de quem quer se opor legalmente à temida vacinação obrigatória por parte dos governos sobre certas categorias de trabalhadores, ou, até mesmo, em toda a população.
    Agora, a nota do CDF começa a funcionar, de fato, a principal arma jurídica à disposição de quem deseja se opor a qualquer pedido de vacinação obrigatória. A coisa é ainda mais paradoxal (portanto, suspeito com razão) porque no mesmo documento está especificado que “a vacinação não é, normalmente, uma obrigação moral e que, Por conseguinte, deve ser voluntário ". que, de um lado, se ele diz (mas em uma posição absolutamente marginal no documento) que a vacinação deve ser voluntária, outro, tira a possibilidade (isso já existiria) fazer objeção de consciência (quem fez isso não poderia invocar o ensino católico).
    Dirá que quem quis ser vacinado, mas tinha alguns escrúpulos éticos, no entanto, ele tem o direito de saber que pode fazê-lo agindo de maneira moralmente legal. Razoável, mas então o documento teve que lidar com a ilegalidade moral da vacinação obrigatória com a mesma centralidade e rigor (exceto em casos muito raros e em qualquer caso nunca em toda a população), e o uso de fetos humanos para a produção de vacinas (como queiras), que de outra forma é indiretamente autorizado por vacinações.

    1. Se eu puder tirar uma conclusão pessoal do raciocínio acima, Eu diria que, se a participação individual na doença dos vacinados pode ser considerada remota, a participação no mal desta nota improvisada do CDF, ainda mais se solicitado diretamente pelo papa (como o imprimatur necessário no documento sugeriria), parece muito menos remoto. Os efeitos diretos e indiretos que se seguirão ao surgimento das cataratas vêm, na verdade, da escravidão (não importa se é verdadeiro ou falso, desde que seja aparente) da Igreja de Cristo às demandas do moloch pandêmico, até o abandono dos fiéis a seu destino desfavorável sob o jugo do globalismo totalitário e da escravidão sanitária politicamente correta. No entanto, tudo dentro de um quadro de lei natural e legalidade moral certificada pela Igreja Católica. Qual é a chave para este pontificado de dissolução: “Devemos iniciar processos e não ocupar espaços”.

    2. Supercazzolari… Vejo que o exemplo iluminador de trivialidade de um certo padre desta ilha, agora se espalha entre os outros Padres. Que grande tristeza!

      1. … e notamos, em vez disso, que ela nunca leu os Evangelhos, porque jesus cristo, quando se dirige aos supercazzolari da época, use expressões muito mais severas e ofensivas, particularmente incisivo no texto original dos Evangelhos em grego um pouco’ mitigado nas traduções.
        Não estamos falando sobre os textos dos Santos Profetas de Israel, Não sei se ele os tem presentes … precisamente aqueles que são lidos na liturgia da palavra durante a Santa Missa, a Santa Missa tem este presente? E’ aquele rito que é celebrado nas igrejas católicas.
        Bem, lá, os tradutores tiveram que fazer um voo de fantasia quando traduziram do hebraico para o grego e depois do grego para as línguas modernas.
        Pensar, no texto original, o Profeta Malaquias ameaça “jogando a merda de animais do templo de sacrifício na cara dos sacerdotes” e não feliz, ele continua ameaçando que “a merda vai te arrastar para longe”.

        vê, ignorância – isto é, não saber – leva puritanos como ela a viver um cristianismo que não existe e nunca existiu, de acordo com as Sagradas Escrituras, pelo menos, que ela obviamente não sabe, admitiu e não admitiu que nenhum dos Padres jamais usou os termos "triviais" fortes e agressivos contidos no Antigo e no Novo Testamento.

        Então você não pertence ao catolicismo, se alguma coisa, para o bigotolismo.

        1. Escute isso….Agora, Nosso Senhor Jesus também estava sofrendo de coprolalia!
          O profeta também pode vir das favelas, mas Jesus não! Cheio do Espírito Santo, e, portanto, capaz de dominação, ele nunca teria se expressado vulgarmente. Sua mãe também é o justo São José (diferente do seu) eles foram ótimos pais.
          Você é chamado “Padres” enquanto vocês nem são crianças….
          Você deve aprender a se desculpar quando cometer um erro, em vez de sempre se passar por mestres acusando aqueles que são melhores do que você de ignorância e preconceito..
          O resultado é que vocês parecem burros disfarçados de sábios!

          1. Cara Senhora,

            um dos dois: ou ela é uma solteirona tão ácida que se colocasse um dedo em um copo de leite ela o transformaria em iogurte instantaneamente, ou ela sofre com a traição de um marido que a despreza completamente e que se diverte com uma amante que tem metade de sua idade, porque apenas de feridas profundas e dolorosas que geram frustrações sentimentais desse tipo pode uma maldade feroz e totalmente desenfreada surgir como uma reação.

            Mas eu vou mais longe …

            Para que meu piedoso irmão, autor do artigo, não precise sujar as mãos Eu vou te responder sobre os méritos do que você escreveu, além disso na véspera de natal, não encontrando nada melhor para fazer do que insultar seriamente três padres em nome de sua idéia estranha e não especificada de Cristo, o Senhor, da Santíssima Virgem e do Patriarca José.
            Infeliz, sua maldade – porque ela dá provas concretas de ser realmente má – chega a insultar a memória de nossos pais, que quase todos os três de nós perdemos, alguns de nós, mesmo em tenra idade.

            Bem sabe que eu gostaria de ser seu pai – ou seja, seu pai – por apenas 15 minutos, ou melhor ainda: o marido dele. Por que depois de descobrir, como pai ou como marido, como ela anda pela rede vomitando ódio nas pessoas, no meu retorno para casa eu teria dado a ela todos os prêmios merecidos.

            E que Deus tenha misericórdia dela, porque é precisamente por pessoas perdidas como ela que rezamos e oferecemos nossas mortificações e penitências..

            Procure um confessor, mas especialmente, Por favor,, não nos envie mais comentários, não para nós, mas pelo bem de sua alma. Se ele vai enviá-los para nós, eles serão imediatamente destruídos.

        2. Gostaria de acrescentar que a palavra merda também é usada por São Paulo em Filipenses, boné. 3, em. 8 : tradução “adoçado” que normalmente lemos é “Abandonei todas essas coisas e as considero lixo a fim de ganhar a Cristo “. Um dos melhores estudiosos da Bíblia do século passado, o abade giuseppe Ricciotti, em seu livro “San Paolo” , comentar sobre este versículo diz claramente que a palavra grega original não é “lixo” mas é ao invés ” a palavra usada por Cambronne”.

  2. Admitido que falar sobre teologia não é domínio exclusivo de vocês, insiders esclarecidos, Eu não concordo com você. Segundo ela, Mons.. Viganò é um supercazzolaro? Aprovar o uso de vacina contendo DNA de origem fetal abortiva, na minha opinião, pelo menos autoriza as empresas farmacêuticas a continuar a produzir vacinas com material genético proveniente de fetos abortados. Se não me engano, é como aceitar o mal “menor” ter um bem maior que NÃO é E’ LEGAL. O “condenação clara” de sua amada Bergoglio se choca fortemente com a inconsistência de ter apoiado o aborteiro Biden e condenado o defensor da vida de Trump, bem como de ter convidado um cientista, Jeffrey Sachs, abortista e de clara fama malthusiana (nós somos muitos , estamos poluindo a terra e ofendendo seriamente a Pachamama, logo devemos limitar os nascimentos e eliminar um pouco’ de pessoas). Eu ainda poderia continuar listando vários outros casos em que Pope talvez tenha caído deliberadamente em contradição com o Magistério milenar, com os mandamentos e com alguns sacramentos, para gerar confusão e desorientação no povo de Deus. Se você teve a coragem de notar que Bergoglio foi eleito por uma conspiração orquestrada pela máfia de S. Gallo (tudo confirmado pela confissão no leito de morte de um dos membros tal Cartão. Danneels) e que, portanto, sob Dominici Gregis sua nomeação é nula, a catarata de seus olhos cairia.

    1. Os Padres des A ilha de Patmos eles a agradecem por ter querido oferecer esta sopa variegada de vários vegetais perto do Natal, entre outras coisas, não hesitamos em entender imediatamente de qual tele-barker multi-excomungado perturbado ele conseguiu a receita, é daquele cara que vai ao ar todas as noites da Sicília no Facebook com seu programa de receitas envenenadas seguido por quatro esposas furiosas e duas confusas como ela …


  3. "O pontífice reinante marcado com palavras e termos severos que São João Paulo II e Bento XVI nunca teriam usado (sic!): O aborto é como contratar um assassino para matar uma pessoa ".

    Só há uma diferença entre João Paulo II, Bento XVI e o pontífice reinante: os dois primeiros na luta contra o aborto sempre se destacaram pela consistência, o pontífice reinante por incoerência, para dizer o menos assustador.

    http://magister.blogautore.espresso.repubblica.it/2020/12/17/non-censura-ma-silenzio-calcolato-una-lettera-dall%e2%80%99argentina-sul-papa-e-l%e2%80%99aborto/

    1. Mesmo entre você e sua esposa, entre ela e seu avô, há uma grande diferença entre ela e um trapezista do circo Moira Orfei. Nós que somos mentes lógicas e especulativas, mas acima de tudo homens de fé, nós nunca decidiríamos traçar certas diferenças, porque eles não seriam lógicos nem pertinentes.
      É chamada de filosofia do senso comum, ou mais simplesmente, bom senso.

  4. Queridos Padres da ilha de Patmos (e, Acredite ou não, Eu escrevo com profunda sinceridade), você poderia entrar no mérito da questão levantada por Roberto Ceccarelli, relacionado à avaliação política do Vaticano sobre o aborteiro Biden e o vilão Trump, bem como a escolha de Jeffrey Sachs, como porta-voz da doutrina social da Igreja, em vez de se esgueirar com o seu… saborosa e, na maioria das vezes, ironia apreciada?

  5. “A pessoa que faz um aborto não é condenada, sempre acolhida com muita delicadeza e carinho por nós confessores.”
    De acordo com você então, em uma sociedade ideal, não seria apropriado instituir o crime de aborto, com tanta pena para os médicos, intermediários e pessoas que empurraram as mulheres para o aborto, quanto à própria mulher?

    1. Devemos distinguir entre Confissão e lei civil. A lei deve defender o feto e a única maneira de fazer isso é proibir o aborto e agredir os criminosos, mas o confessor está em um nível completamente diferente, o confessor não é o juiz do tribunal. A mulher vai até ele não para se vangloriar do mal feito, mas porque está arrependida. Senão ele não iria lá. Nós, homens, não percebemos a agonia que uma mulher sente depois de fazer um aborto. (talvez depois de muitos anos, mas mais cedo ou mais tarde chega o momento) ele percebe que matou um filho. Por que raiva?

  6. A nota do CDF é tão perfeita quanto a do 2005 de Pav , que de 2008 da CDF “Dignitas personae” e também da FSSPX.
    Com razão, Scandroglio no NBQ se pergunta onde esses críticos estavam 2005 e em 2008…
    Último ponto dolorido. O documento do Cardeal Janis Pujats, Arcebispo Metropolitano Emérito de Riga (Letônia), pelos bispos Tomash Peta, arcebispo da arquidiocese de Maria Santissima em Astana (Cazaquistão), Jan Pawel Lenga, emérito de Karaganda (Cazaquistão), Joseph E. Strickland, bispo de Tyler (EUA) e Athanasius Schneider, bispo auxiliar de Maria Santissima em Astana (Cazaquistão) por título “Sobre a ilegalidade moral do uso de vacinas à base de células derivadas de fetos humanos abortados” USE O SENTIMENTALISMO NO LOCAL DA RAZÃO. Por heterogênese de fins, nós temos deuses “Conservadores” que usam o modus operandi tipicamente modernista…

    1. @ Alfredo Grande: sua pergunta é interessante, e eu proponho novamente aqui: os prelados que hoje protestam contra um documento de 2020 que essencialmente repete os mesmos conceitos escritos nos documentos de 2005 e 2008, por que eles não protestaram mesmo então? Uma possível resposta poderia ser esta: estão protestando apenas hoje porque o documento de hoje foi aprovado pelo odiado Papa Francisco I.. Agora, Não sei se Francisco I é um grande papa ou uma ruína para a Igreja (existem rumores conflitantes sobre isso e só Deus sabe a verdade) Mas uma coisa é certa: esses bispos escandalizam e confundem os fiéis ao desprezar descaradamente as diretrizes de um pontífice romano a quem devem obedecer, mesmo que ele não seja um pontífice de seu gosto. E fora isso, eles percebem que seu sofisma levará inúmeros católicos a rejeitar a vacina? Eles percebem que essa recusa vai produzir um rastro de pessoas deficientes e mortas? Além de deformar as consciências, eles também querem causar um massacre?

  7. Sem entrar nos méritos teológico-morais da questão aqui tratada, No entanto, não se pode deixar de notar que o efeito da nota do CDF é também criar uma clara discrepância com outros documentos do magistério na avaliação do grau de participação no mal entre aqueles que são vacinados com derivados de fetos humanos abortados e aqueles quem, por exemplo, falha em fazer coleta separada; ou, entre o uso de cadeias celulares de fetos abortados para a produção de vacinas, e o uso de combustíveis fósseis para aquecimento.
    Isso está forçando o bom senso de que, mesmo quando não aparecem imediatamente evidentes para o intelecto do homem da rua, no entanto, eles são percebidos em um nível sub-racional, gerando descontentamento e desconfiança. A fé normal não pode suportar esses testes de estresse sem cair na convenção também, pior, em superstição e medo.

  8. Não vou entrar nos méritos das vacinas, sejam elas éticas ou não, mas gostaria de comentar sobre o ponto em que o ‘ o autor afirma que eu’ o aborto estaria perto de ser rejeitado pelo povo, em vez disso, acredito que não apenas isso não acontecerá, mas também será legalizado em países onde há apenas alguns anos era fortemente pago, como está acontecendo na Argentina, com ‘ aconteceu na Irlanda e, ao que parece, também vai acontecer na Polônia. A’ enfermeira em uma ‘ entrevista afirmou que, em comparação com vinte anos atrás em nosso país, as meninas abortam com a mesma indiferença com que fazem qualquer exame médico, enquanto antes muitas meninas choravam. (D)’ por outro lado, a legalização do ‘ missão de aborto’ ano virou 100 anos (URSS) e a queda do comunismo certamente não o limitou, na verdade, se espalhou ainda mais. O mesmo discurso para a eutanásia que busca ‘ ano e foi aprovado na Espanha, Portugal e Holanda estão agora abertos a todos por qualquer causa. Se não entendi mal algumas das afirmações do Padre Di Gualdo, o mal transbordou agora irreversivelmente tanto na Igreja como no mundo e mesmo Deus já não pode intervir para mudar as coisas, então eu vejo a confirmação de que o ‘ aborto e eu’ eutanásia será cada vez mais considerada algo neutro, de fato uma escolha positiva.

  9. Feliz Natal de Nosso Senhor Jesus aos Padres da Ilha e a todos os que amam toda a verdade.
    Na esperança de poder voltar ao delicado tema desta seção com mais serenidade e questionar alguns aspectos do documento CDF.

  10. Queridos pais,

    sobre COVID, o documento da Congregação afirma que o uso de vacinas derivadas de fetos abortados não constitui pecado “se houver um perigo sério, como difusão, de outra forma irreprimível, de um patógeno sério: neste caso, a propagação pandêmica do vírus SARS-CoV-2 que causa a Covid-19.”

    Aqui, pessoalmente, em toda a consciência, toda a minha experiência pessoal de 10 meses agora ele me diz que este patógeno não é mais sério do que uma gripe sazonal. Nenhuma das pessoas que conheço morreu com este vírus, embora várias pessoas o tenham contraído, com efeitos às vezes desagradáveis, mas não fatais.

    O “gravidade” é repetido para mim de todas as maneiras pela mídia, dos quais tenho muito pouca confiança, e eu não acho que precisamos dizer por que. Vários cientistas conceituados, mesmo que não seja muito audível na mídia, Eu sou da minha opinião. Eu vou mais longe a dizer (me corrija se eu estiver errado) que a própria Congregação não tem autoridade científica para me refutar neste ponto.

    Então, se eu concordasse em me submeter a tal vacina, seria apenas por compulsão, direto ou indireto, como perda de emprego, por exemplo, algo temido cada vez com mais frequência aqui na França onde moro, ou outras limitações de minhas liberdades individuais, ou o fato de que minha filha não teria acesso a jardins de infância e escolas. Que compulsão, seria um motivo “grave” concordar em ter essas vacinas inoculadas em mim?

    1. Vamos entender …

      1. o número de 820 morreu em um único dia em Bergamo, Eu sou uma farsa? Ou talvez ele queira dizer "… e quem prova que eles morreram de Covid-19 "? já, eles morreram de frio!

      2. Os cemitérios da cidade em colapso que não puderam lidar no local com os enterros dos corpos e o crematório que não conseguiu cremar os corpos, também é uma invenção de … “poderes fortes” para assustar o povo boeotiano?

      3. Os caminhões militares transportando centenas de caixões, Eu sou uma ficção de um filme de guerra e passei por real, enquanto na realidade eles são atores e figurantes em um set de filmagem?

      Nem todo mundo tem o dom da inteligência, mas, Sinceramente, mesmo na estupidez cega, há um limite.

      Assista esse video, então diga que é falso ou que "é uma conspiração das potências fortes":

      https://www.youtube.com/watch?v=-8n3IskA-d4

  11. Pai estimado,

    Eu me pego observando as seguintes coisas

    1) paralisia generalizada das economias ocidentais (e, portanto, em todo o mundo), com a carga de desemprego, desespero, mortes e pobreza que ela carregará nas próximas décadas, proposto como uma contramedida razoável contra um vírus que tem taxas de mortalidade de 0,01

    2) a parada de numerosos organismos nacionais de tratamentos eficazes como a hidroxicloroquina com base em um estudo totalmente falacioso financiado por quem sabe quem (ninguém nunca se preocupou em investigar seriamente)

    3) a colocação no mercado de vacinas desenvolvidas em muito pouco tempo, muito pouco testado, baseado em tecnologias experimentais, com efeitos potencialmente devastadores, mas certamente desconhecido a médio e longo prazo, entre as hosanas generalizadas da mídia, com todas as vozes críticas zombadas (No melhor caso) ou criminalizado (aqui na frança).

    Aqui, Eu me encontro tendo que encontrar explicações “racional” para este tipo de evento.

    Me pedem para acreditar na versão oficial sem me perguntar, vale a pena ser tratado por “estúpido” quem acredita em “tramas de fortes poderes” (obrigado pelo excelente exemplo). Infelizmente, em face de contradições colossais deste tipo, em escala planetária, começa-se a duvidar da veracidade de notícias e vídeos como os que você cita.

    O tolo pede desculpas pelo tempo roubado dos padres.

    1. Caro Roberto,

      ninguém ousaria chamá-la de estúpida, também porque a expressão "até para a estupidez há um limite" não foi dirigida a ela, mas é uma expressão retórica evidente em um sentido amplo.

      Nenhum dos padres respondeu ao seu comentário, mas um dos membros da equipe editorial (de Bergamo) que perdeu três membros da família devido à Covid-19, o mais jovem dos quais é 38 anos de idade. Este é um verdadeiro homem morto, realmente morreu de Covid-19, morreu sem que sua família o visse novamente.

      Tem gente que perdeu pais, Irmãos, irmãs, sem mesmo ser capaz de vê-los novamente. E quando eles ouvem certas questões levantadas, eles ficam mal. Especialmente quando ouvem os chamados negadores dizendo “covid-19 não existe”. Afirmações às quais eles reagem ficando com raiva e perguntando: “Então meu pai … minha mãe … Meu irmão … ele morreu de uma doença que não existe?”.

      Por exemplo, tente imaginar uma pessoa que perdeu um membro da família em um bombardeio e outra pessoa que levantou dúvidas sobre o fato de que realmente houve um bombardeio.
      certamente, que perdeu o familiar sob as bombas, bem, permanece.

      Que no caso Covid-19 algo não retorna no nível político e econômico, nós também afirmamos isso no final de nosso livro dedicado a este tema: A Igreja e o coronavírus.
      Eu adiciono uma capacidade pessoal: e China, que primeiro criou esta situação ainda a ser definida em todos os seus contornos, e hoje se prepara para comprar países europeus inteiros, onde colocamos?
      Certain, que muitas coisas não batem, é claro!

      1. Pai estimado,

        obrigado pela resposta calma. Eu não estou dizendo isso “o vírus não existe” ou “ninguém morreu de COVID”. Como eu disse em meu primeiro discurso, vários conhecidos tiveram, alguns em formas bastante pesadas. Eu digo que a incidência estatística de mortes não justifica a destruição socioeconômica em curso, que resultará em perdas humanas muito maiores nos próximos anos. Eu não tenho certeza absoluta, apenas uma suspeita muito forte e, na minha opinião, fundado. E’ tudo o que posso fazer humanamente. O tópico “a mídia culpa você”, pelas outras razões listadas, vale 0 (neste momento histórico).

        O que aconteceu em Bergamo? eu não sei. Eu só sei que tais coisas não aconteceram de uma forma generalizada.

        Então, quando a Comissão fala sobre uma epidemia grave, Eu penso na peste negra, aos mortos amontoando-se em casas e ruas, para valas comuns. Todas as coisas minha experiência pessoal (e não a realidade virtual da mídia de massa) negar. Se eu honestamente pensasse que havia um risco mortal tão imediato, Eu entenderia a urgência de usar todos os métodos possíveis, incluindo aqueles eticamente problemáticos. Eu acho que não estamos em tais condições, portanto, a aceitação de tal vacina permanece profundamente problemática para mim, e se resume a “não tenha problemas com o estado”.

        Então eu volto à minha pergunta original. Minha consciência me diz que o risco mortal iminente não é tal. Minha covardia me aconselha a “faça o que eles dizem para você fazer sem confusão ou você terá problemas”. Como eu deveria…

  12. Como amplamente demonstrado pelo Dr. Mangiagalli (portanto, apagado de todos os canais de TV), hoje ninguém morre de Covid se for tratado a tempo em casa com terapias de custo insignificante, praticamente nulo (https://youtu.be/PHE8KZ_otQg). Isso abriria uma série de reflexões sobre a propagação e gestão da pandemia e sobre as responsabilidades de nosso Governo e seus contatos internacionais., bem como a vacina e o projeto de vacinação universal, mas para isso não há espaço nem relevância para o tema.
    No entanto, para ficar no assunto, em relação à vacina anticovide, o uso de cadeias celulares de fetos humanos não é a única reserva ética, há outros mais sérios e importantes, como evidenciado pelo virologista do Prêmio Nobel Luc Montagnier (https://youtu.be/kHGtn_vnrJ8). Não está claro então por que as reservas morais colocadas por Montagnier não atraíram a atenção do Vaticano como as células fetais, e, notavelmente, do CDF e do Papa em particular; que, pelo contrário, talvez mal informado, pediu a mais ampla difusão possível da vacina, também e acima de tudo para as populações mais pobres (que acabaria sendo a cobaia dos mais ricos), ao invés de preferir (para todos) acesso ao atendimento domiciliar ao alcance de todos, o que também teria a vantagem de libertar o mundo inteiro não apenas da pandemia, mas da escravidão tecnocrática da indústria farmacêutica internacional.

    1. Ela diz:

      «[…] o virologista do Prêmio Nobel Luc Montagnier (https://youtu.be/kHGtn_vnrJ8). Não está claro então por que as reservas morais colocadas por Montagnier não atraíram a atenção do Vaticano como as células fetais, e, notavelmente, do CDF e do Papa em particular […]»

      Eu respondo a ela:

      San Tommaso Aquino, sobre a infusão da alma no corpo humano, segue a teoria aristotélica (O livro da geração dos animais, (II), III, 736A35), ele citou expressamente em PERGUNTA, III, 33, OB. 3, segundo a qual "em tempos posteriores o corpo é formado e preparado para receber a alma". Assim, a matéria do corpo recebe a alma humana não no momento da concepção, mas por volta do 40º dia de
      concepção. Primeiro temos a realidade viva – o patiar -, então a realidade animal – l’animal-, e finalmente a realidade humana – l’Homo -, que “absorve”, inclui e “transcender” o anterior (aí, Eu, 118, 2, 2m).

      Hoje, porém, a Igreja ensina como verdade definitiva da fé que a alma é infundida desde o momento da concepção..

      Bem, responda a esta pergunta sobre os méritos: San Tommaso Aquino, que ele não foi um simples ganhador do Prêmio Nobel como aquele que você mencionou Luc Montagnier, mas quem é um dos maiores doutores da história universal da Igreja, ele estava errado ou estava certo?
      Responda sim ou não: ele estava errado “não” ou “e”, ou ele estava certo “e” ou “não”.

      Acredite em mim, responder com base no mérito é muito fácil, faça isso, porque talvez ele encontre isso, se até mesmo uma mente especulativa excelente como Aquino pode estar errada, ainda mais pode um simples Prêmio Nobel ser enganado.

      1. Eu queria levantar uma questão, não faça uma pergunta a ela. Enfim sim, São Tomás estava errado, mas sua reivindicação (sua) para me forçar a dizer que não faz sentido. Quando São Tomás, como um acadêmico, expôs sua teoria, A doutrina católica neste assunto ainda não havia sido definida. Então eu levanto o desafio: mas ele estava errado sobre o que? E, em seguida, seu argumento admite que no futuro a Igreja possa reconhecer as vacinas e as políticas de vacinação um valor da fé, isso é o que ele está me dizendo? espero que não. Em vez disso, argumento que a Igreja está errada em comprometer sua autoridade para defender políticas de vacinação pelo menos duvidosas (para dizer o mínimo). ao fazê-lo, a Igreja invade um campo que não lhe pertence, participa de uma parte do mundo científico – não se sabe com quais habilidades específicas – e contradiz o próprio fundamento da ciência cuja autoridade gostaria de defender, isso é dúvida (a ciência procede reprovando aquisições anteriores de conhecimento). Montagnier não é St. Thomas, mas ele fala sobre coisas que sabe, com a vantagem de não estar na folha de pagamento de ninguém. Além de, para o que importa aqui, levanta sérias dúvidas éticas (na companhia de muito menos famoso que ele). Então, eu insisto em levantar a questão novamente: porque a Igreja se expressa em uma questão moral secundária (mas com potenciais repercussões nas liberdades individuais, como reclamei em intervenções anteriores), mas deixa de fora questões morais muito mais sérias, porém politicamente incorreto?

        1. @ Stefano: Eu acredito que os problemas debatidos aqui são dois e bastante distintos:
          ( 1 ) é permitido usar esta vacina?
          (2) Se for legal, também é obrigatório? E se for, está sob pena de pecado mortal ou venial?
          A resposta deve ser dada pela Igreja e aqui por Igreja me refiro ao Papa, certamente não os bispos, já que o episcopado está dividido nesta questão. Agora pelo que entendi (Corrija-me se eu estiver errado) o Papa respondeu assim:
          ( 1 ) Sim (e ele afirmou isso não apenas em palavras, mas também por exemplo, ficando vacinado).
          (2 ) Não, mas é aconselhável (então se você não for vacinado você não peca, mas se você se vacinar vale a pena).

          Neste ponto, não vejo problemas de consciência. “Você tem o Antigo e o Novo Testamento, e o pastor da Igreja que o orienta; isso é o suficiente para sua salvação”.

  13. Eu aprendo naquele domingo 10 Janeiro, em 20.40 em Canale 5 uma entrevista exclusiva em todo o mundo será transmitida no TG5 do Papa Francisco, que circulam na internet, entre outros, as seguintes citações: “Eu acredito que eticamente todos deveriam tomar a vacina” e – com referência aos chamados negadores – “Existe uma negação suicida que não posso explicar, mas hoje temos que ser vacinados”. Eu me pergunto: como pode o Papa referendar uma Nota da CDF na qual reafirma – embora na dobra de um documento que ninguém vai ler – que a vacinação deve ser voluntária, e imediatamente após declarar em todo o mundo que existe uma obrigação moral de vacinar? E não digam que afirmar a obrigação moral não significa apoiar a obrigatoriedade das vacinas, porque se o governo quer impor a vacina a todos por lei, como o homem na rua será mais capaz – mas também o próprio Papa – presumindo que ele queira – provar que ele está agindo imoral? Eu diria que estamos fartos desta modalidade de comunicação perturbada. Essas posturas são absolutamente temerárias para a saúde espiritual também, desta vez, também a física dos fiéis.

  14. No sábado passado enviei um comentário referindo-se a alguns previews da entrevista concedida pelo Papa ao TG5, então foi ao ar na noite de domingo. Eu estava reclamando da postura, na minha opinião, sem consideração, do pontífice a favor das vacinas, seu julgamento ético contra quem não pretendia ser vacinado e, nada menos, a denominação de “negação suicida” para estigmatizar esta posição legítima. Eu também estava pensando, na verdade, de uma forma retórica, como tais declarações públicas se reconciliaram com a Nota da CDF recentemente aprovada pelo Papa (“sobre a moralidade do uso de algumas vacinas anti-Covid-19”, 21.12.2020), que em vez disso reitera que “vacinação não é, normalmente, uma obrigação moral”. Eu também temia que essas declarações anulassem qualquer tentativa de oposição cívica a qualquer obrigação de vacinação e a possibilidade de apelar à objeção de consciência. A equipe editorial decidiu não publicar essas minhas considerações, evidentemente julgando-os irrelevantes, ou talvez inapropriado; contudo, depois de apenas três dias descubro que a obrigação de vacinação já foi introduzida pelo Governo nas dobras do primeiro Decreto-Lei do ano (DL n.1 del 5 Janeiro 2021) que no Artigo 5 , vírgula 4, autoriza o diretor médico, com recurso ao juiz tutelar, administrar a vacina a pacientes hospitalizados em unidades de saúde assistidas, mesmo sem o consentimento do interessado, e contra a vontade de parentes ou parentes, se incapaz (https://www.gazzettaufficiale.it/eli/id/2021/01/05/21G00001/sg). Eu não sei, mas para mim parece apropriado falar sobre isso.

  15. Reverendo Padri: Se eu entendi corretamente, aqueles que se opõem a esta vacina o fazem porque na base da vacina há dois fetos abortados voluntariamente. De acordo com os oponentes, ( 1 ) ser vacinado não é apenas equivalente a aprovar publicamente esses dois abortos voluntários (aprovação ultrajante que um cristão certamente não pode fazer) mas ( 2 ) também para incentivar os pesquisadores a fazer mais abortos para pesquisas futuras. E’ fácil ver que as duas razões não se sustentam. De fato, sobre o ponto (1): usar o fruto de um crime não é o mesmo que aprová-lo, por exemplo, viagem espacial não significa ser um nazista, mesmo que o foguete tenha sido inventado pelos alemães para ganhar uma guerra injusta e, portanto, para fins criminosos. Sobre o ponto (2): os pesquisadores não são obrigados a usar fetos abortados voluntariamente, eles podem usar fetos abortados espontaneamente que, infelizmente, são muito numerosos (quase uma por dia na Itália). Se você acha que dois fetos foram suficientes para preparar a vacina anticovide, é imediatamente evidente que os pesquisadores não têm e nunca precisarão matar para obter as células necessárias para seus estudos. Em conclusão, Não vejo onde está o problema e não entendo como tantos católicos inteligentes estão tão sobrecarregados de emoção que não entendem que a vacinação é perfeitamente legítima em um nível moral. Para entender isso, não há necessidade de uma declaração oficial do Vaticano (na verdade até três! ).

    1. Reagisco alla sua affermazione secondo la quale i tessuti possono essere prelevati da aborti spontanei. Fake.

      I tessuti devono essere prelevati da soggetti VIVI (che quindi devono essere VIVISEZIONATI).

      Invito tutti quelli che capiscono l’inglese a documentarsi sull’argomento con questa eccellente inchiesta in due parti.

      https://www.catholicworldreport.com/2021/05/17/exploring-the-dark-world-of-vaccines-and-fetal-tissue-research-part-1/

      https://www.catholicworldreport.com/2021/05/26/exploring-the-dark-world-of-vaccines-and-fetal-tissue-research-part-2/

Deixe uma resposta

seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

 caracteres restantes

Este site usa Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados comentário é processado.