A falsidade da alegada mutabilidade da doutrina da Humanae Vitae. Sobre as ideias de Maurizio Chiodi: o Magistério da Igreja não é interpretado uma mentira

O FALSO DA SUPOSTA MUTABILIDADE DA DOUTRINA DO VIDA HUMANA. Sobre a tese DOS PREGOS MAURITIUS: Os ensinamentos da Igreja não se deitar com S'INTERPRETE

.

O discurso incoerente, oportunista e lisonjeiro por Maurizio Chiodi faz parte do clima intelectual e emocional, revolucionário no negativo, de crescente excitação coletiva e falsa devoção ao Papa, fomentado pela esquerda, que por alguns anos tem se espalhado rapidamente na Igreja, desde Eugenio Scalfari, na famosa entrevista do início do pontificado, lançou o elogio de sucesso do Papa revolucionária

.

.

Autor
John Cavalcoli, o.p.

.

.

PDF artigo formato de impressão

 

.

.

a última dolorosa encíclica do Beato Pontífice Paulo VI, que nunca mais publicou outras encíclicas nos nove anos seguintes de seu pontificado.

O New Compass Diário de 2 Reportagem de fevereiro com o comentário de Renzo Puccetti - «Está escrito proibido, é lícito: é a poética de Chiodi " [CF. artigo Quem] ―, algumas declarações do moralista Maurizio Chiodi sobre o trabalho da Pontifícia Comissão que retomará a encíclica A vida humana do Beato Pontífice Paulo VI em vista de sua aplicação no contexto eclesial e social contemporâneo.

.

Como o Padre Ariel e eu explicamos recentemente, a autoridade doutrinal desta encíclica não deve ser superestimada - quase para torná-la um dogma -, nem subestimado, o mutável por tanto dar à considerarla, vem disse Karl Rahner, até errado [CF. nossos artigos anteriores, Quem e Quem]. Pelo contrário, é uma doutrina infalível, isso é absolutamente verdade, imutável e não falsificável, embora, como o Padre Ariel apontou em seu artigo recente, não é um dogma definido. Não é doutrina definiram, ainda é final, para nos expressarmos com a Carta Apostólica O crédito pela defesa do Santo Pontífice João Paulo II de 1998 e citado no artigo do Padre Ariel. De fato, o assunto de que trata a encíclica é a ética natural, que estabelece a lei moral natural, objeto da razão prática, lê isso, aplicada ou posta em prática em virtude da prudência, orienta a ação humana para a realização de seu objetivo final natural, isto é, Deus, o maior bem do homem.

.

No entanto, como o Papa aponta na mesma encíclica, pelo contrário, a Igreja foi mandatada por Cristo para revelar ao homem o caminho da salvação eterna, para que os deveres cristãos sejam objetos de fé e possam ser dogmatizados; mas, visto que a observância dos preceitos sobrenaturais revelados pressupõe a observância da lei natural, objeto da razão natural, a Igreja também tem o direito e o dever de ensinar aos homens também os preceitos da lei natural, desprezando qual, é impossível para ele alcançar a salvação.

.

Se a Igreja quisesse ou achasse apropriado, também poderia elevar os deveres da lei natural a dogmas, mas não, Desde que eles, por sua natureza, eles são compreensíveis e demonstráveis ​​pela simples razão natural. Para isso, o Papa motiva a proibição de contraceptivos com argumentos racionais, aceitável mesmo por não crentes, desde que sejam homens razoáveis, embora o católico seja obrigado a se submeter à prescrição papal não com fé divina, como se fosse um dogma definitivo, mas com fé eclesiástica, que condiz com a doutrina da Igreja. No entanto, qualquer recusa de obediência não constituiria uma verdadeira heresia, mas um erro próximo da heresia. Na verdade, Paulo VI diz:

.

«Nenhum crente vai querer negar que o Magistério da Igreja é também responsável pela interpretação da lei moral natural. É de fato indiscutível, como nossos predecessores afirmaram repetidamente, do que jesus cristo, comunicando sua autoridade divina a Pedro e aos apóstolos e enviando-os para ensinar seus mandamentos a todos os povos, ele os constituiu verdadeiros guardiães e intérpretes de toda a lei moral, isto é, não só da lei evangélica, mas também do natural, é também uma expressão da vontade de Deus, cujo cumprimento fiel é igualmente necessário para a salvação " [n. 4, ver texto Quem].

.

A lei natural não permite exceções ou exceções. Se existirem as condições para sua aplicabilidade, não há casos em que possa ser suspenso, como pode acontecer por um costume ou uma norma positiva ou convencional, que pode admitir dispensas ou suspensões ou mudanças ou revogações. Se for inaplicável é apenas porque faltam as condições a serem aplicadas, condições que em certos casos ocorrem.

.

A aplicação da lei natural assemelha-se à sujeição lógica absoluta do indivíduo à espécie ou do particular ao universal. Nenhum caso pode escapar ou ser uma exceção. Seria absurdo pensar que pode haver um homem que não seja um animal razoável ou que possa se dar a soma 2+2 que ele não 4. De fato, a lei natural é a lei da ação do homem como tal, dotado de uma natureza específica, que é o mesmo em todos os indivíduos. Se um ato da lei natural é bom, é sempre bom. Se um ato é ruim em relação à lei natural, é sempre ruim. Não pode ser que uma boa ação se torne má ou uma má ação se torne boa. Adorar a Deus ou honrar os pais ou ser verdadeiro é sempre bom. Roubar, matar ou fornicar é sempre ruim.

.

No entanto, deve-se notar que os valores morais eles são ordenados hierarquicamente em relação ao Bem mais elevado ou ao Fim último, Deus, e isso na vida presente, marcado pela desordem e conflito resultante do pecado original, a afirmação do valor superior muitas vezes não ocorre em harmonia com o inferior, mas às custas dele. Devemos estar prontos, como diz Cristo, com linguagem forte, que deve ser entendido corretamente, "odiar" a alma de alguém por ele, desistir de um olho ou de uma mão, ser capaz de entrar no reino dos céus. Devemos lutar contra o mundo e vencê-lo. Para salvar a vida, a morte é necessária. Isso significa, então, que se um valor é absoluto, não admite exceções ou exceções, mas o fato é que, se este valor impedir ou impedir um valor superior absolutamente necessário e vital, não é uma questão de fazer uma exceção à regra, mas simplesmente colocá-lo de lado para dar lugar a uma regra superior.

.

A reinterpretação deHumanae Vitae pela Pontifícia Comissão [CF. Quem] provavelmente se encaixa nesta ordem de considerações, mas que não nos ocorre acreditar, assim como Chiodi, que a Igreja comece a abraçar a ética evolutiva que ele propôs, que já foi condenado pelo Santo Pontífice Pio X no Pascendi Dominici Gregis completamente contrário à razão e fé.

.

Críticas às posições dos Nails

.

Primeiro ponto. Como relata Puccetti, consciência, de acordo com Chiodi «coincide com a totalidade do eu (pessoa) - Descartes, a autoconsciência única - em seu valor teórico e prático " [CF. Quem].

.

Nós respondemos dizendo que a consciência não coincide de forma alguma com a totalidade do self ou da pessoa. A consciência é um ato do intelecto refletido, qual é o poder da pessoa. Esta é a substância espiritual, composto de corpo e alma, cujo ser excede o ser da consciência, que, do que emerge do acima, é apenas uma emanação ou ato da pessoa, e, portanto, parte e manifestação espiritual da pessoa. Quanto a si, é a manifestação de si mesmo para ele, quem é a pessoa falada na proposição enunciativa, como quando por exemplo eu digo: Descartes era autoconsciente. que é é o próprio Descartes, ou melhor, o self de Descartes como parecia a Descartes. Portanto, o eu não é a pessoa, mas a aparência intencional da pessoa para si mesma, na autoconsciência da pessoa.

.

Mas o erro mais sério de Chiodi, conseqüência do anterior, é que ele confunde a pessoa humana com a pessoa divina. Na verdade, não a pessoa humana, mas o próprio Deus é autoconsciência subsistente. Isso é conveniente para Chiodi, porque ele, para argumentar que a doutrina deHumanae Vitae pode mudar, ele gostaria de fundamentar sua tese propondo um conceito de pessoa, para o qual a lei moral não é mais imutavelmente estabelecida por uma vontade divina transcendente, ao qual o homem deve se adaptar, mas é uma expressão livre da vontade da pessoa humana como autoconsciência subsistente, igualado a deus, e, portanto, como um princípio da própria lei moral, cujo conteúdo não é determinado por uma vontade divina transcendente, criador e norma da natureza humana, mas é o próprio sujeito humano que determina sua própria natureza e, conseqüentemente, a lei de sua ação. Em vez disso, a doutrina da lei natural contida no Humanae Vitae supõe a pessoa concebida como a subsistência de uma única natureza humana, criado à imagem de Deus, um assunto concreto e substancial, cujo ato, proposto à razão prática e implementado pela vontade, é regulado precisamente por este comando prático da razão, qual é a lei natural, conhecido pela consciência de cada homem, e impressionado na razão humana pela Razão divina.

.

Segundo ponto. Puccetti relata que Chiodi escreve que «as normas morais não são redutíveis a uma objetividade racional, mas eles pedem para serem inscritos na história humana, entendida como uma história de graça e salvação ". Puccetti comenta dizendo que "com discrição poética Chiodi afirma sua visão subjetivista da moralidade".

.

Um erro grave é o do Nails, para remover a norma moral do julgamento da razão, substituir a função da razão pela "história humana", como se isso pudesse ser humano sem a orientação da razão, não percebendo que a ação irracional não é a do homem, mas o dos animais. Vão e sem sentido, então, nestas condições, continue a falar de "obrigado" e "salvação", presentes divinos, que não são concedidos a bestas, mas para o animal razoável.

.

terceiro ponto. Puccetti relata que para as normas morais de Chiodi "guarda o bem", mas especifica que é um bom "que é dado nas experiências da vida". Fake. O bem moral, antes nas "experiências de vida", é proposto por Deus à razão prática iluminada pela fé, a partir de experiência de sentido. Se então a vontade põe em prática o bem concebido pela razão segundo o comando da virtude, então, mas só então o sujeito experimenta o bem feito ou amado, realizado na ação comandada pela razão prática.

.

Puccetti está certo ao notar que Chiodi observa que, dessas experiências, «O caráter subjetivista, não deve ser perseguido como um ativo em si mesmo, mas como um bem experimentado e como é conhecido, todo mundo tem suas próprias experiências " [CF. Pascendi Dominici Gregis, texto Quem]. De fato, o bem guardado pelas normas morais naturais já se dá por si e em si na sua inteligibilidade e racionalidade universal, abstraindo das experiências de vida e antes delas, que, ser moralmente bom, lícito e recomendável, eles devem se comparar a essas normas, que de outra forma não seriam "normas", isto é, regras de conduta; devo, a saber, seja a sua aplicação fiel e concreta nas várias circunstâncias e situações da vida, depois de ter sido intelectualmente concebido e compreendido em sua universalidade e racionalidade.

.

Em substância, Chiodi concebe o agente moral que, segundo ele, está sujeita à doutrina da Humanae Vitae como uma autoconsciência irracional em um "caso humano, entendida como uma história de graça e salvação ": um personagem monstruoso, meio divino e meio animal, como na mitologia greco-romana, exceto ser sujeito - ninguém sabe como - a uma "história ou história de graça e salvação", do qual parece que Chiodi nem sabe o que é graça, nem o que é salvação.

.

Chiodi parece querer sucumbir para a concepção moral de Humanae Vitae uma visão de ação moral baseada em um conceito cartesiano de pessoa como autoconsciência, cujo dinamismo prático, mas, não é dirigido, como em Descartes, do conceito racional, e, portanto, do objetivo universal, mas da tendência histórica e experiencial, isto é, existencial e subjetivo, à maneira de Heidegger, como Puccetti observa com razão. É, portanto, uma ação baseada não na essência imutável, mas ao se tornar a autoconsciência, por sua vez, um fator de transformação e mudança. O que importa é mudar e transformar. Portanto, não é surpreendente que Chiodi imagine que o Papa mudará a doutrina da Humanae Vitae. Mas ele se ilude completamente, porque o Papa, qualquer papa, também Bergoglio, referido como "papa revolucionário", sabe muito bem que a lei natural é imutável e não é um produto mutável da vontade humana erigida como autoconsciência existencial. Mas Chiodi continua assim mesmo e assim chega à ideia de ética sem uma regra fixa, mas radicalmente transformador, existencial, experiencial e revolucionário, semelhante ao de Nietzsche.

.

Uma ética revolucionária

.

Para entender então a raiz antes da visão de Chiodi, vamos parar no tema da revolução, agora de volta à moda, mesmo em referência aos ensinamentos do Papa. A revolução, portanto, envolve a ideia de uma transformação radical, de uma mudança ou reviravolta profunda. Pode ser, É verdade, subversão, mas também renovação. Pode levar à destruição, mas também conquistar. Sugere violência, mas também para a força regenerativa. No entanto, "Revolução", no senso mais comum - vamos admitir - acima de tudo social, não goza de boa reputação; diz mais mal do que bem. Diz novidades, que geralmente não envolve, no entanto, como alguns talvez entendam, crescimento, melhoria e progresso no verdadeiro e no bem já possuído e preservado, a quem sua lealdade é confirmada, que é assim fortalecido e aumentado, ao abandonar o velho inútil, nós nos livramos do mal e rompemos com o pecado e a falsidade. Mas principalmente a revolução, na concepção mais radical, consiste na afirmação arbitrária e niilista de querer cancelar ou cancelar todos os pensamentos e valores, se fosse possível, todos os precedentes reais já firmemente encontrados e fundados, refazer tudo à vontade e vontade: o que Nietzsche chamou de "transvalorização de todos os valores", efeito da "vontade de poder". O primeiro ato revolucionário do homem, neste sentido, foi pecado original.

.

Notamos então que a força venenosa e destrutivo do princípio revolucionário não está de forma alguma na ação insurrecional como tal, que em casos excepcionais é até justificado por São Tomás de Aquino [1] e pelo Beato Pontífice Paulo VI [2] nem reside em uma renovação radical ou palingênese de pensamento e vida, como acontece na conversão de grandes pecadores ou como aconteceu na passagem da Antiga para a Nova Aliança ou acontecerá no final dos tempos com o Retorno de Cristo: aquela "recapitulação (apokefalàiose) de todas as coisas ", por cristo, de que São Paulo fala [CF. Se o 1,10]. Por esta, na bíblia, na tradição, nos pais, no Magistério da Igreja o termo "revolução" não existe ou tem um sentido depreciativo de revolta, sedição, tumulto, subversão. O que talvez se aproxime disso em um sentido positivo é o de metanóia, isto é, aquela mudança saudável de pensamento e conduta, à luz da Palavra de Deus, que é traduzido pelo termo conversão, que cria o filho de Deus e o "novo homem", ressuscitado com cristo.

.

Em vez disso, devemos dizer com franqueza lamentável que infelizmente o discurso delirante, oportunista e lisonjeiro por Maurizio Chiodi faz parte do clima intelectual e emocional, revolucionário no negativo, de crescente excitação coletiva e falsa devoção ao Papa, fomentado pela esquerda, que por alguns anos tem se espalhado rapidamente na Igreja, desde Eugenio Scalfari, na famosa entrevista do início do pontificado, lançou o elogio de sucesso do Papa revolucionária, [CF. vídeo Quem] denominação muito imprudente, que o Papa deveria ter negado, que infelizmente não tem. Aconteceu há alguns dias, o mito do Papa revolucionário, até foi relançado em grande estilo por Antonio Spadaro A Civilização Católica, apresentando o Papa como "o revolucionário que está mudando o mundo usando o marxismo" [CF. Quem], coincidentemente, por ocasião das negociações entre a Santa Sé e o governo comunista de Pequim, enquanto reforça o S.E. Mons. Marcelo sanchez Sorondo, atual Chanceler da Pontifícia Academia das Ciências e da Pontifícia Academia das Ciências Sociais, com incrível ousadia ousou afirmar que o regime chinês é "a melhor implementação da doutrina social da Igreja e da encíclica. elogiado», despertando as vivas preocupações e protestos de muitos na China e no exterior, entre os quais o idoso e sábio Cardeal Joseph Zen Ze-kiun se destaca por sua autoridade e prestígio internacional, corajoso porta-voz e defensor dos católicos perseguidos na China [CF. Quem].

.

Qualificando um Papa como um "revolucionário", como se fosse um título de mérito, significa falta de um bom critério de julgamento, assumindo uma categoria pelo menos profana, totalmente inadequado para elogiar um Papa. É ainda mais surpreendente que o Papa silenciosamente se permita ser qualificado desta forma, sem pelo menos reduzir o tamanho daquele título inconveniente, mas quase tendo prazer nisso, o que certamente não fala a favor de sua sabedoria.

.

Esta perigosa paixão pela revolução, contrastando bem com misericordismo e pacifismo de Jorge Mario Bergoglio, ameaça evocar todos os fantasmas do passado: revolução Francesa, Revolução Russa, revolução fascista, revolução espanhola, Revolução maoísta, até as incontáveis ​​revoluções africanas e sul-americanas, culminando no de Fidel Castro ou de Augusto Pinochet.

.

A mentalidade sessenta e oito

.

1968 em si foi uma revolução impensada, que introduziu um princípio de dissolução modernista na Igreja, sob falsas aparências de progresso e aplicação do Concílio Vaticano II. A mensagem de 1968 foi baseada em uma visão hegeliana-marxista da realidade e da ação humana, que dá primazia ao mutável sobre o imutável, exalta mudança versus fidelidade, progresso contra a conservação. A mensagem de 1968 era que é preciso "abandonar as próprias certezas", tudo teve que ser questionado, a liberdade permissiva de "proibido proibir", imaginação em vez de razão através da "imaginação no poder", a autoprodução da cultura por meio da supressão do professor, resultando na supressão de méritos, até chegar ao "você é político" e todos promovidos, abra para o novo revolucionário, entendida como ruptura com a tradição e rejeição do imutável.

.

Tudo muda e o próprio Deus muda.

.

Deus não está parado aí em cima, ameaçando com punições, mas se torna em nós e conosco. Não se apegue a nada porque tudo passa. Nada é estável, mas tudo se torna. A regra de ação é história e experiência, é modernidade assumida e vivida, vêm dados Rahner, "Em sua totalidade", sem discussão e sem crítica à luz de uma verdade imutável, isso não existe. A Igreja e o mundo são identificados. Toda a ação é resolvida no político, mas ao mesmo tempo o indivíduo é uma lei para si mesmo. Atuar não deve ser obediência a uma lei abstrata e imutável, mas uma criação concreta e histórica sempre nova de liberdade na evolução das situações. A consequência óbvia de tudo foi a recusa do Magistério da Igreja com a sua repetição monótona e propondo sempre as mesmas coisas, esquemas vazios, chato e mofado do passado, para ouvir os novos profetas, que eram realmente nada mais do que hereges e charlatães, que, passaram como intérpretes do Conselho, eles não fizeram nada além de propor sob um verniz lingüístico o caldo quente do velho modernismo dos tempos de São Pio X, bêbado avidamente por multidões hegelianas que adoram a história, mas incapaz de aprender as lições da história. Aconteceu então que 1968 introduziu a psicose na Igreja, sem falar na obsessão com mudança e "progresso", que então em essência, desapegado do respeito pela tradição na qual deve se fundar, e que deve tornar explícito e desenvolver, não é nenhum progresso, mas egoísmo, ceticismo, erotismo, relativismo, destruição e niilismo.

.

Um imenso patrimônio da cultura teológica laboriosa e diligentemente elaborada pelos pais nos séculos passados, sempre recomendado pela Igreja e pelo próprio Concílio Vaticano II, para ser preservado e estimado com zelo e fidelidade e para ser entregue às gerações futuras, foi assim esquecido, esbanjado e permaneceu fechado e sem uso - quando ia bem - em bibliotecas, a menos que agora esses novos bárbaros queiram destruir as bibliotecas também e substituí-las pela teologia narrativa por Mickey Mouse, Pato Donald, Pulcinella, discos voadores e papai noel.

.

A alternativa teológica e espiritual fascinante, oferecido pelo modernismo mais atual, com o olhar voltado para o futuro da Igreja, sua picada de vida cristã renovada, aberto ao sopro do Espírito, agora está oferecendo uma multiplicidade de chances e imputs, dos quais posso citar aqui apenas alguns exemplos, como o novo curso da Congregação para a Doutrina da Fé para não mais condenar heresias, mas apenas conservadorismo e rigidez; permitir um acesso luterano ao pontificado o projeto dos bispos italianos de observar a regra do silêncio, em imitação dos trapistas; a ideia do cotidiano Futuro para dedicar uma coluna semanal à teologia da masturbação; o projeto jesuíta para substituir o Gregoriano pelo agora velho Corso, repetitivo, velho, esgotado, abstrato e desatualizado na Trindade, um curso de graduação muito mais atual e envolvente em imigração; a decisão dos dominicanos de pedir à Santa Sé que nomeasse Schillbeeckx como Doutor da Igreja por ocasião do próximo fechamento do convento de San Marco em Florença; a permissão da Congregação para o Culto Divino para o uso de bicicletas na igreja seguindo o exemplo do Arcebispo de Palermo e o uso de igrejas para o descanso noturno de homossexuais sem residência fixa; substituição, na missa, ao Acredito, montagem incompreensível de fórmulas abstratas e metafísicas, muito mais atraente e significativo Doce ouvir [CF. Quem, Quem]; elevar a pedofilia à expressão livre do amor; colocar a Rádio Maria sob o controle da Maçonaria; a recomendação dos estudos de H.E. Mons. Angelo Becciu sobre a sabedoria teológica de Marcione [CF. Quem]; ouvir as lições de cristologia do Pai no gravador, Arturo Sosa [CF. Quem], ou os de Andrea Grillo em igreja ecumênica [CF. Quem], ou as do Cardeal Walter Kasper sobre a imutabilidade do dogma e da moral, ou as meditações de Ermes Ronchi sobre a Eucaristia comestível [CF. Quem] ou na Eucaristia erótica de Timothy Radcliffe [CF. Quem, Quem] ou na Eucaristia do botão de Manuel Belli, ou o ciclo de palestras de H.E Mons Nunzio Galantino sobre «Lutero, dom do Espírito Santo " [CF. Quem] ou por S.E.. Mons. Vincenzo Paglia sobre a espiritualidade de Marco Pannella [CF. Quem], ou as palestras do Cardeal Gianfranco Ravasi sobre a Maçonaria [CF. Quem, Quem] ou as profecias de Enzo Bianchi sobre o carisma da homossexualidade [CF. Quem, Quem], enquanto nossos políticos católicos deveriam fazer uma viagem à China para descobrir mas todos a melhor aplicação da doutrina social da Igreja ou aliando-se ao partido de Bonino e Cirinnà pela reforma da instituição familiar.

.

O que é urgentemente necessário hoje é impossível parar de uma vez por todas com este unilateral, faccioso, falso, greta, bolsa e a retórica prejudicial do "progresso" e decidem vigorosamente implementar um progresso real, que - como nos lembra por exemplo o teólogo dominicano Servo de Deus Tomas Tyn - só pode estar em harmonia com a conservação e recuperação de valores imutáveis, estável e perene, na verdade eterno, que são a base da civilização e do Cristianismo e que encontraram o verdadeiro progresso, isso não nos faz cair na barbárie.

.

Não se trata de voltar ao que foi superado e agora é inútil, morto, inútil ou prejudicial. É uma questão de reconstruir o que é válido foi destruído, para recuperar valores preciosos, ainda útil ou sempre útil, que foram esquecidos. Com Descartes, fomos iludidos em refazer os fundamentos do pensamento já lançados pela Bíblia e por Aristóteles. Mas isso é ilusão e tolice, porque as bases não são deduzidas, mas eles são dados. Sobre aqueles que você constrói. É inevitável usá-los, mesmo se você quiser destruí-los. A sabedoria quer que você simplesmente os use sem duvidar. Eu sou o modernista e o revolucionário que recua e recua, até voltar à barbárie, precisamente porque o novo que eles propõem é a destruição do antigo a ser preservado. Por outro lado, quem se fecha ao autenticamente novo e avançado, não tem razão para apelar à tradição ou ao imutável, porque o novo autêntico e benéfico nada mais é que a confirmação e o desenvolvimento do antigo. Por outro lado, é claro que precisamos saber o que pode mudar e o que não pode. Também pode ser admitido, sendo benevolente na linguagem, uma novidade revolucionária; mas quando é anunciado para nós, é necessário verificar se é uma novidade autêntica ou se é uma farsa, comparando a afirmação com o conhecimento certo e incorruptível que já adquirimos.

.

Uma novidade que contradiria até dois mil anos de fé ou prática cristã, não é necessariamente herético ou deve ser rejeitado. É preciso verificar se se refere ou não a valores humanos ou cristãos que podem mudar ou cessar. Embora as leis naturais e divinas não possam mudar, mas apenas para ser mais conhecido e aplicado, as leis positivas e canônicas da Igreja podem mudar por ordem do Sumo Pontífice, mesmo eles já existiam há dois mil anos. Mas mesmo neste caso seria impróprio falar de um Papa "revolucionário", mas no máximo reformador ou inovador. Se imaginarmos então que um Papa "revolucionário" pode mudar a lei natural ou divina, como declarar a doutrina do Humanae Vitae, isso significa que você perdeu sua mente.

.

Assim, o fato de que por dois mil anos a Igreja não permitia que as mulheres distribuíssem a Comunhão ou os lessem Leituras da missa, não impediu a Igreja de dar às mulheres essa permissão hoje, porque é um campo - o poder das chaves ―, em que a Igreja pode legislar livremente como bem entender. Não é a duração temporal que torna a autoridade da tradição, mas sua validade dogmática ou não. A permissão para as mulheres darem a comunhão ou lerem na missa é tradição, mesmo que ele tenha apenas trinta anos. Em vez disso, a tese da mutabilidade da lei natural defendida por Chiodi é absolutamente inaceitável, nem tanto porque contradiz dois mil anos de ensino da Igreja, mas pelo fato de que é filosoficamente incorreto e, portanto, próximo da heresia.

.

Infelizmente, em vez, a mentalidade sessenta e oito encontra-se na pastoral do atual Papa. Em seguida, é explicado como recentemente ele foi capaz de fazer um elogio extremamente imprudente de 68. E o jornal Futuro, reforço, no número de 14 fevereiro, a pag. 21, teve a infeliz ideia de recordar a simpatia por 1968 do cardeal Carlo Maria Martini, elogiando-o com essas palavras: “O Arcebispo de Milão não se referia a valores ou princípios, mas picadas na carne do século " [CF. Quem], sem perceber, o infeliz todos os dias, da má metáfora adotada, como, pela verdade, são precisamente os valores universais e perenes e os princípios evidentes, incontroverso e imutável, aqueles que movem a inteligência e a vontade para a verdade e o bem, enquanto as picadas são usadas para mover a teimosia do burro. E, se queremos, 1968 foi na verdade uma "picada na carne do século", mas, longe de ter beneficiado, iludi-o, rasgado e dilacerado com a perspectiva de uma falsa renovação, que termina em niilismo.

.

É surpreendente e doloroso observe como ainda hoje, depois de cinquenta anos, no decurso do qual os frutos amargos desta revolução apareceram, ainda existem aqueles que persistem cegamente em seguir uma estrada sem saída, em vez de corrigir o rumo e seguir o caminho da verdadeira implementação do Conselho, interpretado corretamente e livre da hipoteca modernista, que se baseia no contraste falso e hegeliano entre ser e tornar-se, preservação e progresso, tempo e eternidade. A verdadeira implementação do Conselho implica, em vez, a sábia conjunção de essência e existência, preservação e progresso, firmeza e ductilidade, abstrato e concreto, estabilidade e momentum, renovação e fidelidade, metafísica e história, movimento e saldezza, permanência e desenvolvimento, identidade e crescimento.

.

A força subversiva neo-modernista, aparentemente confiável e inovador, mas na realidade ilusória e destrutiva, originou - como fica claro nas próprias palavras de Chiodi - do espírito cartesiano e luterano, amadurecido em hegelismo e marxismo, e tudo começou desde então com determinação de ferro e sucesso crescente, não impedido por um episcopado dormente, uma ascensão ao poder eclesiástico, que, começou nos círculos de trabalho e estudantes, entre teólogos e intelectuais e entre o baixo clero, nos últimos anos, contaminou os próprios bispos, até os cardeais, aos mesmos círculos da Santa Sé e dos institutos acadêmicos pontifícios, sem o papado, embora governado por papas muito dignos, conseguiu conter esta maré alta devido à falta de colaboração suficiente por parte do episcopado.

.

A tarefa que hoje se impõe à Igreja e ao Santo Padre, é preservar e desenvolver os bons frutos do Conselho, tanto para corrigir suas más interpretações persistentes quanto para recuperar valores esquecidos. Vamos deixar a revolução em paz. "Halfnoia" é o suficiente, conversão e penitência, movimentos do espírito e da vida, sustentado pela graça, muito mais inteligente, radical e saudável da revolução, já que isso é limitado, quando vai bem e não causa problemas, para operar nesta vida mortal, enquanto isso funciona com vista à vida eterna.

.

Ninguém te engana com argumentos sedutores [Com o 2,4]. Seu povo vai reconstruir ruínas antigas, você vai reconstruir as fundações de tempos distantes [É 58,12].

Varazze, 27 Fevereiro 2018

.

_______________

NOTA

[1] PERGUNTA, II-II, q.42, a.2, 3m.

[2] CF. S.. Paulo VI, Encíclica desenvolvimento dos povos de 1967, n.31.

.

.

.

«Você saberá a verdade, ea verdade vos libertará» [GV 8,32],
mas trazer, difundir e defender a verdade não só de
riscos, mas também os custos. Ajude-nos a apoiar esta ilha
com as suas ofertas através do sistema Paypal seguro:



ou você pode usar a conta bancária:
Eram TI 08 (J) 02008 32974 001436620930
neste caso, envie-nos um aviso de e-mail, porque o banco
Ele não fornece o seu e-mail e nós não poderíamos enviar-lhe um
ação de graças [ [email protected] ]

.

.

DISPONÍVEL LIVRO DE MASSA DE Ilha de Patmos, VEJA Quem

.

.

.

Avatar

Acerca de isoladipatmos

Deixe uma resposta

seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

 caracteres restantes

Este site usa Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados comentário é processado.