O projeto de lei Zan: o que eu não vou fazer “inimigos”, elas vão “Amici”. Devemos ter esperança e nos concentrar nos amigos homossexuais que pensam com clareza, porque são muitos

Padre Ivano
- notícias eclesiais -

A CONTA ZAN: O QUE "INIMIGOS" NÃO FARÃO, "AMIGOS" IRÃO. TEMOS QUE ESPERAR E APOSTA EM AMIGOS HOMOSSEXUAIS QUE RAZÃO DE FORMA CLARA, PORQUE SÃO MUITOS

.

Amigos gays, formos honestos: aqueles que te chamam bicha, são os mesmos que chamam de vagabunda uma mulher seminua e ainda são os mesmos que começam a xingar quando um religioso atravessa a rua e depois toca em seus órgãos genitais em sinal de superstição. Seriam essas pobres pessoas, você não, precisando ser ajudado, porque aqueles que cometem tais excessos vivem problemas óbvios em suas vidas que certamente não são remediados por uma lei que prevê a repressão, multa ou prisão.

.

Autor
Ivano Liguori, ofm. Capp.

.

.

artigo em formato de impressão PDF

 

.

.

.

.

a Orgulho Gay 2021 de Roma levou isso em procissão “pobre cristo” a partir da praça da Basílica de Latrão, sede do Bispo de Roma Chair, passando em frente à Basílica de Santa Maria Maggiore e fechando essas piadas blasfemas em frente à Basílica de Santa Maria degli Angeli e dei Martiri, onde no século III os cristãos foram martirizados durante as perseguições de Diocleciano. No entanto, deve ser aprovada uma lei especial que processe com extrema severidade quem ofender o mundo LGBT.

orgulho gay não representa homossexuais e o mundo gay, é bom esclarecer isso. Sempre foi a manifestação grotesca dos excessos, a chique e da blasfêmia pontual contra tudo o que é mais sagrado e caro ao mundo católico e cristão, tudo encenado por personagens que reivindicam proteção e respeito aos golpes das leis penais repressivas, mas que sempre reivindicaram o direito de insultar o sentimento religioso e a sensibilidade humana dos outros. Manifestação grotesca organizada e protagonizada por uma minoria que sempre constrangeu profundamente a maioria dos homossexuais e o mundo gay, que nós Pais de A Ilha de Patmos sabemos o suficiente para saber que eles nunca pisaram naquele teatro ridículo-grotesco, assim como os diretamente envolvidos sempre declararam, mesmo que suas vozes, que repito são os mais, sempre foram sufocados pelos menos.

.

Querendo parafrasear Georges Benjamin Clemenceau podemos dizer que a proposta de lei Zan é muito séria e exigente para ser deixada nas mãos de políticos. E serão eles - os políticos pró-Ddl Zan - que irão enterrá-lo sem saber. Mas vamos em ordem.

.

Certamente é certo e adequado apressadamente põe de lado as declarações inconclusivas do adesivo "pintado e marido desinformado de Ferragni que, em seu último viver seu Instagram, fez uma figura miserável e miserável discutindo sobre coisas que não sabe e não entende por evidente despreparo pessoal e embaraçando até a morte Sor Zan e Sor Cappato que tentaram corrigi-lo mas sem sucesso.

.

Irmã Anna Monia Alfieri, de uma forma muito mais educada, mas decisiva, ele tentou fazer nosso tatuado pensar baúcia dirigindo-lhe uma carta ardente para enfrentá-lo sobre o tema da Igreja e, sobretudo, sobre o Ddl Zan (muito mais do que o famoso Alberto Ravagnani poderia fazer don-catto-youtuber aclamado por Futuro e pelo CEI). Mas o que você quer, as mulheres sempre tem algo a mais, Irmã Anna Monia de modo particular.

.

Também neste caso não havia nada a fazer, Infelizmente. Sr F. forte dele 12 milhão seguidores continua em sua missão de iluminado que, do alto do palco do Concertone no dia 1º de maio, ele dispensa copiosamente a todos os seus devotos seu Vibhuti verbal muito pessoal que direciona para o bom pensamento, à boa votação e boa ação. Mas devemos observar uma coisa, os defensores da Lei Zan - Sr. F. inclusivo ― eles realmente têm pouca margem de manobra. A forma como as coisas são agora, eles parecem empurrados para as cordas e, pelo que parece do lado de fora (e talvez até por dentro!), eles ajudaram a criar esta situação, primeiro tentando vencer facilmente e depois tentando continuar uma blitzkrieg contra o antigo inimigo: a Igreja.

.

Políticos pró-Ddl Zan no Senado eles rejeitaram estoicamente qualquer forma de mediação e modificação. Nas mesas dos líderes de grupo da maioria consideraram inadmissíveis as alternativas propostas. Sem que um tiro fosse disparado, eles efetivamente abriram a possibilidade de uma votação secreta, o que é feito regularmente ― de acordo com o processo do Senado ― quando ocorrem situações como essas ou quando se trata de questões éticas. Digamos francamente, a possibilidade de ir ao voto secreto assusta terrivelmente os partidários do Ddl Zan porque sabem que é lá - no segredo - que a consciência de muitos deles estará mais livre para se expressar sem condicionamentos e pressões políticas de qualquer tipo de alinhamentos sociais e lobbies. E é lá no voto secreto - não importa se é feito no Senado ou na Câmara - que o que aparece claro por fora muitas vezes mudança de sotaque e pensamento. Por quê? Nós vamos, pergunte aos católicos adultos fundamentalistas e tradicionalistas com a lei do divórcio e do aborto, no sigilo da cabine de votação, fizeram escola dando o melhor de si.

.

O Ddl Zan terá que passar no teste do voto secreto no Senado onde cada um é confrontado com a sua própria consciência e não com o partido ou os lobbies. É curioso, mas parece que o já visto da confissão guareschiana de Peppone, feito à noite em uma igreja vazia em frente a um Don Camillo de estola e batina dentro do confessionário, em que a alma rubra do prefeito de Brescello deu lugar à do bom cristão, antes de tudo temeroso de sua própria consciência em que o Deus que ele lutou para se opor em público e com seus companheiros de partido ainda tinha uma morada estável e perpétua em seu coração secreto (MT 6, 3-17).

.

Deus guia a história e também a guia através das consciências daqueles que parecem, aos nossos olhos, os mais distantes e hostis à fé, mas que depois provam ser incrivelmente respeitosos, Isso é certo, Queridos leitores. Certamente muito mais do que aqueles que se definem como católicos comprometidos e apostólicos romanos e que passam o tempo zombando do mídia social os sacerdotes em silêncio de ignorância, pusilanimidade e traição. De fato, lendo comentários sobre os últimos artigos do Padre Ariel sobre Ddl Zan publicados em A Ilha de Patmos e também compartilhado em o Facebook, Estou impressionado com esta improvável Liga Católica que gostaria de enfrentar o temível e feroz exército LGBT+.

.

Não há nada nesses católicos, mas nada de concreto e maduro, e isso é dito sem controvérsia. Certamente é culpa de nós, sacerdotes, que não criamos fiéis, mas camicase. Se retirarmos as milenárias injúrias e as ameaças de castigo divino aos sacerdotes que, em seu julgamento errôneo, acolhem o pecador enquanto estigmatizam o pecado, nada permanece. Ou o que dizer das citações remixadas da doutrina católica e temperadas em um molho mariano distorcido, desprovido de qualquer sentido teológico? Tudo isso alimenta a necessidade de fomentar o ódio e a difamação do povo arco-íris contra uma Igreja “medieval” e obscurantista, culpado de ter gerado uma infinidade de crianças misericordiosas.

.

Por caridade, se o pessoal do arco-íris tiver like patrocinador marido de Ferragni, não estamos melhor porque temos Mons. Nunzio Galantine. Cada um, o resto, ele tem problemas em casa, mas acho que é necessário dar voz a um confronto próximo com a população homossexual real muito mais numerosa do que a do Orgulho que não gosta de aparecer no palco, mas que é dotado daquela delicadeza e elegância que pudemos apreciar no querido e saudoso Paolo Poli e em outros depois dele.

.

Estou convencido de que é aqui que devemos insistir procurar resistência real, sobretudo independentemente da Igreja Católica que hoje é incapaz de proferir qualquer análise de bom senso sobre o assunto ou de expressar a menor discordância. Se proibição, por exemplo, o caso da rota escolhida em Roma para mostrar o Orgulho. Roteiro que toca os lugares mais caros do cristianismo na Cidade Eterna. O desfile de Orgulho começa na praça da basílica de Latrão, a catedral metropolitana onde está localizada a cátedra do Bispo de Roma. Percorre a Via Merulana e passa em frente à Basílica de Santa Maria Maggiore, para chegar e finalmente terminar na Piazza della Repubblica, anteriormente Piazza Exedra, em frente à Basílica de Santa Maria degli Angeli e dei Martiri, última obra realizada por Michelangelo no antigo complexo das Termas de Diocleciano, local onde os cristãos foram martirizados no século III. Você já ouviu falar de reclamações públicas do Vicariato de Roma ou do C.E.I. ou da Santa Sé, cada um de acordo com sua competência?

.

Ou talvez você tenha ouvido falar de vários jornalistas e blogueiros católicos, muito ativo na web, assumir a defesa pública do Padre Ariel na sequência do recente processo que lhe foi notificado pela denúncia de um expoente e activista da lobby do arco-íris, completo com uma feroz associação LGBT que entrou com uma ação civil? Você já leu sobre os perfis o Facebook daqueles jornalistas abertamente católicos e pró-família um pálido apoio ao Padre Ariel e à sua dignidade de sacerdote perseguido antes do tempo de um processo que poderia ser feito com muito mais ferocidade se o projeto de lei Zan fosse aprovado? Porque para mim é exatamente o oposto: quando o padre Ariel pediu ajuda com custas judiciais de alguma fundação católica ou católicos apostólicos comprometidos e militantes, assim como endinheirado, todos esses grandes defensores da fé e da moral nem mesmo lhe responderam. Em vez disso, foram nossos leitores que, aceitou o recurso, eles estão nos enviando ofertas gratuitas para o fundo de custas judiciais, e a todos eles - que individualmente foram respondidos com mensagens de agradecimento - nunca deixaremos de agradecer. Dito isso, você pode ver claramente o quão tristes são os exemplos e o quanto eles poderiam se multiplicar. Como você pode então não entender a pessoa em questão que, com sua conhecida ironia toscano-romana, dias atrás, em uma de nossas entrevistas privadas, Comente: “Deus nos salve dos católicos apostólicos romanos comprometidos e militantes na frente da defesa suprema da fé, da família, da moral e da pátria cristã!».

.

Diante de tantos crentes, clérigos ou leigos, que se fecham numa superioridade indiferente que fica confinada ao seu próprio quintal, há muitos homossexuais maduros, que não só não são esquerdistas, mas que nem sequer militam no salão, em círculos e seções partidárias locais. Mas que sentem a profunda necessidade de dizer basta a esse mau hábito surreal que prejudica principalmente sua afetividade e o usa como aríete para derrubar inimigos que não existem. Pessoas comuns, orgulhosos de seu anonimato e de sua condição de, como nas páginas do escritor Liala, não permitem que sua afetividade seja espetacular e ultrapasse a intimidade do quarto. Pessoas autênticas que não sentem necessidade de se fechar no gueto de uma categoria protegida e que em plena liberdade viverão com serenidade a sua condição de homossexuais. E se para alguns a posição da Igreja não representa um problema para a sua vida - embora reiterando que a homossexualidade para a Igreja constitui uma desordem intrínseca e um pecado - outros desejam igualmente preservar essa necessidade de Deus e do diálogo com a Igreja que acaba por ser mais forte e necessário do que o medo de ser insultado na rua.

.

Amigos gays, formos honestos: aqueles que te chamam bicha, são os mesmos que chamam de vagabunda uma mulher seminua e ainda são os mesmos que começam a xingar quando um religioso atravessa a rua e depois toca em seus órgãos genitais em sinal de superstição. Seriam essas pobres pessoas, você não, precisando ser ajudado, porque aqueles que cometem tais excessos vivem problemas óbvios em suas vidas que certamente não são remediados por uma lei que prevê a repressão, multa ou prisão.

.

Eu gostaria de ver finalmente nos debates televisivos e públicos nem sempre os mesmos anfitriões de Ddl Zan que estão constantemente presentes em cada programa de entrevista e quem talvez discuta com o padre ou o convertido de plantão em um diálogo bem medido, mas terrivelmente enfadonho. Eu gostaria de ouvir homossexuais comuns que não pensam como Alessandro Zan, mas que nunca serão levados em consideração porque são a prova viva de que mesmo no mundo LGBT+ existe muita divisão e discrepância de ideias.

.

Precisamos mudar a narrativa oficial e simplesmente dizer que o arco-íris não é representativo de cada um. Não aquela bandeira romântica que reúne e protege toda a diversidade. A verdadeira bandeira de proteção é a educação que forma o homem para o pleno conhecimento do outro, como vem repetindo há algum tempo em seus escritos, conferências e intervenções televisivas Irmã Anna Monia que, para educação e escola, dedicou seus estudos e sua vida. Esta educação está na base da família como célula de todo consórcio humano. Nossa Constituição já prevê isso, para que respeitando o indivíduo a partir do sexo, por status social, por raça ou credo professado, todo mundo é livre para ser o que é sem ter que obter selos de garantia. E essa liberdade constitucional, Infelizmente, em diferentes ambientes LGBT+ e em Orgulho é abundantemente desrespeitado e tudo isto no mais completo e culposo silêncio daqueles que se erguem a defensores e promotores do Ddl Zan.

.

Eu gostaria de ouvir caras homossexuais como Umberto La Morgia, Ferdinand Tripodi, o jovem jurista e depois escolta O napolitano Francesco Mangiacapra ― do qual nossas Edições publicarão um livro muito interessante em setembro ― e muitos outros gays que vivem sua afetividade de forma visível, caras resolutos que se opõem ao Ddl Zan não porque sejam homofóbicos ou católicos, mas simplesmente porque são capazes de reduzir e vislumbrar uma emergência que não existe senão na mente dos promotores deste projeto de lei que muitas vezes experimentam feridas profundas que certamente não serão curadas ou curadas com a eliminação de supostos homofóbicos. Assim como existem homossexuais de bom senso que se opõem ao Ddl Zan, assim também há parlamentares e senadores de bom senso que, apesar de pertencerem ao Partido Democrático ou ao Movimento 5 estrelas desenvolveram um certo julgamento crítico em relação a este projeto de lei, o mesmo julgamento que o contador Fantozzi amadureceu em relação ao Encouraçado Potemkin.

.

O voto secreto certamente não dará voz aos homofóbicos, não para atiradores, você não vira gabbana, não aos vários Pillons de plantão mas a todos aqueles que, apesar de se sentirem em aparente sintonia com o ilustre Zan, eles não vão apoiá-lo e talvez já não o apoiem, pois há muito entenderam que este projeto de lei tem tantas falhas nele, mal-estar e divisões que a única forma de poder tomar uma decisão séria contra a discriminação é enterrar o Ddl Zan, pondo fim a esta longa agonia.

.

Laconi, 12 julho 2021

.

.

Queridos leitores,

sobre “homossexualistas radicais”, leia o artigo escrito pelo presidente de nossas edições [OMS vedere], em que pedimos apoio para o fundo das minhas custas judiciais. Fui objeto de um processo que, por mais infundado, no entanto, exige que eu prossiga com minha defesa em tribunal e, portanto, me obriga a gastar dinheiro em custas judiciais. A lógica é clara: acertar um para assustá-los e colocar mil deles na cama. É por isso que confio tanto na sua preciosa ajuda.

Agradeço àqueles que até agora enviaram uma contribuição para o provisão para custas judiciais, e a quem enviei em privado uma mensagem de agradecimento. Infelizmente, para alguns, Eu não pude responder ao invés, porque junto com sua doação eles não enviaram uma mensagem com seu e-mail. Agradeço muito a eles nestas linhas, desculpe por não poder enviar a ele uma mensagem de agradecimento.

.

.

«Você saberá a verdade, ea verdade vos libertará» [GV 8,32],
mas trazer, difundir e defender a verdade não só de
riscos, mas também os custos. Ajude-nos a apoiar esta ilha
com suas ofertas através do sistema seguro PayPal:









ou você pode usar a conta bancária:

a pagar a Editions A ilha de Patmos

IBAN TI 74R0503403259000000301118

SWIFT DO CODICE: BAPPIT21D21
nesse caso, envie-nos um aviso de e-mail, porque o banco
Ele não fornece o seu e-mail e nós não poderíamos enviar-lhe um
ação de graças:

isoladipatmos@gmail.com

.

.

.

 

.

.

.

 

25 respostas
  1. orenzo
    orenzo diz:

    Como fui claramente acusado de ser um desses católicos intolerantes que estragam o trabalho dos católicos tolerantes, Gostaria de salientar que minhas discussões com irmãos homossexuais são principalmente sobre o fato de que na natureza, além de aberrações cromossômicas muito raras, os homens têm cromossomos XY e as mulheres têm cromossomos XX.

  2. Tocha
    Tocha diz:

    GENTIL FLAMBEAU,

    ESTE COMENTÁRIO, INICIALMENTE PUBLICADO, FOI CANCELADA A PEDIDO DE VÁRIOS LEITORES QUE SE SENTIRAM PESSOALMENTE OFENDIDOS PELOS JULGAMENTOS REVOLUCIONÁRIOS E NÃO REAGENTES QUE VOCÊ EXPRESSOU SOBRE O PADRE IVANO E MIM

    Ariel S. Levi di Gualdo, presbítero

    • Pai de Ariel
      Dom Francesco Messina diz:

      Não há discussão sobre a víbora, pessoalmente eu teria dito ainda muito pior.
      Então, dar de “Dom Abbondio” ao Padre Ivan, assim, com a maior indiferença, e ainda por um … muito corajoso anônimo.
      Mas por que, postar comentários como este?
      Apenas jogue fora, não seria melhor?

      • Pai de Ariel
        Pai de Ariel diz:

        Querido irmão,

        você está certo, mas a coisa é um pouco’ mais complexo, eu tento me explicar.
        Muitas pessoas não apenas fazem perguntas, mas também escrevem comentários sobre artigos, que pode ser positivo ou negativo.
        Se apenas publicássemos os comentários positivos, faríamos uso e abuso de leitores selecionados para “elogio autocongratulatório”.
        Portanto, é preciso e necessário publicar também comentários críticos negativos, às vezes até críticas altamente negativas, às vezes insolente e às vezes até ofensivo.
        Em vez disso, o que é certo não publicar são os comentários escritos profundamente ofensivos, sempre e rigor, por pessoas anônimas.
        Precisamos dar uma visão realista das coisas e, portanto, da realidade, também aceitando comentários negativos e provocativos, desde que não excedam, como acabei de explicar para você, os limites do bom gosto e da decência, ou comentários que contenham falsidades flagrantes ou heresias apresentadas como verdades de fé.

      • Pai de Ariel
        Pai de Ariel diz:

        Querido irmão,

        a pedido de um leitor que nos enviou uma carta muito comovente, Sra Louise M. Handservice, tendo em conta o seu comentário público, por Don Ciro (Nápoles) e vários outros comentários privados que chegaram até nós, removemos o comentário de um certo Flambeau, ao que você também respondeu em tom de decepção.

    • Pai de Ariel
      Dom Ciro (Nápoles) diz:

      padre ivano a “Dom Abbondio”?
      Basicamente, como reescrever a história e afirmar que Leão, o Grande, foi ao encontro de Átila, desmontado, ela se jogou no chão aos pés dele e chorando e tremendo de medo implorou dizendo … compaixão, tenha piedade de mim!
      Na minha opinião, para algumas pessoas, o calor cria efeitos colaterais devastadores.

      • Pai de Ariel
        Pai de Ariel diz:

        A pedido de um leitor que nos enviou uma carta muito comovente, Sra Louise M. Handservice, removemos o comentário de um certo Flambeau, ao qual Don Ciro havia respondido com este post de sua.

  3. Don Ettore Barbieri
    Don Ettore Barbieri diz:

    Nada a dizer sobre limitar os danos. Pelo contrário. além disso, Eu não acho que ela está errada; Ainda 20-25 anos atrás parecer homossexual ou transexual era um estigma. Mas isso não significa que seja algo para se orgulhar. O que eu quis dizer é que a chamada cultura homossexual tornou-se tão estabelecida que todos aceitam como óbvios uma série de termos e conceitos que não são de todo. Você certamente deve ter notado como há cerca de dez anos muitos jovens já consideram a homossexualidade como uma coisa completamente normal ou melhor, vivem na ideia pansexualista segundo a qual, precisamente, não há um “medir” da sexualidade. Portanto, – e talvez eu não tenha me feito entender -, Eu acredito que nada deve ser concedido à mentalidade homossexual, porque necessariamente traz consigo uma visão distorcida da realidade, a menos que a própria pessoa perceba que está errada e tente mudar sua vida, naturalmente.
    Obrigado por suas orações que tentarei retribuir.

    • Pai de Ariel
      Suor Anna M. Michelini diz:

      … eu acho que todo mundo, querido Don Ettore, conhecemos homossexuais que nunca ostentaram sua condição de homossexuais com orgulho, diferente do que acontece hoje. Quão verdadeiro é o que ela diz nas entrelinhas, ou seja, que gênero não é uma escolha, nem poderia levantar amanhã de manhã dizendo que me sinto um homem e pretendo ser aceito como me sinto subjetivamente, exceto processar qualquer um que me lembre que sou uma mulher e que esta é a realidade. Então é verdade que o homossexualismo, entendido como uma ideologia, porto, como ela diz, ou pior, tentar impor, uma visão distorcida da sexualidade.
      Tempo seria o discurso, como você bem sabe, de educação de gênero nas escolas, por que passar para as crianças, tão profundamente influenciado e manipulado, o conceito de que gênero não é algo inerente desde a formação do feto no útero, mas uma escolha livre da pessoa, produziria desastres que preferiria nem pensar no momento.

  4. Pai de Ariel
    Dom Ciro (Nápoles) diz:

    Querido pai Ivano,

    artigo muito bom, como sempre, o resto.
    Aconteceu no último domingo: um casal gay foi à missa na minha paróquia de mãos dadas, com uma atitude que dizer provocativa seria um eufemismo. E de mãos dadas se apresentam para receber a Comunhão, que eu discretamente lhe neguei. Um dos dois começou a reclamar que era seu direito receber a Comunhão, que também é dada aos Camorristi. Fui colocar a pyx no altar porque não havia necessidade de discutir com o Santíssimo Sacramento. Corpo de Cristo em minhas mãos e eu disse sim, também pode ser que os camorristi recebam a Comunhão, no entanto, eles não aparecem na igreja ostentando sua pertença aos clãs da Camorra e afirmando ser reconhecidos e legitimados como tal.
    Como você vê, pai Ivano, isso já é o presente, sem esperar sabe-se lá que futuro.
    eu concordo totalmente com você, que você questiona, na frente de alguns “preparar” que tocam todos os lugares mais simbólicos para o cristianismo em Roma, com que outros assuntos os membros da CEI e da Santa Sé estão ocupados?. Mais ou menos como quando o Orgulho Gay desfilou em frente ao santuário da Madona de Pompéia.

    (enviou uma pequena oferta para as despesas legais do Padre Ariel)

  5. Pai de Ariel
    Irmã Laura M. Michelini diz:

    eu acho que (mas talvez eu esteja errado) que certa pletora de católicos bastante estranhos, e espetaculo, uma incapacidade perturbadora de compreender o óbvio. Ou que talvez o que é óbvio para nós não seja óbvio para os outros?

    Este artigo é um pouco’ a continuação do precedente do Padre Ariel que explica a necessidade de “mediação” e não de compromisso. A citação do Evangelho sobre o rei que, antes de guerrear contra outro rei, tem que lidar com os soldados é muito precisa, com a força que tem.

    Querido Pai Ivano, eu moro no mundo escolar (Eu tenho ensinado o ensino médio em um nível católico desde 30 anos), e eu concordo totalmente com você que, certos católicos barulhentos só podem causar danos graves, porque os promotores deste projeto de lei usam suas frases agressivas e intolerantes para reiterar a necessidade desta lei.

    Como eles podem (Não vou citar nomes porque não é necessário), neste momento tão delicado, certos blogs e sites católicos até de certa difusão, abordar o mundo homossexual chamando os gays de forma depreciativa “invertido, Sodomitas, pederastia”?

    Esses católicos (se católicos são!) eles estão trabalhando para fornecer razões para aprovar esta lei. E amanhã, nós, nós nos encontraremos obrigados, em escolas particulares católicas, para o ensino de genero. Em um caso tão indesejável, Eu posso dizer agora que nós, nossa escola, vamos fechá-lo sem pensar nisso por mais um momento, e eu não acho que seria o único a escolher fechar.

    Obrigado queridos padres, Eu o apoio com uma oração e enviei uma pequena doação em nome de nossa comunidade religiosa para o fundo de despesas do julgamento do Padre Ariel.

    Irmã Laura M. Michelini

    • Stefano
      Stefano diz:

      Querida Irmã Laura, cada um reage como sabe e como pode, mas o que é totalmente injusto neste caso é aquele infame projeto de lei liberticida, não é a reação de quem não consegue calar a boca. Que certas reações sejam inoportunas me parece um problema secundário e, De qualquer forma, de modo algum capaz de propiciar a aprovação da lei, Mas esta é a minha opinião. No entanto, não me parece que os católicos “normal” sinta-se livre para sempre jogar a cruz neles “Páginas”, alvo totalmente errado, com o único resultado de dar razão de facto a quem não a tem (“você viu que precisamos de uma lei, Católicos também dizem isso?”) e causar mais uma divisão entre os filhos de Deus. Lutar contra a lei Zan é lutar pela liberdade de pensamento e expressão, dois direitos inalienáveis, mesmo dentro da igreja.

      • Pai de Ariel
        Irmã Laura M. Michelini diz:

        Caro Stefano,

        os católicos, os filhos de Deus, eles se separaram de si mesmos e por várias décadas.
        não sei, se Padre Ivano ou Padre Ariel, porém, lembro-me de um artigo nesta ilha em que dobrava de forma lúcida (Citação de memória) que os católicos foram às urnas para votar a favor do referendo sobre o aborto e no domingo seguinte voltaram a lavar as mãos nas bancadas.
        não sou teólogo, eu estudei clássicos, mas eu sei e tenho ensinado catecismo por muitos anos. Muito melhor do que eu, os pais teológicos da ilha podem explicar o “pecado original”, que não temos culpa, mas que nos foi transmitido com tudo o que isso implica.
        Alguns de nós podem até dizer que não é nossa culpa, mas de Adão e Eva, e na verdade a culpa é deles, mas os efeitos desse pecado caíram sobre nós que não o cometemos. Talvez você não tenha votado na época (na verdade quem sabe se ele já nasceu, não sei a idade dele), mas as consequências desse exército de católicos que foram às urnas para votar a favor do aborto recaíram sobre nós, nesse e em vários outros casos.

        Há anos leio o padre Ariel que em seus artigos explicava amplamente o conceito de decadência e o que ela produz quando o limiar sem retorno é ultrapassado torna-se irreversível, tópico sobre o qual ele escreveu artigos verdadeiramente memoráveis.

        O problema é que hoje, católicos deprimidos, eles só têm a capacidade de ouvir a si mesmos, não os guias e professores, ao qual eles são capazes apenas de dizer “eu não concordo … eu penso isso …”. E quando eles disseram “EU”, com isso eles disseram tudo, e mais ou menos encerrou a conversa.

        Pode ser que essa lei acabe prejudicada, Mas, pode ser finalmente aprovado. Precisamos pensar nessa segunda possibilidade, e, se assim for, tentar limitar o alcance do dano potencial e gravíssimo que nós, católicos, poderíamos derivar disso.

        Padre Ivano, e Padre Ariel com seu artigo alguns dias atrás, eles fizeram uma pergunta precisa que parece não tê-la tocado, isto é, que nós, para o estado em que estamos hoje, não podemos pensar, pior para nos iludir, ter força (e também capacidades) para lutar contra um lobby internacional muito poderoso e feroz como o LGBT.
        Ela acha que pode? Venha, por que meios, recursos e homens? “Manteiga” você tende a culpar a Igreja e o clero, o que basicamente equivale a dizer que a culpa é de Adão e Eva (e isso é) mas isso não apaga o fato do pecado original que caiu sobre todos, independentemente dos culpados diretos.

        Lute sem meios, homens e recursos significa perder qualquer batalha, uma pobre mulher de lhe diz 72 anos que fez sua primeira profissão religiosa 50 anos atrás vestindo longas túnicas pretas, com a bandagem no rosto e o longo véu, e eu me senti tão confortável, com aquelas vestes austeras. Hoje, com algum embaraço, eu tenho que carregar (como todas as minhas irmãs), o vestido logo abaixo dos joelhos, de uma cor indefinível entre cinza e azul, porque assim foi decidido, e por que na época, aqueles como eu que poderiam ter reagido a isso e a muitas outras coisas, eles não. Hoje não culpo a Igreja, nem à minha congregação nem às freiras de ontem e de hoje, Eu culpo apenas a mim mesmo.
        Ela, em vez de, acha mesmo que a culpa é sempre do outro e que é o outro que tem que resolver os problemas, se alguma coisa, mesmo um pouco improvável?

        • Stefano
          Stefano diz:

          Irmã Laura, Eu não entendo porque você me coloca entre um “manteiga” não melhor especificado, usado apenas para marcar distâncias, e por que você diz que eu acuso a Igreja quando está claro contra quem eu tenho isso. Eu posso ter parecido hostil com ela? Peço desculpas. Minha intenção era apenas acabar com o fogo amigo, mas quanto mais eu alcanço, mais eles atiram em mim.
          Eu penso que sim: se a lei Zan for aprovada, não será porque alguns de nós ultimamente se expressaram de forma deselegante, mas porque isso foi decidido por algum tempo em círculos internacionais restritos que têm o poder de impor qualquer decisão legislativa aos Estados, econômica e judicial (além das guerras, pandemias e planos de vacinação planetários). Se, em vez disso, não for aprovado, será apenas por uma intervenção direta da Madonna, que, no entanto, ele quer que seus filhos sejam unidos (e que melhor causa), assim como, contrário, o Inimigo nos quer divididos para nos exterminar um a um. Uma Igreja dividida não assusta ninguém, enquanto uma Igreja unida, mesmo que seja uma minoria, é uma barreira para o transbordamento do mal. Em uma circunstância tão sagrada e nada improvável, lembre-se de quem agradecer. Acredite em mim, não serão eles que quiseram fazer pactos com o diabo.

          • Pai de Ariel
            Pai de Ariel diz:

            ela tem um grande problema, Digo-vos isto com profunda ternura pastoral: ele é incapaz, acima de tudo, de ler e entender o que está escrito, ele o interpreta mal porque lhe falta a capacidade de ouvir qualquer pessoa além de si mesmo, no fim, sem perceber, ele também se torna insolente e ofensivo.
            Infelizmente, a pessoas que têm discursos articulados com base no senso comum, a lógica e a inegável realidade dos fatos, ele nem percebeu que os havia insultado, acusando-os de querer fazer pactos com o diabo.
            ela está em péssimo estado, Minha querida, que eu lamento profundamente, mas eu sei o quanto é difícil, às vezes impossível, ajudar aqueles que não querem ser ajudados e raciocinar com aqueles que se recusam a articular até mesmo um raciocínio lógico e racional elementar.
            E finalmente o golpe mágico: a figura da Madona transformada em um cruzamento entre o Mago Merlin e a Fata Morgana que a certa altura chegará com a varinha mágica para resolver nossos problemas.
            É este, ela, por acaso ele também chama ela “fé católica”?

            P.S..

            Para que a Igreja seja unida, aqueles como ela devem aprender a ouvir os mestres e seguir seus ensinamentos, ao invés de dizer “eu penso isso…” e não se importar com todos os professores e padres.

          • Stefano
            Stefano diz:

            Quando ontem no Senado, por apenas um voto, a discussão do projeto de lei Zan não foi adiada indefinidamente (leia definitivamente afundado), ainda com a ausência injustificada de sete senadores entre FI e Lega, Eu pensei naqueles acima que me chamaram para o bom senso do Evangelho, ou seja, avaliar bem se vale a pena travar uma guerra com 10.000 homens com quem você se encontra 20.000, e, se alguma coisa, não tente concordar com ele enquanto você ainda tem tempo. Pena que desta vez foi o inimigo quem se acertou primeiro. 10.000 homens, enquanto nós 20.000 idiotas com a vitória na mão, aplicando o Evangelho ao contrário, optamos imediatamente pelo acordo descendente. Parabéns aos estrategistas do CEI, para dizer o mínimo.

          • Pai de Ariel
            Pai de Ariel diz:

            Stefano,

            seja um pouco espirituoso, pelo menos comigo, então organize uma coleta de assinaturas para propor um referendo para revogar a lei do aborto, então diga-nos – com os números na mão – quantos católicos se apressaram a assinar, numerosos a ponto de lotarem as praças onde estão localizadas as barracas de coleta de assinaturas.

            Ela vive fora do mundo real. Então o problema não é nosso que tentamos viver na realidade e à luz do bom senso, o problema é todo dele.

          • Stefano
            Stefano diz:

            Caro p.Ariel, Eu nunca me permitiria ser engraçado com ela, no sentido de desrespeitá-la, Estou apenas tentando aliviar a gravidade da situação, recorrendo à ironia. Nem tenho isso com os pais da ilha de Patmos por sua posição em favor, vamos chamá-lo assim, do "mal menor". Minha estimativa por você não muda, mesmo que eu considere essa posição errada, em primeiro lugar, na ordem da razão, mas também na ordem da fé, Por que, no dilema entre dois males alternativos e inevitáveis, o mal menor é sim uma escolha forçada mas, certamente não pode direcionar um acordo político para evitar a prisão que, nele mesmo, nem é uma coisa ruim, nem é inevitável (especialmente quando você ainda pode contar com uma maioria suficiente no Parlamento para combater a deriva homo-trans-totalitária). A história da votação no Senado prova isso (mas isso já era conhecido) que há uma maioria que, por ignorância ou má fé – quem pode dizer? – alguém mais católico que os outros desistiu programaticamente de compactar, preferindo que subisse ao palco a pantomima da falsa oposição baleada pelos atiradores, com o único propósito de sacrificar a verdade a esse totem ideológico chamado “diálogo”, recusa, ao ser capaz, enterrar definitivamente uma lei liberticida. Agora, se você quiser refutar, no mérito, esta minha tese, isto é, sem jogá-lo em um nível pessoal, por exemplo, aludindo aos meus supostos problemas psiquiátricos, como se isso fosse um argumento decisivo, eu ficaria sinceramente feliz. Eu também estou um pouco cansado de ser uma voz solitária.

    • Pai de Ariel
      Dom Angelo Rossit diz:

      No caminho para o 70 Eu posso dizer isso aos nossos pais, sobre tudo, mas também para nós como adolescentes e jovens, que nós éramos, nunca lhe teria ocorrido insultar padres como alguns têm o hábito de fazer … “católicos” numa internet muitas vezes reduzida por eles a um grande esgoto. Hoje, porém, temos que lidar com pessoas que nem vêm à igreja no Natal e na Páscoa, mas só no natal, que na frente de menos de 10 minutos de sermão derramam todas as cores em você, ou porque 10 minutos são muitos, ou porque você não falou bem, ou porque o que você expressou como aderindo perfeitamente à doutrina católica eles não compartilham e se alguma coisa (Isso aconteceu comigo, e nem uma vez) eles também vêm para te dizer … “ah, não concordo com o que ele disse”. Para depois regressar ao Natal seguinte, sem ao menos ter a menor ideia do que acontece do começo ao fim da missa, e sobretudo o que se celebra e porquê.
      Estes são os “católicos” que nos insultam nas redes sociais. E esses católicos devem agir como uma barreira ao projeto de lei Zan?

    • Don Ettore Barbieri
      Don Ettore Barbieri diz:

      Querida Irmã Laura, o que o projeto de lei Zan visa não é uma proteção hipotética de pessoas homossexuais de agressão física ou verbal injusta, mas a aprovação total da homossexualidade em um nível social e legal, com a criminalização associada de todos aqueles que pensam de forma diferente. Condenar a prática homossexual ou ter uma repulsa saudável por ela não deve se tornar uma gazua a ser jogada nas pessoas, que muitas vezes são ignorantes ou mesmo de boa fé, mas temos muito cuidado com o uso de toda uma terminologia que o mundo homossexual de fato impôs: vida gay e homossexual não tem absolutamente nada de feliz porque é uma sexualidade mortal, comunidade, quase como se ser homossexual fosse a base para estabelecer uma sociedade dentro da sociedade, homofobia, quando a maioria das pessoas não tem medo de homossexuais, mas aborrecimento e também nojo pelo que costumam praticar, heterossexualidade, quando a sexualidade, por natureza ele é apenas hetero e assim por diante. Todo o movimento homossexual, desde o início até o fim da guerra nos EUA e um pouco’ mais tarde em outro lugar, não era mais do que uma reivindicação de reconhecimento do que não pode ter. Lembro-me das palavras de João Paulo II depois do orgulho gay de 2000: eles parecem passados ​​não 21 anos, mãe 200.

      • Pai de Ariel
        Irmã Laura M. Michelini diz:

        Rev.mo Don Ettore,

        Acabei de responder ao Stefano que, acabei de enviar a mensagem, eu li esse seu comentário.
        Eu não entro no mérito, inteiramente compartilhável, do que ela basicamente diz; e ele afirma isso com conhecimento muito superior ao meu, porque como padre você exerce o ministério da confissão e tem um contato muito direto e profundo com certos problemas.
        Então eu repito isso, se este projeto de lei não for afundado (que para mim eu espero), devemos esperar que seja aprovado com toda uma série de emendas que salvaguardem a liberdade de opinião, expressão, educação e ensino, portanto, a liberdade da Igreja de transmitir, ensinar e reafirmar o que é bom e o que é ruim, o que é moral e o que é desordem moral etc …

        Como eu já respondi antes, Concordo com o padre Ivano e o padre Ariel quando explicam que atualmente não temos forças, meios e soldados para fazer e vencer uma batalha contra um exército tão poderoso e agressivo. Julgo em minha humilde opinião sábia a exortação do Padre Ariel de que, referindo-se ao Evangelho, explica que um rei não pode 10.000 homens para guerrear contra um rei que tem um 20.000, ele então tentará enviar-lhe uma embaixada de paz. Não se trata, Who, fazer as pazes com as pessoas LGBT, mas para mediar, o que não significa (como ele explicou pelo padre Ariel) procurar compromissos, na verdade, eles sempre devem ser evitados, mas tente limitar o dano tanto quanto possível quando, Infelizmente, você não é capaz de fazer e vencer uma guerra que, Infelizmente, da nossa parte, no estado em que nos encontramos realisticamente, teria sido perdido desde o início.

        Então também pode ser que eu esteja errado, se alguma coisa, mesmo de uma forma sensacional, mais uma vez confio em sua compreensão sacerdotal e em suas preciosas orações.

  6. Pai de Ariel
    Luigi70 diz:

    Artigo de equilíbrio magistral, sabedoria e realismo.
    Obrigado querido Padre Ivano.
    Eu também olhei os comentários no facebook … e o que dizer: se os católicos fossem os que escrevessem certas coisas todos nós, muito razoavelmente, devemos nos apressar para mudar “arte”

    Luís (presbítero da Apúlia)

    • Pai de Ariel
      Luísa M.. Handservice diz:

      Bolonha 13 julho 2021

      Rev.mo e querido Padre Ariel,

      compartilho várias coisas com ela, primeiro de tudo o conteúdo de seus artigos e depois de seus livros, que eu tenho tudo, e em várias ocasiões eu os comprei para fazer presentes, especialmente a certos católicos confusos e desnorteados.

      Eu também compartilho outra coisa com ela: a data de nascimento. Nós dois nascemos em 19 agosto, embora com uma diferença: ela fará 58 anos e eu 80, então eu poderia ser sua mãe. E só Deus sabe, de um filho padre como ela, como eu ficaria orgulhoso!

      Ela é uma pessoa estimada, muito querido e seguido por muitos, e muitos de nós somos gratos. Quantas dúvidas ele dissipou em muitos de nós, e quantas consolações deu em anos de atividade publicitária e editorial!

      te peço um favor pessoal, que não é dito que ela é mantida, sob qualquer título, para me dar.
      Eu gostaria que você apagasse o comentário cáustico e difamatório escrito por um certo Flambeau, que se calaram sobre “Dom Abbondio” um padre sábio como padre Ivano e ela de outras coisas nojentas. Finalmente, mencionando Mons.. Antonio Lívi.
      Estive ligado e por anos em contato com o falecido Mons.. Antonio Lívi, Eu o vi pela última vez em maio 2018, enquanto eu estava de férias em Trentino. Naqueles dias ele deu uma conferência em Rovereto, na cidade natal do Beato Antonio Rosmini, que eu fui ouvir.
      Naquela ocasião eu disse a ele que os artigos que li na ilha de Patmos foram um conforto para mim, revista online que ele co-fundou. Monsenhor respondeu as palavras exatas: “Padre Ariel é um teólogo de grande doutrina e profunda profundidade humana e moral. Ele não barganha a verdade e não se acomoda em certas questões teológicas, porque não precisa ser. Se ele tivesse barganhado pela verdade, hoje ele seria titular de uma cátedra em alguma universidade pontifícia romana e mais tarde o teriam feito bispo”.
      Essas palavras, Mgr. Lívia, ele não contou para mim, para você por você, mas na presença do meu marido, da minha filha, do meu sobrinho mais velho e três de seus amigos, Eu suponho que eles foram os organizadores do evento, então de seis testemunhas oculares.

      eu também sei disso, no período agudo de sua doença, ela trabalhou muito para ele. O que não sei foi feito por aqueles que hoje tentam usar seu nome de maneira falsa.

      Somente assuntos intelectualmente desonestos podem confundir algumas de suas trocas teológicas com brigas e ódio.

      Então este é o favor pessoal que eu peço a você: tolga, Por favor,, deste fórum, Comentário de Flambeau. Eu entendo que você tenta dar voz a todos, mas esse comentário é acima de tudo falso, muito ofensivo ao Padre Ivano autor deste artigo e digno teólogo, para ela, para a memória de Mons.. Livi a quem certas piadas venenosas anônimas certamente não prestam homenagem.

      Se você puder, eu sou grato a ela.

      Luísa M.. Handservice

Comentários estão fechados.