A frase mais manipulada deste pontificado: «Quem sou eu para julgar um homem gay?»

Padre Ivano

A FRASE MAIS MANIPULADA DESTE PONTIFICADO: «QUEM SOU EU PARA JULGAR UM GAY?»

Anos depois, começando por certos pseudo-católicos envenenados, devemos continuar a ler estas afirmações escandalizadas: «… o Papa afirmou: quem sou eu para julgar um gay?». Para posteriormente acusá-lo de ter eliminado o que continua a ser uma desordem moral para a moral católica. Na verdade, é precisamente o Catecismo a que se referiu o Santo Padre que em n. 2357 esclarece: «Atos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados».

.

Autor
Ivano Liguori, ofm. Capp.

.

artigo em formato de impressão PDF

.

 

O «quem sou eu para julgar um homem gay» é uma frase que tem uma premissa seguida de um esclarecimento, depois uma expressão alinhada com a doutrina católica e um esclarecimento final adicional com referência ao Catecismo da Igreja Católica.

Mesmo que tenhamos a Internet disponível e todos podem procurar e ler os discursos oficiais quase sempre acompanhados de documentos em vídeo, disponível e acessível em site da Santa Sé, o exército de analfabetos funcionais ou digitais limita-se com obstinação obstinada a confiar em boatos e meias frases relatadas de blog em blog.

Consciente de que pouco valerá esclarecê-lo, Eu faço isso de qualquer maneira: o Santo Padre começou: «… o saguão, todo, eles não são bons". E como premissa não é uma questão trivial, porque ele está se referindo aos poderosos e ideológicos lobbies LGBT, mesmo que ele não os nomeie, mas ele deixa claro.

Após esta introdução passa para um esclarecimento inequívoco: «… se alguém é gay e busca o Senhor...". Não há conversa, assim, de um gay indescritível como tal, mas de um gay «…quem busca ao Senhor…». Após a introdução e o esclarecimento, um esclarecimento adicional «… e tem boa vontade…». Neste ponto o Santo Padre faz uma afirmação que é óbvia do ponto de vista da doutrina da fé católica: «… quem sou eu para julgar?».

Digo óbvio porque só Deus pode ler e julgar a consciência de um homem, nenhum de nós pode, porque mesmo se ele quisesse ele não seria capaz de fazer isso. Depois de tudo expresso, o Santo Padre conclui: «O Catecismo da Igreja Católica explica isso tão lindamente, mas ele diz: “Essas pessoas não devem ser marginalizadas por esse motivo, eles devem ser integrados na sociedade".

Agora vamos ler a frase inteira com o qual o 28 julho 2013 o Santo Padre respondeu à jornalista brasileira Ilze Scamparini, correspondente da Itália e do Vaticano para Rede Globo, libertando os fãs LGBT e fazendo chorar aqueles católicos obtusos para quem não entender parecia mais conveniente do que nunca:

«[...] Você estava falando sobre o lobby gay. MAh! Muito se escreveu sobre o lobby gay. Ainda não encontrei ninguém que me desse carteira de identidade no Vaticano com "gay". Eles dizem que há alguns. Eu acredito que quando você se encontra com uma pessoa assim, deve distinguir o fato de ser uma pessoa gay, de lobby, porque os lobbies, nem todos são bons. Isso é ruim. Se uma pessoa é gay e buscando o senhor e tem boa vontade, quem sou eu para julgá-la? O Catecismo da Igreja Católica explica isso tão lindamente, mas ele diz: “Essas pessoas não devem ser marginalizadas por esse motivo, deve ser integrado à sociedade" [...]». (texto oficial, QUeu).

O n. 2358 do Catecismo da Igreja Católica, a que o Santo Padre se refere, recital:

«Um número considerável de homens e mulheres têm tendências homossexuais profundamente enraizadas. Esta inclinação, objetivamente desordenado, constitui evidência para a maioria deles. Portanto, eles devem ser recebidos com respeito, compaixão, delicadeza. A seu respeito, qualquer marca de discriminação injusta será evitada. Essas pessoas são chamadas a cumprir a vontade de Deus em suas vidas, e, se eles são cristãos, para unir as dificuldades que eles podem encontrar como consequência de sua condição ao sacrifício da cruz do Senhor ".

Anos depois, começando por certos pseudo-católicos envenenados, devemos continuar a ler estas afirmações escandalizadas: «… o Papa afirmou: quem sou eu para julgar um gay?». Para posteriormente acusá-lo de ter eliminado o que continua a ser uma desordem moral para a moral católica. Na verdade, é precisamente o Catecismo a que se referiu o Santo Padre que em n. 2357 esclarece: «Atos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados». O que isso implica, em todo o contexto dos números 2357-2358, uma clara distinção entre pecado, ser rejeitado sempre e em qualquer caso, e o pecador, ser bem-vindo sempre e em qualquer caso.

Deve ser sempre evitado levar ao pé da letra as coisas relatadas de blog em blog. E ainda, aqueles que têm o cuidado de não ler discursos e documentos oficiais, quase sempre com anexos de filmes, disponível e ao alcance de todos, constituem um exército doloroso e lamentável que é cada vez mais denso, com quem muitas vezes, nós padres e teólogos, devemos experimentar o grande fracasso da impotência, na frente de quem, Teimosamente, ele não quer ouvir razões, Por que … “minha sui social Eu li que …".

 

Sanluri 29 Posso 2024

.

.

.

.

Os livros de Ivano Liguori, para acessar a livraria clique na capa

.

.

.

______________________

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

 

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

 

.