"No Natal você pode": as derivas dos supercatólicos parecem menos graves do que as de certos bispos

- notícias eclesiais -

"NO NATAL VOCÊ PODE": OS DERIVADOS DE SUPER CATÓLICOS PARECERAM MENOS SÉRIOS QUE OS DE CERTOS BISPOS

.

Parece supérfluo lembrar, porém em tempos de analfabetismo funcional é bom reiterar isso. A intervenção do Bispo de Pistoia não pode e não deve ser incluída na eterna diatribe da lógica entre pró-cera contra sem vacina. Informa uma sensibilidade pastoral que se torna cada vez mais opaca, tanto que se assimila àquela pálida maneira de fazer política que acaba se distanciando do povo.

.

Autor
Ivano Liguori, ofm. Capp.

.

.

 

.

.

.

«No Natal você pode…» quem não se lembra da famosa canção que entrou nas casas de italianos como tinir publicidade de um produto de confeitaria conhecido? Certamente muitos. Nós vamos, hoje eu sinto vontade de dedicar isso tinir uma SE. Mons. Fausto Tardelli bispo de Pistoia, que neste Natal ele poderia ter - o condicional é obrigatório - ter nele o cheiro do seu rebanho, mesmo que sem vacina, mas quem preferiu usar o laço da política ao invés do do pastor para fazer uma paliatone de todo o respeito a ser dirigida aos fiéis de Pistola que se recusam a usar o soro.

.

A postura dura do prelado Pistoiano sobre os fiéis sem vacina apareceu no semanário diocesano A vida no livro de endereços Na ponta de uma caneta [você vê WHO e WHO] mas que a partir de hoje seria mais necessário rebatizar Na ponta da folha, dado o impulso pastoral do Bispo para aqueles fiéis que não querem ser vacinados.

.

"No Natal você pode..." causar uma boa impressão, mas não é o caso do Bispo em questão que - pobre alma - prefere parecer emocionado, espantado e até envergonhado por aqueles cristãos que assumem tais posições - leia sem vacina - e que costumam frequentar sua igreja diocesana.

.

Não consigo pensar em uma posição mais desequilibrada e demente disso, que talvez corra o risco de parecer ainda pior do que o assumido pelo bispo de Tempio-Ampurias, SE. Mons. Sebastiano Sanguinetti, que pediu que o clero e os fiéis da diocese de Gallura fossem vacinados [você vê WHO].

.

Parece supérfluo lembrar, porém em tempos de analfabetismo funcional é bom reiterar isso. A intervenção do Bispo de Pistoia não pode e não deve ser incluída na eterna diatribe da lógica entre pró-cera contra sem vacina. Informa uma sensibilidade pastoral que se torna cada vez mais opaca, tanto que se assimila àquela pálida maneira de fazer política que acaba se distanciando do povo. Por isso estou convencido de que é necessário ir mais fundo do que parece uma simples reprimenda em um jornal diocesano.. Seria pelo menos sábio e razoável que pelo menos nós cristãos deveríamos evitar desvios dialéticos semelhantes que selecionam e contrastam o bem contra o mal e que, a longo prazo, cansam, criando instabilidade social., revolta popular e desconfiança das instituições, todas as coisas que infelizmente estamos nos acostumando e que não nos permitiram melhorar, mais bom ou extremamente tolerante.

.

Na minha opinião é necessário enfatizar e retomar a atitude pastoral de um bispo que não pode se dar ao luxo de Porra os fiéis de graça. Eles de fato, embora em flagrante errado, no entanto, eles são livres para expressar reservas legítimas mesmo que expressas em tons carnavalescos ou às vezes até próximos da ficção científica, mesmo que tenham sido inspirados por autodenominados guias espirituais que do exterior discutem sobre tramas e apocalipses iminentes. Ainda somos possuidores de uma liberdade batismal que Deus nos deu e que Ele é o primeiro a respeitar mesmo diante do nosso pecado? É evidente que esses fiéis estão confusos e talvez doutrinariamente despreparados e condicionados, mas por isso mesmo eles não precisariam ver seu bispo como um pai e não um padrasto? Não seria melhor que o bispo atuasse como um guia seguro que vigia de cima, respeitando assim a etimologia do seu nome, em vez de seguir a lógica oportunista da política que vive da contradição entre os opostos, esperando a derrota das facções opostas? Porque, queridos leitores, se mesmo na Igreja de Cristo irrompe a divisão e a facção é impossível se dar bem e dar lugar ao Espírito Santo para agir e criar comunhão, mesmo quando acreditamos profundamente que agimos como pessoas maduras e responsáveis.

.

Sobre isso Quero retomar as palavras do abençoado apóstolo Paulo que admoesta os cristãos de Corinto:

.

"Infelizmente, alguns familiares da Chloe me avisaram que há brigas entre vocês. Deixe-me explicar: um de vocês diz: “eu sou de paulo”; outro: “eu de Apolo”; um terceiro argumenta: “eu sou de Pietro”; e um quarto diz: “eu sou de Cristo”. Mas Cristo não pode ser dividido!» [Ver. 1 CR 1, 11-13].

.

Mesmo em nossas dioceses, nas nossas paróquias, disputas ocorrem em nossos grupos eclesiais por causa das vacinas e a abordagem ao presbitério está condicionada ao número de doses inoculadas. Hoje Cristo se vê entre uma responsabilidade sanitária e uma urgência social sem que sua adorável pessoa seja realmente o início e a ocasião de uma autêntica conversão ao Pai, talvez este não seja o objetivo final de qualquer pessoa batizada? Em vez disso, estamos aqui discutindo entre nós e procurando culpados, acusando a todos de irresponsabilidade e, se necessário, de pouca adesão ao Evangelho, algo que detectamos nos outros mas que também se esconde debaixo dos bons tapetes da nossa casa. Para você ver, o fato de que um erro é apontado não implica automaticamente que alguém está certo. Se eu for duro sem vacina estão errados isso não significa que eu pró-cera estão certos ou a salvo de qualquer objeção bem fundamentada.

.

Sou sacerdote da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos, com anos de ministério passado como capelão em um grande hospital, hoje exerço o ministério de pároco de uma paróquia confiada pelo Bispo local a uma de nossas comunidades de Frades, estou vacinado, assim como meus irmãos, mas nunca me permitiria rotular os fiéis da minha paróquia do púlpito como autodenominados católicos (sic!) tomar cuidado com, como fez o coração pastoral do Bispo de Pistoia usando o órgão oficial da diocese [você vê WHO]. Se estes autodenominados católicos ao invés de sem vacina pertencia a outra categoria, não achamos que talvez, em apenas vinte e quatro horas, o prelado seria convidado a renunciar e dar lugar a alguém mais capaz? Todos nós sabemos a resposta, sem adicionar mais nada. Só posso encaminhá-lo para a leitura do livro que acabei de publicar junto com o padre Ariel S. Levi di Gualdo: Do Prozan ao Prozac, em que analisamos o inevitável fracasso do Projeto de Lei Zan sancionado há algumas semanas pelo Senado da República.

.

Quando certos males eles vêm para tocar aqueles que foram designados para serem guias do povo de Deus, os fiéis estão perdidos, caem na desconfiança e ficam comprometidas todas as possibilidades de diálogo e afeição pastoral, o que deveria estar à altura das intenções de todo sábio bispo. E em toda esta situação de emergência ligada à pandemia fica agora claro que os espíritos estão mais do que exasperados. A metodologia coercitiva que foi imposta às pessoas em várias frentes para alcançar a salvação rápida e indolor não produziu os resultados desejados., não só não agiu como cola, mas está criando fraturas que levaremos os efeitos posteriores por muito tempo. Então vamos nos perguntar: temos certeza que ainda vale a pena? para ganhar? E se a Igreja e seus pastores se envolverem nesta situação exasperada, estamos no fruto, caindo no cálculo fundamentado de quem procura o útil e vantajoso no prazo imediato em vez da salvação das almas.

.

E sim, porque ouvir discursos semelhantes aos do bispo de Pistoia Lembro-me de políticos que pretendem acumular apoio eleitoral e favor popular para ter ou manter um cargo. De fato, quando um político toma partido a favor de batalhas das quais pode ganhar alguma coisa, ele é cuidadoso com o que dizer, mas sobretudo o que "não dizer". Em vez, em outras frentes menos favoráveis, preferimos encobrir mesmo se nos deparamos com batalhas muito mais importantes e sacrossantas e tudo isso por um cálculo bem fundamentado.

.

Agora eu me pergunto e pergunto a este prelado: na diocese de Pistoia talvez não haja quem, mesmo sendo cristão e tenha missa dominical (talvez diariamente) não apoiou as ideias de Emma Bonino ou Marco Cappato, afirmando que a eutanásia é um gesto de amor e misericórdia, magari firmando per il referendum abrogativo? Nella diocesi di Pistoia e tra il suo clero non esistono forse sostenitori di Zan&Company con tanto di manina vergata e arcobalenata a sostegno della proposta di un disegno di legge liberticida che mirava tra le righe a perseguire e punire il reato di opinione, sebbene gay illustri abbiano spiegato il contrario, dal lucido e colto Senatore Tommaso Cerno, già presidente nazionale di Arcigay [você vê WHO] sino al nostro autore Francesco Mangiacapra che ha dato di recente alle stampe con le nostre edizioni l’illuminante saggio critico O golpe do politicamente correto?

.

Forse che nella diocesi di Pistoia non esistono appartenenti a gruppi ecclesiali che in barba alla nota dottrinale della Congregazione per la Dottrina della Fede [você vê WHO] continuar a servir em partidos políticos que se opõem abertamente à Igreja e apoiam ideias contrárias à doutrina moral e social do Magistério? Não seria talvez certo e apropriado, na ponta da caneta e papel alumínio, leia também sobre essas coisas no jornal diocesano, esperando para ouvir a palavra pronunciada pelos lábios episcopais autodenominados católicos aplicado a alguns estilos de cristianismo que abundam nas cúrias e paróquias?

.

Mas admitamos também o caso em que a diocese de Pistoia foi modelo de virtude eclesial e de fidelidade ao Evangelho e ao sucessor do bem-aventurado apóstolo Pedro, também neste caso os cristãos sem vacina representariam igualmente um desafio pastoral do qual o bispo não poderia escapar, mesmo à custa do derramamento do próprio sangue que é mais inconveniente e exigente do que o derramamento de tinta no jornal diocesano.

.

"Na unidade necessária", liberdade em dúvida, amor em tudo", é uma máxima antiga que vejo muito cara a Vossa Excelência. Por esta razão, eu também gostaria de usá-lo para a última ênfase neste artigo. É erroneamente atribuído a Santo Agostinho, mas ele não é o autor, ao longo do tempo tem sido usado para empurrar para um liberalismo teológico e religioso que nivela pensamentos desconfortáveis ​​e desvenda situações embaraçosas tentando colocar todos de acordo. Uma modalidade política e populista muito utilizada hoje porque paga sem o perigo de superexposição.

.

Eis o Reverendíssimo, se você fosse um verdadeiro liberal concederia a faculdade aos católicos sem vacina fazer o que eles acreditam respeitando essa liberdade que até Deus respeita com o homem que erra ao abrir um diálogo paterno e tentar recuperar alguns irmãos, mas nós dois sabemos que não existem bispos liberais e isso é verdade desde o tempo de Pasquino:

.

"não zombe", Marforio, e vamos falar francamente:

dizer padre patriota é dizer corvo branco;

contradição em termos, que não é dado o mesmo,

ser papa ao mesmo tempo e ser liberal".

.

Por esta razão em seu discurso ao jornal diocesano não vejo nada daquele saudável liberalismo esclarecido que salva as diferenças integrando-as, mas apenas populismo em um molho roxo que não amarra as consciências, mas talvez as exaspere.

.

Laconi, 9 dezembro 2021

.

.

«Você saberá a verdade, ea verdade vos libertará» [GV 8,32],
mas trazer, difundir e defender a verdade não só de
riscos, mas também os custos. Ajude-nos a apoiar esta ilha
com as suas ofertas através do sistema Paypal seguro:

PayPal - O método rápido, maneira confiável e inovadora para pagar e receber o pagamento.

ou você pode usar a conta bancária:

pagável a Edições A ilha de Patmos

estavam: TI 74R0503403259000000301118

SWIFT DO CODICE: BAPPIT21D21
nesse caso, envie-nos um aviso de e-mail, porque o banco
Ele não fornece o seu e-mail e nós não poderíamos enviar-lhe um
ação de graças [ isoladipatmos@gmail.com ]

.

.

.


2 respostas
  1. Lucas
    Lucas diz:

    Querido pai Ivano,
    Estou em plena harmonia com ela, e gostaria de acrescentar meu comentário pessoal ao seu discurso na forma de perguntas dirigidas a você.
    Eles são cristãos que são capazes de ler os sinais hoje? Aqueles sinais que Jesus nos mostrou para alertar sobre a chegada do tempo da colheita?
    Porque se é verdade que esse tempo é conhecido apenas pelo Pai, é igualmente verdade que nos é dada por Deus a sabedoria necessária para reconhecer as figuras históricas que antecipam sua vinda.
    Dado, como causa, um evento catastrófico epocal que, sem dúvida, é esta pandemia, se os pastores clamarem contra parte de seu rebanho e tomarem partido; se o próprio rebanho se divide e briga; se os seres humanos em todos os aspectos semelhantes entre si manifestam um ódio crescente um pelo outro; se o poder deste mundo exerce impunemente a arma da chantagem escondida por conselhos amorosos; se homens, mulheres e jovens no número de milhões decidirem de outra forma (e não podemos e não devemos permitir que ninguém entre violentamente no buraco interior) e por isso são discriminados e criminalizados; se a maldade que sai da boca dos novos padres da televisão é aplaudida pela maioria, ela não acredita que nisso haja o trabalho de quem por sua própria natureza quer a divisão? E se a resposta dele for sim, ele não acredita que este momento da história da Salvação deva ser considerado um sinal (ou um complexo deles) do tipo que Jesus nos convidou a reconhecer?
    Se sua resposta foi não, por favor me conforte a este respeito.
    Sempre para nutrir a fé.

    Em Cristo.

  2. orenzo
    orenzo diz:

    Eu conheço Mons. Sanguinetti e seu pedido de “obrigação de vacinação para o clero e fiéis da diocese” foi, por mim, como uma facada no coração.
    Eu sou uma pessoa de risco e me recusei, apesar dos pedidos urgentes do meu oncologista, a vacina antiética: Prefiro morrer do que injetar voluntariamente uma vacina antiética.
    E não me diga que no “Nota da Congregação para a Doutrina da Fé sobre a moralidade do uso de certas vacinas anti-Covid-19, 21.12.2020” está escrito que a colaboração no aborto em quem se vacina é remota: colaboração no aborto em quem se vacina está próxima, não remoto, porque o sucesso de vacinas antiéticas é um estímulo, para fabricantes, aumentar o uso de linhagens de células humanas não etílicas e produzir novas.
    Por último, devo salientar a grave omissão, perpetrado pelos líderes da Igreja Católica, sobre o pedido, patrocínio e compra de vacinas éticas que estavam disponíveis no mercado junto com as antiéticas.

Comentários estão fechados.