« Venha para o lado, você sozinho, em um lugar deserto, e descansar um pouco". O verão é uma oportunidade de fazer conexões significativas com o Senhor

Padre Ivano

" SEPARAR, APENAS VOCÊ, EM UM LUGAR DESERTO, E DESCANSE UM POUCO". O VERÃO É A OPORTUNIDADE DE CRIAR LIGAÇÕES SIGNIFICATIVAS COM O SENHOR

Quero ser um provocador e sugerir aos nossos leitores que prescindam, durante os períodos de descanso e férias, dos muitos jornais e jornais que comumente adquirimos para potencializar a leitura e a meditação do Evangelho. Não será apenas um benefício económico - mais ou menos 1,50 € salvo - mas uma bênção segura que beneficiará grandemente a nossa alma. O resto, o Evangelho nem sempre esteve lá Boas notícias por excelência que nenhum jornal poderá jamais esperar igualar?

- Notícias da Igreja -

Autor
Ivano Liguori, ofm. Capp..

 

artigo em formato de impressão PDF

 

.

Entramos agora no auge do verão que é aquele período eletivo que nos permite dedicar-nos ao descanso e à recuperação dos esforços físicos e espirituais. No Evangelho vemos o próprio Jesus convidando os Apóstolos, no final de um dia cansativo de anúncio do Reino, descansar e ficar com Ele para recuperar nossas forças [Ver. MC 6,31]. Para um olhar casual, o descanso não pode ser interpretado apenas como ausência de fadiga. Na Sagrada Escritura, por exemplo, o descanso divino após a semana da Criação [Ver. Geração 2,2] torna-se o caminho para entrar no reconhecimento do louvor e da contemplação do Pai por aquilo que foi criado. Deus não para, ele não está ocioso, estático, porque como o próprio Cristo nos atesta: “Meu Pai sempre trabalha e eu também trabalho” [Ver. GV 5, 17].

«Vvá para o lado, você sozinho, em um lugar deserto, e descansar um pouco" [Ver. MC 6,31]. Descanso divino, que Deus vive e dá generosamente ao homem, torna-se a recompensa daquele trabalho de tutela da Criação - e no Evangelho de anúncio do Reino do Pai - em que é possível contemplar, adorar e louvar ao Senhor. Assim como é Deus primeiro quem, na sua alegria «Shabat» contempla o seu trabalho abençoando a sua bondade intrínseca - viu que era bom -, assim o homem contempla e reconhece o seu Criador que o coloca no auge das coisas criadas e que faz dele uma bênção (Ver. João Paulo II, Carta apostólica, Dies Domini, 1998).

Descanse de acordo com a Sagrada Escritura expande e transmuta o tempo do homem desde Saturno/Cronos, momento marcado por compromissos e fazer, dentro clima/kairos, momento oportuno em que o homem se torna sujeito da preocupação de Deus que se revela. O clima favorável kairos é uma epifania da graça, algo que a Igreja vive na sua ação de santificação diária na ação litúrgica. A este respeito, permita-me um breve aparte sobre teologia litúrgica. Durante a liturgia, o que quer que seja, seria bom ampliar o tempo e não restringi-lo, deixe-se guiar por kairos e não de Cronos, esqueçamos por um momento o relógio de pulso - principalmente para o sacerdote celebrante - juntamente com os inevitáveis ​​relógios que durante alguns anos se tornaram o novo mobiliário litúrgico presente em muitos presbitérios.

Devemos, no entanto, com um sentido de equilíbrio e realidade, esteja ciente de que nem todos podem desfrutar de um momento de descanso, talvez porque estejam ocupados com tarefas que não podem ser adiadas ou porque estejam sobrecarregados por alguma condição que tire da mente até mesmo a vaga possibilidade de conceber um pouco de descanso ou férias. E ainda, mesmo diante dessas situações, Deus deseja proporcionar a cada um de seus filhos um pai carinhoso e sugerir um descanso que não seja feito apenas de lugares, mas sobretudo de presença, da sua presença divina.

Será bom lembrar - e lembremo-nos - que como cristãos não devemos ceder à tentação do desânimo, muito menos ao desespero. Lembremo-nos frequentemente do que sugere o Beato Apóstolo Tiago na sua carta: «Quem entre vocês está com dor, você reza; quem está alegre deve cantar" [Ver. GC 5, 13-20]. Os momentos de alegria – inclusive os de descanso e de férias – são oportunidades propícias para cantar louvores ao Senhor, dizer a Ele o quão grande Ele é e que somente Ele é o poderoso Salvador de nossas vidas.

São Tiago convida você a cantar porque os Salmos constituem a oração eletiva do homem que busca o Senhor e que deseja viver sempre esta busca, sem interrupções, não apenas quando as coisas parecem estar indo bem, uma eventualidade que não coincide automaticamente com a absoluta ausência de problemas. A este respeito, gosto de recordar o exemplo do Seráfico Padre São Francisco que compôs em 1226 a Cântico das Criaturas certamente não em um momento favorável de sua vida, na verdade, talvez no momento mais difícil do ponto de vista da saúde física e das controvérsias internas dentro da Ordem, no entanto, sua boca nunca se fechou devido à dor, mas foi capaz de abrir para o louvor do Senhor.

A busca do Senhor nos abre ao louvor e ajuda-nos a derramar aquele livre sentimento de gratidão do coração para com Deus que desdobra a sua Providência e o seu braço forte e omnipotente, como vemos proclamado pela Bem-Aventurada Virgem Maria no canto de Magnificat. É precisamente durante os períodos de descanso que temos o privilégio de formar vínculos eletivos com o Senhor e conhecê-lo como Ele deseja ser conhecido por nós.. Por esta razão, quando nossos dias de verão serão mais livres de compromissos de trabalho, acadêmico ou escolar, aprendamos a conviver com a solidão de nossas igrejas, para preenchê-los com kairos. Muito mais que as igrejas no inverno, em imóveis, são prontamente abandonados e parecem desertos perfeitos para deixar falar a voz do Senhor. Escolhemos um momento que nos seja favorável em que sabemos que podemos permanecer face a face com o Senhor diante do sacrário e ali elevamos nossos louvores e nossa adoração gratuita e grata. Sejamos educados pelo Espírito Santo para saber abraçar a grandeza de Nosso Senhor Jesus Cristo no mistério eucarístico. Não temos medo de falar com o coração:

«Nós te adoramos, Santíssimo Nosso Senhor Jesus Cristo, aqui e em todas as suas igrejas em todo o mundo, e nós te abençoamos, porque com a tua santa cruz redimiste o mundo". [Ver. F.F.. 110-111].

Dadas as várias horas que possamos dedicar ao merecido lazer, ir para o mar, nas montanhas ou em algum outro local favorável, não temos medo de dedicar uma hora - sim, sessenta minutos do dia inteiro - ao Senhor Jesus. Seria bom dividir esta hora em dois períodos de trinta minutos cada, deixando o Senhor se comunicar conosco. Se pensarmos bem, o verão é foco de muitas palavras efêmeras e conversas superficiais que as férias muitas vezes agravam.. Como cristãos, sentimos um forte imperativo de preencher as nossas vidas com a Palavra da Palavra feita Carne. Nesta hora de kairos, não temos medo de abrir o Evangelho. Uma boa pedida é a leitura do Evangelho do dia que pode ser encontrado de diversas formas nos Apps dedicados ou através da ferramenta missal mensal. Quero ser um provocador e sugerir aos nossos leitores que prescindam, durante os períodos de descanso e férias, dos muitos jornais e jornais que comumente adquirimos para potencializar a leitura e a meditação do Evangelho. Não será apenas um benefício económico - mais ou menos 1,50 € salvo - mas uma bênção segura que beneficiará grandemente a nossa alma. O resto, o Evangelho nem sempre esteve lá Boas notícias por excelência que nenhum jornal poderá jamais esperar igualar?

Para quem como eu adora caminhar e andando - quando posso, também posso 10/15 km por dia - é uma boa prática recitar o Santo Rosário ou a Oração do Coração: «Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, tenha piedade de mim, pecador!». Caminhar ajuda a sintonizar a mente com o coração e a encontrar a concentração certa para subir a Deus em contextos naturalistas, à beira-mar ou na praia... mas também nos parques da cidade. Não tenhamos vergonha de rezar o terço e mostrar que o temos em mãos. O verão oferece-nos muitas vezes uma série de situações embaraçosas e deslocadas e certamente não será um rosário nas mãos que criará escândalo e despertará a atenção dos curiosos..

O verão é aquela época em que, devido ao calor, costumamos iluminar nossas roupas para sermos mais livres e desfrutar de um certo bem-estar saudável. Se pensarmos sobre isso, podemos fazer uma comparação semelhante em relação ao Sacramento da Reconciliação. O pecado nos pesa, isso nos sufoca, impede-nos de desfrutar de Cristo, sol da justiça e da verdade, e de viver na liberdade batismal dos nossos filhos. A confissão é a prática sacramental que remove o pecado de nossas vidas, aquele mal concreto e mortal que sufoca a relação com Deus e com os irmãos. Vamos nos acostumar a confessar periodicamente, mantendo a constância habitual para estarmos sempre livres das vestes do mal e revestidos da luz resplandecente do batismo que nos torna filhos perdoados porque acima de tudo amados.

Fonte e ápice de toda a vida do cristão e do discípulo é a Santa Missa. Não abandonemos a ligação com a Páscoa semanal nos meses de verão. Organizemos o nosso tempo e os nossos compromissos para participarmos antes de tudo na Santa Missa dominical e, se tivermos a chance, não desdenhamos ir em outro dia da semana também. Recordemos que o louvor do Senhor - assim como a liturgia da Igreja - vive da nota da gratuidade e da generosidade. Não sejamos mesquinhos em desejar o encontro com Cristo na celebração eucarística, ele certamente não é mesquinho conosco quando se entrega a nós em seu corpo mais precioso, sangue, alma e divindade.

Oração, ouvindo a Palavra do Evangelho, a reconciliação e a Santa Missa são privilégios pessoais que devemos guardar zelosamente e intimamente para nós mesmos? Absolutamente não, o Senhor ao nos enviar para anunciar o Reino e ao cuidar do mundo que o Pai nos confiou não nos deixa sozinhos. É ele mesmo quem nos fornece os equipamentos necessários para não falharmos no caminho e para apoiar aqueles que encontramos que precisam da Boa Nova. Contemplar, adorar e louvar o Senhor constituem a primeira forma de acolhimento que nos permite exercer abundantemente aquela caridade ativa, pastoral e recíproca para com tudo o que o bem-aventurado apóstolo Paulo recomenda aos cristãos de Tessalónica [Ver. Ts 3, 12-13].

Desejamos-nos boas festas e bom descanso Esperemos antes de tudo poder permanecer com Cristo Senhor, ele é o verdadeiro sol benéfico do qual haurir a força para construir significativos laços de graça com os quais abrir uma nova relação com o Pai e os irmãos.

Sanluri, 11 agosto 2023

.

.

Queridos leitores,
esta revista exige custos de gestão que sempre enfrentamos apenas com suas ofertas gratuitas. Aqueles que desejam apoiar nosso trabalho apostólico podem nos enviar sua contribuição pela maneira conveniente e segura PayPal clicando abaixo:

Ou se preferir, você pode usar o nosso
conta bancária em nome do:
Edições A ilha de Patmos

Agência n. 59 De Roma
IBAN:
IT74R0503403259000000301118
Para transferências bancárias internacionais:
Código SWIFT:
BAPPIT21D21

Se você fizer uma transferência bancária, envie um e-mail para a redação, o banco não fornece seu e-mail e não poderemos enviar uma mensagem de agradecimento:
isoladipatmos@gmail.com

Agradecemos o apoio que deseja oferecer ao nosso serviço apostólico.

Os Padres da Ilha de Patmos

.

.

.