Comunhão para pessoas divorciadas e se casar: Lectio magistralis por John Carr para Corrado Gnerre & (C).

COMUNHÃO PARA PESSOAS DIVORCIADAS E SE CASAR: LECTIO magistralis JOHN Cavalcoli A CORRADO GNERRE & (C)

A impressão de que às vezes o Papa não se adere a revelação transmitida pela Sagrada Tradição, é sempre uma falsa impressão, que deve fazer-nos compreender que com tal atitude mental você acaba caindo sob a repreensão do Senhor, os fariseus não ouvir a Palavra do Deus eterno, que não passa e não wetsuit, mas para se tornar escravos de "tradições dos homens" fugazes e vãos

.

 

Autor John Cavalcoli OP
Autor
John Cavalcoli OP

.

John Cavalcoli fotos encomendar
o dominicano Pontifícia académico John Cavalcoli

.
Eu respondo a críticas recentes endereçado a mim pelo Prof. Corrado Gnerre e publicado nos sites Correspondência Romana [CF. Quem], Recuperação cristã [CF. Quem], Igreja e pós-conselho [CF. Quem] e outro. O leitor poderá ler as críticas em três locais nos sites acima mencionados. Aqui publico minhas respostas ponto a ponto.

.

.

Primeiro ponto – Pecado e situação pecaminosa

.

O divorciados novamente casados, no julgamento da Igreja, eles estão em uma posição "irregular" e, portanto, são excluídos dos sacramentos. Mas alegar que eles estão em "estado de pecado grave" é um julgamento imprudente, que não leva em consideração o que é o pecado e qual é o seu dinamismo no concreto das consciências. De fato, eles podem a qualquer momento, com a graça de Deus, arrepender-se e obter o perdão de Deus, mesmo sem o sacramento da penitência.

Para esclarecer a discussão, Acho útil fazer algumas premissas da teologia moral. Começo então dizendo que a conduta humana consciente é constituída por uma sucessão de atos da vontade, agora está bom, e nós temos a boa ação, ligado à virtude; agora ruim, e nós temos más ações, isto é, pecado, conectado com o vício.

Está no poder do nosso livre arbítrio alternar, em tempo, de boas ações e pecados. Nesse dinamismo de nossa vontade, a ação da graça divina desempenha, o que nos leva a fazer o bem, nos apoia em fazê-lo e, quando fazemos errado, nos leva a nos arrepender e pedir perdão a Deus, com a intenção de não mais pecar e evitar as próximas ocasiões de pecado. Afinal, com base nessas premissas, Deus nos perdoa e restaura a graça para nós, no caso de perdê-lo com pecado mortal.

Para obter uma imagem completa da ação humana e seu funcionamento, e, portanto, poder julgar ou avaliar o assunto sério com o qual estamos lidando, também devemos levar em consideração outros fatores, que competem, ainda que acidental e ocasionalmente à formação do ato humano ou moral, bom ou ruim é. É sobre motivação, incentivos, empurrado, estímulos, tensões ou pressões mais ou menos fortes ou persistentes, favorável ou desfavorável a boas ou más ações, que pode vir de dentro ou de fora do agente, e que pode ou não ser favorecido ou causado pela vontade do mesmo agente.

Estímulos internos são os planos, a intenção, Ideias, desejos, a imaginação, tendências, hábitos, interesses, as disposições e paixões do sujeito. Estímulos externos são o ambiente humano e físico, os estímulos e influências recebidas de outras pessoas, oportunidades de fazer o bem ou o mal, que surgem, procurar ou não procurar, previsto ou não previsto.

particularmente, em relação ao pecado, existem tentações, que vêm de dentro ou de encontros ou conhecidos perigosos ou prejudiciais ou experiências, de maus exemplos ou das seduções dos pecadores, pessoas tentadoras, com quem você mora ou deve ou é forçado ou forçado a viver.

Se as oportunidades de pecar eles são frequentes e inevitáveis, a queda que se segue é menos atribuível, considerando, por um lado, o impulso da paixão e, por outro, a pressão exercida sobre a vontade na ocasião do pecado. Nossa vontade tem força limitada. O pecado ocorre apenas quando, ser capaz de resistir à tentação, nós não. Mas se a tentação é muito forte e a vontade falha em superar a luxúria, Os diminui culpa, porque o voluntário diminui, que é um fator essencial do ato moral, bom e ruim. Nesse caso, não se peca porque se quis deliberadamente pecar, mas porque as forças de resistência, às vezes pego de surpresa, não foram suficientes. Se alguém me empurra e eu capacete no chão, você vai me culpar se eu cair no chão? O instinto sexual, especialmente nos jovens - todos nós devemos saber -, é uma força avassaladora, que em certos casos é impossível resistir. Ninguém é obrigado a ser impossível. Não podemos ser culpados por atos que cometemos devido a força maior.

Lembremos também de distinguir o pecado em um sentido objetivo, ou a má ação em si, da condição subjetiva do agente, em cuja ação pode estar faltando aviso completo ou consentimento deliberado, para que sua consciência, embora ele objetivamente tenha prejudicado ou prejudicado terceiros, pode estar parcial ou totalmente arrependido.

O Papa estava se referindo a isso com a famosa frase «Quem sou eu para julgar?». Seria absurdo acreditar, como alguns fizeram tolamente, que com isso o Papa quis relativizar a lei moral; mas ele simplesmente se referiu a um caso particular, sempre conhecido pelos moralistas.

Todas essas premissas eles devem nos levar a uma distinção importante, que joga imediatamente em nossa discussão, a saber, entre o pecado como um ato voluntário, prolongável ou interrompível ao longo do tempo à vontade; e certas situações ou condições perigosas, interno ou externo, subjetivo ou objetivo, que empurram mais ou menos fortemente para pecar, mas eu ainda não sou um pecado, porque a vontade, no entanto solicitado, permanece livre para decidir. No entanto, podemos chamar um pecado ou culpa voluntariamente prolongada ao longo do tempo de um "estado de pecado", esse estado psíquico e moral culpado que chamamos de "teimosia" e a Bíblia chama de "coração endurecido". Mesmo nesse caso, mas, a vontade, movido pela graça, sempre pode, em princípio, pare este estado, quebrar essas correntes e voltar ao bom, como acontece, por exemplo, em conversões.

O que acontece no caso de coabitantes, é algo que pode ocorrer em muitos outros casos na vida, em que é necessário distinguir o pecado da oportunidade de pecar. Nós podemos remover o pecado imediatamente; a oportunidade pode permanecer, mesmo se não quisermos.

alguns exemplos. Um seminarista que tem um professor rahneriano, é bom que você fique no seminário, mesmo que ele seja tentado a cair em heresia; e observe que a heresia é um pecado mortal, pior que adultério [CF. Ariel S. Levi Gualdo, Quem]. Um trabalhador que tem um mestre de exploração, terá que mantê-lo, dada a dificuldade de mudar de emprego, mesmo que ele seja tentado a vencê-lo. Um cidadão, vítima de um regime ditatorial, ele seria tentado a fazer um ataque, já que é difícil emigrar para o exterior. E assim por diante.

Mas em todos esses casos, devemos resistir, mesmo que a tentação de pecar seja forte. E se si cede, existem desculpas ou circunstâncias atenuantes. Quando alguém não aguenta mais, ceder. Isso acontece no sexo, mas também em muitos outros casos. E fazemos? Nós os enviamos para o inferno? Ou talvez a graça de Deus possa fazer algo? Ou talvez o Sínodo possa nos dar alguns conselhos?

Nestes casos e nesse sentido eu não seria completamente contra falar de uma "situação pecaminosa", desde que, no entanto, o estado sempre se destaque de um lado voluntário do pecado, isso é possível, embora não seja necessário e, portanto, sempre pode ser interrompido a qualquer momento e, outro, de um contexto ou de uma situação objetiva duradoura, insuperável ou força maior, a partir do qual o sujeito, pelo menos no momento, ele não pode se libertar, também querendo.

A coisa dá em mente que é, mesmo em uma união ilegítima, nunca se diz que os dois estão sempre e necessariamente em estado de pecado mortal ("Situação pecaminosa" ou "condição pecaminosa") e eles não podem ser tocados pela graça, como se dissesse que eles mesmos não podem ser capazes de receber a Comunhão, sem cometer sacrilégio.

Acredite que a simples oportunidade de pecar trazer necessidade ao pecado, é um erro muito sério, ofensivo à dignidade humana do próprio pecador, quem mantém o livre arbítrio, embora enfraquecido pelo pecado original. Se então, por "situação pecaminosa" queremos dizer a tese acima mencionada, Bem, como eu disse, não há "situação pecaminosa", porque ao invés pecado é a prática de um julgamento livre, este pecador sim; é um ato categórico voluntário e consciente, Repetivel, e de fato repetitivo, por gravidade, sempre perdoável ou apagável por Deus, qualquer que seja a situação em que você peca.

A situação, que é uma circunstância do ato, não constitua o ato como tal em sua substância, mas é apenas uma maneira acidental ou uma ocasião para a ação humana, bom ou ruim é. Mas essa não é a verdadeira causa, que é apenas má vontade. Daí a substância do pecado, isto é, o que é feito objetiva e substancialmente, é independente de situações e ocasiões. Um pecado pode ser realizado em situações que levam ao bom; e um ato de virtude pode ser realizado, onde a situação nos levaria a pecar. Posso realizar um gesto de caridade em um clima de alegria, porque eu passei em um exame, ou sofrimento, porque minha mãe morreu, o valor moral do gesto é sempre o mesmo.

Uma das heresias de Lutero condenado pelo Conselho de Trento, era precisamente o de acreditar que a luxúria, que é a tendência permanente inevitável e invencível ao pecado, presente em todos nós, coincidiu com um estado permanente e inevitável de pecado.

A concepção do pecado como uma "situação", é de empoderamento. Exceto pelos nossos estados internos, as situações em que agimos, normalmente não os determinamos, mas há datas e não podemos alterá-las. Aqui estamos em uma visão sobre o tipo de Rousseau, que coloca a culpa na sociedade. Em adição a esta, essa concepção parece refletir a visão de Rahner, que se recusa a considerar o pecado como um ato categórico, substituindo-o por uma "opção fundamental ateísta" inexistente e insustentável. Mas essas idéias foram condenadas por São João Paulo II na encíclica Veritatis splendor.

Se a Igreja atualmente excluir coabitantes da Sagrada Comunhão, não é porque assume que eles estão sempre em pecado, mas apenas por uma medida pastoral, quer ser: primeiro, um chamado à consciência deles; segundo, o respeito devido aos sacramentos; terceiro, evitar o escândalo e a perturbação dos fiéis. Mas, por si só, não é impossível que eles se aproximem da Comunhão em um estado de graça.. O que é como dizer que, embora a situação seja irregular, eles podem viver em graça, embora isso seja certamente difícil para eles.

Portanto, se a Igreja lhes conceder a Sagrada Comunhão amanhã, isso não significaria nada que a Igreja - que é impensável - está realizando um ataque contra a substância dos sacramentos, mas simplesmente que ele usa sua faculdade para legislar e mudar leis para uma melhor recepção dos sacramentos. A Igreja cuida para que os divorciados e casados ​​novamente vivam na graça de Deus, apesar de sua situação. A outra parte, se a disciplina atual permanecer inalterada, Eu não teria problemas, porque na minha longa experiência de confessor e guia de almas, Eu sempre fui capaz de acalmar essas pessoas, simplesmente lembrando-lhes que, em qualquer caso, eles podem fazer uma jornada penitencial pessoal e, portanto, estar em graça, mesmo que eles não possam acessar os sacramentos.

Hoje existe uma fixação excessiva e supersticiosa em querer fazer comunhão, como se fosse uma reivindicação sindical, talvez negligenciando a confissão, enquanto a Igreja há muito prescreve para esses casais que eles possam fazer comunhão espiritual na Santa Missa.

A outra parte, se a disciplina atual deve ser ampliada ou mitigada, Eu realmente não vejo porque, como algum medo, que não conseguem distinguir dogma de pastoral, isso deve constituir um ataque aos sacramentos. O cuidado pastoral coloca o dogma em prática e não o contradiz. Entre dogma e pastoral, existe uma relação semelhante à existente entre o ritmo biológico do organismo e dois métodos diferentes de assistência à saúde. O médico não pode consertar a cura sem comprometer a saúde do paciente?

A Igreja faz com que o cuidado pastoral descenda do dogma, na medida em que existem leis divinas intangíveis e imutáveis ​​no dogma, que deve ser aplicado na vida. Existem muitas e mutáveis ​​maneiras pelas quais as leis divinas podem ser aplicadas pela Igreja., que interpreta e sempre e infalivelmente respeita a imutabilidade do dogma.

Portanto, é absurdo acreditar ou temer, como os lefevrianos fazem, vítimas de legalismo rígido, que a igreja ou o papa, quando emite ou altera uma lei, pode desconsiderar ou alterar o dogma. Esta seria, em vez disso, a esperança dos modernistas, que, sob o pretexto de "misericórdia", mais para si do que para os outros, eles querem sacudir o jugo de Cristo, mas eles se iludem, porque eles esquecem as palavras de Cristo: «O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não passarão " [CF. MT 24, 32-35].

Se então o parceiro, por maus hábitos ou escolhas erradas anteriores ou por várias razões sérias ou obstáculos fora de seu controle, prisioneiro de vício, ele não pode se libertar da situação em que está e sair dela, se ele pecar de luxúria, ele é parcialmente desculpado e a culpa diminui. Nesses assuntos, a consciência pode se tornar monótona, para que não encontrem mais forças para se levantar e se corrigir, reclinando-se facilmente em uma resignação perversa e fatalista. No entanto, a Igreja, mãe carinhosa para levar todos à salvação, não desiste, mas pode e deve também cuidar desses casos difíceis e quase desesperados. Aqui está o trabalho do Sínodo.

A Igreja sabe o que faz especialmente nesta delicada questão da disciplina dos sacramentos. Ele sabe como curar almas do pecado e mantê-las saudáveis. Portanto, cabe a você estabelecer as regras para a conservação e o respeito desses maravilhosos remédios do espírito, quais são os sacramentos, bem como para eles uma celebração digna e proveitosa, administração e recepção, ordenar a conduta do ministro e a dos fiéis, de acordo com os tempos, lugares e circunstâncias, de modo que a referida conduta esteja em conformidade com uma prática sacramental digna.

Temos que confiar nas disposições legais, serviços litúrgicos e pastorais da Igreja, na certeza de que a noiva de Cristo, mesmo dentro de seus limites humanos, ele nunca pode falhar na fidelidade ao seu cônjuge e seus mandamentos, no entanto diferente e também em contraste um com o outro, no tempo e no espaço, pode ser suas leis, que, no entanto, sempre interpretará e aplicará a vontade do Senhor.

.

Segundo ponto – Dificuldades relacionadas ao término do relacionamento

.

É claro que estamos falando de uma coexistência ilegítima. Mas eu falei de "situações pecaminosas" e não de "condições pecaminosas", que não são iguais. Como eu rejeitei a primeira expressão no sentido que especifiquei, em vez disso, eu estaria disposto a aceitar o segundo, no sentido de "condições de vida que conduzir para o pecado ". Mas mesmo aqui ainda não há pecado em jogo. Como eu disse para a situação, então devo dizer para a condição: eles não podem ser qualificados como "pecadores", porque eles não são pecados, mas são circunstâncias de pecado, como expliquei acima.

Eles não constituem a substância do pecado mas uma propriedade adicionada acidental, que pode estar faltando, sem as espécies de pecado mudando. Até dois cônjuges legítimos podem cometer um pecado de luxúria. Assim, para voltar ao nosso caso, união ilegítima não leva necessariamente a si próprio ao ato do pecado, enquanto constitui uma situação ou condição, o que leva ao pecado e surgiu do pecado.

Certain, então, que viver juntos é um ato de vontade. Mas o pecado dos coabitantes, por mais pecador, não é necessariamente coextensivo com sua coexistência. Não é que todo o seu viver é pecado. Eles podem muito bem possuir boas qualidades de outras maneiras, qualidades que eles podem e devem melhorar, sem pecar por mérito. Se ele é engenheiro e ela é enfermeira, eles não podem fazer o bem nesses aspectos? É verdade que boas obras realizadas em estado de pecado mortal não são válidas para a salvação. Mas seria um julgamento seriamente imprudente e cruel pensar que esses humanos, redimido pelo sangue de Cristo, estão em um estado contínuo e irremediável de pecado mortal, a menos que terminem. E a graça divina que existe para nós?

Sua coexistência, de fato, apesar da irregularidade objetiva de sua posição, também pode implicar, pelo menos em certos momentos, a intervenção e a presença da graça. Depende dos dois pecadores ou não pecadores, com base no livre arbítrio. Somente os condenados no inferno estão em um estado contínuo e irremediável de pecado. Supondo, portanto, o que eu disse, os dois não precisam necessariamente viver continuamente em pecado, como se fossem almas perdidas, pelo simples fato de que a deles é uma união ilegítima.

Esta união pecaminosa, alguns, é sua situação ou condições de vida. Mas a situação ainda não peca por si só, que não surge da situação, mas por vontade, vontade que pode mudar, enquanto a situação pode permanecer a mesma. A persistência de uma situação ou condição de vida, do qual, por hipótese, não se pode sair e isso implica uma contínua tentação de pecar, isso não significa que, em muitos casos, os dois não possam, com a graça de Deus, vencer a tentação ou, sempre com a graça de Deus, ressuscitar do pecado.

Terminar o relacionamento certamente seria uma coisa boa e adequada, mas o cs nem sempre é possível devido a obstáculos e situações objetivas de vários tipos, a que eu já mencionei na entrevista [CF. Quem]. Mas é claro que, se a coisa é possível, isso deve ser feito.

Quanto à questão da educação dos filhos, criado por Gnerre, é claro que o novo casal tem um dever primordial em relação aos filhos, possivelmente nascido da nova união, enquanto o novo casal terá que se interessar, tanto quanto possível e conveniente, de acordo com as disposições da lei civil e, possivelmente, sob orientação espiritual, também de quaisquer filhos nascidos no casamento anterior e de outros que tenham um novo relacionamento possível contratado pelo cônjuge anterior.

.

terceiro ponto – O Papa, guardião da Tradição

.

Repito que a voz autêntica e oficial da Tradição Apostólica não é outro senão o Magistério vivo da Igreja hoje, herdeiro, guardião e guardião da tradição dos apóstolos. O Magistério da Igreja ao longo dos séculos, começando com os Santos Padres, especialmente nos conselhos ecumênicos, ele é sempre uma testemunha autêntica da tradição. O Papa Francisco é, portanto, hoje o testemunho guia da Tradição, é o intérprete definitivo e autêntico.

Certamente que ao longo dos séculos a Tradição foi escrita. É a mesma Sagrada Escritura, no fondo, nada mais é do que Tradição oral, pregação escrita. Nesse sentido, Tradição, nascido de ter ouvido a mesma palavra que veio dos lábios do Salvador, é mais importante que as Escrituras. Cristo não disse aos apóstolos "escrever", ma "predicado", embora por escrito eles tenham uma excelente ideia.

É claro que a Bíblia é um livro sagrado. Mas é interpretado pela Igreja, guardião da Tradição Apostólica. Luther, então, com sua rebelião contra o Papa e seu apego fetichista e presunçoso a um livro impresso por Guttenberg, ele perdeu de vista a verdadeira origem da Palavra de Deus.

Mas a Tradição Sagrada sempre permanece, por sua essência é oral, é o Magistério apostólico vivo; e nisso difere de Escrita. A voz atual de nossos pastores, sob a orientação do Papa, é a voz da tradição, que é regularmente escrito por escrito no Atos da Sé Apostólica.

Certamente o Papa, em seus ensinamentos sobre as verdades da fé, baseia-se na tradição, qual, neste sentido, é a regra do próprio ensino pontifício. Mas julgar ou saber, em última análise, se o Papa cumpre ou não a Tradição, cabe ao próprio papa. Cristo confiou sua palavra a outros, mas aos apóstolos, ordenando que ensinassem ao mundo até o fim dos séculos o que ele lhes ensinara.

Portanto, ninguém mais fora do Sucessor de Pedro ele é o guardião supremo e infalível da Tradição. Reitero, portanto, que a afirmação de alguns católicos de conhecer melhor a Tradição que o Papa, para que ele possa pegá-lo quando estiver errado, Isso não faz sentido, mas lembra a atitude daqueles fariseus que queriam pegar o Senhor em seus discursos.

Podemos discernir quando o Papa fala em nome da Tradição e quando no. Naturalmente, também é possível conhecer os documentos da Tradição e verificar a fidelidade do Papa a eles.. Mas mesmo quando o Papa fala fora da Tradição, nunca fala contra isso.

A impressão de que às vezes o papa não segue os dados revelados transmitido pela Tradição Sagrada, é sempre uma falsa impressão, que deve fazer-nos compreender que com tal atitude mental você acaba caindo sob a repreensão do Senhor, os fariseus não ouvir a Palavra do Deus eterno, que não passa e não wetsuit, mas para se tornar escravos de "tradições dos homens" fugazes e vãos:

.

[...] assim você cancelou a palavra de Deus em nome de sua tradição. Hipócritas! Bem profetizou Isaías de vós, provérbio: «Este povo me honra com os lábios, mas o coração está longe de mim. Em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos dos homens " [CF. É 29,13]. Então reuniu a multidão disse: «Ouça e entenda! Não o que entra na boca torna o homem impuro, mas o que sai da boca torna o homem impuro!». Então os discípulos foram até ele para lhe dizer: «Você sabe que os fariseus ficaram chocados ao ouvir estas palavras?». E ele respondeu: «Qualquer planta que não tenha sido plantada pelo meu Pai celestial será arrancada. Deixe eles! Eles são guias cegos e cegos. E se um cego guiar outro cego, ambos cairão em uma vala!» [MT. 15, 7-14].

.

Varazze, 18 Outubro 2015

.

__________________________________________

Caros leitores,

de vez em quando lembramos que A ilha de Patmos e todo o trabalho e os cuidados que requer também para manutenção do site, Ele precisa do seu apoio. também concede-nos a pouco, mas concede-nos algo para nos apoiar, usando o sistema Paypal conveniente e segura.

Obrigado.

Acerca de pai John

Giovanni Cavalcoli Dell'Ordine dei Frati Predicatori Presbitero e Teologo ( Clique no nome para ler todos os seus artigos )

27 thoughts on "Comunhão para pessoas divorciadas e se casar: Lectio magistralis por John Carr para Corrado Gnerre & (C).

  1. Può spiegare meglio, pai, a frase “De fato, eles podem a qualquer momento, com a graça de Deus, arrepender-se e obter o perdão de Deus, mesmo sem o sacramento da penitência”? Allude forze ad un atto di contrizione perfetta? Ma essa è condizionata o no al proposito di confessarsi non appena possibile? Dunque non è solo un caso eccezionale? Se non vi è il proposito di cessare di avere rapporti extraconiugali, come è possibile che vi sia contrizione perfetta? Grazie della risposta che vorrà darmi.

    1. Caro leitor.

      I conviventi non sono ammessi al Sacramento della penitenza. A outra parte, hanno bisogno del perdono dei loro peccati. Allora lo ottengono direttamente da Dio, che può donare la grazia anche senza i Sacramenti.
      Certamente essi devono fare il proposito di non più peccare ogni volta che peccano. Ma la situazione nella quale si trovano li spinge a peccare spesso, per cui prima o poi peccano, Embora, trattandosi di spinte al peccato che non possono evitare in considerazione della situazione nella quale vivono, i loro peccati hanno delle attenuanti e la colpa da mortale può abbassarsi al livello di veniale.

      1. Quelle di Cavalcoli sono eretiche farneticazioni che Mons Livi mi ha confermato dicendomi di aver interrotto la collaborazione dottrinale.

  2. Caro PADRE GIOVANNI CAVALCOLI,
    mi permetto di dirle con molta umiltà che mi sembra di cogliere molte imprecisioni nel suo argomentare.
    Non sono in grado di risponderle puntualmente sul piano teologico, pur sentendomi a disagio per ciò che le sento affermare, ma posso comunque chiederle di essere più preciso nell’uso della nostra bella lingua.
    E prego, che lo Spirito scenda su di lei ma soprattutto sui partecipanti al Sinodo e che Dio si prenda cura della sua Chiesa, secondo la sua fedeltà, perché oggi più che mai, mentre voi discutete le persone, come pecore senza pastore, soffrono, non tanto perché non possono fare la Comunione, não, soffrono l’incertezza delle vostre leggi. La fragilità della vostra guida e dei vostri insegnamenti.
    La chiesa ridotta a legiferare?! di leggi parliamo dunque?
    dove avete nascosto Gesù e il Vangelo da dare ai piccoli, ai semplici?
    La mia opinione sulla Comunione, possibile o non possibile, se le interessa, la trova qui:
    https://veramacri.wordpress.com/2015/10/18/volete-misericordia-datela-voi-per-primi-alla-chiesa-a-voi-stessi/

    1. «Non sono in grado di risponderle puntualmente sul piano teologico, pur sentendomi a disagio per ciò che le sento affermare, ma posso comunque chiederle di essere più preciso nell’uso della nostra bella lingua».

      felizmente, Caro leitor, che dice il tutto «con molta umiltà», facendo presente al Padre Giovanni che, «premesso che non sono in grado di risponderle sul piano teologico», detto ciò «mi sembra di cogliere molte imprecisioni nel suo argomentare».
      Segue poi l’invitoumile naturalmente, anzi oserei dire umilissimo – « posso comunque chiederle di essere più preciso nell’uso della nostra bella lingua». Sottindendendo così che il povero accademico domenicano, uma 74 anos jogados, ancora non è in grado di esprimersi in un corretto italiano, o perlomeno in un italiano comprensibile.

      Io non ci capisco nulla di fisica nucleare, a fortiori, se leggessi l’articolo di uno specialista, mi guarderei bene dal dire lui: “Premesso che di fisica nucleare non ci capisco niente, per inciso tu impara ad essere più preciso nell’uso della nostra bella lingua”.

      Aqui, Caro leitor, anch’io prego lo Spirito Santo come lei, lo prego che ci liberi presto da certi cristiani da sacrestia a collo torto, che da una parte ti danno una sberla dopo avere ammesso di non capire, dall’altra si ammantano d’aria da madonnine infilzate, come si dice nelle mie zone d’origine, finendo poi col dirti che hai da imparare persino l’uso dell’alfabeto.

      Il tutto detto sempre con umiltà, é intende!

  3. Salve cari padri dell’isola! Volevo farvi i miei più sentiti complimenti per il vostro lavoro che mi aiuta spesso a mettermi in discussione e a crescere nella fede.
    Ho solo un quesito riguardo questo articolo, leggo:
    “Nesse caso, não se peca porque se quis deliberadamente pecar, mas porque as forças de resistência, às vezes pego de surpresa, non sono state sufficienti.
    Leggendo questo pezzo mi è subito venuto in mente il fatto che Dio non permette che siamo tentati oltre le nostre forze, e desideravo comprendere come poter far coesistere queste due affermazioni.
    Rinnovo i miei complimenti e vi saluto!
    Mattia.

    1. Caro Mattia.

      A volte Dio permette che noi crolliamo sotto il peso della prova, perchè da essa sopraffatti, come Cristo cade sotto il peso la croce. In questo caso Dio ci vuol insegnare l’umiltà e ad essere consapevoli della nostra debolezza, affinchè confidiamo di nuovo in Lui.

      Altre volte vuole che superiamo la prova e vinciamo con la forza del coraggio. In questo caso ci dà la forza.

      Ao mesmo tempo, mas, e sotto un certo punto di vista, si può dire che Dio ci dà sempre la forza di sopportare o superare la prova, no sentido de que, intendendo la prova come occasione di esercitare la virtù, anche quando ci sentiamo sopraffatti dalla forza contraria, che può essere anche la passione, se la volontà resta libera e rifiuta la forza contraria, noi possiamo sempre compiere atti di virtù, come per esempio la pazienza, la fortezza, la perseveranza o l’umiltà.

  4. Em momentos, rispondendo a certi commenti, si risponde anche a quelli di altri commentatori, se sale sopra al mio precedente commento, troverà parte delle risposte date anche alle sue domande.

  5. Rotação. Pai,
    analisi cristallina la sua, ampia e profonda magistrale come sempre.
    Stamattina però leggo Mons Livi,
    http://www.lanuovabq.it/it/articoli-quelli-che-rispettano-la-dottrina-ma-poi-attaccano-i-dogmi-di-fede-come-il-matrimonio-indissolubile-14153.htm
    Un articolo schematico che esprime una posizione diversa. Come il suo confratello P. Michelet sempre su lanuovabq di ieri e nel di lui saggio sulla rivista Nova et Vetera.
    Tante scuole di pensiero, tante “facções”, tante dotte interpretazioni diverse, tante diatribe tra teologi, cardeais, tra vescovi. fra professori, tra laici, tra fedeli più o meno sapienti
    E noi poveri cristiani attoniti difronte a tanto guazzabuglio?
    Troppe parole, ciò che conta, cioè le fondamenta non sono quanto è già scritto nel Vangelo, compendiato nel Catechismo?
    Tende piedade de nós, Domine

    1. Un articolo ottimo quello che lei cita scritto da un filosofo e teologo di grande acume e di enciclopedica cultura, ossia Antonio Livi, che noi tutti stimiamo, Muito.
      O pensa forse che le persone cessino di stimarsi e di volersi bene perché dibattono o si punzecchiano tra di loro su temi nei quali hanno opinioni divergenti? E observe bem, Eu disse “temi”, non ho detto verità di fede, perché su queste seconde non ci sonoopinioni divergenti”, ma l’accettazione e l’obbedienza nella fede.

      Nessun guazzabuglio o confusione, portanto. Siamo semplicemente nella fase del dibattito, legittimo e fruttuoso, come sempre hanno fatto i Padri della Chiesa nei concilii e nei sinodi. Dibattiti che cesseranno – como sempre tem acontecido – dopo che la Chiesa, attraverso il suo Supremo Pastore, avrà data una risposta.

      Vi sono state delle assise nelle quali i vescovi si sono presi a legnate tra di loro, come del resto i teologi nel XII e XIII secolo presso le grandi accademie.

      Stia sereno e attenda l’ultima parola, quella di Pietro; e quella parola sarà disciplina, dottrina o legge della Chiesa.

  6. Caro pai de Carlson,
    al di là di ogni dotta argomentazione, ciò che tutti, almeno chi ha occhi per vedere, non possono non vedere, è la gran confusione (in ogni sua declinazione) che regna sovrana (e che continua ad aumentare, e non certo per colpa dei cattolici farisei/legalisti/integralisti/tradizionalisti) , e che di per sé è un termometro quanto mai chiaro e palpabile per tutte le questioni che oggi sono poste all’ “ordine del giorno”… e non solo le questioni legate al Sinodo.
    Siamo nel pieno di una svolta epocale (e non direi proprio in positivo)…tutto il resto è un gran arrampicarsi sui vetri

  7. a entrevista, Em seguida, a resposta Pai John Cavalcoli, Eles são uma homenagem à sabedoria, na caridade e na verdade misericórdia.
    O artigo do Padre Ariel também é aconselhável, e digno da prosa de um profeta de’ A.T. que, como Jeremias, trovões contra aqueles que se atreveu a substituir os de Deus os preceitos dos homens.
    Para despertar em mim a amargura, São tantos comentários bobos, por muitos, muitas pessoas que tratam (ou eles pensam que podem tratar?) as vidas e as vidas humanas, “com critérios por parte do Código da Estrada da República Federal da Alemanha”, escreve Pai Ariel.
    E o espírito árido, decisiva e impiedosa dessas pessoas, que dizem que são direta ou indiretamente católicos de uma peça, Isso me assusta, especialmente como um padre.
    Use tão desumanamente, tão secamente, Eucaristia e da união para confrontos pura ideologia, é assustador, Ouso dizer diabolicamente assustador.
    Continuar assim, queridos Padres, Muitos são os padres que rezam por você e com você identificar.

    1. Você não está sozinho, queridos pais e irmãos sacerdotes queridos, você não está sozinho, e você é estimado por tantos sacerdotes. Basta dizer … em minha diocese mais falar de seggezza de seus artigos que de “carina” carta pastoral escrita por nosso bispo, “carina” …

      1. (pai John, Reproduzo o mesmo texto enviado ao Padre Ariel, para expressar as mesmas coisas no comentário deste artigo)

        Queridos pais e irmãos, Também faço parte do "coral presbiteriano". esta ilha, para nós, sacerdotes, É realmente uma ilha em que a meditar a sério e completamente.
        Sabe o que me irrita, desde o início deste Sínodo sobre a Família? O fato de que ele imediatamente começou a falar, por certos imprensa, e certo Católica (e diaciamolo!) filolefevriani para o núcleo, xadrez de louco, de golpes, os levantes da doutrina, de teoremas ...
        Cito de memória, porque me lembro o artigo em que o pai Ariel explica de uma forma magistral que, sempre, na igreja, Localize aparência do Congresso, mas também nos sínodos, você deve, necessariamente, falar a respeito, serenidade e livremente, avaliar todas as hipóteses, até mesmo, ao limite, a mais absurda.
        óbvio!
        Aqui, pergunto-me, porque em algum momento, esta óbvia, Ele começou a assustar, e para assustar uma área de católicos muito específicas e circunscritas?
        A oração sincera para você.

        pai Luciano, PARTE

        1. Entre os “filolefevriani para o núcleo” deve metterci i tredici cradinali, tra i quali il card. Mueller che hanno denunciato il pericolo di una deriva protestante, il vescovo Peta, che ha parlato di fumo di satana penetrato nel Sinodo, i vescovi polacchi e mons. Livi che ha criticato pesantemente l’Instrumentum Laboris che conterrebbe eresie (non cito il card. Burke per non irritare nessuno). Effettivamente è un’area ben precisa e circoscritta, quella dei cattolici ortodossi.
          Comunque insultare dando degli scismatici a chi evidentemente non la pensa come lei, è una mancanza di carità.

          1. Se tutte le persone che lei ha citato fossero state tra i Padri del Concilio di Nicea, in modo analogo avrebbero tentato di impedire ogni genere di discussione, proprio laddove, per definire i dogmi fondamentali della fede, è stato invece necessario discutere di tutto e del suo esatto contrario, comprese leteorie” o “posizionipiù o meno assurde. E così hanno continuato a fare nei grandi concili dogmatici durante i successivi secoli, nei quali non si discuteva di discipline della Chiesa, ma della Persona di Cristo e del Mistero Trinitario.
            Impari anche lei a prendere le distanze da chi pone avanti a tutto l’idea del … “su questo non si discute”, perché sono proprio le verità di fede che per essere suggellate dogmaticamente richiedono di necessità ogni possibile genere di discussione, per giungere poi appunto alla loro definizione dogmatica.
            Porque ele vê … o dogma, non éné mio né tuo”. E eu vou dizer, le persone che lo ritengono “meu” e “in quanto mio non si discute”, a me personalmente inquietano veramente molto.

            Supponiamo che sia posto in discussione la proclamazione del dogma mariano di Maria corredentrice; supponiamo che io abbia motivazioni teologiche per essere contrario e che durante la fase dei dibattiti e delle discussioni preliminari alla sua eventuale definizione e proclamazione io esponga e supporti al meglio della mia modesta teologia la mia contrarietà. Lei ritiene opportuno che in tal caso, un altro teologo – Repito, in fase di discussioni preliminarireagisca dicendo: “E’ così e non si discute”?
            Perché questo hanno fatto il gruppo di “heróico”cardinali portati a vessillo da certuni: “E’ così e non si discute!”, in un contesto nel quale vanno vagliate tutte le possibili ipotesi e soluzioni, Repito: mesmo o mais absurdo.

            In questi giorni ho avuto amara prova, tra laici che non conoscono il Catechismo della Chiesa Cattolica, laici che presumono di conoscere la teologia e il diritto canonico, urlatori da stadio che mutano certi dibattiti sinodali in squallide tifoserie, ed un esercito di passionarie che non le dico, quanto sia alto, spaventosamente alto, il numero di persone che, sulla base di un titolo e di un sottotitolo di giornale, o sulla base di un articolo letto male, o anche sulla base di un frammento estrapolato dalla Empresa familiar St. John Paul II, danno dei giudizi tali da manifestare tutta quanta la loro profonda e inquietante stoltezza; e non le dico con quale somma superbia e arroganza fanno tutto questo.

  8. pomada, se não entendi mal o padre Cavalcoli, o objetivo de um casal irregular que não pode se separar é viver como irmãos; mas entre uma queda e outra existe a possibilidade de arrependimento à tentação (e por que não confessar neste momento?) e comunicar. Será que esse caminho ainda não é praticável para quem propõe ao confessor viver como irmão, ele confessa (se não me engano, pode, apesar de morar juntos) mas depois cai e se repete? Essas quedas das quais você aprende a não recuar podem acontecer no início de uma jornada de conversão. Esta posição não é a herética’ daqueles que não acreditam mais em indissolubilidade, ao pecado e presença real; pelo contrário, requer uma jornada penitencial séria: mas se isso já é praticável, qual é a utilidade de mudar as leis? Pessoalmente, acho que seria um erro sério conceder até pequenas aberturas nesse clima, isso aumentará os sacrilégios daqueles que consideram a Comunhão um direito. Tenho certeza de que nem mesmo os pais da ilha desejam uma mudança, mas com esses artigos eles estão simplesmente tentando acalmar o clima tenso e perigoso. Maria Mãe da Igreja, rogai por nós …

    1. Dear Giovanni S.

      Se eles conseguem viver como irmão e irmã, são admitidos nos sacramentos. Se eles não conseguirem, estão excluídos, pelo menos até agora; a menos que o Papa decida de outra forma.

      É claro que se eles fazem sexo, Peccano. Mas toda vez que eles podem se arrepender e recuperar a graça. No caso de, Eles podem fazer uma comunhão espiritual. Mesmo se noin eles podem confessar, eles podem pedir perdão diretamente de Deus, sem passar pelo sacramento da penitência.

      A mudança na lei que está sendo levantada hoje, e que é proposto pelo Sínodo, é que em casos especiais, previsto por um novo direito a ser fundado, a conselho ou julgamento do confessor, um par, que, por razões válidas, não pode separar e fazer sexo, a comunhão pode ser acompanhada de uma jornada penitencial apropriada.

      Certamente a mudança terá que ser moderada, sob condições muito específicas, e mantido sob controle, a fim de evitar lucros e relaxamento indevido da disciplina. Nós, pais da ilha de Patmos, falamos a favor desta abertura; mas é claro que manteremos escrupulosamente o que o Papa decidirá.

  9. Eu descobri que é impossível se registrar para produzir um debate sobre os artigos que você publica. Não entendo porque.
    No entanto, eu li você com grande interesse, mas achei o artigo do padre Cavalcoli escandaloso (que eu sempre apreciei) o que justifica coabitações fora do casamento. Não é pecado? Não é uma escolha voluntária? Não é uma coisa ruim em si, uma contradição repetida com a vontade de Deus (João Paulo II, no Familiaris Consortio, até diz que contradiz a Eucaristia)? Eu teria muitas razões seculares para opor-me ao padre Cavalcoli, não menos importante, o fato de que além de justificar também parcerias pré-conjugais (outro mal escolhido livremente cujos efeitos são vistos) , as leis da união civil são justificadas.
    Infelizmente, o fato de ter depositado muita confiança no autor desses artigos, me expôs ainda mais à decepção. Espero que esse meu reflexo venha e não termine em um debate autorreferencial (as referências a Rahner estão quase deslocadas e indicam uma abordagem ideológica do tipo, se você não pensa como eu, é rahneriano, marziano etc.).
    Boa noite

    Armando

    1. Caro leitor.

      Releia bem o artigo, porque, ao fazer isso, ela descobrirá o óbvio: ela culpa o padre Giovanni Cavalcoli pelo que ele nunca escreveu e afirmou. Mas é ainda pior: ela traz à tona e depois imputa ao teólogo dominicano a aceitação de fatos, coisas e situações às quais ele nem sequer fez uma menção vaga e indireta.
      Também passamos o comentário dele como evidência de como as pessoas frequentemente não leem, eles não entendem e, embora se lançem em afirmações e julgamentos lapidários e, para dizer o mínimo, fora de lugar.

    2. Não justifico coabitações fora do casamento. Na verdade, eu digo que eles mesmos são sérios e pecaminosos.
      Como você pensou em me fazer dizer uma coisa dessas?

  10. boa noite,
    desculpe, mas estou um pouco’ confuso e por isso eu intervenho. Eu sempre tenho medo de perguntar algo, porque nessa confusão geral é acusado de ser legalista, mesmo quando faz perguntas de boa fé. Não entendi o que isso significa (começo do artigo) que os divorciados e casados ​​novamente podem se arrepender e obter perdão de Deus, mesmo sem o sacramento da penitência. Segundo, a exposição não diz nada sobre o primeiro casamento dos dois se divorciaram e se casaram novamente. Se isso não fosse nulo, é possível não estar em uma situação pecaminosa, mesmo quando não há pecado objetivo? Viver em uma situação tão especial que pode fazer o pecado evitar? Essa teoria também pode ser aplicada a coabitantes ou namorados neste momento? Peço escrúpulos pessoais e para entender por que,pelo menos da minha parte, ninguém diz mais nada e todos tomam comunhão como e quando querem. Obrigado e ore por mim.

    1. Querida Simone.

      Na primeira pergunta. De acordo com a doutrina da Igreja, Deus, em sua bondade, estabeleceu que, normalmente, a graça salvadora à qual ela vem através dos sacramentos. Mas como nem todos, não é culpa deles, eles sabem que existem ou não sabem de boa fé que servem para a salvação, ou eles não podem recebê-los por razões justificáveis ​​ou factuais (por exemplo bebês ou demente) ou por lei.
      e aqui, entre outros, existe o caso dos divorciados e casados ​​novamente. Eles, de acordo com a legislação vigente, eles não podem se aproximar do sacramento da penitência. No entanto, eles também são chamados à salvação, porque Deus quer salvar todos, e oferece a todos a chance de se salvar.
      Mesmo esses casais, portanto, como todo ser humano, eles precisam da graça da remissão de pecados. É suposto, mas, que, em vista de sua união ilegítima, freqüentemente caem em pecado, talvez mortal, com o perigo de perder a graça.
      Como eles recuperam isso então, se eles são proibidos de confessar? A outra parte, no caso examinado, eles não deveriam quebrar esse relacionamento, o que os leva ao pecado. Eles então confessam diretamente a Deus. Dessa maneira, eles podem recuperar a graça e salvar a si mesmos., enquanto permanece nessa coexistência ilegítima, que, por si, não promove a salvação de todo.

      Para a segunda questão. Se o casamento anterior era válido, no entanto ilegítima sua união é, repreensível e escandaloso, não se deve dizer que eles vivem em uma "situação pecaminosa". Situações podem levar ao pecado, ser ocasiões para pecar, se originam de um pecado passado, mas eles não podem ser pecadores ou culpados em si mesmos, porque a situação que dura com o tempo, – por exemplo, a união ilegítima – é uma circunstância acidental com relação ao ato pecaminoso, mesmo se o ato durar ao longo do tempo.
      A situação pode ser diferente e o pecado pode ser da mesma espécie. Mesmo em uma situação favorável à virtude, como uma união legítima, luxúria pode ser realizada. Como também em uma situação desfavorável como a de coabitantes, atos de castidade podem ser realizados.

      Portanto, não posso ser culpado de uma situação atual, que atualmente não depende de mim, mesmo que eu tenha causado isso no passado. Portanto, existem situações causadas, mas por um ato pecaminoso - por exemplo, um adultério – mas que, durando ao longo do tempo, independentemente da nossa vontade, eles não são mais considerados culpados. Certain, algumas situações perigosas, isso poderia ter mudado, em vez disso, eles podem ser mantidos voluntariamente. E isso é certamente uma falha. No entanto, não é a situação que causa o pecado, mas é o pecado que torna uma situação culpada, o que por si só pode ser perigoso, mas nunca pecador. De qualquer maneira, a hipótese que fazemos, é o de uma situação objetiva e inevitável, a partir do qual os dois, Eles não podem, eles falham e, em certo sentido, não devem sair.

      Para a terceira questão. A questão em jogo aqui é apenas a dos divorciados e casados ​​novamente, e a dos coabitantes pode ser assimilada, embora seja mais fácil resolver, e sua conduta parece menos escandalosa e menos pecaminosa, não existe link anterior.
      Mas a atual lei eclesiástica prevê a exclusão dos sacramentos para simples coabitantes ou concubinas livres de laços conjugais anteriores. Quanto aos deveres e faculdades dos casais de noivos, essas coisas são reguladas pela moral atual, que não impeça o acesso aos sacramentos, é claro que as condições necessárias são atendidas.

      1. Muito obrigado pai pela sua resposta amável , isso me ajudou a entender um pouco’ melhor. Peço-lhe uma oração para que eu possa levar meus sofrimentos com fé e alegria e oferecê-los à Igreja..
        Simone

  11. Querido pai Cavalcoli,

    Tenho que lhe dizer com toda a honestidade que não posso seguir o seu raciocínio. No final, não me parece que ele diga algo novo: dois divorciados casados ​​que decidem viver em castidade não cometem pecado. Se caírem ocasionalmente, mas eles se arrependem e demonstram sua intenção de reafirmar sua castidade, eles certamente podem confessar e acessar a Eucaristia novamente. Nós concordamos: mas então não há nada novo comparado ao que já é conhecido e não há necessidade de discutir nenhum novo ministério pastoral. Pena que estamos falando de divorciados e casados ​​novamente que pretendem viver “totalmente” o novo casamento e afirmam que não há nada errado. Este é o novo “pastoral” promovido pelos pais sinodais que aderem à linha Kasper.

    Quanto ao papa que nunca age contra a tradição ... tenha paciência, existem casos documentados: Honório, Libéria, João XXII ... Um contra-exemplo por si só nega a afirmação universal.

Os comentários estão fechados