"O Espírito Santo e nós". Não existem mais os bispos e católicos do passado

- notícias Church -

"O ESPÍRITO SANTO E NÓS". NÃO HÁ MAIS BISPOS E CATÓLICOS DE UMA VEZ

.

[…] também chegou a hora de os fiéis escolherem o que é necessário, cruzando as brasas da modernidade e dos direitos absolutos assumidos ao fanatismo contra a Igreja. Esses direitos, mesmo em tempos de pandemias, eles nunca são um remédio para o mal, eles se autodestruem imediatamente e se secularizam e legalizam, tornando-se direitos positivos que afetam a carne dos mais fracos e indefesos e atacam aquele componente sacramental e litúrgico que tem na Eucaristia seu ápice de fé necessária, celebrado diariamente.

.

Autor
Ivano Liguori, ofm. Capp.

.

.

PDF artigo formato de impressão
.

LEITURA EM ÁUDIO DO ARTIGO

Os Padres des A ilha de Patmos inseriram nos artigos a leitura de áudio para Leitores afetados por essas deficiências que os impedem de ler e prestam um serviço também para quem viaja e não consegue ler pode tirar proveito da leitura de áudio

.

.

Nota do diretor encarregado de A ilha de Patmos publicado às horas 19.45

o artigo do Padre Ivano Liguori, ofm. Capp. que segue foi publicado às horas 17,45 de 4 Novembro. Algumas horas após a elaboração do Avvenire.it ele deletou o artigo ao qual nosso editor se referiu. Aquele artigo agora não é mais visível. Vestígios disso permanecem no jornal da Diocese de Senigallia, que relatei quase inteiramente [veja Quem] Bem, em suma, uma comodidade a menos nessas colunas. Lamento a queda da União Soviética, porque se ficasse de pé, hoje o diretor encarregado de Futuro poderia ser reivindicado em voz alta pela Duma como diretor do verdade.

Ariel S. Levi Gualdo

 

 

.

.

presente de um de nossos confrades napolitanos: «facite ammuina!»

Um jornal que se autodenomina católico, o que se deve fazer é antes de tudo apoiar e acompanhar a fé dos cristãos na vida diária, preservando os simples de tropeçar.

.

Sem muitos babados e o inevitável fanatismo da sacristia, use um estilo jornalístico carismático capaz de inspirar confiança, para ler o mundo de uma forma profética, de acordo com aquele Reino de Deus que já está presente entre nós (cf.. LC 17,20) e que um crente deve reconhecer de longe.

.

Com toda a probabilidade estou errado, eu também estou como sempre vintage e muito ingênuo para este século, em que ser um cristão adulto significa reformar o irreformável e propor um Deus alternativo sabiamente brilhado que se sobrepõe ao Deus de Jesus Cristo. No entanto, uma custo de ser repetitivo e desagradável, tenho que insistir em um fato: Sempre encontro uma falta evidente daquela bela virtude cardeal que é a prudência. Virtude que deve ser pedida diariamente ao Espírito Santo e que é exigida não só a uma pessoa consagrada no episcopado e no sacerdócio, mas também a um simples fiel baptizado que desempenha um papel na Igreja, especialmente se essa função envolver informação e treinamento.

.

Por que digo isso? Vou direto ao ponto. Eu aprendo com avvenire [cf.. artigos Quem] de uma investigação conduzida pelo Instituto IPSOS segundo o qual dois terços dos crentes teriam julgado necessário suspender as celebrações com as pessoas durante o lockdown nacional entre março e maio. Pelo visto, 88% dos cristãos em nossas comunidades promoveram medidas anti-Covid na igreja.

.

Possível? Parece que sim! Portanto, de acordo com esses dados e de acordo com a leitura dada por Futuro, o grito: «Devolva-nos a S. Missa ”é obra de uma certa vulgata de fanáticos beijos. O fim das celebrações da "porta aberta" vê a plena promoção do Popolo das freguesias. Eu não sei sobre você, mas eu, ler certas coisas, estou muito mal. De fato, se a solução pareceu bem-sucedida da primeira vez, também será no caso de um segundo confinamento Natal, bem como rumores rumores estes dias.

.

E digo isso com a mais profunda preocupação porque, depois de quase um ano morando com Covid, esta posição não pode mais ser justificada pela emoção ou surpresa. É claro que assume as conotações de uma escolha de campo real e racional, uma decisão precisa entre fé e necessidade, como escrevi nestas colunas alguns meses atrás, uma escolha apoiada por um direito interpretado de "fazer o bem" que vê em segurança Pública o suprema lex.

.

A todos os católicos que são apaixonados pelo direito e por Cícero, Lembro que para um cristão católico o primeiro suprema lex é, e sempre permanecerá, Jesus Cristo, fundação e maneira de alcançar o salvação das almas. A esse respeito, cito e compartilho o que pensa o cardeal Sarah:

.

"A existência terrena é importante, mas muito mais importante é a vida eterna: compartilhar a mesma vida com Deus pela eternidade é nosso objetivo, nossa vocação " (cf.. Carta aos Presidentes das Conferências Episcopais sobre a celebração da liturgia durante e após a pandemia de Covid-19, Voltemos com alegria à Eucaristia!).

.

Por esta razão, esta pesquisa apareceu no jornal dos bispos me incomoda no duplo papel de sacerdote e cristão, revelando uma falha muito específica entre os crentes católicos italianos que deveria ser curada em vez de patrocinada.

.

Eu só posso me identificar como um pároco no cuidado das almas aos numerosos irmãos sacerdotes que ainda não acabaram de explicar aos seus conselhos pastorais a esplêndida carta da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, que nos convida a retomar a vida cristã a partir da Eucaristia celebrada em comunidade em Dies Domini.

.

Como os padres poderão educar seus fiéis alimentar-se de Jesus Eucaristia e transmitir as verdades da fé católica na comunhão eclesial dominical, se esses fiéis preferem um credo Trabalho Inteligente, facilmente vivia de casa?

.

Como justificar para catequistas e famílias de crianças e dos meninos em uma jornada de fé que um novo confinamento litúrgico / catequético não é apenas bom e justo, mas também desejável, quando o Escritório Catequético Nacional emitiu diretrizes claras para a catequese na Itália na época de Covid? Diretrizes responsáveis, prudente e seguro, mas que não pode repudiar e minar o devido anúncio querigmático que ele tem no Evangelho de São Mateus [cf.. MT 28,19-20] o selo obrigatório do Salvador para o Colégio Apostólico.

.

Você vai entender bem que estamos enfrentando uma encruzilhada e entre os dois, um é verdadeiro e o outro falso. Ou os católicos na Itália conquistaram em 2020 o troféu Nietzsche e vieram para a morte de Deus visto como um fardo insuportável em tempos de pandemia, e então é bom que eles o comuniquem oficialmente aos seus bispos, belas almas da hospitalidade, para que eles tomem nota. Ou, se não, os bispos devem evitar que tais posições circulem em seu jornal, o que não tem outra conseqüência do que aumentar a consternação e desconforto daquele 12% dos católicos que ainda consideram a Santa Missa indispensável.

.

Porque a Santa Missa pertence a Cristo, não de qualquer "Franceschiello" que com seu edital galvaniza os marinheiros para o grito de "Fazer ammuina» (levar a confusão).

.

E de ammuina - confusão - neste período histórico há muito disso, tanto dentro como fora da Igreja a ponto de precisar de pastores prudentes e sábios como o bom Bispo emérito de Ascoli Piceno, Giovanni D'Ercole [cf.. Meu artigo anterior, Quem] que teve a audácia de afirmar que “A Igreja não é lugar de contágio”, demonstrando assim um raro equilíbrio entre prudência pastoral e amor ao próximo, tudo combinado com a primazia da obediência a Cristo perante César.

.

Eles nos dizem para obedecer? Bem faremos e com alegria, conforme relatado pelo Bem-aventurado Evangelista Lucas no livro dos Atos dos Apóstolos. Obedeça ouvindo aquela voz apostólica que nos fala em nossos dias:

.

"Nós decidimos, o Espírito Santo e nós, não impor qualquer outra obrigação a você além dessas coisas necessárias ... " (Em. 15,28)

.

Isso é o que queremos ouvir, queridos padres bispos. Imponha o jugo da necessidade sobre nós, de bom grado viraremos o pescoço e as costas ao doce jugo da Eucaristia celebrada em comunidade no dia do Senhor, o único Senhor necessário em uma Igreja de falso indispensável.

.

similarmente, também chegou a hora de os fiéis escolherem o necessário, cruzando as brasas da modernidade e dos direitos absolutos, levado ao fanatismo contra a Igreja. Esses direitos, mesmo em tempos de pandemias, eles nunca são um remédio para o mal, eles se autodestruem imediatamente e se secularizam e legalizam, tornando-se direitos positivos que afetam a carne dos mais fracos e indefesos e atacam aquele componente sacramental e litúrgico que tem na Eucaristia seu ápice de fé necessária, celebrado diariamente.

.

Laconi, 4 Novembro 2020

.

 

Lembramos aos leitores que o livro dos Padres da Ilha de Patmos é antecipado, que você pode pedir agora e recebê-lo em alguns dias. Basta entrar em nossa livraria: Quem.

 

 

 

 

 

 

.

.

.

.

«Você saberá a verdade, ea verdade vos libertará» [GV 8,32],
mas trazer, difundir e defender a verdade não só de
riscos, mas também os custos. Ajude-nos a apoiar esta ilha
com as suas ofertas através do sistema Paypal seguro:

PayPal - O método rápido, maneira confiável e inovadora para pagar e receber o pagamento.

ou você pode usar a conta bancária:

a pagar Edições A ilha de Patmos

estavam: TI 74R0503403259000000301118

SWIFT DO CODICE: BAPPIT21D21
neste caso, envie-nos um aviso de e-mail, porque o banco
Ele não fornece o seu e-mail e nós não poderíamos enviar-lhe um
ação de graças [ isoladipatmos@gmail.com ]

Avatar

Acerca de isoladipatmos

17 thoughts on ""O Espírito Santo e nós". Não existem mais os bispos e católicos do passado

    1. Querido Fabio,

      que a expressão "Fazer ammuina"Seja ou não um fato histórico, para os fins do artigo, não parece decisivo. De fato, a citação foi escolhida como um exemplo simples, relatando uma expressão de dialeto bem conhecida, enraizado na cultura napolitana, do que expressar uma situação muito clara de confusão ou, melhor, de ruído. E nós realmente não precisamos de barulho neste momento na Igreja, mesmo que o barulho venha de um jornal definido como "católico", que embora não seja mais comprado por ninguém – como você especificou - deve sempre ser considerada como a voz dos bispos italianos. E a este respeito - deixe-me dizer – uma voz ruidosa não mais animada pela Palavra de Cristo, mas por uma palavra secularizada e laicizante que deve suscitar preocupação. Muito bom.

    1. Eu entendo que infelizmente, a emocionalidade baseada em “De acordo com me…”, “Eu acho…”, “Eu sinto isso…”, está literalmente cegando as pessoas.
      Pode servir para fazer você pensar, Copio e colo o texto traduzido para o italiano da fiel versão latina do juramento solene feito pelo pequenino arcebispo heróico Carlo Maria Vigano:

      «Eu… na presença… de tocar os sagrados Evangelhos de Deus com a mão, Prometo guardar fielmente o segredo pontifício nas causas e assuntos que devem ser tratados sob este segredo, de modo que de forma alguma, sob qualquer pretexto, é de maior bem, é de uma causa muito urgente e muito séria, será legal para mim violar o segredo acima mencionado. Eu prometo guardar o segredo, como anteriormente, mesmo após a conclusão das ações judiciais e negócios, para o qual este segredo foi expressamente imposto. Se, em qualquer caso, me ocorre duvidar da obrigação do segredo acima mencionado, Vou me ater à interpretação em favor do próprio segredo. Da mesma forma, estou ciente de que o transgressor deste segredo comete um pecado grave. Que Deus me ajude e estes Santos Evangelhos que toco com a mão me ajudem "

      tendo dito isso eu te pergunto: na sua opinião, o que significa

      «[…] de maneira alguma, sob qualquer pretexto, é de maior bem, é de uma causa muito urgente e muito séria, Terei permissão para violar o segredo acima mencionado "?

      Carlo Maria Viganò fez o que eu teria feito se por hipótese infeliz – É um exemplo, está claro – Eu havia violado o selo sacramental ao denunciar publicamente que o senhor Caio, 50 anos, marido e pai de três filhas, ele me confessou que tem uma atração irresistível por prostitutas menores com as quais teve relações sexuais várias vezes..
      Aí decido violar o segredo que motivou tudo dizendo que era minha intenção proteger as jovens prostitutas e envergonhar publicamente o senhor Caio..

      Isso fez Viganò, então por favor, não traga isso para nós como um modelo, este pobre ídolo de palha que muitos ergueram sobre as cinzas de nossa pobre Igreja devastada.

      1. Viganò, aquele que argumenta que Trump deve salvar o mundo das trevas e que o Papa Francisco é um emissário do anticristo. Mas como você vai atrás dessas pessoas? vir? De, don Minutella… Agora há também os comentários de um certo vigário de Savonese contra o Papa que seria um herege para se converter. Todos para rasgar a roupa pelas frases do Papa sobre os gays, quando na igreja a grande maioria dos padres agora são gays, (tudo provado, verificado, pelo menos pelo jornalista Martel com seu ensaio Sodoma). O que então, uma das poucas certezas que temos hoje é que o Papa Francisco não é homossexual. E é curioso, como escrito pelo próprio Martel, o que acontece muitas vezes os prelados que atacam os homossexuais com mais veemência e as supostas aberturas são justamente homossexuais. As celebridades “rigidi dizer” (também conhecido pessoalmente). Tudo com o mesmo estilo. Pizzi, atacadores, obsessão com a liturgia, frequentemente o antigo. Guardiões da doutrina sagrada, mas até que seja sobre o quarto deles.

        1. Leia este livro:

          https://www.amazon.it/Satana-fece-trino-individualismo-disubbidienza/dp/8894463206/ref=as_sl_pc_tf_til?tag=isoladipatmos-21&linkCode=w00&linkId=3ca7df3551b5c9143bed1500a68fbd7a&creativeASIN=8894463206

          Eu analisei certas coisas e disse-lhes de dentro, como padre e com conhecimento de uma causa profunda, Eu não sou um leigo estúpido e aproximado como Martel. Ele está fofocando, ao invés eu escrevo texto, com rigor científico.

      2. A resposta dele é interessante
        Talvez mais tarde eu expresse um comentário .
        Tendo dito e dado que eu "não sragiono" ( Eu deduzo isso de sua declaração ) e não tento introduzir o "vírus Vigano" neste fórum ( como você sugere…)
        O que Vigano expressou 'está em perfeita concordância com o que eu penso e com o que amadureci ao longo do tempo, independentemente de Vigano'.
        Não é tudo branco ou preto .
        Posso fazer minhas algumas coisas de Vigano e outras não como as do padre Livio ( Acabei de ouvir a catequese da manhã de hoje 9 Novembro: e literalmente perfeito ) gosto dos videos vc querido Don Ariel e desta revista online que considero boa as vezes excelente pois divido e sigo a Minutella ( me perdoe pela falta grave …. mas assim é….) .
        Ainda em Vigano 'Padre Livio , Don Ariel , Minutella …. não há absolutamente nenhuma uniformidade no discurso que você realiza … pelo contrário…

        Eu sigo ouvindo com grande interesse ( até mesmo desse precioso blog dele faço o download dos artigos em versão papel e os mantenho em forma de despensa na livraria ) tudo sem preconceito e sem partidarismo como "torcedor" de um ou de outro e aí resumi mantendo o que pelo meu discernimento ( bom ou mal ) Eu me sinto bem ( nada entra no "na minha opinião…" )
        Sujeitando tudo a verificação contínua . O partidarismo de "fãs", sejam todos brancos ou todos negros , Eu não gosto deles e eles distorcem .
        sobre :

        https://www.marcotosatti.com/2020/11/09/vigano-la-grande-informazione-censura-i-brogli-di-biden/

        Saudações

      3. Desenvolvi a ideia de que esta imagem claramente descrita por Cesare Sachetti é claramente verdadeira ( não é conspiração de forma alguma … por nada) , rede de Vigano 'ou não , o apelo feito pelo mesmo à oração dos cristãos de qualquer condição , idade , status social , saúde ou não , porque o momento é muito sério , crucial …. é válido e agora mais apropriado do que nunca

        O que está acontecendo é de uma gravidade sem precedentes e as consequências serão ainda piores( especialmente para cristãos …especialmente os católicos : Kamala Harris & Leciona empresa; que Biden apaixonado / fantoche se preocupa menos ).
        Eles irão promover e patrocinar tudo o que é anticristão em todo o Ocidente como nunca antes : as pré-condições virão para acelerar ou melhor, impor o espírito anticristão .
        Chame de tempo do anticristo, se quiser …

  1. P estimado. Ariel,
    a respeito das alegadas violações graves dos segredos papais por Mons.. Viganò, até mesmo Cristo transgrediu a lei (“Sábado é para homem e não homem para sábado”); o propósito do bem da Igreja (que diz respeito à totalidade das pessoas) é muito mais importante do que proteger uma minoria de pessoas, como na comparação que você relatou que eu não considero equivalente. Ultimamente, acho muito difícil reconhecer o atual Papa como tal (no credo dizemos “Eu acredito na igreja” não “O Papa”), além disso, a renúncia de Bento XVI parece ter sido forçada e, portanto, inválida, bastaria deixá-lo o guia espiritual e o resto da administração executiva para confiá-lo a um Colégio de Cardeais. Não sei o que fazer com uma Igreja dominada pelo mundo e por Satanás, e ainda estou lá “apenas para os sacramentos” como Don Milani disse.

    1. Como Claudia,

      o assunto é muito delicado e sua comparação evangélica tende mais para o emocional (compreensível) do que para o objetivo.
      Deixe-me ser claro, este raciocínio não é culpa dele, se alguma coisa, nossa culpa por termos renunciado à nossa missão fundamental por muito tempo: guiar e ensinar o Povo de Deus, como guias e professores instituídos pelo sacramento da graça.

      A resposta para encomendar:

      – Você cita uma passagem evangélica através da qual Jesus Cristo destaca o elemento da hipocrisia e da adoração idólatra dos preceitos criados pelos homens em torno da Lei Mosaica. Em muitas outras passagens dos Santos Evangelhos, Jesus Cristo não mostra apenas respeito pela Lei, mas ensina qual é o verdadeiro respeito pela Lei dos Santos Patriarcas e Profetas.

      – Somos dotados de consciência e livre arbítrio como mentes pensantes e racionais. A Igreja tem um conjunto complexo de leis que aparentemente, em casos muito especiais, eles podem aparecer em conflito com nossa consciência, com o que consideramos bom, assumindo que é. Se este conflito surgir, como foi criado no pobre Arcebispo Carlo Maria Viganò, o que devemos seguir, como bispos ou presbíteros vinculados por promessas precisas e solenes: o que a Igreja indica para nós, ou o que achamos que é bom? É claro, este, não é uma questão de estilo, na forma ou pior de um cérebro jogado no armazenamento, mas é realmente uma questão de fé. Obvio do que nunca, A Igreja, pode me perguntar, através da legítima Autoridade Eclesiástica, para realizar ações contrárias ao Depósito da Fé e à moralidade católica, ou crimes, mas pode me pedir para observar e obedecer a muitas coisas das quais discordo, ou que eu mesmo acredito ser errado e prejudicial. Em quel Caso, o que devo aplicar? Eu aplico o “mas na minha opinião … Eu acho …” ou eu me coloco de volta em obediência à Igreja?
      Talvez um exemplo concreto esclareça tudo melhor: quase uma década atrás, completamente injusto, Recebi ordens para não escrever e não publicar. Mas não porque escrevi coisas falsas ou inadequadas, nada! Mas porque eu havia chicoteado vários clérigos com razão justa e merecida, especialmente o venenoso lobby gay. E assim, algum curial travesso que se sentiu picado, convenceu meu bispo na época que “este padre molestando” isso poderia ter criado problemas para ele em sua corrida para o cardinalato, dado quase certo e certo.
      Eu poderia ter tido todos os motivos humanos e aparentes para dizer que não era obrigado a obedecer a uma ordem dada por um bispo ambicioso que, ridicularizado pelos curiais e tocado por eles em seu ponto fraco, ele me deu um comando completamente injusto.
      Em vez disso, obedeci a esse comando injusto e durante um ano inteiro não publiquei nada. Esse bispo não se tornou cardeal, na verdade, ele fez inúmeras figuras insignificantes e, finalmente,, sua aposentadoria da cadeira episcopal, foi saudado por todo o presbitério como o fim malfadado do governo de um “perigo público”.
      Tudo isto para dizer: Tenho o direito de criticar a Autoridade Eclesiástica, é a própria Igreja que me concede o direito de exercer o senso crítico, mesmo severamente, sempre dentro dos limites do permitido. Mas o que eu não posso e não devo fazer, é desobedecer à Autoridade Eclesiástica, colocando-me como um juiz acima dela. Isso eu não posso e não devo fazer.
      Disubbidir para um comando, também foi injusto, para um padre é uma coisa muito séria. Melhor fazer algo errado em obediência à Autoridade Eclesiástica, do que fazer a coisa certa em desobediência à Autoridade Eclesiástica. E, em seguida, diante de deus, a Autoridade Eclesiástica que usava seu próprio Potestas induzir um sacerdote a cumprir uma ordem injusta, errada ou prejudicial à sua pessoa e à dignidade humana, ele terá que responder seriamente por isso até o risco real de acabar sofrendo eternamente no Inferno.

      – E’ verdadeiro, no credo dizemos de “acredite na Igreja e não no Papa”, mas é preciso lembrar que o Romano Pontífice não é o presidente de uma república parlamentar democrática, mas o Vigário de Cristo na terra, legítimo sucessor do beato apóstolo Pedro, a quem Cristo Deus deu o poder de ligar e desligar. Portanto, tome cuidado para dividir “Igreja” e “Papa”, como ela se arrisca a fazer, porque é muito perigoso. Dito: Eu também posso afirmar – e eu fiz isso mais de uma vez – que o pontífice reinante corre o sério risco de ficar para a história como um dos piores Sumos Pontífices da história da Igreja. Isso eu posso dizer, ninguém pode me parar. O que eu não posso fazer, nem eu nunca, é questionar sua autoridade legítima e negar-lhe a devida obediência e o devido respeito. Aviso: obedecer e respeitar não significa estima. Na verdade, pode-se obedecer e respeitar uma pessoa sem estar de forma alguma obrigado a estimá-la. A estimativa, de fato, se o Sumo Pontífice quiser, ele deve ganhar, porque não é devido a ele, mas respeito e obediência sim, aqueles são devidos a ele.

      – sobre “descarga” ele disse “forçado” de Bento XVI e por este “inválido”, está simplesmente afirmando que o Venerável Predecessor do Pontífice reinante não passa de um miserável mentiroso. Na verdade, recordo que Bento XVI, em várias ocasiões, ele reafirmou a liberdade plena e total de seu ato de renúncia. Então, tenha em mente que um Romano Pontífice não renuncia, mas ele pode fazer um ato de renúncia. Agora, um dos dois: o Bento XVI é realmente um mentiroso, ou ele assinou a renúncia com um revólver apontado para sua cabeça. Mas nem é verdade nem o outro, ele nos disse, Bento XVI explicou e reiterou que neste sentido, ou diga a verdade – e eu acredito que diz isso – ou é um mentiroso – e eu não acho que seja -.

      – Dom Lorenzo Milani, considero-o um dos vários maus mestres do século XX., mas esta é minha opinião com base em vários de seus escritos, discursos e ações. Imagine, existe um exército de Cattocomunistas que gostariam “São agora!”. Dito: na Igreja não fica só pelos sacramentos, porque os sacramentos são aquela graça sobrenatural que santifica toda uma jornada de fé, através dessa obediência que – tanto quanto Milani racionou dizendo “obediência não é mais uma virtude – sempre permanece uma virtude fundamental.

      Depois de responder às vossas declarações, gostaria de esclarecer que quando nós, sacerdotes, encontramos fiéis que pensam como vós, a pergunta que devemos nos fazer, muito a sério é muito urgente, seria um: se nossos fiéis pensam assim, onde é que cometemos um erro? Porque uma coisa é certa: somos nós que estamos errados. E eu me limito a nós padres, por modéstia sobrevoando nossos bispos capazes de falar apenas de “pobres e migrantes”, “arredores de existência” e “saída de igreja”, enquanto os membros do Povo de Deus, mais e mais perdido, eles são órfãos de guias sólidos e seguros e nossas igrejas estão se tornando cada vez mais vazias.

      Ela, cara Claudia, em seu raciocínio errado, não tem uma, mas mil justificativas. Nós padres, em vez, não. Não temos uma justificativa única e miserável.

      Ore por nós e aceite minha bênção.

        1. Caro Stephen,

          quem não me deu uma cadeira de bispo, que nem no passado nem especialmente em um momento como o nosso presente jamais teria aceito, tenho toda minha sincera e profunda gratidão, porque ele me salvou do Inferno nesta terra nesta Igreja. Eu acredito que no máximo em um ano eu teria que desistir da minha cátedra devido à guerra até a morte que eles teriam feito comigo, mas sobretudo pelos problemas intransponíveis que teriam criado boa parte dos meus padres e de todos os bispos das dioceses vizinhas que lhe teriam dado uma mão., sobrecarregando a Congregação para os Bispos com protestos, simplesmente porque eu seria culpado de ser um bispo católico.

        2. Na minha diocese para alguém como o Padre Ariel, sua 90 padres que somos: 20 (10 do mais novo e 10 do mais velho) eles o levariam para a velha cadeira de gestação, e eles não apenas beijariam sua mão, mas também o sapato, e também o teriam proposto já em vida como padroeiro da diocese, outros 70 padres teriam derramado cianeto no galheteiro de vinho para a Santa Missa.

      1. Querido padre Ivano,

        Eu acredito que o tema que você trata nesta palestra é muito importante. Eu percebo que muitas vezes apenas o tema “Sábado para homem” ou “o homem para o sábado” Estou muito confuso se tento estendê-lo além do caso específico do sábado para os judeus. Também fico muitas vezes confuso com o tema da consciência versus obediência à autoridade, e o conceito de “primazia da consciência” isso me atormenta nem um pouco porque’ muitas vezes não consigo entender se alguns pensamentos vieram da minha consciência (e se, portanto, eu tenho que dar importância primária) ou se eles são outros e, portanto, devem ser ignorados tanto quanto possível (mas ao mesmo tempo tenho medo de ignorá-los, caso sejam conscientes e seria um pecado ir contra eles)… e finalmente, portanto, como reconhecer a verdadeira voz de Deus dentro de nós. Eu acredito que este assunto é muito importante, e eu gostaria de perguntar se você pode’ escreva um artigo ainda mais no futuro’ detalhado de sua resposta, como forma de catequese sobre um tema sobre o qual creio não ser o único a ter algumas ideias’ confundir, e ao mesmo tempo acredito que é de fundamental importância.
        Obrigado pela sua resposta a Claudia, e com antecedência para qualquer informação adicional sobre este tópico.

  2. Reverendo Padre Ivano,

    Eu compartilho com você que há uma escolha clara por parte da maioria do episcopado para fazer as pessoas compreenderem que os sacramentos, e em particular o Sacrifício Eucarístico, eles não são o coração de nossa vida de fé, com muitas saudações à liturgia culmen et fons’ promovido pelo Conselho
    Também percebi isso em uma entrevista recente com o Santo Padre Francisco ( https://www.adnkronos.com/fatti/cronaca/2020/10/30/papa-francesco-all-adnkronos-covid-corruzione-benedetto_chrA2saxr5INZHQvsZT44N.html?refresh_ce ), do qual cito uma passagem que pessoalmente me escandalizou mais do que as afirmações pontifícias sobre gays e semelhantes

    Não quero entrar nas decisões políticas do governo italiano, mas vou contar uma história que me decepcionou: Ouvi falar de um bispo que disse que com esta pandemia as pessoas estão “desacostumado” - Isso foi o que ele disse – Indo para a igreja, que nunca mais voltará para se ajoelhar diante de um crucifixo ou para receber o corpo de Cristo. Eu digo que se isso “pessoas”, como o bispo chama, ele costumava ir à igreja por hábito, então é melhor ele ficar em casa. E’ o Espírito Santo chamando as pessoas. Talvez depois desse teste difícil, com essas novas dificuldades, com o sofrimento que entra nas casas, os fiéis serão mais reais, mais autêntico, Acredite em mim, vai ser assim

    a saber, praticamente o Papa deu luz verde para violar o preceito dominical a todos os fiéis 'falsos', não autêntico '. na verdade, é também uma negação dos sacramentos como remédio para o homem doente

    1. O Papa não deu luz verde a nada, ele só disse que você não vai à missa aos domingos “por hábito”. Ou porque “sempre foi assim”. Ele está perfeitamente certo ao dizer que a igreja não precisa de tais fiéis hoje. Na minha opinião, este Papa choca não porque fala de forma confusa, mas porque fala de uma maneira real, sem muitas palavras.

      1. mas é melhor uma pessoa ir à igreja por hábito ou simplesmente não ir lá?
        no primeiro caso uma pessoa pode ser estimulada pela Palavra de Deus, do sermão, da liturgia e passar de uma relação fria com Deus para uma mais verdadeira e plena. é verdade que Deus pode dar a graça da conversão quando e como quiser, mas quanto mais boas oportunidades, melhor
        no segundo caso, ao invés, ficando em casa, o que ele acaba fazendo? acaba assistindo pornazzi!
        com a história dos melhores, mas bons’ realmente corremos o risco de matar a vida de nossas comunidades, e acabaremos nos encerrando em um elitismo que nos faz mal e que tem pena de Deus
        então o Papa Francisco não disse que a Igreja é um hospital de campanha’ para curar as feridas da humanidade? e os 'fiéis por hábito’ ele não é um desses pacientes? e queremos jogá-lo fora…

Deixe uma resposta

seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

 caracteres restantes

Este site usa Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados comentário é processado.