O nascimento de Cristo e a epifania da fé e da razão, além das nuvens do irracionalismo, de cego fideísmo e devoção

+ posts

Dell'Ordine dei Frati Predicatori
Presbitero e Teologo

( Cliccare sul nome per leggere tutti i suoi articoli )

- Notícias da igreja -

O NATAL DE CRISTO E A EPIFANIA DA FÉ E DA RAZÃO, ALÉM DAS NUVENS DO IRRACIONALISMO, DE FIDEISMO CEGO E DEVOTIONISMO

Se o Natal é a época do Logos que está incorporado, então, na Encarnação, o Deus Eterno assume toda a natureza humana, temporário: e também assume a razão humana que reelabora conceitos no raciocínio discursivo e no tempo, até que se manifeste na Epifania, que significa "manifestar-se". Aqui está então que a pesquisa filosófica reside na razão humana, pesquisa histórica, pesquisa científica ... enfim, uma busca da verdade imanente que anda de mãos dadas com a busca de uma verdade transcendente sobre a fé, e ambos podem fazer-se caminhos de santidade.

.

Autor:
Gabriele Giordano M. Scardocci, o.p.

.

.

PDF artigo formato de impressão

 

.

.

.

O Evangelho de São Mateus contém este conto:

.

para abrir o livraria clique na imagem da capa

«Jesus nasceu em Belém da Judéia, no tempo do rei Herodes. Alguns magos vieram do leste para Jerusalém e perguntaram: “Onde está o rei dos judeus que nasceu? Nós vimos sua estrela subir, e viemos para adorá-lo”» [MT 2, 2].

.

Não precisamos de mais confirmação que este período pandêmico é realmente repleto de incertezas. Enquanto escrevo este artigo, Caros leitores de A ilha de Patmos, nuvens negras se reuniram sobre Roma e baldes de chuva inundaram a capital. A luz é quase invisível, nas nuvens. Aqui está como o clima pode expressar o humor de muitos, tanto é que o 2020 foi citado pelo Censis como o ano do medo negro para os italianos [1].

.

Este medo gerou reações de fechamento, de irracionalismo e fideísmo sem precedentes; certamente sem precedentes nos tempos modernos. Recentemente li sobre Facebook a ideia de que o sacramento do batismo daria uma espécie de imortalidade indefinida, porque ficaria para sempre ligado ao Verbo Encarnado Imortal. Portanto, meu amigo continuou nos comentários facebooker, afirmando que em face de um microorganismo ignóbil, um vírus tão bobo, por que ter medo? Por que se fechar dentro de casa? Por que deixar todos os jesuítas "imortais" jogar fora um ano de vida?

.

Eu honestamente sorri ao ler esses argumentos. Achei que deveria intervir imediatamente, explicando a diferença entre a união hipostática da natureza humana de Cristo com a pessoa divina (onde Cristo é uma pessoa e duas naturezas), e nosso ser incorporado a Ele no Batismo, nós também com a natureza humana. Neste segundo caso, de fato, assim como a natureza de Jesus estava sujeita a sofrimento, doenças, dores, no entanto, também nós vivemos na Paixão, embora sejamos batizados. O caráter sacramental batismal não nos protege da doença e da serenidade, a entrega a Deus que devemos ter como batizados não exclui, ao contrário, inclui nossa ação moral de prudência e esperança. Nossa responsabilidade de proteger os frágeis [2].

.

Mas imediatamente parei de responder. Porque era preciso ir à raiz da questão. Não vá direto para os insights teológicos. Sobre o qual quero falar agora. A raiz na verdade consiste na atitude interior. Em primeiro lugar, ter a atitude de pesquisador, de análise aprofundada, mente aberta dos Magos. Que estavam procurando por Jesus seguindo uma estrela e perguntando a todos onde estava o recém-nascido rei dos judeus. O Venerável Pontífice Bento XVI escreve sobre a Epifania em uma de suas obras:

.

“Vários fatores podem concorrer para fazer com que uma mensagem de esperança seja percebida na linguagem da estrela. Mas tudo isso só poderia colocar em movimento aqueles que eram um homem de certa inquietação interior, homem de esperança, em busca da verdadeira estrela da salvação. Os homens de que Mateus fala não eram apenas astrônomos. Eles eram sábios: eles representavam a dinâmica de ir além de si mesmo [...] eles se encontram na esteira de Sócrates e seu questionamento, além da religião oficial, sobre a grande verdade. Nesse sentido, esses homens são antecessores, dos precursores, buscadores da verdade, que preocupam os tempos "[3]

.

Essa atitude de buscar a verdade é a mesma época de Natal que o exige. Se o Natal é a época do Logos que está incorporado, então, na Encarnação, o Deus Eterno assume toda a natureza humana, temporário: e também assume a razão humana que reelabora conceitos no raciocínio discursivo e no tempo, até que se manifeste na Epifania, que significa "manifestar-se". Aqui está então que a pesquisa filosófica reside na razão humana, pesquisa histórica, pesquisa científica ... enfim, uma busca da verdade imanente que anda de mãos dadas com a busca de uma verdade transcendente sobre a fé, e ambos podem fazer-se caminhos de santidade.

.

Giovanni Covino escreve em um artigo recente:

.

“Precisamente porque até a inteligência pode apresentar-se como“ caminho para a santidade ”, A Igreja, com seu ensino constante como mãe, sempre teve em alta consideração a pesquisa científica e a possibilidade de combiná-la com a fé - como afirmam as agora famosas palavras de abertura da carta encíclica Fides et ratio: “A fé e a razão são como as duas asas com as quais o espírito humano se eleva para a contemplação da verdade.. E Deus colocou no coração do homem o desejo de conhecer a verdade e, em definitiva, a conhecê-Lo, porque, conhecer e amar a Deus, também pode descobrir toda a verdade sobre si mesmo”» [4].

.

Entrando nesta perspectiva de epistemologia dual, teológico e filosófico - científico, o homem verdadeiramente eleva toda a sua pessoa. Porque é capaz de entrar em um olhar duplo: objetivo no real, capaz de reconstruir os dados documentais à sua frente por meio da linguagem técnica da ciência. Ao mesmo tempo, ler esses dados, de forma contemplativa a ação eterna de Deus. O olhar contemplativo sobre o fato real é fundamental hoje, especialmente em tempos de pandemias, que de outra forma seria apenas uma crise de saúde sem horizonte de significado.

.

Nesta mesma linha de pensamento a pesquisa do amigo escritor Adriano Virgili é comovente, do qual eu relato o trabalho: A ressurreição de jesus. Uma investigação. É justamente uma pesquisa histórico-científica sobre o fato da fé em Jesus Cristo., em que a Autora - como Alessandra Fusco escreve em uma de suas resenhas [cf.. Quem] - segue servilmente o caminho da razão, não aquele de fé cega. Assim como Sherlock Holmes teria feito, ele segue o caminho da lógica, apresenta-nos o Jesus histórico e os apóstolos, pesa todas as hipóteses alternativas para a Ressurreição: pode ter sido uma conspiração dos apóstolos? O homem ressuscitado era talvez um duplo? Era tudo ficção? E ele os separa um por um, confiando na razão. E assim nos mostra que não existe outra realidade e que a única hipótese plausível é aquela professada por todos nós cristãos.: Cristo ressuscitou verdadeiramente!

.

O mistério do natal, entre fé e razão, até a manifestação na Epifania, deve ser sempre contemplado em relação ao da Páscoa. Não há um sem o outro. Eles são mistérios interligados, embora fora do tempo. A Páscoa é bem vivida se começarmos a viver bem o Natal, esse Natal 2020, seguido por aquela manifestação visível da divindade que é expressa na Epifania. Apesar de tudo e apesar de todos.

.

Redescobrindo a interconexão entre fé e razão portanto, torna-se necessário e é a tarefa que podemos assumir perante o Verbo de Deus encarnado que torna visível a nossa divindade com a Epifania..

O livro de Adriano Virgili, que eu recomendo na leitura, você pode pedir isso Quem.

.

«Doce Jesus, Amor de jesus » [St. Caterina da Siena]

.

Roma, 6 Janeiro 2021

Epifania do Senhor Jesus

.

NOTA

[1] 54° Relatório sobre a situação social do país / 2020, PP 1 - 9. Disponível em https://www.censis.it/sites/default/files/downloads/Sintesi_la_societ%C3%A0_italiana_2020.pdf Último acesso: 06 Dezembro 2020 horas 9.51.

[2] Falei sobre isso explicitamente nesses vídeos, que eu filmei durante o bloqueio de março - abril. https://www.youtube.com/playlist?list=PLSp8F3ofKmT9USoW-J5NZPSs4dLsfsNnW

[3] (J). Ratzinger – Bento XVI, A infância de jesus [Rizzoli, Libreria Editrice Vaticana, 2012, 111 - 112].

[4] Giovanni Covino, Covid 19: Pesquisa e santidade em tempos de pandemia [cf.. Quem]

.

.

Blog pessoal

pai Gabriele

.

.

Visite as páginas de nossa loja livro Quem e apoiar nossas edições compra e espalhando nossos livros.

.

Notícias do Roman Província Dominicana: visite o site oficial dos dominicanos, Quem

.

.

«Você saberá a verdade, ea verdade vos libertará» [GV 8,32],
mas trazer, difundir e defender a verdade não só de
riscos, mas também os custos. Ajude-nos a apoiar esta ilha
com as suas ofertas através do sistema Paypal seguro:









ou você pode usar a conta bancária:

a pagar a Editions A ilha de Patmos

IBAN TI 74R0503403259000000301118
neste caso, envie-nos um aviso de e-mail, porque o banco
Ele não fornece o seu e-mail e nós não poderíamos enviar-lhe um
ação de graças [ [email protected] ]

..

.

.

Avatar

Acerca de Pai Gabriele Giordano M. Scardocci

Dell'Ordine dei Frati Predicatori Presbitero e Teologo ( Cliccare sul nome per leggere tutti i suoi articoli )

Deixe uma resposta

seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

 caracteres restantes

Este site usa Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados comentário é processado.