Giacomo Biffi e a idéia de “essência do mal”

Giacomo Biffi ea idéia de Essência do mal

Por ocasião da morte de Giacomo Biffi dos Padres’Ilha de Patmos Eles têm dedicado alguns comentários à sua figura e suas obras [Quem, Quem], que é hoje algumas preocupações calmas seguido, porque o primeiro não convence, é a concepção do falecido cardeal da realidade pressupõe a idéia do mal.


Autor John Cavalcoli OP
Autor
John Cavalcoli OP

 

 

tampa Biffi
a obra de Giacomo Biffi [Ele. Cantagalli]

No livro do cardeal Giacomo Biffi "Memórias e digressões de um cardeal italiano" [1] Eu li alguns dos seus pensamentos sobre a essência do mal, que não tenha inteiramente satisfeitos me. Na verdade, ele começa a partir do Soloviev metafísica, que viu a realidade como "uni-totalidade", Biffi que define a "forma da verdade", que o mal seria o que "separa" de tudo isso: "O mal é, portanto, essencialmente divisão e separação, porque é a desclassificação do “unitotalità”. o risco, neste ponto de vista, É conceber o mal como um caducidade ou expulsão da totalidade, de modo que os resultados de remédio em um retorno de todos para todos, que se recupera, e teremos o famoso "apocatastasis" Orígenes condenado pela Igreja. Se em vez, como veremos, o mal é uma privação ontológica causada pela vontade da criatura, então estamos dispostos a aceitar a visão cristã, para o qual o remédio para o mal não é um simples retorno, mas um recreação oferecida por Deus ao pecador, que oferta, mas, feita a todos, em algum encontra uma resistência absoluta e irrevogável.

dragão apocalipse
o mistério do mal, representação do Dragão Apocalypse

Portanto, o remédio divino o mal não atinge todas as criaturas, mas somente aqueles que aceitá-la. Na visão cristã não são todas as criaturas retornar ao One-Tudo, isto é, a Deus, não porque Deus não pode trazê-los de volta, mas porque eles não querem. Na visão cristã de Deus faz com que seja possível que na questão do mal entra em jogo a criatura livre arbítrio, capaz de escolher o mal, ou seja, se privar do direito divino definitivamente e irreparável.

O Origenist visão, em vez, semelhante ao do Plotino, tudo o que vem do Uno e retorna para a One, tudo o que vem do Todo e retorna para Todos, É grandioso e fascinante, mas desvia-se dos dados da fé, que prevê a punição eterna para os condenados. Na interpretação da Palavra de Deus, não devemos começar a partir de uma idéia, tão belo e sublime, e quer trazer para forçar a Palavra de Deus dentro nessa ideia; mas, pelo contrário, é a nossa ideia de que necessita, na medida do possível, refletir a Palavra de Deus. Esta é a verdadeira teologia; o outro é o gnosticismo. O resto, como temos em outras religiões, há falta de razões de conveniência de admitir, na outra um prémio ou um castigo eterno [2].

Inferno Claudia-Rogge-Inferno-I-2011-Diasec-168-x-215-cm
descrição do Inferno [por Claudia Rogge]

na verdade, conceber o mal como o estabelecimento de uma entidade que é isolado ou separado da totalidade ou de toda a que pertence, nenhum problema para mim. Sem dúvida que é ruim de separação da Igreja; é ruim que o órgão de um corpo vivo é separada; É errado para extrapolar uma frase fora do contexto, que garante o verdadeiro significado, e assim por diante. Mas, na verdade o mal é algo muito mais profundo, que se refere, como veremos, para as raízes.

Mitigar ou diminuir a idéia e a presença do mal e conceber um universo em que o mal desaparece completamente pode parecer uma solução reconfortante e ainda mais digno da bondade infinita de Deus; mas na realidade esta bondade surge apenas quando olhamos mal no rosto sem esconder nada em sua essência. Deus é mais poderoso se ele mostra que temos uma idéia justa da última raiz do mal.

O que primeiro não me convenceu é a concepção da realidade pressupõe a idéia do mal do cardeal Biffi. Observo em primeiro lugar que só Deus é tanto um e de todos. A uni-totalidade não é a "forma da verdade" fala para fora, mas o ser divino. Só Deus é absolutamente um em sua infinita simplicidade e a sua identidade única. E toda a perfeição Ele inclui virtualmente infinito em sua essência, como a causa em si contém praticamente todos os seus possíveis efeitos. Neste sentido, podemos dizer que Deus é "tudo" [Senhor 43,27]. Além disso, há o risco de panteísmo: se a realidade é unitotality e uni-totalidade é Deus, então a realidade é Deus. Além de, não pode haver nada fora unitotality; não, Não seria totalidade. Mas, em seguida,, se o mal é "separação" e está fora de toda esta, o mal não é nada. Ou ele deve admitir que, a fim de estar em realidade, ou seja, na totalidade, il masculino, embora a separação, Ele ainda terá que estar dentro dessa totalidade. Mas se essa totalidade é Deus, em seguida, o mal está em Deus. Em conclusão, A partir desta visão Soloviev, apropriada por Biffi, nascidos muitos inconvenientes.

San Filippo o dragão lançara do templo de Hierapolis
San Filippo o dragão lançara do templo de Hierapolis [Filippino Lippi de Prato, sec XVI.]

mal, alguns, É um não-ser. No entanto, há. Tão bom deve ser de alguma forma, na realidade,, ou seja, na totalidade, certamente não na totalidade entendida em sentido divino, já que em Deus não há mal, mas sim na totalidade pluralista, no sentido transcendental, ou seja, a totalidade das coisas, onde há de fato o mal. Mas se você não fazer essa distinção, Ele acaba caindo no panteísmo. E então o problema torna-se dramática e insolúveis: ou nega a existência do mal, uma vez que Deus é bom; ou se se quer admitir a existência do mal, Eles são obrigados a colocá-lo em Deus. Além de, se a uni-totalidade é, como deveria ser, Deus, o mal não pode ser um "lapso" por Deus, uma diminuição ou queda ou redução dos deuses. O mal não vem de Deus, mas a partir da criatura. É uma remoção de ou da criatura do seu estado de normalidade, como Adão é privado de seu estado de inocência.

Certamente a criatura racional pecando se viu da Dio: mas o mal que ele comete não é um "lapso" pelos deuses, uma vez que a criatura, embora pecadora, há redução ou perda da divindade, mas uma entidade produzida por Deus do nada, em si bom e que não é ruim "decadente de Deus", mas com sua própria má vontade. Certamente se afasta de Deus e O opõe, mas não no sentido de uma perda de divindade original a partir do qual iria deteriorar. Deus, na criação de uma criatura ainda que pecável, não decai em todos os nem lapsos ela Dele, mas Ele está sempre em sua infinita perfeição e bondade.

idol god
Deus Pai não é um ídolo …

Tudo como uma realidade, em vez, global, É o conjunto de Deus e as criaturas. É certamente a totalidade de tudo o que existe. Mas não é a totalidade de um exclusivo, de uma única entidade, como seria a totalidade de um todo, como poderíamos dizer: maçã inteira ou qualquer indivíduo.

Também não é a totalidade divina, absolutamente indivisível. Ao contrário, é a totalidade de um conjunto de entidades: Deus e criação. Também é errado chamar set "completo" das coisas, como é que Bontadini, porque isso novamente dá a idéia de uma única agência, que as instituições seria apenas partes. A realidade total não é uma única substância, como ele acreditava Spinoza, toda uma divina, dos quais as instituições são parte ou formas, mas é um conjunto de substâncias, cada um dos quais é diferente dos outros e representa um número inteiro divisível, ligado ao outro para formar um único conjunto unificado sob o domínio da entidade divina indivisível suprema.

A realidade, no geral é a totalidade de um conjunto de todos, É um tudo tudo, cada um dos quais é um totalmente diferente da outra. Isto contrasta com a totalidade divina da totalidade da criatura. No que diz respeito à criatura ou criaturas, Ela fala da totalidade de uma forma multifacetada, diferenciado, análogo. Uma conta, então, é tudo o metafísico ou transcendental e é uma coisa que todos ontológica ou substancial. Este último pode ser um todo ou totalmente criado divina. Todos os resultados metafísicos de todas as entidades: Deus e criação, que por sua vez é um conjunto de todos, isto é, de substâncias.

um todo
a totalidade …

A totalidade das entidades Inclui Deus ea criação. Deus, portanto, é dialeticamente pensado como se fosse uma parte desse todo, embora ele seja ontologicamente tudo e acima de tudo, uma integridade muito mais perfeita da totalidade de todos os organismos criados juntos. Cada entidade criou uma parte substancial da criação, embora seja uma muito limitada. Seu ser é um ser pela participação, Sendo dependente de arte essencial que é Deus.

Com base nestas considerações, que interpretam a visão metafísica e teológica de Biffi, agora você pode considerar como ele vê a essência do mal. Ele não considera o aspecto ontológico, mal como privação do bem da dívida, o ὑστέρησις Aristóteles [histerese, “atraso”], mas limita-la a uma desordem ou desorganização entre as entidades em si completo e boa. É um pouco 'como pode acontecer em uma coleção de obras de arte, em que A é subtraído a partir de um ladrão. É sempre uma obra de arte, que, no entanto já não está no seu lugar.

separação
separação, por Edvard Munch

Então o mal, de acordo Biffi, é o ato de a parte que é separado de tudo e entra em conflito com o todo. É uma peça que quebra a unidade. Agora, Eu não acho que este discurso, -se certamente válida, realmente capta a essência da raiz do mal. De fato, o aspecto radical do mal não se relaciona tanto com a ordem ou a composição das peças em todos, mas sim a falta de integridade ou entidade própria perfeição. Mal tem a ver com a corrupção do assunto, ao limite, pois a Bíblia, com a morte do próprio sujeito.

O mal não é apenas uma questão de desarmonia ou separação ou divisão ou o contraste em relação a uma totalidade ou em um conjunto, mas em vez disso, diz respeito ao plano da, na verdade, o não-ser. O mal é uma falta de estar diante de uma separação do partido de todo. O mal afeta substância do corpo antes de seguir para a sua posição em relação a outras entidades. O mal é a existência. É uma falta de estar em um assunto que em si é bom. É um não-ser simples, mas é o não-ser de algo que deveria estar lá e não há. A deficiência pode estar no espírito: do intelecto e da vontade. Em seguida, o mal de culpa, pecado. Ou pode ser sofridos pelo sujeito. E depois temos o mal de punição. Se esta frase está correta, então temos uma boa; se é injusta, Isto pressupõe uma falha no tribunal, para o qual esta pena, que este mal deve ser removido. Em qualquer caso, o mal é uma privação de ser.

mal e da morte
o mal está ligado com a morte …

Por que no mal Bíblia está ligado à morte. O mal é o ódio da vida e da supressão da vida. Cristo chama o diabo, de cujo pecado origina mal, "Homicida desde o princípio". O mal culpa é injustiça, mas não além do controle da justiça divina. A punição é ruim, mas é uma má direita, porque é bom que o mal é punido. A eternidade de castigo infernal é, portanto, resolveu ser um bem eterno.

St. Thomas diz que os justos no céu se alegrará de ver o castigo dos condenados. É certo que os parentes de uma vítima do terrorismo podem regozijar-se ao ver a assassina condenado à prisão perpétua. Nós não deve possuir justiça, mas apenas porque, como repetidamente ensina a Bíblia, A vingança pertence a Deus [cf por ela. RM 12,19]. Como para o maldito, Ele não tem queixas, Uma vez que o mal de que sofre se for adquirido por suas próprias mãos. nenhum mal, portanto, declive não é tão, espero ser capaz de fugir com aproveitando a bondade de Deus.

Enquanto claramente distinguir o bem eo mal, de modo a condenar toda duplicidade, Cristianismo admite o mau é bom: justo castigo. É ruim que o mal não é punido. Mesmo a cruz é um mal que é bom; um mal poupança. Evitar a cruz é ruim. Para suportar a cruz é bom. Para que nella mal visão cristã do final do tempo é derrotado em que cessa as suas actividades contra o bem. E ainda assim eles continuam a ser as dores eternas para manifestar a justiça divina. Portanto, a "recapitulação de todas as coisas em Cristo", de que São Paulo fala [Se o 1,10] Não deve ser entendido no sentido de uma recomposição Origenist unitotality quebrado, de modo que o mal é totalmente abolida. Esta não coincide com os dados da Revelação, que prevê a atribuição do bom e do castigo dos ímpios. Desaparece, então o mal de culpa, mas o mal de punição.

recapitulação
recapitulação de todas as coisas em Cristo …

L'unitotalità, que na realidade é um atributo divino e não o personagem do real, Não é quebrado pelo mal e, portanto, não precisa recompor. Ele não decai da própria, mas permanece intacto e inviolável. Mal em Deus está totalmente ausente. Em vez disso, o plano divino da salvação não prevê a eliminação de culpa em todos os homens, mas apenas no predestinado. Também a vontade dos réprobos, portanto, teimosamente rebelde e irreversivelmente a Deus, contribui para a ordem do universo, mostrando como Deus pode trazer bom mesmo do mal.

recapitulação queria pelo Pai e realizada por Cristo, portanto, isso significa que o Pai sujeitou todas as coisas a Cristo [cf v.22], assegurar que "todo joelho se dobrará diante de Cristo no céu, na terra e debaixo da terra " [Dentro 2,10]. Mas Cristo é o Salvador do mundo não no sentido de que todos são salvos, mas no sentido de que Ele tem dado a todos a chance de salvação, que, no entanto, alguma falha de sua própria fuga, ganhando a penalidade justa.

Através da sua declaração expressa, Cristo, então, a função do juiz escatológico, que "separa as ovelhas dos cabritos". essa recapitulação, portanto, Não deve ser entendido no sentido Origenist como a convergência final de todas as coisas a Cristo, garantir que o mal irá desaparecer completamente. Mas essa convergência representa o senhorio de Cristo sobre o céu eo inferno. A ideia de um recapitula Cristo que reconstitui a unidade de modo que nada permanece fora em oposição a esta unidade (os condenados), Ele pode ter o seu próprio charme, mas não é cristã; é uma idéia gnóstica, contrárias ao Evangelho eo ensinamento da Igreja. Uma vez que este "uni-totalidade" pressupõe um fundo panteísta, Ele entende que é repugnante para admitir o mal em Deus. Mas, em uma concepção metafísica pluralista e não monista, nenhuma dificuldade em admitir ao lado e abaixo de Deus, livre do mal, a livre vontade da criatura pecaminosa.

condenação eterna
… condenação eterna é a escolha de um homem

Na visão cristã o evento mal envolve em certos casos (condenação) uma separação definitiva do pecador do Whole, que é de Deus, Embora esta separação, permitido por Deus, Deus não resultou em qualquer defeito ou falha, mas a responsabilidade do ato recai inteiramente sobre o pecador. Isto significa que a visão cristã da totalidade deixa um espaço para o mal, mas Deus, obviamente,, mas criado para testemunhar o domínio de Deus sobre o mal, que Deus, que, tendo também criado, que é condenado, ela ainda o ama por sua providência.

O fato de que alguns não serão salvos - Como é atestada pela Revelação - não é um sinal de alguma imperfeição na obra da salvação. Porque Cristo nos entrega os meios para nos salvar; mas não podemos de fato nos salvar, se não cooperar com a graça salvadora. O que significa que o mal feito pelo maldito não é reparado, mas ele permanece apenas para testemunhar a justiça divina punitiva que, Também nesta situação extrema, Não é separado, como St. Thomas, pela misericórdia.

cefalù Catedral Cristo Pantocrator
Cristo Pantocrator [Catedral de Cefalu]

Cada homem dá glória a Cristo, mesmo aqueles que estão "sob a terra", que o inferno. A privação de bens tinha permanece assim para sempre na vontade dos condenados, marcada pela sanção justiça divina. A obra da salvação não se limita a reordenar o que era confuso, unir o que estava dividido, conciliar o que era contrário, mas envolve um trabalho real criador: dar sendo ao que não tinha nenhum: tal é o perdão dos pecados, a redenção dos pobres, o consolo dos aflitos, misericórdia para os pobres, a libertação de prisioneiros, a ressurreição dos mortos. No entanto, mesmo se o pecado não é perdoado, Manifesta-se a bem da justiça divina.

Em conclusão, é impossível compreender a verdadeira essência do mal e, em seguida, o poder de Deus em removê-lo, sem uma metafísica da criação. A vitória sobre o mal é uma nova criação. O mal ver apenas ligada a uma desarmonia, Ele não nos dá o suficiente a idéia do mal como deixou claro em Apocalipse. Ele não nos dá ideia bastante da economia de energia divina. Muito menos o mal pode ser concebido como uma queda de ou divindade ou um fato interno da divindade ou um momento dialético de se tornar divina. Então, a salvação não é nem mesmo uma reconstituição da divindade. Na visão cristã de que Deus é encarnado não é para dizer que Deus está sujo na história do mal: Ele, puro e inocente, Ele sabe melhor do que nós e mais de nós Abborre. Para isso nos deu o seu Filho que nos liberta do mal, mas que também é o Juiz dos vivos e dos mortos. Na visão cristã da noção do mal pressupõe que a não-existência e, portanto, por um lado, privação e em que o outro de nada, a partir do qual Deus chama a ser. Se em alguns homens que permanece eternamente privação, Isto não nega a infinita misericórdia, poder e bondade de Deus, mas é um sinal do poder de Deus sobre o inferno ea morte.

Varazze, 23 Julho 2015

__________________________

NOTA

[1] Cantagalli, Siena 2007, p.524.

[2] CF meu livro Esiste Inferno. A verdade negado, Edições Fé&Cultura, Verona 2010.

Acerca de isoladipatmos

Uma ideia sobre "Giacomo Biffi e a idéia de “essência do mal”

  1. Biffi: Seria justo reconhecer que cada um tem seus dogmas, e considera-los para ser inquestionável, enquanto ferozmente culpa os dos outros…
    Cito http://www.paginecattoliche.it/modules.php?name=News&file=article&sid=223
    L’ “unitotalità” então, é a forma de a verdade; e, por conseguinte, separar as coisas – considerada apenas como separado – Eu não sou “realmente”. O mal é, portanto, essencialmente divisão e separação, porque é a desclassificação do “unitotalità”.
    .. tudo isso tem sido algo mais do que afirmações resulta em um pedido: o homem busca e postula que existe um princípio unificador de tudo, caso contrário, tudo se desfaz e banaliza; e ele se sente perdido e interrompeu. O evento cristã é a resposta de Deus a esta pergunta fundamental do homem. A resposta é a realidade de Jesus Cristo, “em quem todas as coisas subsistem” (Com o 1, 17). Jesus é o único Salvador do mundo, ontem, hoje e sempre, precisamente porque é o princípio compaginatore de tudo que existe e abrangente sentido de tudo o que acontece: “Nele foram feitas todas as coisas;, no céu e na terra” (Com o 1, 16).
    Ergo seus pensamentos coincidem.
    E Biffi conclui com humildade:
    "Pensar é cansativo e às vezes até mesmo cansativo, também porque é muito mais que você não entende o que você vir a perceber. "É um fardo pesado que Deus deu aos filhos dos homens, que podem ser exercidas " (Eccles 1,13), diz Eclesiastes , sempre encorajador.
    "Ocupação ruim", mas vem de Deus; e, se for mantido impecável honestidade intelectual, invariavelmente leva a Deus. pensamento é, como pode ser visto, mais do que qualquer outra coisa investigar; É mais anseio pela verdade; é mais para implorar a luz. pensar, no fondo, é orar.
    pensando, Rogamos uma luz que já foi dado, como o Prólogo de João diz : "Ele era a luz verdadeira,, que ilumina todo homem " (CF Jo 1, 9)."

Deixe uma resposta