Da desorientação doutrinária da Igreja ao pecado dos padres e à reciclagem dos leigos. Perspectiva de uma cultura intransigente que, ao condenar, santifica e santifica ao condenar

- As páginas teológicas -

DA DESORIENTAÇÃO DOUTRAL DA IGREJA AO PECADO DOS SACERDOTES E À RECICLAGEM DOS LEIGOS. PROSPECÇÃO DE UMA CULTURA NÃO TRANSANSIGENTE AO ENVIAR SANTIFICADORES E SANTIFICAR SENTENÇAS

.

O “tolerante” moderno, em vez, ele não se sacrifica por suas idéias como o idealista faria, pelo contrário, não se escrúpulo em sacrificar aqueles que têm idéias contrárias à sua, assim como um ditador faria com seus oponentes. Quantos mártires de tolerância e direitos existem hoje? Mas talvez os mártires mais numerosos sejam aqueles que são considerados semeadores involuntários de ódio justamente porque divergem, portadores de ódio que não são vistos porque estão presentes apenas no olhar do tolerante de plantão que tem interesse em usar o ódio como um instrumento ideológico de controle de massa.

.

Autor
Ivano Liguori, ofm. Capp.

.

.

PDF artigo formato de impressão
.

LEITURA EM ÁUDIO DO ARTIGO

 

Os Padres des A ilha de Patmos inseriram nos artigos a leitura de áudio para Leitores afetados por essas deficiências que os impedem de ler e prestam um serviço também para quem viaja e não consegue ler pode tirar proveito da leitura de áudio

.

Eu. UMA PERGUNTA DE PRINCÍPIO

 

o colapso da abóbada da basílica de San Francesco em Assis em 1997 [clique na imagem para abrir o vídeo]

Eu acho que não revelo segredos não confiável, se eu disser que manter os cristãos cristãos, nos dias de hoje, não é uma tarefa simples. Não se trata tanto de preservar apenas uma aparente identidade tradicional - pelo menos no que diz respeito ao continente europeu - mas de mostrar que Deus ainda tem um certo direito de cidadania na vida dos homens e que Cristo é reconhecido como o evento fundador e definitivo da revelação. divina.

.

De acordo com uma pesquisa de Centro de Pesquisa Pew [CF. Quem] conduzido em 2017 em uma amostra de 1.804 responsivo, 80% dos italianos se declaram cristãos, o fato preocupante diz respeito à frequência, de fato o 23% participa de serviços religiosos pelo menos uma vez por semana, o 20% uma vez por mês e em 34% tem uma prática muito menos assídua. De acordo com outros dados relacionados a uma pesquisa Ipsos de 2017, sempre na itália, sua 60.000 respondentes, Católicos estão diminuindo. Vai de 85,4% dos 2007 ao 74,4% de 2017. Um estudo mais recente do 2018 dell 'Estudo sobre valores europeus 84,4% dos italianos geralmente dizem que acreditam em Deus sem outras especificações úteis.

.

Dados em mãos estamos passando por uma queda drástica na fé cristã, mas o que uma pesquisa nunca pode dizer diz respeito à motivação teológica que representa a verdadeira razão dessa queda. A motivação teológica que se torna uma pedra escandalosa sobre a qual as estatísticas impiedosas são quebradas reside no fato de que não se possui mais a especificidade do cristianismo, para que muitas vezes nos perdemos, à mercê de uma forma de Alzheimer que nos torna incapazes de reconhecer a fé e reconhecer a nós mesmos como crentes prontos para dar razão, como São Pedro expressa em sua primeira epístola [CF. 1Pt 3,15-16].

.

Eu dou um exemplo para ficar mais claro. Nenhum judeu, ontem e hoje, nunca se sonharia em negar a aliança entre Deus e Abraão e, acima de tudo, o evento fundador que unificou o povo escolhido durante a libertação da Páscoa no Egito. Nenhum judeu, são, duvidaria que Deus é o Goel libertador e redentor do povo e que em Moisés tornou possível a salvação contra o domínio do faraó do Egito. Embora essa fé tenha sido severamente testada diante dos terríveis eventos de Auschwitz, a fé de nossos irmãos em Abraão permaneceu substancialmente inalterada por séculos e se torna um motivo para a identidade étnica e religiosa ser celebrada com orgulho em todas as famílias.

.

Para nós cristãos, em vez, ter uma certa fé não é uma questão de orgulho, mas de vergonha, somos frequentemente os primeiros a nos considerar intransigentes e fanáticos quando tentamos nos elevar acima da mediocridade. Em seguida, ser mais digerível aos olhos de quem vê, preferimos ficar rosados ​​e mostrar um amor universal que podemos justificar lindamente através do discurso escatológico de Mateus 24,31-46 que - aliás - de acordo com a exegese correta, nunca deve ser removido das passagens subsequentes – narrado pelo Santo Evangelista Mateus, primeiro a parábola das Dez Virgens [CF. MT 25,1-13] e então o dos Talentos [CF. MT 25,14-29] – com o risco de fazer o texto sagrado dizer o que não significa.

.

Como evidência disso, Trago um exemplo em apoio às minhas palavras. Quantas vezes ouvimos falar de pregar sobre o amor nos púlpitos? Quantas vezes o amor foi usado como slogan e chave mestra justificar tudo, mesmo o injustificável e o irracional? Quantas vezes, em nome do amor, fizeram escolhas completamente más, expressando o mais sentimentalismo emocional e a paixão mais sedutora? O termo cristão de caridade refere-se a Deus, de acordo com o ensino do apóstolo João: "Querido, vamos amar um ao outro, porque o amor é de deus: quem ama nasceu de Deus e conhece a Deus. Quem não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor " [CF. 1GV 4,7-8]. Triste é a consciência de verificar que esse "amor" hoje tão fortemente divulgado é privado da presença de Deus Trindade e usado como álibi através do qual o pecado é normalizado até que se esgote em uma atitude exclusivamente filantrópica e utilitária. Essa atitude de empobrecer caridade de fato, não é um vício moderno da pessoa de Deus, forte dessa sabedoria dizendo Nada de novo sob o sol [nada de novo sob o sol] a história do cristianismo já conhece essa degeneração do conceito de amor desde seus primeiros séculos.

.

Em 361 DC. o imperador Juliano, o apóstata, opõe-se veementemente ao cristianismo, operando uma política de paganização do povo e retornando ao pensamento neoplatônico. O cristianismo reterá apenas a atividade de caridade e a atenção ao próximo que tenta enxertar dentro da anti-Igreja pagã que ele projetou. A história nos diz que a tentativa foi impraticável, paganismo decadente, bem como o ateísmo moderno assumido pela religiosidade de elite, ele não podia competir com o autêntico amor de Deus, que em Cristo consiste na característica do heroísmo até o sacrifício da vida e, no Espírito Santo, na característica da missionariedade, que é a principal causa de toda ação virtuosa.. O amor, ser autenticamente cristão, não basta fazer o bem, mas deve levar a uma doação total, mesmo com essas pessoas e nessas situações sem amor, em virtude do fato de que se a justiça do discípulo não exceder a do mundo, não há mais que seja uma indicação de perfeição e uma garantia da presença do Espírito do Pai, como indica o Santo Evangelista Mateus [CF. MT 5,20]. O amor cristão é aquela virtude teológica que se reconhece em Deus e o leva a ele, anuncia salvação para a alma, converte do pecado e abre os portões do céu.

.

Após essa digressão necessária sobre o relacionamento entre Deus e o amor, voltemos à busca das questões de significado que desafiam nossa fé. Quem é jesus? O que ele veio fazer no mundo? Estas são as questões básicas ainda, na maioria dos casos, as perguntas permanecem sem resposta para muitos jovens que participam do catecismo e para muitos jovens cristãos. A situação não muda muito se enviarmos essa pergunta a adultos, para os pais dessas crianças, ou aos avós que, trágico para dizer, eles estão caminhando para um retorno ao analfabetismo religioso que leva a um ateísmo prático real.

.

Agora, para saber quem é Jesus Cristo nos resignamos a questionar os vários secularistas da moda que estão no social e na televisão com um ar suave, eles ditam a nova cristologia página com a circunstância agravante que a Igreja, o oficial, aquele designado para o controle da doutrina correta, que deve confirmar os irmãos na fé, é silenciosa. E mesmo quando ele fala, tentando montar uma negação malfeita e pálida, ele o faz com pouca convicção, a fim de suspeitar que certas afirmações heréticas ganharam certa simpatia, mesmo dentro dos palácios sagrados.

.

Nós podemos dizer, Neste ponto, esse dogma entrou em crise? absolutamente. Quem entrou em crise é um certo Naoestabelecimento eclesiástico composta de pastores e teólogos que perderam - perdem - a bússola da fé e cada vez mais recorrem à categoria de "mistério" tentando se esconder atrás de uma tela, já que eles não podem mais dar razão para a fé e a esperança que há neles, tudo está incluído nas primeira e segunda epístolas de São Pedro e no Evangelho de São João [CF. 1Pt 3,15; 2Pt 1,16-19; 1 Gv1, 1-4]. Desta forma, ele perdeu as duas virtudes teológicas da fé e da esperança, o que resta, amor, assume as conotações da modernidade e busca de consentimento a qualquer custo. Você já reparou que a modernização da pessoa de Cristo, Igreja, do Magistério, da moralidade, da formação do clero e sua identidade sempre foi realizada pelos campeões do amor e em nome do amor? Chegamos ao paradoxal, em que a corrupção doutrinária da Igreja está sob a bandeira do amor! Aquele amor que, é necessário reiterar, ele se tornou carne e deu a vida pelo pecador, enfim, insulto à lesão. No auge dessa confusão doutrinária, há também o ato sacrílego de querer confundir ou associar Deus ao pecado.. Mas se pretendemos permanecer fiéis a Cristo e à Igreja Católica, assim como St. Thomas Becket com seu martírio, nós temos que resistir e a resistência cristã não se realiza no canto de "Bella Ciao", mas de 'deixe Pasquale ' o que nos lembra que Cristo é Deus, Senhor e Soberano, pecador.

.

São, em última análise, ser cristão significa entrar na vida íntima de Jesus Cristo, e que ele reine como o governante indiscutível da minha existência - a verdade reiterada todos os anos sobre a solenidade de Cristo Rei no final do ano litúrgico - talvez seja bom reconhecer que algo deu errado ou estamos diante de um grande mal-entendido. A fé é acima de tudo uma adesão do homem a Deus e, ao mesmo tempo e de maneira inseparável, é o consentimento livre de toda a verdade que Deus revelou e que encontra plenitude em Jesus Cristo, revelação definitiva e completa do mistério salvador de Deus (CF. O Senhor Jesus Cristo).

.

Portanto, nós francamente reconhecemos que somos nós sacerdotes, assim como os chamados cristãos comprometidos - aqueles que nos entenderem militam em movimentos eclesiais, eles se reconhecem como ativistas na vida social e política do país, que ajudam na paróquia, que praticam alguma caridade - na melhor das hipóteses, estamos buscando um cristianismo secundário, fronteira ou periferia que aos olhos dos mais maliciosos se revela como uma fachada do cristianismo.

.

Com este termo identificamos uma certa cultura cristã extremamente variada e complexa que negligencia o fim supremo e sobrenatural da fé que consiste na salvação da alma, ignora a luta espiritual contra o pecado e a abertura à graça divina, juntamente com a necessidade de permanecer dentro de uma fé católica divina observada dentro de uma comunidade de fé que se reconhece na Igreja de Roma.

.

Conto cristianismo secundário dissipa amplamente a figura do padre, reinventando-o como gerente, um curador diligente do museu e assistente social pago regularmente com horário de trabalho variável. A mesma dissipação é encontrada entre os leigos, naqueles que não se identificam mais na categoria dos fiéis (então fiel a quem e o quê? mah!) e por esse motivo, optam por hibridar em modelos do cristianismo que transformam todos eles em figuras mitológicas difíceis de conciliar em uma jornada de fé e em uma vida que no batismo foi entregue a Deus.

.

Não há dúvida de que há uma necessidade urgente de reiterar uma questão de princípio: a essência do cristianismo está nessa pequena palavra que Jesus pronuncia várias vezes no evangelho de João [CF. GV 8,24; 8,28; 8,58; 13,19; 18,5] designar a si mesmo: é aquele’eu sou - em greco ἐγὼ εἰμί, Eu eimi -, que é uma garantia da identidade divina [CF. é 3,14-15] e de salvação para toda criatura.

.

É a escolha totalizante desse eu divino que coloca em crise e que, como pode ser visto na leitura de Jacob Neusner em seu livro "Um rabino fala com Jesus", constitui a grande diferença entre o Israel Eterno e o Novo Israel, constituído pelo povo dos batizados redimidos pela Paixão de Cristo e sua Ressurreição.

.

Meu EU identidade ele deve ser capaz de reconhecer o mistério de Deus, reprimir 'eu sou quem tem o primeiro lugar [CF. LC 14,25-33] e isso me joga no chão [CF. Em 22,8] e aterroriza sempre que eu pretendo possuí-lo e gerenciá-lo como eu quiser [CF. GV 18,6], todos, pode ser encontrada nos Evangelhos de San Luca e San Giovanni.

.

Quem é jesus? Jesus é Deus, como várias passagens das sagradas escrituras indicam para nós, em particular o Santo Evangelista Lucas, seguir com o Evangelho de São João e a correspondência paulina [CF. LC 22,70; GV 1,1.14; GV 5,18; GV 8, 58; Dentro 2,6; Com o 2, 9; Com o 1,15; EB 1,3], é o senhor [CF. RM 10,9; GV 20, 28; LC 23,39-43; Dentro 2,11], ele é o autêntico revelador do Pai [CF. GV 10, 30; GV 5,22-23; GV 14,8-11], e por essas razões, ninguém pode ignorar essas verdades reveladas sem consumir uma traição, fazer uma negação, sem se sentir escandalizado ou iniciar uma guerra santa; tudo sempre com referência ao Evangelho de São João. Este Deus-homem veio para salvar o mundo dos pecados [CF. MT 1,21], para que o homem tenha uma vida bonita e não uma boa vida [CF. GV 10,10] e vivendo seriamente, ele é definitivamente privado do câncer do pecado [CF. EB 2,14-15] e justificado em seu sangue [CF. RM 5,9; 8,33]. Não há alternativas, o ciúme divino do Antigo Testamento [CF. Dt 5,6-10] é combinado com a escolha totalizadora de Cristo e sua pessoa é a única opção de comunhão possível que produz frutos de nova vida [CF. MT 12,30; LC 5,38].

.

Jesus Cristo é tão volumoso que não é possível silenciá-lo, por dois mil anos, seu nome ressoou na terra e sua fidelidade provou ser tão estável quanto o céu [CF. Vontade 89,3]. Tudo ainda fala dele: do calendário para os feriados, das tradições civis à ética, da arte à música; história, geografia, o modo de calcular o tempo e até o vasto cosmos e a natureza testemunham que Ele é Deus e que é o Senhor. Mesmo antes daqueles que pretendem negar perniciosamente, recusar, Até que desapareça completamente, o mérito involuntário deve ser admitido - assim como foi para os demônios [CF. MC 5,6; LC 4,34; Em 19,15] - de um reconhecimento kerigmatico, em que sua majestade e poder não são nem um pouco questionados.

.

E enquanto Cristo se proclama e se afirma, sua majestade é reiterada, seu papel principal que ele desempenha na história humana, embora este último oculte com mais frequência sua presença como Adam [CF. GN 3,9-10] ou desejar como Nietzsche fazer um parricídio que rompa a dependência angustiada do parceiro divino, promessas de liberdades mais amplas.

.

(II). CRISE DE FÉ, CRISE DOUTRAL, CRISE MORAL

.

A questão do princípio que eu queria abordar no primeiro parágrafo deste artigo nos ajuda a entender melhor a condição da crise crônica que há cinquenta anos afeta o quão sólida a Igreja é. É uma crise em várias frentes que afeta os aspectos de acreditar na atual contingência histórica. Da doutrina ao cuidado pastoral, da moralidade à espiritualidade, do testemunho diário à maneira de interpretar o martírio, tudo repousa sobre uma fé instável, onde Cristo não é mais Deus e seu papel não é mais o do Salvador. Atenção bem, afirmar a existência de uma má fé não é o mesmo que dizer que não existe mais uma fé em geral ou que aqueles que acreditam o fazem de maneira maliciosa ou interessada. As estatísticas mostram que ainda cerca de 80% das pessoas se declaram cristãs, mas o fato de se declarar ainda não é razão suficiente que leva a acreditar. Os abençoados apóstolos Pedro, André e João se viram reprovados várias vezes por Nosso Senhor por sua fé nele ainda não suficientemente madura e aberta à graça.. E todos os outros, embora identificados como os discípulos do Nazareno, eles não hesitaram em abandoná-lo no momento da paixão, negando com obras o que eles proclamavam abertamente. Em outras palavras, podemos dizer que o registro do nome no registro paroquial de batismos não nos torna cristãos crentes e credíveis. Essas considerações nos levam a entender como uma fé dessa natureza e uma crença desse tipo não acrescentam nada e não prejudicam a existência do homem.. Com as palavras do Evangelho de João, podemos dizer que a fé leva essencialmente a um habitar lá onde Jesus esta presente [CF. GV 1,38; 15,4-ss]. Ao habitar Nele, há mais que leva à cristificação da vida do que, embora obra de graça, no entanto, precisa de assistência humana e do exercício do livre arbítrio.

.

Como não reconhecer em Karl Rahner e no golpe dos "cristãos anônimos" a astúcia magistral de uma aparente religiosidade moderna que, em face de uma proposta aberta de fé, levou muitos a acreditar que é muito melhor manter-se o mais longe possível de tudo o que é cristão (e talvez até católico) preferindo passar o tempo mais produtivamente em vez de recorrer a um Deus que não se conhece mais pelo nome e que se preservou apenas como presença formal. Essas pessoas são mais do que "cristãos anônimos" - anônimos para quem vê que Deus sempre chama todos pelo nome [CF. É 43,1; 45,4] - deve ser chamado de "ateus dogmáticos", já que não sentem a necessidade de crer no Deus de Jesus Cristo, eles já vivem dentro de uma fé ateísta que se alimenta e se alimenta de seus próprios dogmáticos. Preste atenção nisso, ninguém é mais dogmático e intransigente do que um ateu convencido, que afirma vigorosamente o que para ele não deveria existir, e lutar contra o que ele não acredita mais. Assim como ninguém está mais apegado às tradições cristãs de alguém que abandonou a prática religiosa por anos e vive com memórias distantes e nostalgia. dogmatismo, rigidez, nostalgia e estilos de fé escleróticos são os resíduos de alimentos dos quais os cristianismo secundário vorazmente alimenta, mas, como são indigestos, são regurgitados assim que se aproxima uma novidade evangélica.

.

Devemos reiterar que a fé cristã tout court é uma ilusão piedosa, se não consistir em uma teologia bem estabelecida da salvação. Cristo não é apenas Deus para crer, mas ele é o Salvador e Redentor do homem, aquele por quem a salvação entra no mundo e o homem se liberta da escravidão do pecado [CF. MT 1,21; MC 2,7]. A fé sem salvação é mutilada e, para sobreviver, é direcionada e identificada para outras disciplinas do conhecimento humano., como filosofia, psicologia, sociologia, antropologia, a medicina, rumo a um novo humanismo com uma marca ateísta que manifesta sua própria hybris presumindo salvar a fisicalidade do indivíduo - lutar contra a pobreza, fome, para doenças, a guerras - e preservar a criação - paralelismo, ambientalismo, franciscanismo pseudo-comunista - reconstituindo uma virgindade primordial agora perdida, tudo à custa de uma alma divina imortal que foi criada por Deus e que retornará a Deus após a morte. De fato, se queremos dizer tudo, esse falso hybris que lutou contra o pecado original no passado e ainda luta hoje, tira o sentido do pecado do homem, introduzindo lugares de controle externo nos quais procurar o bom bode expiatório para justificar qualquer adversidade e oposição. Infelizmente, o homem é criado para Deus e sem ele seu coração não consegue encontrar a paz [CF. Augustine, As Confissões, 1,1.5], sem senso de pecado e sem necessidade de redenção, o que resta é o sentimento de culpa que esmaga e deprime a pobre humanidade moderna. Muitos deresponsabilizzati, são incapazes de realizar um exame sincero e verdadeiro da consciência - também em vista de uma confissão sacramental - que leva ao reconhecimento da culpa e à busca de redenção pelo único que é capaz de fazê-la..

.

Alguns preferem fazer o download para o diabo culpa de todas as reversões pessoais, rejeitando ingenuamente a questão sobre os ombros do espírito do mal - que aqui é assumido como um lugar de controle externo - sem lembrar que o tentador [CF. GN 3, ss] para consumir a queda do homem, ele precisava de seu consentimento. Em conclusão, atenuando atenuando, fácil e improvável para uma humanidade além do limite da desordem.

.

Para desviar a atenção dessa triste verdade o que leva a um pessimismo de que definir Leopardi soaria como um eufemismo, oposições são inventadas, distrações em massa lutando entre si. E, como na época dos romanos antigos, as pessoas competiam no Coliseu para manter as pessoas famintas boas, hoje você compete entre facções opostas para desviar suas mentes: tradicionalistas versus progressistas, os papistas contra os sedevacantistas, os Lefebvrianos contra os modernistas, os Guelphs contra Ghibellines, cristãos de direita contra cristãos de esquerda, sacerdotes seculares contra padres regulares, em suma, a lista ainda poderia se prolongar e continuar indefinidamente com a inclusão de movimentos eclesiais que competem para ganhar a palma da mão dos melhores, se a questão não fosse por si só suficientemente trágica.

.

Diante desse panorama, a Igreja hierárquica, o dos pastores com cheiro de ovelha, os pobres sacerdotais, lobbies especulando sobre migrantes, integração e bem-vindo o que faz? O exercício de Liderança mais validado hoje pelo clero, ele não repousa mais na autoridade da fé razoável, que traz motivações baseadas na necessidade de acreditar e por que é necessário acreditar. A liderança de muitos de nós, sacerdotes - basta ouvir alguma homilia ou catequese para realizá-la - é cheia de bom-senso democrático e de um estilo que eu chamaria de "parlamentar", no qual as coisas são decididas por eleição pela autoridade da maioria e, se alguma coisa põe em risco o pensamento dominante de que uma moção ou uma interpelação está imediatamente pronta para derrubar a situação a seu favor.

.

O estilo político parlamentar é também o de nossos bispos que estão prontos para se dissociar de seus padres, visto como rebatedores curiosos, quando eles tentam educar os fiéis aos princípios de doutrina e moral, mesmo simplesmente citando o catecismo. Juntamente com os atos de dissociação forçada, existem desculpas fáceis para todas as categorias de pessoas que não correspondem ao pensamento do Evangelho. A técnica de transformar o inimigo em amigo através de um amor bombardeio [bombardeio de amor] que assume a presunção de falhas fáceis e inexistentes é o novo paradigma para ser inclusivo na caridade. Pouco importa se o apóstolo nos lembrar que a caridade deve fugir de ficções [CF. RM 12,9] e praticar a Verdade, mesmo quando é desconfortável e inapropriado para a maioria.

.

nós, sacerdotes 3.0 na nova versão atualizada, absorvido pelo papel gerencial dos curadores de museus com um salário fixo, sem paternidade de nossos pastores e sem uma fé sólida que nos distingue como profetas diante do mundo, somos presas fáceis do fomito da sensualidade. Sentidos nublados por uma vida mais afinada com o mundo do que com Cristo, o Salvador do mundo, eles nos expõem a questões críticas que são identificadas através do exercício da sexualidade desordenada, de uma possessividade que expressa o pior de si na gestão do dinheiro, e na incapacidade de manter relações significativas com as pessoas, sem mencionar a manutenção despótica do poder que se aproxima muito da conservação dos privilégios da pior casta.

.

Falando em sexualidade, é preciso fazer uma distinção. Eu falei sobre sexualidade apenas para diversificá-la da genitalidade, de fato, os dois termos da moralidade cristã são atribuídos a dois aspectos diferentes. Embora os adjetivos sexual e genital eles são usados ​​hoje como sinônimos, eles não são. Identificamos a pessoa em seu ser masculino ou feminino com o termo sexual, em seu comportamento masculino ou feminino, em sua maneira de expressar masculinidade ou feminilidade e no estilo diferente e original de comunicar amor. Com o termo genital, em vez, queremos dizer o que se refere mais adequadamente aos sistemas genitais, a sua anatomia e fisiologia, à tarefa unitiva e procriadora que a doutrina católica continua a considerar resolutamente unida.

.

Realidade genital, tão saudado pela modernidade, está incluído no sexual que é mais amplo, completo e tipicamente humano. Estamos preocupados demais em pegar padres por abuso de genitalidade que não percebemos que há uma grande desconexão na prática dessa sexualidade, que é parte integrante e essencial da figura do presbítero.. Tanto é assim que o termo "pai", com o qual costumamos chamar os padres do clero regular, é uma indicação do exercício da sexualidade masculina saudável como uma demonstração de uma paternidade espiritual que visa o acompanhamento e a santificação do povo de Deus. É por isso que os padres são obrigados, em primeiro lugar, a uma masculinidade comprovada e comprovada, que lhes permita expressar melhor o exercício de sua sexualidade, sendo pais amorosos e autoritários..

.

A maneira de amar que ele conhece em sexualidade e masculinidade seu próprio idioma, pode se expressar de duas maneiras diferentes e antitéticas: através de uma possessividade asfixiante que quer consumir o outro e operá-lo ou através de uma liberdade de diálogo que não teme o outro e propõe amá-lo como ele é, o suficiente para amadurecer e crescer como vemos no encontro entre Jesus e a mulher samaritana [CF. GV 4,1-26]. Em relação ao sexo feminino, Jesus é diferente da maioria dos homens de seu tempo que usam, eles abusam e objetivam que a mulher receba algo dela em troca. Em Cristo, esse amor livre e libertador do Pai, que testemunha o amor verdadeiro por toda realidade criada, é concretizado. o padre, vir ALTER Christus, não pode mortificar esse amor libertador e livre, constitucional à sexualidade e à natureza de alguém. Compromissos que alternam entre sublimações compensatórias devem ser evitados, distúrbios patológicos e desvios. A liberdade do padre apaixonado, que é uma explicação para uma vida celibatária, casta, pobre e obediente à imagem do Redentor, é uma condição teológica e profética que não pode ser entendida exceto em função do Reino e daquela vida escatológica completa em que todos os relacionamentos serão assumidos e transfigurados em Deus [CF. MT 19,12; MC 12,25].

.

Mesmo no uso do dinheiro e no exercício do poder é possível traçar uma expressão da sexualidade humana que pode ser equilibrada, maduro e informado pela graça ou despótico, narcisista e sujeito aos desejos egoístas do mundo. A maneira de gerenciar e preservar os bens que nos foram confiados - desde o cuidado da criação até o modo de trabalhar dentro da criação - comunica ou não o encontro totalizante com Deus que se ama e se serve a partir de tudo o que existe. foi confiada para o bem comum. Exiba o sucesso e o poder, através de um uso desumano e instrumental da riqueza, é uma constante que encontramos bastante difundida na história humana, às vezes é uma gratificação imediata, outras vezes de um verdadeiro culto idólatra pelas coisas e por si próprio. Entre os discípulos de Jesus Cristo, mas, a lógica do reino humano não se aplica, mas o imperativo é indiscutível: "Não é assim entre vocês" [CF. MC 10,43]. Não devemos ser ingênuos a ponto de pensar que riqueza e poder constituem objetivamente males em si - como aconteceu em alguns movimentos pauperísticos ou em certas ideologias dos séculos XIX e XX -, é necessário avaliar cuidadosamente o uso feito. O Evangelho nunca acusa a pessoa rica como tal, se não em referência a um não compartilhamento e um uso solipsista que esquece os gemidos dos pobres [CF. LC 16,19-31], e as dificuldades da viúva [CF. MC 12,41-44]. Assim, enquanto a riqueza humana se torna funcional para sustentação e manutenção honestas, a riqueza do Reino abre as portas do paraíso e garante a posse de Deus [CF. LC 12,16-21].

.

Todo poder e autoridade vem de Deus e é seu dom [CF. Senhor 33,23; Fornece 1,10; GV 19,10-11; RM 13,1-2; AP 2,28]. Esse conceito era bastante conhecido na Antiguidade a ponto de apoiar a tese - que alguns autores argumentaram [CF. S. Paul, S. Augustine, CIDADE DE DEUS, Jacques-Bénigne Bossuet] - segundo o qual foi possível construir um verdadeiro princípio jurídico que legitimava os governantes a governar os homens no lugar de Deus. Tanto no governo civil quanto no religioso, a obediência a quem detinha o poder era interpretada como obediência direta a Deus. Esta tese assim formulada consiste em duas imprecisões. A primeira consiste em não considerar o fato de que qualquer poder e autoridade terrena não está imune àquela ferida do pecado original que corrompe todo poder e autoridade no despotismo e na ditadura. A segunda imprecisão consiste em negligenciar o aspecto trinitário da questão, considerando apenas a pessoa do Pai como detentor exclusivo de autoridade e poder, excluindo a participação do Filho e do Espírito Santo..

.

Somente tornando-se obediente ao Pai, assim como Cristo era, é possível encontrar o caminho seguro para evitar corrupção de poder e desvios de autoridade [CF. MT 4,1-11]. o padre, participando da autoridade de Cristo decorrente da ordenação sagrada, também é admitido no governo e no exercício de um poder que expressa uma autoridade. Então, como, depois do batismo, Cristo é levado ao deserto pelo Espírito Santo para se tornar um messias de salvação segundo o Espírito do Pai e não segundo o espírito do mundo., assim, o sacerdote no exercício do poder e da autoridade é chamado a imitar o Mestre que, ao servir o outro, fazia dele um servo, culminando seu diaconato com o sacrifício de sua vida em favor dos homens [CF. MC 10,42-45] e colocando todo o poder nas mãos do Pai no jardim das oliveiras [CF. MT 26,39; 26,42; MC 14,36; LC 22,42] dando cumprimento a isso kenosis que começou com a encarnação. A autoridade sacerdotal traça a diaconia do Filho, Alimenta-se da vontade do Pai e possui a unção do Espírito Santo para a santificação dos irmãos e para a confirmação da fé recebida no batismo..

.

III. UMA EMPRESA LÍQUIDA, FRACO E IMPERFEITO

.

A sociedade ocidental em que vivemos, onde o cristão é chamado a fazer sua peregrinação terrestre e onde ele manifesta seu corajoso testemunho de fé, parece cada vez mais um terrível Moloch que pede a realização de sacrifícios contínuos e que se dá o direito de ser adorado como uma divindade. Não importa se esses sacrifícios são pagos pelo preço de vidas e almas humanas inconclusivas agora fragmentadas e perdidas, perdido no não sentido da existência. Uma sociedade estranha, nossa, que tem o prazer de ser narcisisticamente contemplada para se parecer com uma terrível madrasta que exige muito mais de seus filhos do que ela realmente consegue dar.

.

Uma madrasta ineficaz, por causa do útero estéril, que é adornado com palavras como seria com jóias que brilham com significados altos como no caso do amor, de tolerância, de benevolência, compreensão e direitos. Essa visão de falência do mundo já havia sido predita por Cristo a seus discípulos no Evangelho.: "Se o mundo vos odeia, sei que ele odiava-me antes. Se você fosse do mundo, o mundo amaria o que era seu; porque não sois do mundo, mas eu escolhi você do mundo, Por isso o mundo vos odeia " [CF. GV 15,18-19]. Cristo e seus discípulos não são do mundo, enquanto experimenta a dimensão temporal do mundo, mas não sua essência. O sinal efetivo consiste no fato de que a Palavra de Deus se tornou carne [CF. GV 1,14], a Palavra divina se tornou humana, ao contrário do que acontece hoje em que muitas das palavras humanas são divinizadas e absolutizadas. No entanto, este Moloch corporativo aparentemente invencível e deificado já tem um prazo estabelecido, apenas pelo simples fato de que o "príncipe e deus deste mundo" [CF. GV 12,31; 2CR 4,4] foi definitivamente derrotado.

.

Neste ponto da discussão, é útil introduzir o tema da idolatria, isso nos ajudará a entender alguns problemas importantes da empresa que enfrentamos diariamente. Fale sobre idolatria, no tecido social, não é de forma alguma secundário, de fato, podemos dizer que essa atitude se repete ciclicamente e sistematicamente justamente quando o sentido do "Sagrado" diminui, o que inclui horizontes muito mais amplos e diversificados do que a simples referência ao divino. Nesse sentido, seria interessante estudar o declínio dos povos precisamente em relação à crise e ao desaparecimento do "sagrado" da vida humana. No momento, basta mencioná-lo na pendência de um estudo futuro mais pontual e competente.

.

Vamos esclarecer um fato imediatamente: idolatria, em realtà, é uma das muitas máscaras com as quais o ateísmo se esconde diante da sociedade e do mundo. Falar sobre idolatria e ateísmo parece uma contradição, mas não é. Na Bíblia, por exemplo, o pecado da idolatria é bem conhecido, mas não o do ateísmo, Como? A resposta é simples: o homem antigo e o bíblico não são absolutamente ateus. É necessário partir da constatação evidente de que nenhum homem nasce naturalmente ateu, a centelha de sua origem divina estimula o homem desde o nascimento, até sua morte e o empurra a procurar o significado de sua própria existência e uma verdade que o transcende.

.

Ateísmo visível, o praticado nos dias de hoje, é a degeneração da idolatria que desiste das vestes do sagrado. O ateísmo é o fruto enganoso que se formou dentro de alguns períodos históricos e que através da Revolução Francesa, a era da iluminação, O pensamento positivista se materializou cada vez mais através das filosofias dos séculos XIX e XX, juntamente com movimentos gnósticos bem definidos que declararam guerra ao cristianismo e, especificamente, ao cristianismo católico.

.

ateísmo, paradoxalmente, alimenta-se desse modo de vida dissociado que é claramente visível em nossos dias e que assume cada vez mais características patológicas, iludindo-se de que ele está levando todos a um progresso ilimitado. O homem ocidental moderno se vê cambaleando nesse modelo corporativo - muitas vezes e de boa vontade se iludindo de ter conseguido excelentes realizações de civilização e humanização - um rosto de uma comunidade humana que está se tornando cada vez mais claramente delineada como o rosto de um homem. A sociedade imperfeita e que já começou a apresentar uma conta muito alta.

.

Essa sociedade imperfeita que se define e se torna conhecido precisamente por seus dogmáticos tão intransigentes e por sua consciência marcadamente fideísta que muitas vezes se tornam imprudentes. O desembaraço aduaneiro do relativismo gnoseológico e ético com o qual podemos ler e interpretar a realidade que nos rodeia, o otimismo generalizado de um certo tipo de ciência que afirma responder aos gemidos mais íntimos de significado no coração do homem, revoluções no campo da tecnologia e comunicação, juntamente com a presunção de constituir uma nova ordem mundial que possa unificar todos os credos, levar inexoravelmente ao fracasso, pois, na verdade, ele traça em uma chave moderna o pecado antigo que os construtores da Torre de Babel cometeram (CF. GN 11,1-9). O ateísmo é, portanto, o destilado de uma vontade idólatra privada do sentido do sagrado que afirma fazer um nome, independentemente de seu Criador. [CF. GN 11,4].

.

Essa visão social, tão dolorosamente concreto, mas mesmo assim real, pode ser explicado através de uma frase do teólogo dominicano pe.. Reginald Garrigou-Lagrange [1877-1964] que diz: «A Igreja não se compromete com princípios, porque ele acredita, é tolerante na prática, porque ele ama. Os inimigos da Igreja são tolerantes com os princípios, porque eles não acreditam, mas intransigente na prática, porque eles não amam. A Igreja absolve os pecadores, os inimigos da Igreja absolvem pecados " [CF. Deus, sua existência e sua natureza, Paris 1923, p. 725]. Que sentido dar essas palavras do bom pe.. Réginald Garrigou-Lagrange em relação a uma sociedade líquida e desestabilizada como a nossa? Qual thread comum une os recursos de fraqueza, imperfeição, dell 'idolatria ateu o suficiente para produzir uma realidade aparentemente liberal, mas secretamente intransigente e às vezes implacável e contraditória?

.

O raciocínio do teólogo dominicano ajuda-nos a entender como essa sociedade antes de ser inimiga de Deus e da Igreja é antes de tudo inimiga de si mesma. De fato, está mais inclinado a empreender mais facilmente a busca de uma tolerância que uniformize e aplaina seus semelhantes do que a busca da verdade que leve a diferentes alterações, até alcançar a alteridade transcendental que representa o núcleo autêntico da fé e do relacionamento com Deus. Hoje, se você notou como conduzir alguns debates e discussões, a maneira mais segura de colocar seu oponente nas cordas e depois silenciá-lo, consiste essencialmente em acusá-lo de intolerância. A acusação de não tolerância é aquela acusação que não admite verdade objetiva, que não leva em consideração a experiência pessoal, da história e tradição dos povos. A acusação de intolerância é recusada através da censura, a proibição de realidades que não podem ser ditas, conhecido ou simplesmente testemunhado. Hoje, é possível ser considerado intolerante de várias maneiras e ser provocado em diferentes áreas, como fé e religião, raça e etnia, sexualidade e genitalidade, costumes e tradições, política e o mundo civilizado e muito mais.

.

No jogo dos contrastes, estratagema que eu já analisei neste artigo, professar fé me faz, por exemplo, uma pessoa intolerante e violenta. Afirmar a lei moral natural do casamento me dá visibilidade como um fanático fundamentalista medieval, cultivar e valorizar as raízes tradicionais e culturais de um povo me torna um inimigo perigoso da globalização e da inculturação. Aqueles que chamamos hoje com o apelido de intolerante são realmente divergentes, heróis que não se alinham com o pensamento único e, portanto, precisam ser vistos como inimigos para serem neutralizados. Se você notar os melhores expoentes do pensamento liberal, tolerante e garante eles pecam inúmeras vezes de atitudes iliberais, violento e intransigente digno do melhor regime despótico ditatorial.

.

O “tolerante” moderno, em vez, ele não se sacrifica por suas idéias como o idealista faria, pelo contrário, não se escrúpulo em sacrificar aqueles que têm idéias contrárias à sua, assim como um ditador faria com seus oponentes. Quantos mártires de tolerância e direitos existem hoje? Mas talvez os mártires mais numerosos sejam aqueles que são considerados semeadores involuntários de ódio justamente porque divergem, portadores de ódio que não são vistos porque estão presentes apenas no olhar do tolerante de plantão que tem interesse em usar o ódio como um instrumento ideológico de controle de massa. A tolerância moderna, portanto, não apenas reivindica direitos, mas também a dispersão do ódio. Por menos de uma década, tolerância contraiu um casamento feliz com o termo grego fobia. Através deste termo, os melhores cavalos de trabalho dos tolerantes são gerados A sociedade imperfeita como a homofobia, Islamofobia, xenofobia e outros. Eu cito esses três exemplos apenas porque eles são os mais praticados pelas mídias sociais, televisão, rádio e jornais … Percebemos que todo este andaime não faz o menor sentido e que não é possível prosseguir um discurso de tolerância que se vincule exclusivamente a um direito privado de deveres e a um medo que é um antídoto ao ódio.? Invocar a tolerância ao alavancar direitos e excluir deveres constitui uma visão de mundo baseada no egocentrismo, em que tudo se torna legal, basta que ele conceda direitos pessoais verdadeiros ou presumidos.

.

Por outro lado, desafiar a tolerância à frente ódio confiar no sentimento de medo do outro é tolice, pois isso significaria dizer que basta gerar um alarme para evitar um mal. Nesta imponente zibaldona, é difícil encontrar a borda do novelo para trazer tudo de volta a uma origem segura e certa. A perspectiva de uma cultura social intransigente que, ao condenar, santifica e santifica a condenação, parece mais um paradoxo que lembra o deus romano Janus, que, tendo uma "cara dupla", é a imagem perfeita de compromisso, do transformismo, da união dos opostos.

.

Hoje a máscara de Janus triunfa sobre as faces do mundo que viajam pelas ruas de nossas cidades e vilas, das nossas praças e shopping centers, dos edifícios do poder e das igrejas. Janus sem idade que se veste com roupas masculinas e femininas ou, se necessário, neutro, usando o véu, la talare, o hábito, a saia enfiada em roxo ou vermelho, mas que é sempre ele, a cobra antiga que nunca se cansa de fazer guerra com a pretensão ímpia de provar que Deus estava errado em confiar no homem.

.

Laconi, 4 Agosto 2019

.

.

.

.

«Você saberá a verdade, ea verdade vos libertará» [GV 8,32],
mas trazer, difundir e defender a verdade não só de
riscos, mas também os custos. Ajude-nos a apoiar esta ilha
com as suas ofertas através do sistema Paypal seguro:

PayPal - O método rápido, maneira confiável e inovadora para pagar e receber o pagamento.

ou você pode usar a conta bancária:

a pagar Edições A ilha de Patmos

estavam: TI 74R0503403259000000301118

SWIFT DO CODICE: BAPPIT21D21
neste caso, envie-nos um aviso de e-mail, porque o banco
Ele não fornece o seu e-mail e nós não poderíamos enviar-lhe um
ação de graças [ isoladipatmos@gmail.com ]

.

.

.





O que você quer fazer ?

novo e-mail

O que você quer fazer ?

novo e-mail

Avatar

Acerca de isoladipatmos

7 thoughts on "Da desorientação doutrinária da Igreja ao pecado dos padres e à reciclagem dos leigos. Perspectiva de uma cultura intransigente que, ao condenar, santifica e santifica ao condenar

  1. pai Ivano, obrigado por este artigo, como … levou, levou!
    Mas por anos, e para, vocês, Padres da Ilha, oferecem-nos comidas saudáveis.
    Notei que um dia depois um artigo de Mons.. Giovanni Zanchi, que parece ser uma continuação autêntica dos artigos do pe.. Ivano.
    E, em seguida … os fogos de artifício de pe.. Ariel. lindo! E leva algum, para dar algum heterodoxo a p. Ariel, realmente leva algum.
    Sua explicação teológica histórica da Humanae Vitae é verdadeiramente um livro didático.
    Em conclusão, obrigado a todos, por nos dar em apenas dois dias, neste agosto quente, três artigos esplêndidos.
    Saudações também ao pe.. Gabriele, decisivo e incisivo homilista dominicano.

    1. Sinceramente, querido padre ivano, este seu artigo deve ser lido de joelhos em muitos de seus pontos, e pensar com cuidado.
      Também o que o Padre Ariel publicou hoje, o destinatário, ele vai acabar lendo de joelhos, para … apenas surras que ele deu a ele.
      Mas Dom Angelo disse bem: uma explicação teológica histórica verdadeiramente didática da Humanae Vitae.

  2. Reverendo padre,
    não há muitos autores hoje que gostam dela, eles conseguem ser firmes, severa e com razão crítica de certos desvios, através de um tom amável mas nervoso.
    Tenho certeza que voltarei para ler novamente mais tarde, como costumo fazer com os artigos de vocês, pais.

    1. … assim como aquela Annamaria, Acho que devemos muita gratidão aos bons pais da ilha que apoiaram mim e minha família durante o bloqueio, e eu acho que para muitos outros, de grande e equilibrado suporte, enquanto na internet o alvoroço foi desencadeado contra os bispos e padres por pessoas que se consideravam detentores absolutos da pureza católica, criando polêmicas e atacando a Igreja italiana e seus padres até escrever que … de, eles não podiam esperar para fechar as igrejas e tirar Jesus de nós!
      Eu também li e reli os artigos daqueles dias várias vezes, e eles me apoiaram tanto, enquanto banners foram pendurados nas varandas … tudo vai ficar bem!
      Não, sem cristo, não pode estar tudo bem.
      Por isso me declaro um leitor agradecido.

  3. este artigo contrabalança as heresias escritas pelo Sr.. Ariel nas vidas humanas (dogma infalível!!) e que acusou os neocatecumenais sobre os quais escreveu um livro de heresias e 10 cópias vendidas

    1. Só lhe respondo porque não pode ofender meu irmão Pe. Ivano Liguori, da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos e precioso autor de A Ilha de Patmos, bem como membro da comissão científica de nossas Edições A Ilha de Patmos.

      Se eu tivesse proferido heresias, Meu irmão, quem é um padre piedoso e sábio, primeiro ele teria me admoestado com correção fraternal, e, em seguida, se eu persistisse, ele teria se dissociado publicamente, finalmente ele oraria pela saúde da minha alma, depois de ter retirado sua assinatura de uma revista em que escreve um herege.

      Meu livro O Neocatecumenal Sect publicado por nossas edições A Ilha de Patmos vendeu, sem qualquer publicidade e lançamento, mas só com a visibilidade que teve na ilha de Patmos, sobre 1.000 cópia.
      Pergunte a qualquer editor o que isso significa na Itália, hoje, vender mais 1.000 cópia, lugar que os editores consideram “sucesso” um livro que consegue vender 250.

      Para sua alegria informo que aquele livro despertou interesse no mundo anglo-saxão e especialmente no espanhol e que um de nossos representantes o venderá., na próxima Feira do Livro de Frankfurt, direitos de publicação para uma editora britânica e uma editora espanhola. Portanto, curto, será lançado em tradução espanhola e em inglês em outros mercados.

      Concluo: aquele que escreve “Vidas humanas” referindo-se ao Humanae Vitae do Santo Pontífice Paulo VI e que é assinado “Kerigna” em vez de Kerigma, Sermão dal greco, denota toda a espessura – além disso, infelizmente conhecido por mim – da cultura e formação transmitida pelos megacatequistas Kikianos aos seus sectários.

      Obrigado e continue a nos anunciar!

  4. O moderno "tolerante", em vez, ele não se sacrifica por suas idéias como o idealista faria, pelo contrário, não se escrúpulo em sacrificar aqueles que têm idéias contrárias à sua, assim como um ditador faria com seus oponentes. Quantos mártires de tolerância e direitos existem hoje?

    ***

    estas palavras, pai Ivano, eles devem ser indelevelmente esculpidos, porque com três linhas ele expressou o que nos espera no futuro próximo, por causa de uma realidade em que já estamos dentro.

Deixe uma resposta

seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

 caracteres restantes

Este site usa Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados comentário é processado.