Alterar o Pai Nosso, a mando do Sumo Pontífice, enquanto há aqueles que rezar para que a oração do Senhor muda a decisão do estilo Sumo Pontífice

- notícias Church -

MUDAR O NOSSO PAI por falta de POPE, Enquanto há que oram que nosso Pai MUDAR O ESTILO DE GOVERNO DO PAPA

.

Diante de um declínio moral e doutrinária sem precedentes como o que estamos vivenciando, Aparentemente alguém encontrou algo melhor para fazer do que usar uma palavra de nossa e a abertura de Gloria a partir de de armas de dissuasão …

.

Autor
Ariel S. Levi Gualdo

.

.

PDF artigo formato de impressão
.

.

…Merece ter sempre um bom dicionário

A Conferência Episcopal Italiana Estabeleceu - obviamente na íntegra, total, colegial e sinodal liberdade dos filhos de Deus -, modificação de Oração Pai nosso na nova edição do Missal Romano [CF. Quem], onde a frase "não nos deixe cair em tentação" se torna "não cair em tentação". querendo, eles poderiam usar a expressão "e levar-nos não em tentação", mas, uma “exposição” utilizado pela Comunidade Evangélica Valdense, Eles têm uma expressão preferida de “abandono”, talvez considerando que nunca, como na era moderna, estamos abandonados a nós mesmos. A substância, no entanto, continua a ser a mesma: católicos, como os protestantes, Eles alteraram expressão que está enraizada nos textos mais antigos, como iremos ver em breve. E i primi, enquanto os segundos, tanto eles alegaram: o retorno às verdadeiras origens dos textos.

.

A Igreja Pai Tertuliano [Cartago 155 - Carthage 227], explica que o Pai nosso, A oração que a Palavra de Deus nos ensinou [CF. MT 11, 1] "É a síntese de todo o Evangelho". Esta declaração deve levar pelo menos para o uso do cuidado total, quando sequer tocar um único suspiro de presente.

.

Quanto à frase "ofender" onde se lê: «e não nos deixeis cair em tentação,» [E não nos deixeis cair em tentação], na fala n. 57 dedicada ao Passo del Beato Matteo Evangelista [CF. MT 6, 9-13], o Santo Doutor do bispo Agostinho de Hipona Igreja é muito clara e completas explicando que Deus não pode fazer mal, no entanto, ele permite que opera por meio de Satanás e dos anjos caídos com ele que implementam. Certain, Deus não tenta ninguém a pecar, no entanto, ele permite que as forças do mal induzir os cristãos a cair nele. tudo isso, Ele está contido no início da criação, fundador premissa de que são a liberdade e do homem livre. comentário igualmente esclarecedora nossa ea frase “ofensor” Foi-nos dada a nós pelo Santo Doutor da Igreja Thomas Aquinas, que o rastreio em grande parte o Ipponate diz:

.

"Deus talvez leva ao mal, Quando dizemos “não nos deixe cair em tentação”? Responder diz que Deus faz com que o mal no sentido de que Ele permite, uma vez por causa de seus muitos pecados anteriores subtrai o homem à graça, falha que cai em pecado ' [ San Tommaso Aquino, Comente sobre o Pai Nosso, 6].

.

…Merece ter sempre um bom dicionário

antes dell'Ipponate e dell'Aquinate, outro padre da Igreja, O santo bispo Cipriano de Cartago [Cartago 210 - Carthage 258], Ele explica que Deus pode dar poder ao Diabo de duas maneiras: para nosso castigo, Se pecamos, ou para nossa glorificação, mas se aceitarmos a evidência. É isto, diz o santo bispo e doutor [CF. Patrologia Latina Migne – vol. IV (C)yprianus carthaginensis Oração do Senhor], Foi, por exemplo, o caso de Jó: "Aqui, tudo pertence a mim eu vou entregar; só não manter a sua mão sobre ele " [Gb 12, 1]. O próprio Senhor, no momento da sua paixão, diz: "Você não teria nenhum poder sobre mim se não te fosse dado do alto" [CF. GV 19, 11]. Então, quando oramos por não entreis em tentação, lembramo-nos de nossa fraqueza, para que ninguém considerar complacentemente, ninguém se tornar orgulhoso insolentemente, ninguém atribuir a glória da sua lealdade ou sua paixão, quando o próprio Senhor nos ensina a humildade quando diz: «Vigiai e orai para que não entreis em tentação. O espírito está queimando, mas a carne é fraca " [MC 14, 38].

.

Outra grande Padre da Igreja, Origene [Alexandria 185 - Tiro 254], para comentar sobre o "e não nos levam em Tentazioni"Parte da Santíssima apóstolo Paulo escrevendo para o povo de Corinto diz:

.

"Não veio sobre vós tentação que não é humano; Deus é fiel e não permitirá que vocês sejam tentados além de suas forças, mas com a tentação dará também o caminho para fora e força para suportar " [ I Coríntios 10, 13].

.

Esclarece tão Origen:

.

"O que, então, faz o comando do Salvador orar para nos conduzir não na tentação, desde o próprio Deus quase nos tenta? Ele diz Judith, abordando não só para os anciãos do seu povo, mas para todos os que lêem estas palavras: "Lembre-se o que funcionou com Abraão, e como ele tentou Isaac, e tudo o que aconteceu com Jacó na Mesopotâmia da Síria, que estava cuidando do rebanho de Laban, irmão de sua mãe; porque não tão limpa-los a experimentar seus corações, Ele - o Senhor - que assola alterá-lo àqueles que se aproximam dele, puni-nos muito ". mesmo David, quando ele diz: "Muitas são as aflições do justo", Ela confirma que isso é verdade para todos o direito. o Apóstolo, a sua volta, Ele diz em Atos "de modo que por muitas tribulações nos importa entrar no reino de Deus" [Em 14, 22]» [Origene, Comentário sobre o Pai Nosso].

.

…Merece ter sempre um bom dicionário

No entanto, não se exclui que no futuro próximo, uma equipe exegetas Veja-lhe o mais cedo possível também para mudar a página do Evangelho da Santíssima evangelista Mateus narra o diabo que tenta o homem Jesus no deserto [CF. MT 4, 1-11], onde o divino Filho não se aproximar do Divino Pai perguntando: "E não deixes a tentação», colocar que o Criador permitiu a Satanás para induzi-lo em tentação.

.

Eles, então, intervir estudiosos bíblicos para reescrever e atualizar também várias passagens bíblicas em conformidade com a directiva nova gestão e de acordo com a "época de tomada de revolução" em andamento, visto que Deus nos prova e nos fortalece, permitindo que sejamos tentados. Não podemos esquecer que o homem está imerso em tentações desde a sua queda desencadeando a entrada em cena do mundo e do pecado original da humanidade. Lemos no testamentária textos do Antigo: "Filho, Se você vir a servir ao Senhor, preparado a tentação » [Senhor 2,1]. Mas acima de tudo lembrar que a Igreja, em documentos dificilmente suspeitos, uma vez que é uma das constituições do Concílio Vaticano II, muitos pensaram o conselho de conselhos, Lembre-se que a tentação está ligada ao valor da liberdade que o homem é o "sinal da imagem divina" [A alegria e esperança, 8].

.

Outro texto a ser corrigido é certamente o da Carta aos Hebreus onde o autor, tendo literatura de Salmo, Ele explica como os mesmos homens se atreveu a tateou Deus:

.

não endureçais os vossos corações
como na provocação,
no dia da tentação no deserto,
Eu tentei me colocar onde seus pais testado,
se tivesse visto as minhas obras por quarenta anos [EB 3, 8-9].

.

Então vamos para as fontes mais antigas, porque durante meio século nesta parte são espectadores e vítimas dos atos e as várias "revoluções" daqueles que querem voltar ao básico. Várias vezes eu já expliquei nos meus escritos que certos teólogos, sob o pretexto de origens que na verdade nunca existiu na história antiga, Em vez disso eles querem impor seu pensamento moderno. Mas se queremos falar de origens, em seguida, basta dizer que a oração Pai nosso, na antiga e original do texto aramaico, recital:

.

.

…Merece ter sempre um bom dicionário

A frase "ofender" proclama a letra palavras exatas: "E não nos deixeis cair em tentação".

.

Quando o texto original nossa que foi traduzida a partir aramaico para grego, para evitar o carregamento a frase com uma longa circunlóquio é usado apenas um verbo que significa "conduzir" ou "deixe":

.

.

E se o grego não é uma opinião, o "agressor" frase traduzida literalmente lê apenas: "Não nos deixeis cair em tentação". (D)estes dois textos surge a terceira tradução, o Latin, completamente montagem e fiel ao texto original grego:

.

Pai nosso que estais no céu:

Santificado seja o teu nome;

Venha o teu reino;;

Tua será feito,

Como no céu, e na terra.

Dá-nos hoje o nosso pão de cada dia;;

E perdoa-nos as nossas ofensas,

assim como nós perdoamos aos nossos devedores;;

e não nos deixeis cair em tentação,,

mas livre nºs a malo.

.

…Merece ter sempre um bom dicionário

Para os amantes de volta ao básico deve-se notar que a frase "ofender" "Não nos deixeis cair em tentação", Ela deriva da εἰσενέγκῃς grego, a partir do qual a tradução fiel Latina não, que a língua italiana é tão fielmente traduzidas causa. Dito isto, é uma obrigação e pedir rigor: perceber os fãs de volta às origens, que, Nestas circunstâncias, este “erro” Hoje finalmente corrigido, Ela remonta aos tempos dos primeiros tempos apostólicos?

.

Se os textos patrísticos conhecidos há séculos são aqueles atualmente conhecidos, Se as línguas antigas e suas traduções fiéis são aqueles que são, isto é, quando cada, sem ser induzido a qualquer tentação, Ele pode tirar-se as suas próprias conclusões, dado que, em nome de um retorno não especificado ao básico alterou esse original é tal que, desde o aramaico e origens mais remotas gregos, e que antes do latim e bem antes de as línguas modernas atuais.

.

…Merece ter sempre um bom dicionário

O problema talvez esteja por trás desta mais recente disputa, Receio que tem pouco teológica e muito sociopolítica, todos com estratégias mais ou menos clara. Ou para explicar melhor o problema: a Igreja Católica está a atravessar um período talvez o mais trágico de toda a sua história. Estamos em um clima de grande decadência doutrinária de que veio a vida de uma profunda crise moral, porque a crise moral, a Igreja sempre vem de uma crise doutrinária. Escusado será dizer que não passa um dia agora, sem algum bispo ou padre você não saltar para as manchetes quase sempre escândalos muito graves. A decadência e crise moral, Sacerdotes do Colégio acabou infectando o Colégio Episcopal, e abaixo do Colégio Cardinalício. Nossa crise de credibilidade varia agora entre o trágico eo cômico-grotescas. Por isso, é estranho que em um momento sem precedentes históricos como o que estamos vivenciando, você não encontrar algo melhor para fazer do que remodelar as palavras de nossa e Gloria.

.

Esta história lembra a história do ditador Saddam Hussein acusado de esconder arsenais de armas de destruição em massa. Essas armas nunca foram encontrados, mas, com todas as implicações políticas e econômicas que se seguiram, houve duas guerras do Golfo que desestabilizaram as estruturas políticas e econômicas. Assim, pouco depois, falava-se de … de armas de dissuasão.

.

Diante de uma decadência moral e doutrinária sem precedente como o que estamos vivenciando, parece que alguns têm encontrado nada melhor para fazer do que usar uma palavra de nossa e a abertura de Gloria a partir de de armas de dissuasão, convicto e certo de que ninguém teria entendido e descobriu seu jogo …

.

e não nos deixeis cair em tentação eisenegkῃs

e não nos deixeis cair em tentação,, mas livre nºs a malo.

E não nos deixeis cair em tentação, mas livra-nos do mal.

Amém !

.

a Ilha de Patmos, 16 Novembro 2018

.

.

Uma explicação para "não nos deixe cair em tentação", o teólogo dominicano José Barzaghi [para abrir o vídeo, clique na imagem]
...
.
«Você saberá a verdade, ea verdade vos libertará» [GV 8,32],
mas trazer, difundir e defender a verdade não só de
riscos, mas também os custos. Ajude-nos a apoiar esta ilha
com as suas ofertas através do sistema Paypal seguro:

ou você pode usar a conta bancária:
Eram TI 08 (J) 02008 32974 001436620930
neste caso, envie-nos um aviso de e-mail, porque o banco
Ele não fornece o seu e-mail e nós não poderíamos enviar-lhe um
ação de graças [ isoladipatmos@gmail.com ]

.

.

DISPONÍVEL LIVRO DE MASSA DE Ilha de Patmos, Quem

.

.

.

Acerca de isoladipatmos

15 thoughts on "Alterar o Pai Nosso, a mando do Sumo Pontífice, enquanto há aqueles que rezar para que a oração do Senhor muda a decisão do estilo Sumo Pontífice

  1. “E não nos deixeis cair em tentação, mas livra-nos do mal!
    Amém!”

    Obrigado, Pai de Ariel, por esta explicação oportuna e científica… é sempre bom para ir ao fundo das coisas, embora já foi entendido que é uma cortina de fumaça dos modernistas que tomaram posse dos corredores do poder na Igreja Católica, para implementar seus planos perversos. “não prevalecerão!…”

  2. Pai Ariel Caro

    Temo que essas mudanças conduzirá inevitavelmente a massa ecumênico , ou seja, para mudar as palavras da consagração, e o fim do sacrifício eucarístico.
    Eu não acredito que ela?

    1. Caro Fabio,

      com toda a honestidade que eu não sei o que dizer, certas ações e decisões são agora inteiramente imprevisível.
      Quanto à sua pergunta, o assunto é muito delicado, porque a Igreja é o guardião dos sacramentos da graça, nenhum amante.
      E ninguém pode afetar a substância dos Sacramentos. Você pode editar os elementos externos acidentais, ou seja, a forma, por exemplo, a configuração do rito, a linguagem utilizada e assim por diante, mas não a substância.

  3. Una traduzione similare con velleità esplicative/pedagogiche ma sempre verbosa e riduzionista insieme, e quindi inopportuna, avrebbe dovuto esserenon abbandonarci NELLA tentazione” (lo dice anche Barzaghi) ou “non farci soccombere nella tentazione”: difatti il seguito èma liberaci del male”. Il che è come dire: fa che la prova/tentazioneche è inevitabile ma anche necessaria alla nostra salvezzanon diventi una prigione dalla quale non possiamo uscire. Tuttavia le parole di Gesù, se non sono poesia, hanno però una loro pregnanza poetica. Lo stesso Gesù usa a volte espressioni sconcertanti per smuovere la polvere dagli animi: cambiarle significherebbe però svigorirle, impoverirle, e quindi tradirle. Per parafrasare la chiusa del Vangelo di S. John, sulle cose dette da Gesù il mondo stesso non basterebbe a contenere i commenti che si dovrebbero scrivere. Difatti ce ne sono di meravigliosi. Ma chi siamo noi per correggere gli evangelisti? Mica abbiamo leregistrazioni!
    Tutta questa faccenda ha qualcosa di infantile e frivolo insieme.

    Per capire la Mente Brilhante che presiede a certe alzate d’ingegno forse ci vengono in soccorso alcune parole scritte da Tocqueville sul socialismo: “Il terzo [tratto caratteristico del socialismo] è una sfiducia profonda nella libertà, nella ragione umana; è un profondo disprezzo per l’individuo considerato in se stesso, allo stato di uomo; ciò che giustifica l’idea che lo Stato non deve essere soltanto il dirigente della società, mas, por assim dizer, il maestro, il precettore, il pedagogo di ogni uomo; deve sempre porsi a lato di lui, al di sopra di lui, em torno dele, per guidarlo, manter, trattenerlo; in una parola, è una graduale confisca della libertà umana.”

  4. Olá Pai Ariel,
    Innanzitutto la ringrazio per le spiegazioni che lei e i suoi confratelli sempre ci fornite su questo sito.
    Premesso che condivido in toto quanto sostiene sull’argomento, volevo però chiederle delle delucidazioni. Probabilmente non sono opportunamente informato ioe mi rimetto quindi alla sua competenza -, ma pensavo che tra le più antiche fonti dei Vangeli, quindi della preghiera del Padre Nostro, esistessero solo testi in lingua greca. Lei parla di un testo aramaico.. di quale documento si tratta? Repito, è mera curiosità, por assim dizer, didattica.
    Agradecemos antecipadamente.
    Além de, Pai, volevo chiederle cosa ne pensa delle modifiche apportate al Gloria?

    1. Caro Petrus,

      capisco cosa intende dire, per questo cercherò di spiegarmi per quanto meglio posso: il testo del Pai nosso che noi conosciamo è disseminato per tutta la letteratura biblica e liturgica ebraica, è del tutto irrilevante che esista un papiro con questa preghiera risalente al I° secolo d.C, considerando che il senso del Pai nosso fa parte della cultura ebraica già da prima della nascita del Cristianesimo.
      Il testo è infatti raccolto nella bibbia e nelle varie ברכות berachot (benedizioni) nei קדיש kaddishim e nelle תְּפִלּוֹת tefillot.
      Se noi prendiamo un סידור siddur (libro ebraico di preghiere), in vari inni di lode, invocazioni e benedizioni, troviamo tutte le espressioni della preghiera del Pai nosso.

      Per quanto riguarda la modifica del Gloria in excelsis Deo, la prego di darmi qualche giorno di tempo, perché provvederò a spiegare che differenza corre tra l’espressione lucana «Gloria a Dio nel più alto dei cieli e pace in terra agli uomini che egli ama», dall’espressione «Gloria a Dio nell’alto dei cieli e pace in terra agli uomini di buona volontà», inno che entra in uso nella liturgia nel III secolo e che solo nel V secolo è reso obbligatorio cantare ogni domenica.

  5. salve p. Ariel,
    ringrazio per l’articolo. Tuttavia non vedo alcuna menzione della parola italiana ‘tentazioneche nel greco troviamo ‘peirasmon’. Dagli studi che ho fatto, è mio modesto parere che la chiave di lettura non sia il verbo ma il sostantivo ‘peirasmonad essere l’incriminato, dizer, e dunque fonte di maldestri tentativi di revisione come quello in atto.
    Se s. Girolamo aveva tradotto bene usando ‘tentationemper il greco peirasmon, la traduzione italiana di tentationem è imprecisa (appunto perchè traduce il latino invece che il greco) in quanto peirasmos più che tentazione (ou melhor: oltre tentazione) significa prova, intesa come test.
    Sendo esse o caso, cioè considerando che tentazionem diventi prova, non avremo nessun problema a usate il verbo ‘condurre a’/’portare aperchè chiederemmo al Padre di non sottoporci alla prova perchè la nostra debolezza è tale che anche la minima ci farebbe cadere.
    vorrei avere la sua opinione su quanto appena detto.
    fraternamente porgo un saluto

  6. Pai de Ariel, si è forse dimenticato che ora sarebbe necessario adeguare alla nuova traduzione anche i numeri 2846, 2847, 2848 e 2849 o Catecismo da Igreja Católica?

  7. Condivido con don Ariel, con don Nicola Bux,con la sig.ra Dorotea di Cooperatores Veritatis,col teologo Barzaghi, e con altri.
    Barzaghi per me fa centro, perché se parliamo dell’ultima petizione, allora siamo all’altezza del petto, del cuore di Gesù Cristo. Allora come Pietro possiamo azzardare atentareColui che,fino alla quinta petizione,ha permesso o voluto che fossimo tentati(quasi la stessa cosa, talvez, per l’Onnipotente e infinitamente Buono che non tenta al male per il male).

    Questo il senso profondo oggettivo,talvez. Spieghiamo però,cada, anche a partire dalla propria esperienza, perché di tutto possiamo essere inesperti, ma non di tentazioni. Eppure solo Barzaghi finora ho trovato che lo faccia, pur appoggiandosi a … Peter, anche forse per pudore, o per delicato riserbo verso altri meno progrediti, non solo per l’autorità.Il resto è soggettivo, por exemplo:perseveranza nei peccati=forza delle abitudini contratte=attenuante (debolezza,infermità) o aggravante (il caso indicato giustamente dall’Aquinate?), questo compete a Gesù Cristo.Ancora:che tipo di tentazione? Di seduzione o di scoraggiamento? Compete a Gesù Cristo.
    Siamo nel soggettivo.

  8. Riguardo poi all’opportunità o meno di attuare nuove traduzioni della scrittura che modificano il significato di brani rispetto a come il Magistero li aveva da sempre interpretati, faccio sotto un copia incolla di alcune affermazioni del card. Müller tratte da questa recente intervista:https://www.lifesitenews.com/blogs/interview-cdl.-mueller-on-abuse-crisis-and-its-link-to-homosexuality-in-pri
    Il Magistero dei vescovi e del Papa stanno sotto la Parola di Dio nella Sacra Scrittura e nella Tradizione e lo servono. Non è affatto cattolico dire che il Papa come persona individuale riceve direttamente dallo Spirito Santo la Rivelazione e che ora può interpretarlo secondo i propri capricci mentre tutto il resto lo deve seguire ciecamente e in silenzio.

  9. Premesso che sono contrario al cambiamento, se si voleva evitare qualsiasi ambiguità nella comprensione del verbo “causa” si poteva, na minha opinião, tradurre l’espressione in modo molto più semplice e chiaro. “Indurrein italiano effettivamente ha ormai perso il significato originario derivante dal latinoin-ducere” a saber “intro-durre” ou “portare dentro” ou “far penetrareper significare solospingere a”.
    No entanto “causa” nel significato odierno dispingere aregge il complemento di termine: se ele diz “indurre a + verbo”, ou “indurre al o alla +sostantivo”. Quindi l’ambiguità in effetti non dovrebbe esistere.
    Negli originali greco e latino c’è una specie di gioco espressivo tra ile non ci indurre”, o “liberacie la congiunzione avversativa “mas”:
    e non PORTARCI DENTRO (le tentazioni, le prove) MAS (bastante) TIRACI FUORI (quando vi siamo soggetti)”.
    Perdendo l’eco di questa contrapposizione, mantenendone però sostanzialmente il senso, anche se forse non in tutta la sua ricchezza, si poteva perciò tradurre in modo semplice (e adatto al mitico popolo):
    e tienici lontani dalle tentazioni e liberaci dal male”.
    PS. – non so se

  10. Resto tuttavia nella convinzione che la traduzionetradizionale noninducesse affatto il semplice fedele a farsi immagini errate di Dio. Penso che ne afferrasse intuitivamente il significato e tutti i suoi corollari, come sempre è stato nel passato, indipendentemente dal fatto che fosse poi in grado di elaborarli in un discorso. Più che dalla sollecitudine caritatevole verso il prossimo (compreso l’Altro con la “uma”maiuscola, per amor di Dio!!!) penso che tutta questa faccenda sia nata dall’ideologia, a prescindere da come l’abbia vissuta il Pontefice in prima persona.

  11. Un’ultima osservazione (proprio l’ultima, poi chiudo, anche perché mi sono già quasi mezzo pentito dei miei commenti precedenti nel rileggerli, e mi verrebbe voglia di rifarli): se si portassero alle estreme conseguenze i ragionamenti che hanno portato al cambiamento di traduzione proposto, tutte le preghiere diventerebbero deimodi di dubitaredi Dio e della sua bontà. Por exemplo: “venga il tuo Regno”? Possiamo forse dubitare che non verrà? E allora perché preghiamo che venga?

Deixe uma resposta

seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

 caracteres restantes

Este site usa Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados comentário é processado.